quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

EXALTAÇÕES!

Na semana passada as redes sociais foram palco de duas discussões estéreis e completamente despropositadas (e desproporcionadas): uma campanha publicitária infeliz, em que uma bloguista declarava que um dos seus sonhos para 2013 era comprar com o seu dinheiro uma mala clássica Chanel, que suscitou tanta indignação e exaltação, que determinou que a empresa retirasse a campanha de circulação; e o caso de um cão que matou uma criança de 18 meses e que levou ao rubro posições extremistas, entre supostos defensores dos animais e outros que defendiam o abate do animal, como é norma por lei. Ambos os casos deram azo a insultos de toda a espécie, tanto à rapariga "sonhadora", como até às pessoas que expressaram a sua opinião sobre o destino a dar ao cão, quer contra ou a favor do abate do bicho. Esperem lá, não há assuntos mais importantes nesta terra para discutir?

Numa altura em que praticamente nenhum português sabe ao certo quanto vai receber no fim do mês pelo seu trabalho (para os que ainda têm emprego) ou de pensão (para os reformados), quantos impostos ainda estão a ser congeminados pelos atuais governantes, se os direitos, liberdades e garantias constitucionais continuam a ser violados sistematicamente e se os níveis de desemprego ainda vão rebentar a escala nunca vista, é a mala dos sonhos da outra ou o futuro do cão que interessam? Porque é que, por exemplo, a RTP ou outras empresas nacionais oferecidas de bandeja ou vendidas ao desbarato (sem qualquer transparência nas "negociações") a empresários privados cada vez mais ricos e ambiciosos não motivam a mesma exaltação?

Sem qualquer tipo de simpatia por meninas-armadas-em-dondocas, certo é que cada um pode sonhar com o que bem lhe apetecer! Do mesmo modo - num país em que milhares de animais são maltratados, abandonados ou abatidos diariamente - opinar a favor ou contra o abate de um cão não é crime... 

Culpas? Não existem propriamente, porque campanhas publicitárias mal concebidas e acidentes com animais acontecem, infelizmente! Mas há aqui um padrão: falar, debater e discutir até à exaustão assuntos pouco significativos e esquecer o que é realmente relevante! O facebook cada vez relembra mais o salão dos "dois minutos do ódio" no fabuloso "1984" de Orwell - extravasam-se para lá ódios, frustrações e insultos, à vista de todos, e depois cada um retoma a sua vidinha, mais aliviado...

Olhó passarinho! (o governo agradece, mas depois não se queixem...)


Cartoon de António, no facebook.

35 comentários:

  1. O cartoon diz tudo sobre a alienação reinante!

    O facebook nunca foi a minha paixão e cada vez mais o considero o largo da aldeia(neste caso global) onde todos os mexericos são expostos sem pudor nem recato.

    Bons sonhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo essa a palavra, SÃO: alienação! Às vezes até parece que todo o mundo ensandeceu... ;)

      O facebook tem os seus prós e contras. Gostei de reencontrar por lá antigos amigos de que não sabia há que anos. Mas quando toca a mexericos e a discussões parvas... olha, desligo! :)

      Bons sonhos!

      Eliminar
  2. Olha Teté, eu ás vezes penso errado e desta vez também pode acontecer que sim. Mas, para mim, são campanhas distrativas e lançadas não por acaso. Vou-te contar uma pequena história. Pouco antes do 25 de Abril de 1974, fervilhavam os meios militares, a esquerda conspirava, algumas faculdades (por exemplo o Técnico, estavam em greve, sabia-se que o regime estava por um fio. Um dos programas de opinião, mais influentes e mais vistos da RTP (assim como quem vê o Marcelo Rebelo de Sousa, hoje em dia)era o TV. O político do regime, o que fazia o papel do demagogo, ao serviço de Marcelo Caetano, era um tal João Coito. Pois na semana anterior ao golpe de estado, ele fez uma palestra no TV, indignadíssimo com o aumento de $10 (dez centavos = 1 tostão) no preço da batata.

