domingo, 13 de novembro de 2011

OS IDOS DE MARÇO

George Clooney e Ryan Gosling a contracenar no grande ecrã? Pois, era imperdível! Diga-se em abono da verdade que estas tramas políticas não fazem muito o meu género: grandes ideais proclamados aos sete ventos em discursos empolgados, a intransigência na defesa da democracia, da liberdade, da honestidade e da integridade, na teoria, e depois na prática de bastidores destas campanhas eleitorais renhidas... pois... ah! Traições, jogos políticos, pressões, chantagens, ilegalidades, há sempre um enorme cardápio para escolher. E este filme não é excepção, nesse aspecto não é especialmente inovador! Pode-se dizer que é até um déjà vu! Mas vale pelas interpretações, tanto dos dois protagonistas, como de Philip Seymour Hoffman, Paul Giamatti, Marisa Tomei e Evan Rachel Wood.

Num breve resumo, Stephen Meyers é o jovem e ambicioso segundo assessor de imprensa, na primeira volta da campanha às presidenciais do partido Democrático, do governador Mike Morris e é convidado pelo assessor do outro candidato a fazer parte da sua equipa (revelando as estratégias já delineadas, obviamente). Entretanto envolve-se sexualmente com Molly, que lhe revela um segredo...

Et voilá, temos filme:


Devo acrescentar ainda que há atrizes com muita sorte e Jennifer Ehle é uma delas: em 1995 casou com Colin Firth na série televisiva "Orgulho e Preconceito", no ano passado era a mulher Geoffrey Rush em "O Discurso do Rei" e agora é a primeira dama de George Clooney... Ai, ai!   

Imagem da net, dos dois atores na estreia, em Beverly Hills.
.   

23 comentários:

  1. Voltarei para ver mais tarde.
    Agora só me apraz dizer que o raio do homem está cada vez mais bonito!:)
    beijocas

    ResponderEliminar
  2. Não sei se estarei a dizer disparates. O filme é atual, certo? ( eu e o cinema...:))

    ResponderEliminar
  3. Confesso que não li o post, porque este filme está na minha lista de prioridades e não quis saber nada sobre ele. Sorry!
    Boa semana

    ResponderEliminar
  4. Já vi o filme. Achei-o muito bom. Merece uma nomeação para os óscares.
    Hoje vi “J. Edgar” de Clint Eastwood. Recomendo. Outra nomeação. Leonardo DiCaprio é excelente no papel de J. Edgar Hoover.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Pois, NINA, é como o vinho do Porto... :))

    E sim, o filme estreou na 5ª feira feira passada em Portugal! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  6. Fez muito bem, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, se o vai ver em breve e prefere não saber... :)

    ResponderEliminar
  7. Gostei das interpretações, CATARINA, o argumento em si pareceu-me pouco original. E sim, também tenho curiosidade de ver o DiCaprio nesse papel e de ver que volta é que dão a um personagem tão controverso como o Hoover, que sem dúvida foi das mais marcantes dos EUA no século passado. Obrigada pela dica! :)

    Abraço!

    ResponderEliminar
  8. A arte imita a vida, Teté! Por isso achamos que no cinema existe uma certa repetição, mas ganha o Oscar quem sabe contar melhor a história ;)
    Deixei um recadinho no post do BookCrossing Blogueiro e mais uma vez obrigada por repercutir o evento!
    Boa semana!!

    ResponderEliminar
  9. Repararam que o homem até já dirige os seus filmes! Apenas vi de relance a entrevista que concedeu ao Mário Augusto. A trama e os meandros da política americana são sobejamente conhecidos e manteve um certo low profile bipartido (o início do filme agrada mais aos democratas e a parte final é pró republicana). Parece ser um filme candidato às nomeações para os oscares.

    ResponderEliminar
  10. Que importa o tema do filme quando o mesmo tem este dois actores? (assobiando)

    Ryan Gosling está na moda...gosto dele :)

    Quanto à Jennifer...há mulheres com muita sorte, mesmo ;)

    Não consegui ver o trailer, mas vi a entrevista que ele deu na tv.

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  11. Credo! Estou tão desactualizada que já nem sei quem é a esmagdora maioria dos actores famosos: quem é a Jennifer Ehle? E o Ryan Gosling? E o Geoffrey Rush? Bom, não saber quem é o George Clooney ou o Colin Firth ou ainda o Leonardo DiCaprio...nem é ser desactualizado, é já ser inculto... ;D

    ResponderEliminar
  12. não cobiçarás a sorte de actrizes. acho que é um dos mandamentos :)

    ResponderEliminar
  13. Por acaso concordo que devia ser quem contasse a melhor história, mas nem sempre é assim com os Oscar, LUMA! :)

    Foi com prazer que divulguei e participei! :D

    Boa semana!

    ResponderEliminar
  14. Além de toda a classe ainda é esperto, PAULOFSKI! A entrevista não vi, com muita pena minha... :D

    ResponderEliminar
  15. Ó, caraças, só eu é que não vi a entrevista? Mas estás certa, MARIA, com esta dupla, que se lixe o assunto... =))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  16. Quanto à "menina", nem é muito de estranhar que não conheças, ANA, uma vez que, exceptuando na série televisiva, estas personagens são secundárias! E vá, o Ryan ainda é relativamente novinho. Mas o Geoffrey? Ele já ganhou um Oscar de melhor ator e já foi nomeado outras vezes. Sim, andas um bocadinho distraída... :))

    ResponderEliminar
  17. ... ao lado, TEONANIZI? :))

    ResponderEliminar
  18. Estava à espera de melhor, MIGUEL! :)

    ResponderEliminar
  19. Ui, se os mandamentos o dizem, MOYLITO... estou "frita"! =))

    ResponderEliminar
  20. Este filme quero ver sem falta e, nem é por causa do George Clooney, mas sim, por causa do Ryan Gosling que é um excelente actor.

    Traições, jogos políticos, pressões, chantagens e ilegalidades é isso mesmo, que eu preciso para aquecer, neste Novembro cheio de sol, mas gelado.

    Depois de ver "Capote" o Philip Seymour Hoffman ficou também na minha lista de actores preferidos.

    ResponderEliminar
  21. Tens razão, Ryan Gosling é mesmo um excelente ator, e aqui até sobressai mais que o Clooney, pois tem "mais papel", EMATEJOCA! :))

    Esse do "Capote" ainda não vi, mas conheço Hoffman de outros papéis! :D

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)