quinta-feira, 15 de março de 2012

ENCANTAMENTO

Fotografia de Ian Britton

Tal como já tinha sabido da existência em múltiplos romances lidos e centenas de filmes visionados, aos 15 anos também eu sonhava com o meu cavaleiro andante, aquele que seria o amor da minha vida para todo o sempre... Não sendo eu princesa nem vivendo na era medieval, cedo concluí como provável que o meu “príncipe encantado” não fosse um nobre de sangue azul ou que me surgisse montado num alazão branco. Já se sabe que, não sendo ele possuidor dessas características, tornava-se muito mais difícil encontrá-lo!

Um dia, julguei saber quem ele era: tinha 15 anos como eu, era meu colega de turma no liceu e, desenganem-se desde já, não era lindo de morrer, nem o palhaço que as meninas tanto adoram, nem sequer um puto que se evidenciasse pela sua inteligência, cultura ou personalidade. De modo que não foi tiro e queda, não caí para o lado subitamente apaixonada à primeira vista! Na verdade, já nos conhecíamos desde os 13 anos de idade, altura em que entráramos na mesma turma e era igual aos outros, embora fosse dos mais baixotes e sardentos, alinhando no clube dos que preferiam jogar à bola do que conversar com as meninas. E nem aí se evidenciava por aí além...

À medida que ele foi crescendo e as suas preferências pelas futeboladas diminuindo, aconteceram dois ou três factos que nos aproximaram. Primeiro, calhou nas carteiras da sala de aula, enquanto tinhamos como professora de Ciências uma-parva-todos-os-dias, que embirrava com “aquele grupinho do fundo da sala junto à janela”, o seu candidato dileto à expulsão quase diária das suas aulas. O recreio maior até era motivo de alegria, mas já devido a um segundo facto importante– tinha acontecido o 25 de Abril! 

Outra coisa que tínhamos em comum era o caminho para casa, que percorríamos quase diariamente, a pé - para poupar o dinheiro do autocarro (nesse tempo ainda não existiam passes da carris) – com alguns colegas, pelo menos se não chovesse muito. As aulas terminavam às 7 da tarde e a balbúrdia da "hora de ponta" em Sete-Rios era enorme, com longas filas de espera nas paragens de autocarros. Vir a pé compensava também pela possibilidade de, no final, gastarmos o dinheiro num chocolate ou gelado, consoante o apetite de momento. 

Claro que durante esses recreios e caminhadas conversávamos muito e, no ano seguinte, ainda inventaram umas greves intermitentes na escola, pelo que os jardins da Gulbenkian passaram também a fazer parte dos nossos circuitos, onde conversávamos ou jogávamos às cartas com outros amigos. Nos dias de chuva recorríamos a uns matrecos manhosos na Calçada da Palma de Baixo ou a outro salão de jogos lá para os lados da Rua da Beneficência.

Não tinhamos os mesmo pontos de vista políticos – ele era militante da UEC- mas isso só contribuía para termos mais assuntos de que falar e até discutir. Sem nunca nos zangarmos, mesmo cada um ficando na sua. Era o amigo, o companheiro de todas as horas, divertido, simpático e brincalhão, sem deixar de ser cativante e sedutor – em suma, tinha descoberto o meu “príncipe"...  estava encantada!

Blogagem coletiva proposta por Luma Rosa, do blogue “Luz de Luma, yes party!”, subordinado ao primeiro tema “Encantamento” – de um conjunto de quatro a enquadrar em “Amor os pedaços”. Imagem de Luma Rosa.

43 comentários:

  1. Hoje eu estou ENCANTADA com a BC fases do Amor!
    bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderEliminar
  2. E eu pensando que a estória era a tua mesmo, rrsss...ou não é invenção?

    De quelaquer mod, está muito bem escrita!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. As pessoas vulgares acabam sempre por seras melhores, Teté. Texto muito bonito.... :)

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso texto! nem sempre a beleza vista a olho nu é a mais bela.

    ResponderEliminar
  5. Óhhhhhh que lindo...Amei este texto :)))

    E não importa que seja verdadeiro ou inventado...fiquei encantada :)))

    Beijinho :)

    *Sete-Rios, hein?
    ** Rua da Beneficiência, hein?
    eheheh (assobiando)

    ResponderEliminar
  6. escreveste tudo ou é tipo cadáver esquisito? parece a tua maneira de escrever mas como depois dizes blogagem colectiva fiquei na dúvida.

