quarta-feira, 4 de abril de 2012

O FRANGO INGLÊS

Uma noite destas fui jantar a um restaurante nepalês, no aniversário de uma amiga. Fui de boleia com outra e fomos das últimas a chegar. Pouco depois chegou outro retardatário, ficámos a um canto da mesa. Já as chamuças estavam a acabar e os restantes convivas tinham feito os seus pedidos. Sem problema!

Como não conheço a cozinha nepalesa e de caril não gosto nem do cheiro, lá escolhi um prato de frango grelhado com arroz e legumes. Não será a melhor opção para quem queira realmente experimentar a gastronomia do Nepal,  mas para quem apenas pretende não passar uma barrigada de fome, era mais seguro.

Entretanto, começaram a chegar os pratos dos outros e nós, ignorantes dos sabores locais, lá íamos perguntando no que é que consistiam. Um esclareceu:: "Este é frango inglês!" Na verdade parecia frango, só que de uma cor rosada inusitada. Ao verificar a  nossa curiosidade, ele explicou que aquele frango era exposto ao Sol durante três dias e que só depois era cozinhado, daí aquela tonalidade rosada. O três a acenar com a cabeça, com aquele ar entendido de quem percebeu tudo e já aprendeu qualquer coisinha com aquela novidade. 

Mas, ao constatar tanta credulidade, o fulano... desmanchou-se:

- Olhem lá, só estou a brincar! É frango grelhado, não faço a menor ideia porque é cor-de-rosa!

Enfim,  foi uma barrigada de riso, que para não parecermos tão totós assim, lá vieram à baila o café  feito a partir de caganitas de animal, ou os ovos que são enterrados até apodrecer e cozer, servidos posteriormente como grande prato gastronómico (e não, não é para tentar no próprio quintal, que essa "cozedura" tem segredos ainda não revelados!) e mais umas coisinhas, que calharam em conversa. Mas que foi a melhor peta que me pregaram nos últimos anos (e caio em quase todas), não me restam dúvidas...

ps - o frango inglês, a.k.a. frango grelhado, estava bom e o arroz idem!

Imagem da net.

45 comentários:

  1. confirmaste pelo sotaque do frango que ele era mesmo inglês?

    ResponderEliminar
  2. Esse jantar não foi, por acaso, no dia 1 de abril?
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. O Empregado tinha sentido de humor:)

    ResponderEliminar
  4. Anónimo4/04/2012

    Espada querida

    ResponderEliminar
  5. Lol!!, ainda bem que era a brincar, porque se fosse verdade que punham o frango ao sol durante 3 dias para ganhar essa cor, eu fugia a 7 pés desse restaurante, lol!!!
    Beijos:)

    ResponderEliminar
  6. Não ficaste com medo depois de ele ter dito que o frango tinha estado ao sol durante três dias?

    ResponderEliminar
  7. eheheh

    Eu também caio que nem uma patinha em tudo o que me dizem, pelo menos em restaurantes onde não conheço a maioria dos pratos, e também tenho um engraçadinho assim...por vezes duvido, mas como ele conhece tudo e mais alguma coisa...

    Ah, e também odeio caril...nunca experimentei, mas só o cheiro...bilherkeee

    A primeira vez que comi sushi não gostei, mas como o restaurante tinha uns pratinhos para crianças, acabei a comer um bitoque eheheh

    Comeste o frango inglês depois de ter estado 3 dias ao sol??? txiiii :p

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  8. Eu cá acho que não era mentira. O frango esteve a bronzear-se três dias, a gozar as últimas horas de vida ,Teté :)

    ResponderEliminar
  9. rrsss Eu geralmente nem pergunto para não me assustar

    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. E no entanto já vi qualquer coisa sobre isso: de um faisão pendurado durante dias e depois ser cozinhado.
    Não me recordo onde era, nem se era na Ásia; mas tenho a certeza que é verdade (que vi)!
    Caril? GOSTO!!! E faço-o, de lamber os beiços...
    Sushi nunca tentei, nem tenho ideia de o fazer.
    Não sabia que "frango à inglesa" se tratava de frango grelhado.
    Só se for no Nepal!