    Pois é minha amiga. Isto está tudo orquestradinho. E ainda há os Secret Stories e outras coisas parecidas. Quem vai ganhar a bolsa (a Pepa?), a vida(o cão?), ou a casa dos segredos (a loira?9 eu não sei. Só quem quem vai perder. Quem já está a perder!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo em relação à orquestração, ao gesto de prestidigitador que leva o público olhar para uma mão, enquanto faz o truque com a outra, VITOR! :)

      Lembro-me bem de João Coito, até o conheci alguns anos mais tarde! O programa só recordo vagamente! Mas faz todo o sentido encarrilhar indignações num sentido, para fazer esquecer o resto. É a tal história da árvore e da floresta...

      E sim, estamos todos a perder! A todos os níveis. E muitos a descarregar a bílis nas Pepas e cães deste mundo, como se isso fosse o que é realmente importante... :P

      Eliminar
  3. Esta noite publiquei um artigo do Diogo sobre o mesmo tema. Como já comentei no blogue dele:

    Ando tão saturada de ler sempre a mesma coisa sobre o Coelho, o Relvas, o Gaspar, pois na minha opinião, estar sempre a bater na mesma tecla ou a mexer sempre no mesmo mexilhão, não ajuda mesmo nada a melhorar a situação dos portugueses, por isso, estou grata de ler as notícias mais estúpidas do mundo... e o nosso povo pensa o mesmo que eu.

    Quanto ao caso do cão, fiquei mesmo muito contente, que tantos portugueses fossem contra o abatimento do pitbull.

    Boa noite!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ematejoca,

      Hoje o diário económico trás um simulador muito bem feito sobre quanto ganhará em 2013 depois dos cortes feitos pelo Governo.
      A amiga, que vive e trabalha noutro país, experimente usar o simulador com o seu salário de 2012 e veja quanto o governo português lhe roubaria este ano se por cá estive a trabalhar.

      É por isso, que eu compreendo que esteja cansada de ouvir falar em Coelhos e Gaspares, porque longe das vistas, longe do coração como dizia a minha querida avó. mas nós que somos espoliados todos os dias, ficamos mais sensíveis a essa coisa de defender um cão que matou uma criança de 18 meses. Eu que tenho animais e um neto praticamente da idade da criança que morreu, não sou neutro nesta matéria. Nem suspeito.

      Já agora o link do diário económico, se quiser fazer o exercício:

      http://economico.sapo.pt/noticias/calculadora-descubra-o-seu-novo-salario_160299.html

      Um abraço ematejoca e outro Teté por teres escrito este post.

      Eliminar
    2. EMATEJOCA, também li e comentei, depois de publicar este post.

      Não partilho é da tua opinião que falar ou discutir assuntos comezinhos tenha qualquer utilidade, porque se todos baixarmos os braços vencidos pelo cansaço de aturar estas despudoradas criaturas que nos governam é que podemos ter a certeza de não irmos mesmo a lado nenhum! É cansativo repetir que são incompetentes, arrogantes, não respeitam o povo e a constituição? Mas se é verdade, vamos calar-nos? E passar a falar de malas Chanel e abates de cães? Tem dó!

      Não tenho opinião sobre o que fazer ao cão. Sei é que é inacreditável que os ditos defensores dos animais tivessem tão pouco respeito pela família enlutada, quando a culparam do ocorrido! Pelo que li, pareceu-me que o caso configura um infeliz acidente. Para quê andar sempre à procura de culpados?

      Boa noite para ti!

      Eliminar
    3. VITOR, fiquei sem entender qual era a tua opinião sobre o abate do cão. Mas concordo com tudo o que disseste em relação a sermos espoliados diariamente, como é lógico!

      Obrigada pelo link, que vou espreitar! :)

      Abraço

      Eliminar
    4. Meu caro Vitor Fernandes, tenho famíliares em Portugal que não me visitam há mais de dois anos por causa da crise, embora eu os considerasse bem desgovernados nos anos gordos.

      Eu que eu quero dizer, é que temos de tomar medidas concretas contra a situação económica do nosso país, mas concretas e sem as emoções do costume, que não levam a coisa nenhuma.

      Eu também não gosto mesmo nada do actual governo, mas sei, que o PS não é a alternativa ideal.

