terça-feira, 8 de novembro de 2011

ENCANTADORES BICHINHOS!

Uma amiga contou-me deleitada a maravilhosa experiência que teve este fim de semana, ao visitar uma exposição de répteis vivos, suponho que para os lados da Torre de Belém. Como a afluência não era muita (será que não sou só eu?!), meteu conversa com o tratador da bicharada, que lhe ensinou imenso sobre estas adoráveis criaturas, enquanto uma cobra trepava gentilmente pelo braço da minha amiga ... Ui, que emoção!!!

Aí lembrei-me novamente destas peripécias (já aqui relatadas em 2008, mas ocorridas anteriormente): na época, costumávamos passar férias no Sul de Espanha e um dos locais a que tinhamos de ir obrigatoriamente - por exigência das crianças, está bom de ver - era uma espécie de quintarola onde, para além dos animais habituais, também existiam crocodilos, cobras, lagartos e demais répteis e ainda outros bichos como avestruzes e lamas. Quem quisesse, podia pendurar uma cobrinha ao pescoço e tirar uma foto ou filmar a cena para a posteridade, demonstrando a sua valentia. Por mim, não fiz questão nenhuma e pirei-me logo dali para fora! Outra curiosidade consistia em serem os próprios visitantes a alimentar os animais: davam-nos milho, pão e biberons de leite para alimentar os cordeirinhos pequenos e aí estávamos nós armados em campesinos e a adorar a experiência. Depois de galinhas, patos, perús, porcos, ovelhas e cabras, passaram-nos à sessão seguinte e depositaram-me uma quantidade de pão nos braços. Não estava a ver para quê, que não via ali nenhum animal por perto. Eis que abrem lá um outro portão e vemos uma série de lamas a correr desembestadamente na nossa direção.

Coragem não é, nem nunca foi, o meu forte! Quanto mais os lamas aceleravam, mais eu me assustava, ainda por cima quando um deles me fixava e corria ao meu encontro. Alguma vez viram uma mulher carregada de pão a correr à frente de um lama??? E o bicho, acham que desistia? Não tivesse encontrado um homem desprevenido no meio da correria, a quem entreguei atabalhoadamente o pão, ainda hoje lá estaria a treinar para Obikwelu...

E claro, o que o lama (recuso-me a chamar-lhe laminha, que ele, não sendo dos maiores, era bem mais alto do que eu!) tinha, era fome! Mas pronto, as criancinhas continuaram a lá ir passear todos os verões, os adultos também, infelizmente passei a ter compromissos inadiáveis, precisamente nesses dias e horas! C'est la vie!

Imagem da net (como não poderia deixar de ser)!
.

34 comentários:

  1. A última vez que visitei o Quiproquó foi para saborear os filetes com molho de cogumelos.

    Esta manhã estive a ler os posts antigos, que quero comentar hoje à noite.
    Agora vou fazer o almoço; depois vou trabalhar na biblioteca; a seguir vou tomar parte na procissão de São Martinho com um mendigo cooperativo.

    Para já quero dizer-te que me fartei de rir ao imaginar-te a correr carregada de pão e a laminha atrás de ti.

    Até logo à noite!

    ResponderEliminar
  2. lololololololol
    Pior seria se visse uma cobra a vir na minha direcção!!!! Mas acredito que o susto tenha sido grande.

    ResponderEliminar
  3. esqueceste-te de dizer se o terreno era plano porque podia acontecer que também treinasses para Nelson Évora =))

    ResponderEliminar
  4. ehehehehehehehheeh amei este post, que doida :)))

    Não és só tu, eu também não acho a menor graça a essas graçinhas, a menos que os bixinhos sejam pequeninos e inofensivos, e não é falta de coragem, é medo mesmo :p

    No México estive num resort que tinha imensos bichos, uns dentro de recintos, outros andavam à solta...havia lagartos do tamanho de burros...no primeiro dia gritei e fugi, no segundo assustei-me e voltei a fugir...depois acabei por me habituar, mas uma coisa era vê-los, outra bem diferente era mexer-lhes, como vi muita gente fazer...medo!

    Tadinho do lama eheheheh

    Beijinho de solidariedade :)

    ResponderEliminar
  5. Em relação às cobras, compreendo a sua reacção Teté. Não é por medo (sei que elas não me vão atacar) mas sim porque a sensação de tocar na pele se torna repelente para mim. Aliás, talvez seja por isso que não gosto de lampreia. Agora fugir dum inofensivo lama? Oh my god? :-)))

    ResponderEliminar
  6. Eu vi estas lindas coisinhas verdes num jardim em Nice e só me apercebi que elas estavam em cima mesmo da minha cabeça porque um japonês estava a tirar uma foto (que eu convencida achei que era a mim....hihiihhii) mas depois olhei para cima e fiz como tu....oh pernas para que te quero....:)))
    Mas podias aproveitar e lá ir mais vezes para fazeres exercicio fisico....quem sabe não serias convocada para os proximos jogos olimpicos....ahahah
    Beijokitas

    ResponderEliminar
  7. Esqueci de dizer que gostei deste novo look.

    ResponderEliminar
  8. estou-te a imaginar a correr com um regaço de pão, como uma rainha santa cheias de rosas, à frente do peludo animal. eheheheheh

    ResponderEliminar
  9. Também eu me esqueci de dizer que gostei muito deste novo look, que além de ser lindo é repousante.