    Beijoka!

    ResponderEliminar
  11. Muito bem metida essa história! Eheh
    E eu que pensava que ia encontrar aqui a receita para cozinhar o dito frango inglês! :p
    Beijocas

    ResponderEliminar
  12. Imagina, Teté, eu a jejuar há mais de uma semana e, tu escreves uma história sobre um frango inglês.

    Que grande maldade!

    ResponderEliminar
  13. Respondi ao teu comentário, Teté, apesar da fome!!!

    ResponderEliminar
  14. Frango inglês... precisava ter visto ele vivo para saber o sotaque! rs...rs...rs... Mas a explicação dos três dias ao sol foi ótima! Quem exposto ao sol por três dias não fica rosado? E já grelhado! rs...rs...rs... Acabo de atualizar o Avaliando a Vida e postei lá meu cartão de Páscoa. Bjks e uma santa e abençoada Páscoa! Tetê

    ResponderEliminar
  15. Nunca me passaria pela cabeça pedir frango num restaurante nepalês, Teté. A comida deles ( apesar de não ser tão boa como a indiana) tem belíssimas degustações.

    ResponderEliminar
  16. Ia caindo na treta... e preparava-me para perguntar a marca do bronzeador solar!
    Parecia dar um aspecto espetacular à pele!

    Mesmo assim ainda caio que nem um pato, e estico-me aqui a pés juntos confessando a minha ingenuidade.

    Por tal sinal, hoje também passei por baixo da mesa, ao almoço.

    Muito embora convidado, a ementa já estava escolhida e era dobrada!

    Todos acharam que tenho cara de gostar de dobrada (...)que é um prato nacionalizado e muito democratizado!

    Por causa da ementa, cheguei a casa para jantar, com uma fome redobrada!

    César

    ResponderEliminar
  17. Não, VÍCIO! Vê lá tu que, além de inglês, o frango ainda era mudo... =))

    ResponderEliminar
  18. Não, foi a 2, TERESA! Já ninguém estava à espera... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  19. O empregado não, RAINHA, que esse mal arranhava o português! Foi outro conviva, mais 'habitué' do tasco... :D

    ResponderEliminar
  20. Epá, CONCHITA, com tanta coisa esquisita, a malta já acredita em tudo o que lhe dizem. Claro que se pára para pensar, depois acaba por perceber que não é nada normal... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  21. Não, ANA, na altura pensei que seria uma cena tradicional nepalesa muito curiosa, só isso... :))

    ResponderEliminar
  22. Epá, MARIA, nunca tinha ido a um nepalês e menos ainda àquela tasca (que por sinal estava cheia de gente, que era baratinha)! Portanto, imagina a minha credulidade... :D

    A chatice destes restaurantes indianos ou nepaleses é que raramente têm carne de vaca. Eles adoram as bichas, lá naqueles cantos do mundo... =))

    Não, o frango não esteve 3 dias ao sol. Era o outro a inventar e a fazer um paralelismo com os "bifes" que levam aqueles escaldões de "alto lá"! O frango... só era grelhado! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  23. E que bela maneira de aproveitar os últimos dias de vida, a celebrar com um escaldão, VIC! :D

    ResponderEliminar
  24. E se calhar até é o melhor, SÃO, quando a ementa resume o nome dos pratos por baixo, a dizer que é frango grelhado, de caril ou coisa. Como era o caso! :)

    Abracinho!