      Quanto à questão do cão.

      Como se pode deixar uma criança de 18 meses entrar sózinha numa cozinha às escuras. onde se encontra um pitbull. Aqui, na Alemanha, nem todas as pessoas podem ser donos de um desses cães, precisam de uma licença especial.
      Um cão é um animal irracional, mas nesse caso, os pais e familiares do Dinis também o foram.

      Saudações de uma portuguesa, cujo coração bate pela sua pátria.

      Eliminar
    5. Até me esqueci de lhe dizer, Vitor, que o Diário Económico é um jornal que gosto de ler, porque é bem claro naquilo que escreve e sem ideologias.
      Já tinha lido o artigo que me indica; o que não li em jornal nenhum, só no blogue do Diogo e do Carlos, foi a história da Pepa.

      Claro que discutir sobre uma miúda de 17 anos que deseja uma carteira Chanel, é inútil, mas ajuda a esquecer o dia a dia, porque nem só de pão vive o homem.

      Quanto à discussão sobre o pitbull, não é inútil, pois a lei tem de estabelecer regras aos donos desses cães, para que não aconteça um acidente tão trágico como a morte de uma criança.

      Também respondi no "ematejoca azul" ao teu comentário, Teté.

      Eliminar
    6. EMATEJOCA, concordo absolutamente que devia existir uma legislação mais eficaz. Porque se existe não ó observada e toda a gente se está nas tintas! Mas mesmo que passe a existir - "casa roubada, trancas à porta", diz o povo e com razão - alguns casos pontuais destes continuarão a acontecer. Talvez em menor número, é certo, mas mesmo assim não erradica de vez com o problema.

      Considero que é mais a questão da legislação que deve ser discutida e não o abate ou não deste cão, especificamente. Com tanto animal abatido nos canis e gatis, que nunca fizeram mal a uma mosca, não entendo tanta preocupação com o abate de um único cão, que ainda por cima demonstrou ser perigoso! E o abate não serve para incriminar o cão, evidentemente, mas para afastar o perigo que representa. Dito isto, e como referi, não assinei nenhuma petição num sentido ou noutro, para mim o destino do cão é irrelevante!

      Outra questão talvez fosse a de sancionar os criadores destas raças, embora essa já seja outra questão. Quanto a atirar as "culpas" para cima dos avós ou pais da criança que morreu, francamente, acho um exagero. Além do enorme desgosto porque estão a passar, todos sabemos que crianças dessas idades por vezes iludem a nossa vigilância...

      Já lá vou ler, que por acaso não vi! :)

      Beijocas!

      Eliminar
  4. TV 7 era o que eu deveria ter escrito em vez só de TV
    Entretanto há por aí alguns pequenos erros... não ligues :9

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, já entendi qual era o programa, VITOR, do qual só me lembro vagamente... :)

      Esses pequenos erros não importam, percebi lindamente! :D

      Eliminar
  5. Teté,
    Posso bater palmas?
    Clap, clap, clap.
    Ri-me com a publicidade da dondoca.
    Indignar-me?
    Com quê?
    Não são aquelas palermices que me indignam.
    São coisas muito mais importantes e muito mais graves.
    O caso da criança arrepiou-me.
    Gosto muito de animais.
    Mas, como bem escreveu o Daniel Oliveira no expresso, comparar os direitos humanos, a vida humana, para mais de uma criança, e a de um animal, é grotesco!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo absolutamente com o Daniel Oliveira nesse capítulo, PEDRO COIMBRA! Aliás, ele foi uma das vítimas de insultos, por ter defendido o abate do cão. Outra e contra o abate foi Ruy de Carvalho, que até de xexé o chamaram. Esta gente anda toda doida ou quê? :)

      Obrigada pelo aplauso! :D

      Beijocas!

      Eliminar
  6. Absolutamente de acordo (o teu post e o da Graça complementam-se).
    Não percebo esta gente.
    Temo cada vez mais o futuro, não só por perceber que estamos entregues aos bichos, mas sobretudo por perceber que aos olhos de muitos "outros valores mais altos se alevantam".
    bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também faz lembrar a peça de Shakespeare, "Tanto Barulho Por Nada": daqui a 15 dias já ninguém se lembra, NINA! :)

      Valores, quais valores? Vontade de insultar e peixeirar, isso sim... :P

      Beijocas!