    ResponderEliminar
  7. Oi, Teté!

    De uma forma ou de outra, o amor sempre nos chega marcando forte. E de onde menos se espera, ele surge, até mesmo de uma amizade que às vezes nem cogitamos. Gostei da história.

    Beijos e encantos
    Socorro Melo

    ResponderEliminar
  8. Oi Teté! Eu sou Tetê! Com certeza, ambas Teresas... acertei? Brilhante a sua participação! E seu blog é muito bom! Estou encantada! Bjks Tetê - Avaliando a Vida

    ResponderEliminar
  9. Muito boa esta história, Teté, mas gostava de saber como terminou o encantamento :-)))
    Depois dizem que as mulheres é que são curiosas.Mas eu sou Escorpião, sabe...

    ResponderEliminar
  10. Teresa
    Até me emocionei. Parecia que estavas a contar a minha história, como sabes. Embora só tenha tido um final feliz muitos anos depois :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Olá, querida amiga Tetê

    "Somente quem ama e se permite amar
    é que detém o tesouro do
    verdadeiro
    AMOR!
    (Kiro)

    Mais uma emoção rola no ar... que maravilha poder contar com tanta gente impregnada de amor!!!
    Encantada por assim dizer... Enamorada pela vida...
    Amando o amor...
    E pelo Amor sendo amada...

    Como todo boa menina/adolescente vc teve o seu príncipe como num conto de fada pessoal... que nós todas fazemos por sermos mulheres...
    Ficou claro o Encantamento que existiu entre vcs... muito bom!!!
    Isso é real demais!!!
    Obrigada por sua participação bem adequada à fase, viu???

    "Orvalhou o próprio Céu ante a face do Senhor"...
    Bjm encantado e tenha uma noite amorizada

    ResponderEliminar
  12. Lindo encantamento por aqui.valei!Linda flor também!!beijos,chica

    ResponderEliminar
  13. Penso que a história ainda continua...

    ResponderEliminar
  14. Bem-vindas, SANDRA, SOCORRO, TETÊ, ORVALHO e CHICA!

    Pelos vistos a blogagem foi um sucesso, já vi que teve 50 participações. Não prometo que vá ler todas, mas faço questão de ler as vossas e comentar. Mas amanhã, porque aqui já é tarde... :D

    ResponderEliminar
  15. SANDRA, só tive tempo para dar uma espreitadinha, mas imagino que com uma adesão tão grande haverá histórias encantadoras... :)

    ResponderEliminar
  16. Teté, lindo encantamento e prazer em conhecê-la. Parabéns pela sua participação! Forte abraço!

    ResponderEliminar
  17. SÃO, são realmente memórias minhas, mas resumidas e parciais - pois a história é mais longa! :)

    Obrigada e abracinho para ti!

    ResponderEliminar
  18. Pelo menos são aquelas que se importam e nos importam, VIC, e não as estrelas do circo... :D

    ResponderEliminar
  19. Obrigada, RAINHA! A beleza depende muito dos olhos de quem vê... :))

    ResponderEliminar
  20. MARIAZINHA, é só uma partezinha resumida de uma história real, um pouco mais comprida... :))

    Para quem andou no liceu D. Pedro V, eram os circuitos e os passeios da época! Sete-Rios era a última estação de metro para os residentes em Benfica, Carnide, Amadora, Pontinha e por aí adiante, onde depois se apanhavam os autocarros ou carreiras para essas zonas! Agora o metro já chega a todas, felizmente! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  21. União dos Estudantes Comunistas (UEC), RAUF! E, na altura, bastante Marxistas, Leninistas e Estalinistas... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  22. Blogagem coletiva, no sentido do tema ser conjunto para os vários blogues que aceitaram aderir, MOYLITO, mainada! :))

    Por essa de "cadáver esquisito" queres significar escrita a várias mãos?!? :D

    ResponderEliminar
  23. É, SOCORRO, às vezes chega assim de mansinho e devagarinho, como quem não quer a coisa... :)

    Mas que marca, marca! :D

    Obrigada e beijocas!

