quarta-feira, 28 de março de 2012

EXTREMAMENTE ALTO, INCRIVELMENTE PERTO

Oskar Schell (Thomas Horn) é uma criança de 11 anos diferente das outras: se, por um lado, parece extremamente interessado em certos assuntos e com uma capacidade de organização acima da média, por outro aparenta ter alguma dificuldade na interação social. Thomas Schell (Tom Hanks), seu pai, é joalheiro e estimula-o a resolver enigmas da sua própria lavra, com a finalidade de o pôr em contacto com outras pessoas e, simultaneamente, desenvolver as suas áreas preferidas de conhecimento - sabe-se, lá para meio do filme, que o rapaz fez testes para saber se sofria de síndrome de Asperger, mas os resultados foram inconclusivos.

Contudo, o joalheiro morre na fatídica manhã de 11 de Setembro de 2001, quando se encontrava numa reunião no World Trade Center. Entre ensimesmado e revoltado, nem a mãe (Sandra Bullock), nem a avó (Zoe Caldwell) - também elas a sofrer aquele luto inexplicável - o conseguem ajudar a ultrapassar a enorme perda. Cerca de um ano depois, ele resolve explorar o armário do pai e aí encontra uma chave, que julga (ou deseja?) abrir qualquer porta, cofre ou caixa que contenha a sua última mensagem. E aí parte nessa grandiosa expedição de encontrar a fechadura certa, pelas ruas de Nova Iorque...

Vejam o trailer aqui:


Com um tema destes, está bem de ver que não é um filme leve de entretenimento, que se esqueça um ou dois dias depois. Pelo contrário, é um filme pesado! De interpretações fenomenais de grandes atores, incluindo o puto praticamente estreante. Com um argumento fabuloso de Eric Roth, segundo o romance de Jonathan Safran Foer. Stephen Daldry, o realizador, não destoa da restante equipa. Como é que um filme destes passou completamente despercebido nos Oscar e ainda tem uma classificação de 6,7/10 na IMDB?

Acredito que não tocará a todos - a miuçalha à minha frente abandonou a sala, após cada um comer um grande balde de pipocas - mas a mim emocionou-me muitíssimo: mais do que a morte daquele pai, há um mundo que desaba a certa altura da vida: E a reação nem sempre é a melhor... ADOREI!

Imagem da net.

29 comentários:

  1. A miuçalha , além de jovem demais(presumo), está condicionada pela idiotice vampiresca que actualmente inundou livrarias, televisão e cinema,,,

    O meu agradecimento pela análise.

    Desejo-te excelente dia, rrss

    ResponderEliminar
  2. não fazia ideia que a Sandra Bulolock era viuva!!
    tens o contacto dela?

    ResponderEliminar
  3. Sabes o que é? Acho que as pessoas já não estão interessadas nos dramas dos outros...E como já disse, as escolhas da Academia são cada vez mais discutíveis, estão sujeitas a muitos interesses, Teté.

    ResponderEliminar
  4. Quero ver este filme, gosto deste tipo de enredo, apesar de não ser um filme fácil e que nos deve causar muitas emoções.

    ResponderEliminar
  5. Devias ter escrito no início do post que tinha Spoilers!

    Parei de ler onde dizes que oi joalheiro morre..

    Vou ver o filme.

    ResponderEliminar
  6. Também quero ver este filme...Adoro o Tom Hanks e a Sandra Bullock, e a história parece-me interessante.

    O VdeAlmeida disse o que eu ia dizer sobre a academia...

    Beijinho :)

    *eheheh Vicio

    ResponderEliminar
  7. eu ouvi referir o filme na altura em que saiu e pensava que era sobre mim mas o título não era extremamente alto, incrivelmente esperto :P

    ResponderEliminar
  8. Já sabes o quanto gostei deste filme. Tem uma excelente história e os atores têm excelentes interpretações.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Não estava na lista, mas agora passou a estar...

    ResponderEliminar
  10. E presumes muito bem, SÃO, que os putos tinham entre 11 e 14 anos. E além desse gosto pelos vampiros, também estão mal habituados - 4 bilhetes, 4 baldes de pipocas (que certamente não pagaram do bolso deles), chateiam-se de bute de ir embora... ;)

    Um boa noite para ti! :)

    ResponderEliminar
  11. Lamento, mas não tenho, VÍCIO! :D

    Ah, e viúva só no filme, mas na vida real parece que se separou/divorciou recentemente, de modo que ainda deve estar disponível! :))

    ResponderEliminar
  12. Há dramas que não são só dos outros, VIC: perder alguém que amamos repentina e estupidamente acontece na vida de quase todos! Infelizmente...

