quarta-feira, 21 de março de 2012

"QUEM SEMEIA VENTOS...

... colhe tempestades", diz o provérbio e com razão. Assim, não é de admirar que mais uma vez tenha sido discutida a questão dos cortes dos feriados, desta vez no programa "Prós e Contras" da RTP. Que confesso nunca vejo, porque normalmente a discussão dura umas duas ou três horas, com antagonistas a defenderem ou a criticarem leis, projetos ou medidas, para no fim não se adiantar rigorosamente nada. Diga-se em abono da verdade que é o único programa de debate sério na televisão, aberto a vários sectores da sociedade e não apenas a um pequeno leque de comentadores residentes, cuja maioria tem filiação partidária conhecida. 

Neste caso, o estranho era estarem contra o corte dos feriados figuras tão diferentes como um antigo dirigente do CDS, um do BE e um representante da Igreja. Do outro lado da barricada, um economista, um sociólogo e um terceiro, que nem percebi quem era. Excecionalmente, assisti ao início do programa. E se os primeiros defendiam o direito ao lazer dos trabalhadores, a tradição, a história e a cultura portuguesa, os outros tinham posições do género ponham-se os feriados referentes a datas históricas todos num - juntava-se assim a revolução de abril, o dia de Portugal, das comunidades, de Camões e da língua portuguesa, a implantação da república e a restauração da independência - ou cortem-se porque estamos numa emergência nacional. Curioso é que todos concordavam que não era por cortarem 4 feriados ou eliminarem as tolerâncias de ponto que a produtividade aumentava. Então para quê estas medidas e discussão? Fernando Rosas opinou que estas medidas visam amedrontar os trabalhadores, "técnica" sobejamente conhecida para os impedir de lutar pelos seus direitos... 

Não lhe podia dar mais razão! E o debate, para mim, acabou por ali. Chegaram a alguma conclusão? Duvido! Vão cortar os feriados, as tolerâncias de ponto e dias de férias, o que resulta na prática numa diminuição de salário, para além dos já efetuados no funcionalismo público. Para que serve a Constituição, se estes governantes que a juraram defender a violam desta maneira?

Ah, mas o camponês da estátua lá de cima não está a semear ventos, mas sim estrelas, como se torna visível na imagem noturna:

Hoje estou em crer que a blogosfera vai estar recheada de estrelas e de sementes de poesia...

Imagens da net, da estátua "O Semeador de Estrelas", situada na Lituânia.

28 comentários:

  1. Nem de propósito: escrevi um post agora mesmo sobre a história dos feriados.
    A meu ver, não é assim que se aumenta a produtividade porque o problema está na forma como se organiza e gere o trabalho. E se não somos eficazes com feriados, muito menos seremos sem feriados. É mais dias a fazer o que está errado, ou seja, a não aproveitar o tempo estipulado para o trabalho. Não são aqueles que ficam depois da hora que são bons profissionais. Isso é, muitas vezes, show off para agradar ao patrão (que é curtinho de vistas e se fica pelas aparências). Fica-se depois da hora, porque muitas vezes, nas restantes oito horas, andou-se a engonhar e a dispersar. É por isso que este país não vai lá. Não vai. Tem que se mudar de mentalidades. Não é por acaso que as empresas mais produtivas são aquelas que incentivam os funcionários de modo a que tenham níveis de produtividade altamente satisfatórios. E como incentivam? A procurar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Um aspecto fundamental.

    ResponderEliminar
  2. A criatura que ficaste sem saber quem era´chama-se Rafael Campos Pereira e representava a Confederação Empresarial Portuguesa...e só faltou dizer que a escravatura deveria regressar!

    Aliás, eu tenho uma citação daquelea lumin+aria, para colocar num dos meus blogues...

    Para que tenhas feliz Dia da Poesia e da Floresta, te desejo que vás ler bons poemas sentada sob uma frondosa árvore

    ResponderEliminar
  3. "Eles" e os feriados...
    Como se não fosse claro que toda esta lenga-lenga à volta do assunto não fosse mais do que um modo de camuflar e ocultar a incapacidade, a incompetência e a mediocridade de quem tem estado nos diversos governos.
    Palhaços...

    Beijo!

    ResponderEliminar
  4. A eliminação dos feriados não tem só a ver com a produtividade....que essa não altera nem um milimetro.....mas que evita de pagar milhões a milhares de pessoas que trabalham nos feriados, lá isso evita....
    Só na pequena instituição onde trabalho evitamos pagar a 12 pessoas 1 feridao em horas extras.....e posso dizer-vos que significa muito.

    Boa semaninha.