    ResponderEliminar
  24. Oi, TETÊ, quase homónima nos blogues e homónima fora do virtual... :D

    Como já referi mais acima, ainda não tive tempo para dar uma passadinha pelas restantes postagens (duvido que consiga todas, dada a grande adesão), mas amanhã é garantido pelo menos a quem me visitou! É que a hora aqui é mais tardia... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  25. Como é que acha que acabou, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA? Muito idealismo e imaturidade, nestas idades, pois... :))

    O namoro, posterior a esta fase, ainda durou cerca de dois anos! :D

    ResponderEliminar
  26. Sabes que pensei em ti, TERESA? Quando estava a escrever e a lembrar essa época, pensei que devias ter memórias e percursos idênticos! :)

    No nosso caso vivemos tudo aquilo na época, namorámos cerca de dois anos e... acabámos por nos afastar! C' est la vie! :D

    Mas gostei do teu final feliz! Mais madurinhos resulta melhor, certamente! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  27. ORVALHO, não sei se nesta idade não confundíamos um pouco a pessoa com aqueles ideais que tínhamos do amor, daí às vezes acabar em desilusão!

    Mas facto é que para quem os viveu, intensamente, são sempre momentos inesquecíveis... :)

    Obrigada e beijocas!

    ResponderEliminar
  28. Obrigada, CHICA! Também achei piada à foto para ilustrar o texto... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  29. A história continuou, EMATEJOCA, mas a parte que queria contar era apenas a do encantamento... :))

    Não vaio haver sequela, portanto! :D

    ResponderEliminar
  30. Bem-vinda, MARIA LUIZA! :)

    Obrigada pela sua visita, amanhã passarei pelo seu canto! :D

    Abraço!

    ResponderEliminar
  31. Olá Teté,
    você escreve muito bem. Encantei-me com a história do seu principe encantado e do percurso caminhado por vocês os dois.

    É tão bom quando as histórias encantadas virão realidade.
    Beijinhos e os meus agradecimentos pela sua participação na coletiva.
    Rute

    ResponderEliminar
  32. Que lindo este encantamento!Quando nos encantamos não importa como é ou como deveria ser, é aquilo que vem de dentro e nos encanta...
    Paz e bem
    Gostei e fiquei por aqui...

    ResponderEliminar
  33. Muito bela história!!!Encantamento,fase que precisamos entender os porques de ser como é!!!Bjs .Estou com postagem em dois blogs tentando mostrar algo mais.
    zildasantiago.blogspot.com
    rumoslibertadores.blogspot.com

    ResponderEliminar
  34. Bem-vinda, RUTE! :)

    E obrigada duplamente, tanto pelas tuas simpáticas palavras como por teres tido esta iniciativa (conjuntamente com as outras Rs) tão bem sucedida e que teve tanta adesão! :D

    Por mim, adorei participar! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  35. OK, entendi-te, MOYLITO! :D

    ResponderEliminar
  36. Bem-vinda, BEL RECH!

    O Encanto chega muitas vezes sem o esperarmos, assim de surpresa... :)

    Paz para ti também!

    ResponderEliminar
  37. Bem-vinda, ZILDA!

    Esse entendimento não será igual para todos e, por vezes, nem é absolutamente necessário vascular as razões. É assim e mais nada... :)

    ResponderEliminar
  38. Olá!"Encantei-me" com as tuas palavras, parece que estava a palmilhar as ruas de Lisboa com vocês. Gostei da tua maneira de relatar o encantamento que foi surgindo aos poucos de uma amizade...acho que na maioria das vezes acontece assim!
    Adorei tua participação!
    Beijinhos, cá do Norte!

    ResponderEliminar
  39. Bem-vinda, LINA!

    Não sei se para a maioria das pessoas o encanto nasce da amizade, comigo foi (quase) sempre assim... :)

    Obrigada, amanhã faço-te uma visitinha!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  40. Ah, Teté!! Por onde andas o seu príncipe agora? Divertido, simpático e brincalhão, cativante e sedutor... perfeito!! Infelizmente ou felizmente, a vida se encarrega de selecionar as pessoas que permanecerão do nosso lado.
    Obrigada por participar da coletiva e vamos que vamos para a próxima etapa!!
    Bom Domingo!! Beijus,

    ResponderEliminar
  41. Há momentos em que tudo nos parece perfeito, LUMA, mas depois a vida se encarrega de demonstrar que estamos erradas... :)

    Tive muito gosto, não há nada a agradecer! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)