      Eliminar
  7. é uma mostra do nível de conhecimento que a maioria tem.
    apesar de todos discutirem a economia do país não "vêem um boi" do assunto que estão a falar e só falam porque lhes mexe no bolso.
    é algo assim do tipo "treinador de bancada".

    felizmente surgiu ontem uma novidade no facebook que vai manter esse gente ocupada durante algum tempo a tentar percebe-la ou a entrar de cabeça para depois reclamar dela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é preciso ser perito em economia para sabermos que estamos a ser roubados indecentemente, VÍCIO!

      E acho que parte do problema parte daí, além do pessoal não perceber nada de economia ainda faz gala de dizer que sempre detestou matemática, e depois na falta de conseguir comentar assuntos relevantes vai embicar com as Pepas e cães (ou donos deles) desta vida... :P

      Não vi novidade nenhuma no facebook! :D

      Eliminar
  8. Teté, ontem ainda quis comentar mas por alguma razão que me escapa não consigo comentar no meu pc de casa.
    É verdade que ainda não falei do caso do cão, apesar de já ter comentado brevemente dois ou três posts. Mas também tenho a minha opinião. Matar o cão não resolve nada e é a solução fácil. Não sei o que aconteceu, não vi, não sei se o miudo foi pisar o cão no escuro, se lhe mexeu na comida, se o assustou. O que eu sei é que não devia andar sozinho com um cão que faz 3 ou 4 vezes o seu peso e o pode matar mesmo sem o agredir. Infeliz acidente? É muito possível que sim, e ninguém devia passar pela morte de um filho desta forma tão estúpida. A questão é saber se foi feito tudo o que poderia ser feito para evitar acidentes. Começa logo pela exposição ao risco. Eu adoro cães, como sabes, mas, como já disse noutro blogue, não deixo a minha sobrinha chegar perto. Epá, não lhe fariam mal, sim senhor, nunca tivemos problemas...deixá-lo. Não arrisco. A minha dúvida reside aí, e acho que, de todos, o cão é seguramente o que menos responsabilidade tem. Um cão é um cão. Não tem capacidade de discernir o certo e o errado, é um animal visceral. Reage. Não antecipa, não reflecte. Matá-lo não vai trazer de volta o Dinis, como não trouxe de volta a senhora que foi morta pelo pitbull do filho no verão passado. Mas como cala toda a gente, e depois fica tudo bem, mate-se o cão. Este e todos os outros parecidos, que agora durante duas semanas vão ser demonizados. Tremam todos quando aparecer um pitbull porque é um cão assassino! Escamoteie-se o problema em vez de o regulamentar. Não vejo os donos dos cães sancionados. Não os vejo inibidos de voltar a ter animais, como fazem no Reino Unido. Não vejo uma cultura de responsabilidade em Portugal. Não vejo monitorização das condições em que pessoas têm animais domésticos e esta, esta é mesmo para lançar fogo à arena, não vejo monitorização da capacidade parental.Mas a culpa é do cão. Claro que sim. Moving on...

    Beijinhos (não exaltados :) )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. DESCULPA, Teté!!!

      Mas gostei tanto de ler os argumentos da Safira, pois não me senti tão sózinha com o MEU ESSENCIAL!!!

      Eliminar
    2. Como já referi não sou contra ou a favor do abate deste cão, especificamente, SAFIRA! A questão está em saber se o cão é perigoso ou não. Porque como bem sabes há cães destes treinados para matar, lutar, etc. Óbvio que não se trata de culpa do animal, mas de quem o treinou. E contra isso, tanto quanto se sabe, as autoridades não fazem rigorosamente nada! Há lutas de cães e toda a gente fecha os olhos. Esses, que criam e treinam cães para esses fins, admito que sejam realmente culpados e deviam ser presos, no meu entender. Mas não sei se era o caso deste cão especificamente!

