segunda-feira, 26 de março de 2012

LIVRARIAS TRADICIONAIS

Pensamos que há coisas que nunca mudam, mas a verdade é que já Camões nos alertava para "que todo o mundo é composto de mudança". E livrarias tradicionais... já não restam muitas, em Lisboa (presume-se que também nas outras cidades portuguesas)!

O comércio tradicional sufoca e mingua devido às grandes superfícies, à competitividade dos centros comerciais, à impossibilidade de se modernizarem e adaptarem, por falta de espaço ou de capacidade de investimento. No caso das livrarias, ainda há a enormidade da FNAC  a enfrentar: preços mais baixos, promoções ou descontos, facilidade de encomendas on line., a.s.o. E os livros estão caros para os bolsos da maioria dos portugueses, já a braços com outras grandes dificuldades...

Nada de move contra a FNAC, devo esclarecer. Mas já se sabe que quando se domina um mercado a tendência é ignorar os interesses do cliente. Foi assim que o encomendado via net "O Capitão Alatriste", com um prazo de entrega previsto para 1 ou 2 dias, deve ter desmaiado algures  lá nos armazéns e bateu aqui à porta exatamente 16 dias depois. Não protestei  - já mo tinham emprestado para o ler - e fiquei com o livro à mesma. Mas se fosse importante para completar qualquer trabalho?  

No dia seguinte à discussão do Clube de Leitura passei pela livraria Barata. Tradicional. Modernizada. Onde pude ver a pequena exposição de aguarelas de Paulo Ossião - lindíssimas, no meu modesto entender! Uma loja que cheira a livros, com espaço dedicado a ameno convívio, beber um café ou folhear algumas páginas. Não tinha o livro que desejava agora. Encomendei. De caminho ainda comprei dois marcadores para a coleção, o da exposição era gratuito. É, é importante não deixarmos que as livrarias tradicionais desapareçam do mapa das nossas cidades... Façamos por isso!

21 comentários:

  1. Adoro o conceito da livraria tradicional,em que entramos, tudo sossegado, detesto os hipermercados de livros.

    ResponderEliminar
  2. A tradição já não é o que era, linda.

    Ainda há uns dias , entrei em transe porque descobri - foi-me confirmado - que a Bertrand não tem livros de língua francesa à venda!!!

    Fica bem

    ResponderEliminar
  3. Começo por dizer que hoje é Dia do Livro Português. ;)
    Gosto de livrarias, de entrar nelas e calmamente ver as novidades e os com cheiro a pó. Normalmente é nas tradicionais que opto pelas minhas compras ou mais ainda em feiras.
    Não sou muito adepta de compra de livros online, mas por vezes aproveito certas promoções e não tenho tido chatices.
    Adorei os marcadores. São mesmo giros!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. É pena o comércio tradicional ir desaparecendo aos poucos. O atendimento deixa de ser personalizado.

    ResponderEliminar
  5. É pena o comércio tradicional ir desaparecendo aos poucos. O atendimento deixa de ser personalizado.

    ResponderEliminar
  6. Isso é bom de dizer, Teté. Infelizmente não está nas nossas mãos. Há dias fechou uma, a seguir fecha a outra.
    Felizmente, algumas ainda resistem :)

    ResponderEliminar
  7. infelizmente vou sobretudo a grandes superfícies por causa do estacionamento. não vou tanto à Fnac, mas sobretudo à Bertrand. Sei que existem mais livrarias, mais tradicionais, mas como estamos em contenção, também não é agora que as vou apoiar.

    ResponderEliminar
  8. Infelizmente penso que iremos ver os últimos anos destes estabelecimentos. Contra mim falo que sei perfeitamente que quando procuro material literário, a grande parte das vezes me dirijo às grandes superfícies comerciais onde tudo está à disposição.
    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Também não gosto, RAINHA! E para encontrarmos alguém que saiba quem é o autor ou o livro que procuramos?! Uma agulha em palheiro... :S

    ResponderEliminar
  10. Pois, eu até sei que sim, SÃO! Mas custa-me um bocado ficarmos reféns destas grandes empresas, sem atendimento sério e personalizado, nem água vai nem água vem, nem sequer um pedido de desculpas pelo atraso. E se acabam as tradicionais, ficamos entregue aos "bichos"?