    ResponderEliminar
  5. Vi apenas a primeira parte do Prós e Contras e soliloquiei sobre as mesmas questões que aqui aborda. Doeu-me particularmente a posição de manule Villaverde Cabral, porque vai contra o que ele defendeu numa entrevista que lhe fiz há uns anos. Penso, aliás, escrever um post sobre o assunto.
    Quanto à poesia, como sabe, tem presença diária lá no CR desde o DIM e até final do mês. Hoje optei por fazer referência a um livro que li de um fôlego e vai virar filme em breve.

    ResponderEliminar
  6. Teté, este caso é daqueles em que há razão dos dois lados, pelo que chegar a consenso vai ser muito difícil.
    Na minha opinião, numa república que se pretende laica, é incompreensível haver tantos feriados religiosos, que dão aso a que outras religiões que não a católica, se queixem de discriminação. E quanto aos civis, há datas que nitidamente se sobrepõem em importância. Não vejo razão a se celebrar, por exemplo, o 1º de Dezembro.
    Mas estas razões minhas, não têm nada a ver com a parte económica e sim com a relevância das próprias datas.
    De qualquer forma, podíamos meditar no que se passou numa votação recentemente realizada na Suiça e no que estava em equação...

    ResponderEliminar
  7. Teté

    Isto é um assunto que nunca vai ter consenso, mas como diz a letra e música de Chico Buarque "A gente vai levando" :)

    ResponderEliminar
  8. Pode-se dizer «asneiras» neste blog? Então vou dizer: Estes fulanos do governo e os que os defendem são uma cambada de bestas! Qual Constituição? Qual Cultura Portuguesa? Qual quê? Uns tecnocratas da treta!!!

    Tenho dito!

    ResponderEliminar
  9. Pois eu não vejo o programa pela mesma razão de terminar tardíssimo, muito embora fique com pena por considerar certos temas bastante interessantes.
    Quanto ao dos feriados, continuo sem compreender este tempo gasto em discussões que não fazem sentido algum!
    E eu sou das que não deixou passar o dia da poesia em branco. ;)
    Beijocas

    ResponderEliminar
  10. Durante muito tempo vi o programa, independente das horas que durava...depois de muitos programas e muitos temas cheguei à conclusão que aquilo não serve para resolver problema nenhum, limitamo-nos a ouvir os prós e os contras sobre o tema em discussão e não passa daí...

    O dos feriados foi mais um que ficou em águas de bacalhau...penso como a Parisiense

    Bonita imagem :)

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  11. Como já tive oportunidade de te dizer, concordo contigo. Aliás, até todos os fulanos do debate concordaram que mais feriado ou menos feriado não vai aumentar a produtividade, que foi o argumento do governo para tomar esta medida! Argumento hipócrita, como está bem de ver...

    Claro que o tempo de trabalho é mal gerido em algumas empresas! E que também há muitos funcionários sornas - em tempos trabalhei numa empresa em que uma escriturária passava a manhã a dar à língua com as outras, escrevia 3 cartas de 5 linhas na manhã inteira e ainda se queixava do excesso de trabalho...

    Mas se vires bem, a culpa dessa ineficácia parte mais do próprio patronato, que não sabe orientar o serviço de modo a ser mais produtivo. E reuniões por tudo e por nada? E mudança de planos de hora a hora ou dia para dia? Enfim, não foi em todas, mas já vi muito disso nas empresas onde trabalhei... Fazer o quê? :S

    ResponderEliminar
  12. O comentário acima era para ti, ANA!

    Ainda bem que não continuei a ver, SÃO, porque criaturas dessas irritam-me muitíssimo! E por falar nisso, já me baralhei bastante com os teus blogues, suponho que o que linkei é o que tens mais atualizado... :)

    Ah, bem sei que também tenho outros blogues, mas são só para experiências, para ver se sai bem o texto, a fotografia, etc. e tal, quando tenho dúvidas! :D

    Fico sempre na dúvida se se deve dar espaço a luminárias dessas! :P

    E não, não estive a ler poemas sentada sob uma frondosa árvore: Tinha dentista marcado! :))

    Abraço!

    ResponderEliminar
  13. Para camuflar isso tudo, KOK, e manter a malta entretida a discutir o assunto, enquanto eles vão cometendo mais umas asneirolas...

    Palhaços até é um epíteto mais ou menos carinhoso! Avantesmas está mais lá... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  14. Tal como disse, PARISIENSE, na prática também serve para diminuir salários! Ou essencialmente para tal!

    Boa semaninha para ti também!

    ResponderEliminar
  15. Vou ficar à espera desse post, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, o meu marido também estranhou a posição dele, dizia que ele era de esquerda... Ali, só me pareceu parvo, desculpe dizê-lo! :S

    E já li esse post de hoje, que me colocou algumas dúvidas! :D

    Há muitos blogues praticamente só de poesia, mas hoje quase todos usaram e abusaram dela! :))

    ResponderEliminar
  16. Mas achas que eles estavam lá para chegar a algum consenso, VIC? E mesmo que chegassem, achas que o governo lhes passava cartão?

