sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

NO INVERNO, AO CREPÚSCULO...

Fotografia de Ian Britton

Algumas canções e músicas têm o condão de me fazer viajar no tempo. Back to the past, não a desbravar o futuro e a intervir de forma a alterar o passado, como naqueles célebres filmes protagonizados por Michael J. Fox. Não são recordações de dias específicos ou relevantes, de alegria ou romance. Apenas de momentos serenos, em que o som da rádio apenas era entrecortado pelo leve tilintar das agulhas de tricot da minha mãe ou o folhear do jornal do meu pai e, eventualmente, o pingar da chuva lá fora. Um pequeno radiador elétrico aquecia a sala, através de dois cilindros que pareciam incandescentes como as achas de uma lareira, nesses finais de tarde num mundo que então parecia perfeito, seguro e do qual não havia nada a temer, onde todos os sonhos ainda eram permitidos. Momentos felizes, mas efémeros! Porque quando escurecia  acendiam-se as luzes, a minha mãe arrumava a malha e iniciava os preparativos para o jantar. 

Mais tarde essa sensação de serena felicidade regressaria - em cenas domésticas semelhantes, com o filhote e o maridão por perto - embora as músicas e canções já fossem outras. A ilusão num mundo perfeito é que  já desaparecera para sempre...

Curiosamente, não são as músicas prediletas que despoletam essas viagens através dos tempos, apenas algumas que oiço raramente e que quase esqueço que existem. Mas quando calha, sabe bem escutá-las de novo e relembrar essa felicidade transbordante... sem qualquer motivo aparente!

Recentemente, o Kok perguntou se me lembrava dos Carpenter. Respondi que sim. Por sinal, até tocavam uma das canções que  têm esse mágico condão - "Yesterday once more":  


UM DOCE E SERENO FIM DE SEMANA PARA TODOS!
(com música, livros, cinema, teatro, família ou amigos... conforme preferirem!)

21 comentários:

  1. sem se darem conta, as pessoas vão mudando a fasquia da perfeição.

    (o aparelho eléctrico que aquecia a sala é irradiador porque irradía :e)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, VÍCIO! :)

      E também tens razão no irradiador! Vou alterar e obrigada pela nota! :D

      Eliminar
    2. RADIADOR = IRRADIADOR, segundo o Priberam, VÍCIO!

      Daí não ter alterado! Mas obrigada à mesma, pois erro como (quase) toda a gente... :)

      Eliminar
  2. Nunca tive a imagem de um mundo perfeito, infelizmente( devo isso a minha mãe, que nunca esqueceu - nem me deixou esquecer -que queria um rapaz), mas -caramba - também escusava de ser o que neste momento é!

    Desta canção não me lembro, mas do duo sim e dela ter morrido por aneroxia.

    Te desejo excelente final de semana, linda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu pai também queria um rapaz, mas teve de se contentar com duas raparigas, SÃO! Vale que não passou a vida inteira a remoer no caso.. :)

      É verdade, foi das primeiras vítimas famosas dessa horrível doença do foro psíquico!

      Bons sonhos para ti! A dormir ou acordada... :)

      Eliminar
  3. Acreditei durante muito tempo que podia haver um mundo perfeito. Hoje em dia, desfeito esse mito, também gosto de recordar os tempos em que acreditava, através da música. The Carpenters não eram muito populares, mas eu gostava e os meus amigos gozavam-me. Coisas da vida!
    Um bom fds também para si

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma desilusão quando descobrimos que o mundo perfeito é apenas (mais) um mito, CARLOS! ;)

      A fã dos Carpenters lá em casa era a minha mãe, mas confesso que também gostava. E ainda gosto de ouvir, assim esporadicamente! :D

      Eliminar
  4. Caso para dizer que a perfeição, muitas vezes, é aquilo que queremos que ela seja. Também tenho muitos momentos perfeitos, felizmente. Não com irradiadores, no entanto, que o que havia lá em casa de mamãe decidiu cair-me em cima do pé quando era miuda e a modos que ficamos de candeias às avessas, os irradiadores e eu. Mais eu do que eles, que foi a minha unha que saltou fora.(entretanto já cresceu. Pela segunda vez, que no ano a seguir tb deixei cair um vaso em cima do mesmo dedo, esperta que sou!). Os meus envolvem um serão calmo com o marido e os gatos ao colo e os cães a roncar. Ou um fim de tarde de verão no terraço, a ver o por do sol. Ou um passeio pela praia, quando está tudo deserto e temos o sítio só para nós.

    Os Carpenter não estão sempre presentes em todos, mas lembro-me de uns quantos momentos passados a trautear o 'Close to You'. Gosto imenso. Tanto que até me está a dar vontade de cantar :)
    why do birds, suddenly appear
    everytime you are near...tra la la, tra la la... la lllllaaaaaaa a laaaaa
    :) muito fixe este bocadinho que aqui passei, Teté. Obrigada!
    Beijos e bom fds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente todos temos momentos felizes, SAFIRA, para fazerem esquecer os menos bons, com irradiadores, vasos ou piores! Mas alguns somos nós que os procuramos, ou pomos a jeito para eles, quando vamos dar esse tal passeio pela praia deserta ou fazer uma viagem com que sonhávamos, ets. e tal. Mas outros surgem assim do nada, inesperadamente, com algumas recordações musicais à mistura... :)

      Também gosto dessa. E o teu trautear chegou aqui... :D

      Beijocas!

      Eliminar
  5. Também me lembro bem deles!
    Agradeço e retribuo!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que há gerações inteiras que ainda se lembram deles, ROSA. De vez em quando, pelo menos... :)

      Abraço

      Eliminar
  6. Também gosto de recordar velhas canções. Sou uma nostálgica incurável. :)Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há músicas assim, LUISA, que de vez em quando nos despertam os sentidos (e a nostalgia)... :)

      Eliminar
  7. Há coisas do "caraças". Já várias vezes me lembrei desta música, mas já não lembrava o nome da canção nem quem a cantava. Hoje tiraste a minha dúvida. Thanks! Também eu adorava esta música, apesar do meu coração, já naquela época, estar preso à música francesa.
    Bom fim de semana também para ti Teté!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora ainda bem que te ajudei a lembrar, KIM! :)))

      E também gosto de (alguma) música francesa... :D

      Beijocas!

      Eliminar
  8. Para já gostei da foto que escolheste.
    Lembro-me dessa canção. Já nem sei quando foi a última vez que a ouvi. Foi bom recordar.
    Bom fim de semana para ti tb, Teté, preferivelmente mais quentinho que o meu.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há canções assim, que têm uma época, mas continuamos a gostar de ouvir de vez em quando, CATARINA! :)

      Mais "quentinho" de certeza, mas muito mais ventoso também... rsrsrs

      Abraço

      Eliminar
  9. Não conheço a música... mas tenho músicas que produzem exactamente o mesmo efeito... têm um sabor doce e amargo ao mesmo tempo... =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais doce que amargo, BRISEIS, que as más recordações fazemos por esquecer... :)

      Eliminar
  10. A mim há músicas que me fazem viajar para momentos, tenho muitas músicas que me fazem lembrar esta ou aquela amiga em momentos concretos, porque simplesmente estávamos a ouvir determinada música... A nossa memória é uma caixinha de surpresas :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, POPPY, a música despoleta recordações, momentos, locais ou pessoas... :)

      E também concordo que a memória é uma caixinha de surpresas! :D

      Beijocas!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)