      Quanto a ter cuidados redobrados com crianças perto dos animais, concordo absolutamente contigo. No entanto, toda a gente que tem crianças ao seu cuidado, sabe como elas por vezes são imprevisíveis e um segundo de desatenção pode dar em desgraça (não só com animais, coo é lógico). Culpar a família enlutada por isso, acho do mais cretino que há! Mas para defender o cão, não faltou quem o fizesse, nesta ânsia tão tuga de encontrar sempre culpados!

      Para ser franca, não conheço ao certo a legislação que existe nesta matéria: será que existe e não é observada ou simplesmente não existe? Mas concordo que devia existir uma legislação mais eficaz. É provável que não acabasse de vez com problemas destes, mas evitava alguns!

      Beijocas!

      Eliminar
  9. Como já ontem escrevi- e hoje vou voltar a fazer- as pessoas preocupam-se com o acessório e esuqecem o essencial. Não podia estar mais de acordo consigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O essencial é diferente para cada um de nós.
      O que é essencial para o Carlos pode não o ser para mim e, eu é que decido qual é o meu essencial e, não digo aos outros, que o meu essencial é que é o verdadeiro.
      Para mim é essencial salvar a vida do cão, e evitar que um caso tão triste como a morte de uma criança, se repita.
      Na Alemanha para se ter um pitbull tem de se ter uma licenca.

      Para mim também é essencial que ninguém conduza quando bebe demais, pois também pode causar um acidente e morrer uma criança. E depois?

      Eliminar
    2. Já lhe tinha dito que estava de acordo consigo, CARLOS! :)

      Eliminar
  10. Li muito pouco sobre o assunto do cão e a criança, desconheço os pormenores e muito menos (zero) uma tal fulana que gostava de ter uma mala muito cara e por isso, não me pronuncio.
    Faz-me confusão é ouvir tanto alarido em volta do futuro próximo do cão e não o lamento da morte da criança e ainda mais da não responsabilização dos donos do cão.
    Aqui também é obrigatório ter licença para ter um cão destes e inscrevê-lo até na Junta de Freguesia.
    Parece (?) que os donos não teriam participado a sua posse nem teriam a licença !!!
    Porque não se fala disso ? :((

    Politicamente, hoje houve uma boa notícia que me dá esperanças no futuro : o governo português conseguiu colocar uma boa quantia de dívida portuguesa a um juro de 2% (quando anteriormente era muitíssimo mais elevada), com procura de mais do dobro da oferta, o que nos permite vislumbrar um reconhecimento das nossas capacidades e uma mais rápida abertura dos mercados financeiros exteriores, o que permitirá (mais depressa do que se esperava)um maior apoio dos bancos (até aqui sem esse recurso) às PME's, "estranguladas" com falta de meios financeiros e possibilidades de falências. Isso, sim são boas notícias que infelizmente poucos valorizam !

    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo que tivesses lido muito sobre o cão, RUI, se calhar ficavas na mesma, porque com tantas versões e opiniões, já ninguém sabe ao certo o que pensar.

      Também me fez confusão tanta gente preocupada com o cão e a relegar para segundo plano a morte da criança. Como já referi não sei se é a lei que é parca ou omissa ou se simplesmente não é cumprida e ninguém faz nada. Pelo que percebi, o dono do cão era o avô da criança. Mas com tanta informação (e desinformação) claro que o que é realmente importante fica por debater.

      Ah, conseguiu? Hummm... vamos lá ver se daqui a dois meses não vem desdizer o que diz agora e arranjar mais medidas para castigar os "calões" dos portugueses que ganham muito, trabalham pouco e ainda são piegas! :P

      Beijocas!