    Concordo contigo em relação aos feriados religiosos: deveriam ser os primeiros a saltar numa República laica! Mas discordo completamente do 1º de Dezembro - celebra-se a independência e, sem ela, não teríamos mais nada a celebrar! Acho mais importante até que o 10 de junho, por exemplo, pois até é uma data escolhida mais ou menos aleatoriamente no tempo do Salazar como dia de Portugal, das comunidades portuguesas e da raça - nem se sabe se é certo que Camões tenha morrido nesse dia... Claro que como alguns disseram, dá muito mais jeito um feriado no verão e com bom tempo do que no fim do outono, mas essa já é outra ordem de ideias.

    A realidade portuguesa e suiça é tão diferente, em tudo, que é impossível comparar. Não se vive num país atrasado, esperando que todos tenham cabeças abertas e ideais avançados, pois não? ;)

    ResponderEliminar
  17. Por todo o lado, já sei, REIZÃO! :D

    ResponderEliminar
  18. Claro que nunca vai haver consenso, RAINHA, e o melhor até é nem ligar muito... ir levando, como o Chico canta! :D

    ResponderEliminar
  19. Claro que podes, GRAÇA! E o que é mais, concordo plenamente contigo! :)

    ResponderEliminar
  20. O assunto até me interessava, TONS DE AZUL, mas são duas ou três horas de conversa sem chegar a lado nenhum e tenho sempre coisas mais interessantes para fazer... :))

    Já li! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  21. Sabes, MARIA, não tenho assim um feitio muito dócil, quando me parece que me estão a atirar areia para olhos e a tratar-me como parva, de modo que estes debates às vezes irritam-me um bom bocado! E depois lá está, é mais esgrimir argumentos do que alcançar alguma finalidade prática, portanto fico com a sensação de estar a perder o meu tempo! :S

    Claro que de caminho poupam umas boas massas, mas isso também já estava implícito no texto, não? ;)

    Adorei a estátua! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  22. Tété,
    Achas mesmo que é diminuição de salarios????
    Então porque é que a maioria não quer fazer essas horas "extras" nos feriados?
    Sabes que isso implica subir de taxa de IRS as vezes por uma droga de 1 euro, pagar mais S.Social.....e chega ao fim pouco ou nada resta.
    Por isso a maioria que tem de trabalhar nesses dias (porque trabalha por turnos) tenta trocar com outros colegas.

    Sim porque utentes precisam de serviços e por isso alguem tem que fazer os feriados.

    Boa semaninha. Beijokitas

    ResponderEliminar
  23. vi uma vez (não tudo, claro) e no dia seguinte sabia menos do que na véspera. nunca mais!

    A foto é belíssima.

    ResponderEliminar
  24. Olha lá, PARISIENSE, se tens menos férias, feriados e tolerâncias de ponto e ganhas o mesmo que antes, não é uma diminuição de salário, para todos os efeitos? Trabalhas mais e ganhas o mesmo...

    Quanto a essas horas extras, imagino que por vezes não compensem: ganham mais, mas depois pagam mais impostos, portanto se calhar nem vale a pena. Para além de tirar tempo disponível para se estar em família e com amigos, que têm esses dias livres. Evidentemente que há serviços que nunca podem fechar, daí os turnos, para quem tenha essas profissões, ser a solução mais óbvia... ;)

    Beijokitas!

    ResponderEliminar
  25. Também achei muito criativa a ideia da estátua e do muro, MOYLITO! :D

    E sim, falam, falam e tornam a falar e depois fica tudo na mesma, como a lesma... :)

    ResponderEliminar
  26. Eu não vi. Desisti praticamente (uma vez por outra ainda vou dando uma olhada) de ver o prós e contras que é quase sempre um prós e prós, mas concordo que a diminuição de 4 feriados tem mais a ver com o que relatas que o Fernando Rosas disse do que com outra coisa qualquer. Até porque os países de maior produtividade não têm tão poucos feriados como o que nos querem fazer ver...

    ResponderEliminar
  27. O Fernando Rosas falou nisso, mas a teoria não é dele, VITOR! Portugal estava dentro da média europeia de feriados, com estes cortes, fica com menos feriados do que qualquer outro país europeu - ou seja, temos o salário médio mais baixo da Europa, menos férias e feriados, gasolina mais cara, IVA mais alto e ainda nos dizem que é um sacrifício pelo país? Detesto quando nos tentam atirar areia para os olhos... :P

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)