    ResponderEliminar
  25. Claro que há histórias dessas, KOK, daí termos caído facilmente na esparrela... ;)

    O frango só era grelhado, "à inglesa" foi apenas a alcunha que o outro encontrou para descrever a sua cor rosada... :D

    Sushi já comi, mas passo! Caril, pois, já provei, mas com aquele cheiro... não dá! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  26. Eheheh, hoje não há receita, TONS DE AZUL! Apenas mais uma peta em que caí que nem uma pata... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  27. Jejum, EMATEJOCA?! Nem em casa dos meus pais fazia, em casa da minha vovó só à sexta-feira santa é que não se comia carne - só peixe cozido ou grelhado! :P

    Mas pronto, prometo só voltar a falar em comida depois da Páscoa! :D

    ps - há fome em Portugal, enquanto puder não faço jejum nenhum por livre e espontânea vontade! E tomara que possa sempre... ;)

    ResponderEliminar
  28. Era o frango cooperar e deitar-se em cima de uma grelha enquanto se esticava ao sol, que já não precisava de ir ao lume, TETÊ! :))

    Uma feliz Páscoa para ti!

    ResponderEliminar
  29. Acredito que sim, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, mas como estava com fomeca não quis arriscar muito a pedir um prato desconhecido. E não, não aprecio comida indiana, mais pelo cheiro dos condimentos do que pelo sabor... :)

    ResponderEliminar
  30. Pois, CÉSAR, também caio em todas! Nem precisam de ser muito buriladas, mas então assim num ambiente estranho e desconhecido, é tiro e queda... :D

    Também não aprecio dobrada. Mas essa até faço de vez em quando: eles comem a dobrada, eu como o feijão e os enchidos, por vezes até um pouco de entrecosto... :))

    Mas é dose, ser convidado e a ementa já estar definida! :)

    Abraço!

    ResponderEliminar
  31. Todo o mês de Abril sem falar em comida, EMATEJOCA? Tu vê lá, não exageres... :))

    ResponderEliminar
  32. ABRIL! ABRIL! ABRIL!

    Quer dizer, que o meu jejum foi apenas uma brincadeira!!!

    ResponderEliminar
  33. Ah, bom, lá caí eu novamente, EMATEJOCA! Isto só pode ser sina... :D

    ResponderEliminar
  34. Contudo, é muito corajosa, somente por estar tão próxima disso tudo,deste emaranhado gastronômico.Beijo de boa sorte na comilança suspeita.:- BYJOTAN.

    ResponderEliminar
  35. Hehehe há sempre um engraçadinho :)

    ResponderEliminar
  36. Malandra, EMATEJOCA! :))

    ResponderEliminar
  37. Bem-vindo, BYJOTAN! :)

    Não percebi onde é que está a coragem, mas pronto... :D

    ResponderEliminar
  38. Pois, às vezes mais que um, LOPESCA! :D

    ResponderEliminar
  39. Como se costuma dizer, caíste que nem uma patinha! : ))))
    O prato mais típico, segundo me disseram quando fui a um restaurante nepalês, é o dal bhat (acho que é assim que se escreve); foi o que escolhi. Gostei embora não tenha por hábito comer comida picante.
    Não saíste com uma barrigada de fome, pois não? : )

    ResponderEliminar
  40. No caso, mais como uma franguinha, CATARINA! :))

    Também não aprecio picantes e/ou comidas muito condimentadas, daí ter escolhido uma refeição que me parecia aceitável e sem perigo de deixar metade no prato. Mas fiquei bem e estava bom! Os nome do prato em nepalês, não faço a menor ideia... :D

    ResponderEliminar
  41. conheço uma pessoa que não come chanfana. e não come porque não gosta, bem entendido.
    mas, da primeira vez que viu o aspecto (na zona do país de onde é proveniente não se faz esse prato) enfiaram-lhe a peta de que a carne do caprino era enterrada 3 dias e quando estava a começar a desligar-se dos ossos era confeccionada. daí a cor negra e separar-se tão facilmente do osso. a credulidade não foi imediata como no nepalês mas também ali houve um momento de dúvida sobre a possibilidade dessa confecção :)

    ResponderEliminar
  42. Nunca provei chanfana, mas essa já demoraria a engolir, não só por ser culinária portuguesa, como por saber que a cor escura normalmente advém do uso de vinho tinto nos temperos, MOYLITO! =))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)