    Quanto às escolhas da Academia, sempre foram bastante discutíveis, não é só de agora! :)

    ResponderEliminar
  13. Eu emocionei-me imenso, mas isto também depende um bocado do estado de espírito em que a pessoa está no próprio dia, não é, RAINHA? Depois diz-me o que achaste (mesmo noutro post)... :)

    ResponderEliminar
  14. Mas quais spoilers, MIGUEL? O homem morre logo no início do filme, não é surpresa nenhuma, se bem que depois haja alguns 'flashbacks' onde se veem esses momentos passados... Eu é que contei a história por ordem cronológica! =))

    Das poucas vezes que o fiz, avisei sempre. E o facto de não se saber se o miúdo sofre ou não do síndrome, além de não conclusivo, é um mero pormenor... ;)

    Aguardo a tua opinião, então!

    ResponderEliminar
  15. Eu adorei, MARIA! Mas encharquei dois lenços, portanto prepara-te... (a minha mãe foi comigo e não chorou, de modo que estas indicações são relativas) ~xf (assobiando)

    O Vic tem razão e o Vício... é um brincalhão! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  16. Ó, quanta modéstia, MOYLITO!!! =))

    Mas um filme sobre ti, só podia ter esse título... :D

    ResponderEliminar
  17. Nós costumamos gostar dos mesmos filmes, TONS DE AZUL! Talvez por darmos tanta importância ao argumento e interpretações... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  18. Espero que não se desiluda, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA... :)

    ResponderEliminar
  19. Como foi o meu filho que escolheu o filme para assistir, achei que fosse para criança. Assisti quietinha para não ofender a auto-estima do garoto. Na verdade, ultimamente tenho assistido filmes que, por pura coincidência, os personagens têm problemas emocionais. Ainda estou com ecos da falação ou despejamento (desabafo) do garoto ao contar para o avô (Max Von Sydow - magnífico), todo a sua façanha detetivesca. Fiquei frustrada com o final. Achei que ele fosse achar um grande tesouro ou descobrir que o pai fazia parte de uma comunidade secreta... Houve uma manipulação e me senti enganada, por que o garoto não se sentiu. Todos sabiam, menos ele e quase no final, a Viola Davis tem um estalo e lembra-se de algo importante. Leva o garoto à presença do ex-marido, que depois disso, deixou de ser ex. A boa ação não foi boa ação, foi em proveito próprio.
    Eric Roth, adora prolongar as histórias (vide Forrest Gump) e por isso, imaginava que o filme iria ser um pouco arrastado e exagerado.
    Ele estava entre os nove nomeados ao Óscar de Melhor Filme na 84ª edição e porque não concorreu, não sei! Talvez os críticos o tenha achado oportunista ao usar o 11 de Setembro nos argumentos. Beijus,

    ResponderEliminar
  20. Teté, não leve em consideração as minhas "Análises" (rs*) pois no dia anterior, quase dormi assistindo "Diários de um jornalista bêbado" que até twittei sobre isso! Um desperdício com Johnny Depp.

    ResponderEliminar
  21. Sim temos gostos em comum e não é só na sétima arte! :p

    ResponderEliminar
  22. Ah Ok,
    pensava que ele morria mais para o fim....


    LOL

    Desculpa.

    ResponderEliminar
  23. LUMA, há sempre gostos para tudo. E sim, bem sei que teve nomeação para melhor filme e Max Von Sidow para melhor ator secundário. O que eu acho é que os americanos ainda não estão preparados para reviver aquelas horas tão angustiantes, como demoraram muitos anos até lhes passar o trauma da guerra do Vietnam...

    Não achei o filme muito prolongado, nem o final desconexo - afinal o joalheiro não estava à espera de morrer, não é? Mesmo as cenas com a Viola não me pareceram de todo injustificadas - no 1º contato ele apanhou-a num mau momento! Mas pronto, cada um com a sua opinião, evidentemente!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  24. É, também temos alguns gostos semelhantes em livros, TONS DE AZUL. Mas aí já não em todos... :)

    ResponderEliminar
  25. Tudo bem, MIGUEL!

    De qualquer forma, não leias os restantes comentários, que aí sim há spoilers... :))

    ResponderEliminar
  26. Sabes que fiquei com a ideia de que esse filme era um pepineira? Depois de ler a tua opinião, tornou-se um candidato à minha tarde de sábado.

    ResponderEliminar
  27. Depois me dizes o que achaste, TERESA, se era pepineira ou não. Porque também é verdade que os gostos das pessoas são diferentes... :)

    ResponderEliminar
  28. Olha nem dei conta que esse filme esteve em cartaz. Gosto do elenco, e apesar de não gostar de filmes "pesados" (a vida já é pesada que baste), fiquei com vontade de ver este, e nem vou ver o trailer para não ficar chateada por não ter visto.
    beijo d'enxofre

    ResponderEliminar
  29. Pois, nem sei se ainda está em cartaz, mas duvido, DIABBA! E concordo contigo em relação a filmes pesados, mas este caiu-me no goto! :)

    Beijoca enxofradita!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)