segunda-feira, 28 de maio de 2012

MORTE NAS RUÍNAS

Já cá faltava o último policial que comprei na Feira do Livro de Lisboa do ano passado, de Ruth Rendell... para ser muito "original"! E isto porque gosto de variar leituras e não ler sempre o mesmo autor de seguida, porque já se sabe que adoro o género e a escritora, digna sucessora de Agatha Christie, no meu modesto entender...

Este não foi exceção! Com o título original de "No More Dying Then", nem se entende muito bem a tradução. O enredo centra-se no desaparecimento de duas crianças, no espaço de poucos meses, no início dos anos 70, quando naquela pequena cidade inglesa de Kingsmarkham (fictícia, segundo a wiki) os catraios ainda brincavam uns com os outros nas ruas ou nos parques, sem a vigilância atenta de nenhum adulto: a primeira, uma rapariga de 12 anos, quando sai de uma aula de equitação e regressa a casa, recusando a boleia de um vizinho, apesar da chuva; o segundo, o pequeno John, de apenas 5 anos, num parque infantil e após um pequeno desentendimento com os seus companheiros de brincadeira. Factos inusitados até então, que envolvem investigações policiais minuciosas e buscas que empenham (quase) toda a população local. Será que os dois casos estão relacionados?

Escrito em 1971, este é mais um livro da série protagonizado pelo inspetor-chefe Reginald Wexford e pelo seu subordinado Mike Burden - quando este último se encontra fragilizado pela recente morte da mulher, com dois filhos para criar, delegando a tarefa na cunhada (que, para tal, prescinde da sua vida profissional e pessoal) e enquanto mantém o primeiro relacionamento "extra-conjugal", precisamente com uma das mulheres ligadas à própria investigação. Logo o antiquado e retrógrado detetive, que parece ter nascido no século XIX... 

Gostei muito, para não variar!

Citações: 
"- Não tenho trabalho nenhum para fazer, infelizmente.
Ele tinha querido dizer trabalho de casa, limpar, arrumar, coser, tarefas que ele considerava, naturalmente, como sendo de mulheres e havia ali muito para fazer, mas não era capaz de lho dizer."

"Uma cena emocional entre dois homens normalmente não emotivos, tem como consequência um profundo e triste embaraço."

"- Mesmo que não se tivesse sido muito feliz - disse ela - não se sente só falta da pessoa, sente-se falta do amor."

24 comentários:

  1. E no fim fica com a cunhada? Beijocas!

    ResponderEliminar
  2. Tenho cá um ou dois livros da Rendell, mas ainda não li. O que tem piada nesse livro é o facto de ter o mesmo título em português que um da Agatha Christie.
    Boas leituras, Teté :)

    ResponderEliminar
  3. Por acaso a Ruth é uma autora que eu gosto :)

    ResponderEliminar
  4. Teté, por causa de ti já tenho uma lista enorme de livros para ler, é que todos os que livros que falas aqui parecem-me muito bem e como adoro policiais este não me vai escapar. Obrigada.

    ResponderEliminar
  5. Gosto muito de policiais mas ultimamente tenho-os deixado um pouco de lado!
    Não consigo ler tudo o que tenho em lista de espera! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. E este, pelo que conheces de mim e sabendo que poucos policiais me prendem, parece-te que o deveria incluir na lista de compras e leituras?:))
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Como sabes, Teté, não vou lá muito com policiais, mas um romance da Ruth Rendell, de vez em quando, também gosto.

    Agora vou ver na TV, pela ??? vez,
    o extraordinário Match Point do meu querido Woody.

    Ùltimamente tenho respondido aos teus comentários e esta noite também o fiz.

    ResponderEliminar
  8. acabei de ler um policial também: "Fatherland", de Edward HArris. este tem a particularidade de se passar na Alemanha nazi de 1964. Isso mesmo, numa Europa em que a Alemanha ganhou a 2ª guerra mundial. Tradução terrível, a roçar o miserável, mas que ainda assim não ofuscou um livro interessante e um policial competente. Agora estou na História do Cerco de Lisboa do Saramago e, para já, magistral como só o Saramago :)

    ResponderEliminar
  9. E mais um que vai prá minha lista, pena nunca ter encontrado nada desta autora, nem na feira do livro :(

    Tenho que ir à fnac ou à bertrand, só lá me arranjam o que procuro...

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  10. Era o que todos esperavam dele, mas o livro não é muito explícito, RAUF! Daí fui espreitar o que diz o Google e não, não fica, o homem retrógrado acaba por casar com uma feminista... O que certamente só lhe fará bem! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  11. Eu sou fá empedernida, VIC! Depois de já ter lido todos da Agatha Christie, é o que me resta... :))

    Obrigada e se leres algum da Ruth, depois diz-me se gostaste! :)

    ResponderEliminar
  12. Somos dois, VITOR! :D

    ResponderEliminar
  13. É difícil encontrar livros dela, RAINHA, que na Asa estão esgotados há mais de um ano. Estes têm uma péssima qualidade, são de bolso e cheios de gralhas. Mas sendo a única maneira de a ler em português... ;)

    ResponderEliminar
  14. Vou intervalando policiais com outras leituras mais sérias, ROSA! Gosto de ir variando, embora os policiais sejam a minha predileção... :)

    Abraço!

    ResponderEliminar
  15. Como não gostas de policiais, não vale a pena, NINA! Também não leio ficção científica, por exemplo... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  16. Boas leituras também para ti, ELVIRA, e um abraço! :)

    ResponderEliminar
  17. É, sabe muito bem para intervalar, EMATEJOCA! :)

    Não foi dos que mais gostei dele, mas acontece-me muitas vezes quando elogiam muito um filme, e depois chego à sala de cinema e estou à espera de mais e melhor... :))

    Já li! :D

    ResponderEliminar
  18. Pois, MOYLITO, Saramago ainda não consegui. Quem sabe um dia?! :)

    Esse de que falas tem muito bom ar. Dizes tu que também é policial ou de espionagem? É que são duas coisas diferentes... :D

    ResponderEliminar
  19. Já aqui tinha explicado que era difícil, comprei esta quantidade toda de livros dela no ano passado, que foi o único sítio onde os encontrei em português, MARIA! Mas a qualidade da revisão e da tradução, as muitas gralhas, etc. deixam muito a desejar. Este por acaso nem foi dos piores, ou então já liguei menos, por já saber o que "a casa gasta"... :)

    Até já comprei um em segunda mão! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  20. Eu não digo! Depois descobre-me o final dos contos...

    ResponderEliminar
  21. Eheheh, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, foi sem querer... :))

    ResponderEliminar
  22. policial, sem dúvidas :)

    ResponderEliminar
  23. Da Ruth, só pode, MOYLITO! :D

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)