      Eliminar
  11. Afinal o essencial é sermos felizes e que nada aconteça de errado a ninguém e em lado algum.
    Porém "elas" acontecem e ignorá-las de nada vale pois no mínimo repetir-se-ão.
    Pois se quando referidas em variadas ocasiões pouco tem adiantado...
    Sobre a tal Pepa, pouco se me dá que ela ganhe o que ganhou por promover a Samsung, independentemente de isso lhe permitir comprar a tal mala. Mas acho ter sido um exagero a SIC ter-se dado ao trabalho de a entrevistar por causa disto. A menos que fosse uma entrevista a pedido (e eventualmente paga) pela Samsung. Porque "eles andem aí"!
    E do cão (diria dos cães) não sei o suficiente para aceitar que seja abatido. Afinal ele é culpado de quê? Parece-me todavia que um cão daquele porte não deve estar confinado a um apartamento, mesmo que passeie (e não sei se era o caso) uma ou duas vezes por dia. Porque gostar de ter um cão de grande porte não basta.
    Não esqueço que morreu uma criança de meses de idade. Não esqueço mesmo! Mas também não posso esquecer que a maior responsabilidade pelo comportamento do animal é o seu dono.
    Não me passa pela cabeça que um cão seja mais importante que um ser humano. Por isso também não entendo os termos de comparação, mais ou menos agressivos, tolos e disparatados (digo eu), que são sugeridos em diversos artigos de opinião.
    Eh pá, estiquei-me no comentário. Vou acabar!
    Estes tipos de notícias são irrelevantes? Admito que sim! Afinal há coisas bem mais importantes para referir, falar, discutir...
    Óh se há!
    Mas nem estas fazem esquecer as outras, nem as outras deixam de ser importantes por via destas.
    Afinal tudo não passa de uma questão de opinião, né?

    Beijokas com sorrisos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh, KOK, nem falei da entrevista da Pepa na SIC, mas também achei assim pró pindérico. E pensei logo que nesta terra mais vale ser conhecido, nem que seja da pior maneira. Como o Futre, que tinha caído no esquecimento e agora está em todas... :)))

      Os comentários em defesa do cão ou a favor do abate do cão foram realmente excessivos, insultuosos, agressivos e demonstraram uma grande falta de nível. O que para mim é relevante é que morreu uma criança. O cão obviamente não é culpado, mas se realmente demonstrar perigosidade para o ser humano, não vejo porque não ser abatido. Como se faz aos cães raivosos e até aos pobres coitados que vão parar ao canil, sem nunca terem feito mal a ninguém. No meio disto tudo, há também uma grande dose de hipocrisia: os defensores dos animais estão muito preocupados com este cão e com os outros não?!?

      Claro que há notícias mais importantes e outras que são mais fait divers e umas não fazem esquecer as outras. O cerne da questão está no frenesim de comentar o secundário (a morte da criança não é secundária, note-se, mas é um caso pontual) e o silêncio quase generalizado no debate do fundamental! Não há pachorra! :)

      Beijocas sorridentes!

      Eliminar
  12. Acho que o pior de tudo é a falta de respeito pelas opiniões dos outros. Lembro-me quando há tempos um forcado ficou tetraplégico li comentários que rossavam um tal desrespeito pelo humano que achei assustador, uns diziam "havia de ter morrido" outros diziam "é bem feito", mas é bem feito o quê? Ah e antes de continuar devo dizer que eu sou completamente contra as touradas, daí a desejar a morte de alguém tenham dó de mim.

    Quanto ao pequeno Dinis que anseio que esteja num lugar melhor do que nós, acho que um pouco de respeito seria bem vindo numa altura de luto pelos familiares, pelo menos! Os insultos que se trocaram de um extremo ao outro foram radicais e absurdos. Mas efectivamente matar o cão não resolve nada, isso é um facto.

    Quanto à Pepa, a minha teoria é que a campanha foi feita mesmo assim de propósito, desconfio que não sei até que ponto a ideia da campanha não foi concebida assim de raiz, aliás, não foi por causa da polémica que retiraram o vídeo, foi depois de retirarem o video que rebentou a bomba geral, porque até Quinta passada lá sabia eu quem era a Pepa.

    Concluindo, acho que as pessoas andam com uma necessidade estranha de criara conflito, pelo menos é isso que eu vejo sobretudo no FB.

    Beijinhos :)*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Odeio touradas, POPPY, e mesmo não desejando a morte a ninguém, não me condoo com os ferimentos dos toureiros: não foram eles que quiseram ir para a frente dos cornos do touro para lhe massacrarem a existência? Então, não têm porque se queixar... Um drogado não se arrisca a ter uma overdose, um piloto da fórmula 1 a ter um acidente grave, passa-se o mesmo com o toureiro! Com a agravante que o fito dele era torturar o touro, os outros só têm comportamentos de risco que os afetam a eles próprios...