    ResponderEliminar
  10. Eu gosto muito de animais, mas repteis só no national geographic. E mesmo assim às vezes mudo de canal.

    ResponderEliminar
  11. Eu não suporto repteis. Nenhum! Desde a simples lagartixa ao ministro da educação...

    ResponderEliminar
  12. Estou mesmo a visualizar a cena, a Teté a fugir das feras ao estilo "lamas para que vos quero!" Fantástico.

    Aqui em casa também tenho uma senhora que é aversa a coisas rastejantes, que confesso também não me agradam.

    ResponderEliminar
  13. O que me ri com essa do lama!
    Não sei se fugiria a um lama, mas garanto-te que desses bicharocos tenho muito mais do que medo. Tenho-lhes nojo.
    A minha avó até tremia, quando sabia uma cobra por perto. Saí a ela.:)
    Percebi agorinha mesmo que nunca mostrei essa bicharada ao pirralhito.:)
    beijocas

    ResponderEliminar
  14. Ver répteis até gosto, mantendo claro está as devidas distâncias. O toque... é que nem pensar. Já o lama.... proporcionou-nos aqui uma história bem divertida :)

    ResponderEliminar
  15. Arghhh que susto :)
    Ok um pouco de distancia e consegui ler o post hehehehe

    ResponderEliminar
  16. Não sei, mas acho que conheço 1 ou 2 pessoas que se tivesse um pensamento mais morbido as levava a essa exposição que elas morria, 300% certeza.

    ResponderEliminar
  17. Ahahahah! Um mimo de post! : )))))))))))

    ResponderEliminar
  18. Mendigo cooperativo, EMATEJOCA? Não faço ideia do que isso seja, numa procissão! ;)

    Que dia tão atarefado! Mas ainda bem que gostas de novo visual... :)

    ResponderEliminar
  19. Pirei-me do reptilário assim que as cobras começaram a sair dos aquários, por via das dúvidas! Oh, se foi, ANA! 8-o

    ResponderEliminar
  20. Era plano, era, VÍCIO! Quando não a modalidade de atletismo seria outra... :e

    ResponderEliminar
  21. Ora aí está um local onde certamente nunca iria passar férias, MARIA! Também conheci uma senhora que nos anos 60 foi com o marido para Moçambique, para uma aldeola no meio do mato, e ela dizia que de início vivia apavorada, com medo de toda a bicharada, e para o fim já lá andava no meio do matagal como a população local. Claro que ela na altura tinha cerca de 20 anos, tenho impressão que nunca me habituaria tão depressa... 8x (smile a tapar os olhos)

    Mas se há tanta gente a querer cachecóis de cobra e passar a mão pelas escamas dos lagartos, por mim, cedo a minha vez... :))

    Pois, o lama coitado, mas com o susto achas que adivinhava? Mas está vingado, que até hoje sou gozada por toda a família à conta desse episódio... ~xf (ouves o assobio?)

    Beijocas, ó solidária!

    ResponderEliminar
  22. Repulsa não tenho, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, é medo mesmo! Ou pânico! Quanto ao lama, pois, não lhes conhecia a psicologia, com tanta fussanguice duvidei que fosse só fome... :))

    ResponderEliminar
  23. Também acho que estes bichinhos nas fotos e na TV são giros, mas assim ao vivo, a atirarem as línguas para fora, pois, PARISIENSE, também passo! Por cima da cabeça, ainda mais, brrr... :P

    Como deixei de ir à quintarola, enferrujei, de modo que os Jogos Olímpicos já não podem contar com a minha participação! Coitados, devem ter ficado muito desapontados... =))

    Também gosto do novo look! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  24. A imagem é muito lírica, MOYLITO, mas temo que dela só a parte da correria e do animal peludo seja verídica... :D

    ResponderEliminar
  25. Ah, pois, SONHADORA, no National Geographic também sou muito mais corajosa! :))

    ResponderEliminar
  26. As lagartixas, se estiverem a uma distância considerável, não me incomodam por aí além, MANUEL! Os ministros (da educação e companhia limitada) já se sabe que incomodam toda a gente... :-w

    ResponderEliminar
  27. Por acaso foi mais "pernas para que vos quero", PAULOFSKI, o esganado lama é que era perseverante... :))

    Pelos vistos a tua senhora é cá das minhas! :D

    ResponderEliminar
  28. O teu filhote ainda é pequenino, NINA, tem tempo de conhecer essa bicharada. Além que não costuma ser muito salutar mostrar medo (e nojo) perante as crianças, porque elas apanham esses "tiques"... :)

    E sim, acho que fui a única a "competir" com o lama... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  29. Concordo contigo, LUISA, os animais até são engraçados, a lembrar alguns pré-históricos - se mantivermos as devidas distâncias! O toque não me parece que seja muito diferente do de um peixe, acabado de pescar. Imagino! A diferença é que os répteis estão vivos... :D

    Garanto que na altura não achei piada nenhuma ao lama! ;)

    ResponderEliminar
  30. Eheheh, não exageres, LOPESCA, que o da foto não vai deitar a língua de fora... :))

    ResponderEliminar
  31. Pois, a exposição não será para todos, BRUNO! A começar por mim... ;)

    ResponderEliminar
  32. Agora até pode ter a sua piada, mas na altura não teve nenhuma, CATARINA! :)

    ResponderEliminar
  33. Linguinha de fora também dispenso, LOPESCA! :P

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)