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  11. Eu sei, TONS DE AZUL! Mas este mês houve e há tantos "dias de..." que não dá para falar em todos... :)

    Também é verdade que compro livros em Feiras, mas essas muitas vezes têm as próprias livrarias e editoras a vender. Enquanto me lembrar desta, também vou esquecer livros on line. Já uma vez me tinha acontecido com a WOOK, e aí desisti ao fim de dois meses... :P

    Também fiquei vidrada nos marcadores! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  12. O atendimento não é personalizado, CATARINA, e, pior ainda, é completamente desinteressado, como quem está a fazer um enorme frete... :P

    ResponderEliminar
  13. Mas não resistem sem clientes, VIC, não é que esteja nas nossas mãos salvá-las sozinhos! É não esquecer de passar por lá de vez em quando (e quem diz nesta, diz nas outras)... ;)

    Porque por este andar, fecham todas! :P

    ResponderEliminar
  14. Como é evidente, não te estava a dizer para passares por esta MOYLITO! Mas aqui em Lisboa (e falo de Lisboa, por ser a situação que conheço melhor) têm fechado tantas livrarias tradicionais, que qualquer dia não temos opção... :(

    ResponderEliminar
  15. Por este andar é o que vai acontecer, sim, PSIMENTO! E, se queres que te diga, nem sempre encontro os livros que quero nas grandes superfícies... além do atendimento ser sofrível! :S

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  16. Olá Tété,

    Cada vez gosto mais do comércio tradicional, algum tem-se renovado, outro nem tanto, mas há muito faço greve às grandes superfícies, só as uso para ir ao cinema e pouco mais, porque infelizmente as salas de cinema tradicionais na cidade desapareceram.
    Quanto às livrarias uso muito a Bertrand, mas gosto imenso de outras mais tradicionais aqui na minha cidade como "A Leitura", uma das mais completas, senão a melhor, "A Porto Editora", hoje uma empresa florescente, a "Lello Editora", uma joia da Coroa, considerada a 3ª Livraria mais bonita do mundo; a "Civilização", a "ASA" e várias outras mais pequenas que foram resistindo, bem como alfarrabistas. Infelizmente há pouco tempo encerrou uma das mais tradicionais e maiores livrarias que acompanhou toda a minha juventude e ainda nos últimos anos a minha filha passava por lá e encontrava ofertas bem interessantes, ficava no coração da baixa portuense e era a "Europa América". Na última semana tive a surpresa de ao passar ver a "Livraria Aviz" na rua do mesmo nome, muito conhecida, transformada num restaurante que manteve o nome da mesma e que me parece tentou fazer uma simbiose entre a gastronomia e literatura, mas ainda não conheço bem o conceito e ao pesquisar na net vi opiniões muito boas e outras muito más, parece-me mais um conceito para fazer dinheiro. Junto dessa livraria Aviz, havia a "Inova", uma das primeiras editoras de Eugénio de Andrade e que há muito não existe.
    Concluindo, todos temos saudades desses espaços culturais e tranquilos e alguns deles já não o são tanto.

    Lembro-me muitas vezes de ti, no almoço da Parede.

    Beijinhos
    Branca

    ResponderEliminar
  17. Uma maravilha estas livrarias tradicionais. Por acaso cá em Leiria temos a sorte de ainda termos umas quatro ou cinco. A FNAC só chegou há uns dois anos e ainda não as destronou, mas nunca se sabe...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Também não gosto muito da FNAC. Aliás, actualmente, (quase) só compro na Bertrand , às segundas feiras do mês, porque sou leitor Bertrand e os livros são mais baratos nesses dias.No entanto, ainda há livrarias onde me sento a ler como a Almedina, a Pó dos Livros e, até há pouco tempo, a Bulhosa. São espaços agradáveis onde se pode folhear um livro num espaço agradável, enquanto, se bebe ou mastiga qualquer coisa.

    ResponderEliminar
  19. Olá, BRANCA!

    Também me lembro bem desse almoço na Parede... :)

    E é isso mesmo, as pessoas queixam-se das grandes superfícies e tal, mas depois por comodidade ou qualquer outra razão acabam por as frequentar com assiduidade. É preciso não esquecer de visitar outros espaços, que nos dizem muito mais, se não queremos que desapareçam. Cada um na sua cidade, obviamente! ;)

    Uma grande beijoca para ti!

    ResponderEliminar
  20. É precisa estar atenta, GRAÇA, porque a FNAC onde passa vai "engolindo" a concorrência. Ainda hoje li no FB que fechou mais uma livraria em Lisboa... :((

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  21. Já viu se desaparecem todas, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, e ficamos só com a FNAC? É que não quero nem pensar... :S

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)