      Concordo absolutamente com o que dizes sobre a morte do menino. Matar o cão não resolve, mas, caso o cão seja realmente perigoso, evita que ele ataque outras pessoas. Mas isso não tenho dados para afirmar, pelo que li o cão não costumava atacar ninguém... (vá-se lá saber se é verdade, com tanta tecla desgastada por aí!)

      A campanha foi feita assim, por erro do publicitário que a concebeu, e que não percebeu que seria mal aceite pelos portugueses que estão a lutar com grandes dificuldades. Mas quer dizer, não é o primeiro publicitário a errar o objetivo, não é? E a menina-armada-em-dondoca ser insultada, também me parece excessivo... :)

      Mas também é a conclusão a que chego: a malta anda um bocado desvairada e depois acaba por ser agressiva e conflituosa com assuntos de somenos importância... :P

      Beijocas!

      Eliminar
    2. Só para terminar o assunto das touradas, eu era pequena e em minha casa viam-se touradas e eu achava fascinantes as vestimentas dos toureiros, a partir do momento que descobri que aquilo que corria nas costas do touro era sangue passei a odiar, e tenho a certeza que ainda nem na escola andava, porque ainda me lembro qual foi a tv e onde estava localizada, isso foi algo que me marcou por isso sou contra a tourada praticamente desde que me lembro porque não entendia de que modo espetar coisas nas costas dos touros era divertido. Quando comecei a estudar história e os circos romanos as touradas faziam-me lembrar aquilo. Não gosto e posso dizer que em conhecimento do que aquilo era nunca gostei, do mesmo modo que não acho piada nenhuma que alguém se arrisque a conduzir alcoolizado, e do mesmo modo que mesmo assim não desejo a morte a ninguém nem algoi tão grave quanto ficar tetraplégico. Adoro animais, e sou protectora dos mesmos sem precisar de ir para a rua ostentar bandeiras ou mostrar que o sou, mas não sejamos radicalistas. Achei muito mau mesmo em relação à situação do bebé, tantos saberem o nome do cão e tão pouco se falar no nome do bebé.
      A vida humana é mais valiosa do que a dos animais, por muito que adore a minha cadela e a minha gata se tivesse de salvar o filho de um estranho ou as minhas pequenas eu salvava o filho de um estranho. E desculpa Teté que já divaguei imenso, espero que me tenha conseguido fazer entender. É um tema que não me é fácil abordar, porque tenho uma posição muito central e muito equilibrada sobre estes assuntos.

      Quanto à campanha publicitária, será que a campanha em si teve mesmo falta de sucesso? Hum... É tudo uma questão de perspectiva :p

      Beijocas

      Eliminar
    3. Pois por aqui sempre foi uma questão unânime na família: toda a gente detestava touradas! E quando a televisão era a preto e branco o sangue do touro quase não se notava, a primeira vez que vi (de passagem) a cores fiquei completamente siderada, POPPY!

      Percebi muito bem o que querias dizer, para mim também é evidente que uma vida humana vale mais do a de qualquer animal. O que não impede que goste mais de alguns animais (por uma questão de afetividade e proximidade) do que de muitos trastes que por aí andam. Mas é evidente que mesmo a vida de um traste vale mais do a de um animal de estimação. Mas enfim, não vale a pena pôr a coisa nesse prisma, porque trata-se de um mero cenário hipotético (escolher entre uns e outros), sem qualquer probabilidade de se verificar. E ainda bem! :)

      E sim, tens razão, às vezes mais vale ser falado - mesmo que mal - do que passar incógnito! Então a rapariga não foi entrevistada na SIC e tudo?!? :)))

      Beijocas!

      Eliminar
  13. Gostamos de polemicazinhas da treta... O verdadeiramente relevante deixamos andar... Uns tristes!

    Beijinho, Teté!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, GRAÇA! Uns tristes, ainda por cima com a boquinha a cair para o insulto fácil em polémicas de pouca monta... :)

      Beijocas!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)