quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

DJANGO LIBERTADO

Tarantino é conhecido por realizar filmes muito violentos e, por isso mesmo, nunca vi nenhum. Até ontem e para aproveitar os vales de dois bilhetes de cinema gratuitos, cujo prazo de validade acaba hoje! Como não sou a única a tê-los, as sessões estavam praticamente esgotadas: nunca vi tanta gente naquelas salas! O que, no mínimo, significa que as pessoas não deixaram de gostar de cinema, provavelmente as "massas" é que são curtas. Adiante!

1858, Texas, dois anos antes da guerra civil americana. Um antigo dentista de ascendência alemã, o dr. King Schultz (Christoph Waltz), conduz a sua carroça em busca de dois irmãos que acabaram de comprar vários escravos num mercado sulista, no intuito de lhes comprar um deles. O que consegue. Esse homem negro chama-se Django (Jamie Foxx), mas ele não está interessado nele como escravo, pois não é apologista da escravatura - precisa que ele identifique outros três irmãos, fugidos à justiça e pelos quais pretende receber a recompensa da captura, "vivos ou mortos". Ou seja, o dentista trocou a sua profissão por "caçador de prémios". Acontece que Django também está mortinho para se vingar dos ditos criminosos, pois foram eles que o separaram da sua mulher, Broomhilda (Kerry Washington), para além de outros castigos corporais que lhes infligiram.  

Alcançado o objetivo, com várias peripécias sangrentas pelo meio, Django é um homem livre com algum dinheiro no bolso, pretendendo apenas reencontrar a sua mulher e comprá-la ao atual "dono. Mas o doutor convence-o a adiar o seu plano até o inverno passar, acompanhando-o na captura de outras "cabeças a prémio", prometendo que depois o ajudará a descobrir o paradeiro de Broomhilda. E realmente descobrem que ela está numa das maiores fazendas sulistas, propriedade do impiedoso esclavagista Calvin Candie (Leonardo DiCaprio). Como é que vão negociar a liberdade dela?

Fica o trailer, para quem ainda não viu:


8.7/10 é a atual pontuação obtida pelo filme na IMDb. É uma grande carnificina? É! Mas como estava preparada para isso, até gostei do filme. Nem foram os sangrentos e ruidosos tiroteios que me fizeram desviar os olhos do ecrã, mas uma ou outra cena no tratamento dado aos escravos, na América de meados do século XIX, conseguiram...

Imagem de cena do filme, da net.

32 comentários:

  1. Já comentei noutro blogue que são demasiados tiros para o meu gosto! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São mesmo demasiados, ROSA! Contradição é ter gostado... :)

      Abraço

      Eliminar
  2. gosto do estilo de Tarantino!!!
    já tinha ouvido falar sobre este filme e sobre alguma polémica que o rodeia.
    dá ideia que a escravatura está para os americanos como o holocausto para os alemães... é para apagar da história.
    até Spike Lee se manifestou (SEM TER VISTO O FILME) ao dizer que o filme é “desrespeitoso para com os [seus] antepassados”.
    afinal o que sabe ele do que se passou na época? tanto como eu do pré 25 de Abril... não vivi nela e só sei o que contam (será que foi assim?)

    só falta exigir ao Tarantino que ofereça uma aureola a cada americano!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os alemães NUNCA apagaram o holocausto da história.

      O que os portugueses (nem todos está claro, mas também nem todos os alemães mataram os judeus, houve muitos alemães, que puseram a vida em jogo para salvar judeus) fizeram aos pretos em África, no tempo do colonialismo, é que está muito apagado da memória.

      Eu como tu, vício não estava lá, mas sei o que contavam os que regressavam das colónias, nem todos fizeram barbaridades, mas racistas eram todos os que conheci, até um grande amigo da minha família, mesmo sendo uma boa pessoa, dizia que os pretos cheiravam mal e que eram pessoas de segunda classe.

      Eliminar
    2. É, parece que há uma certa vergonha de assumir erros de gerações anteriores, atualmente tidos como "politicamente (muito) incorretos", VÍCIO! Parece que ninguém percebe que esses bisavós e avós viviam noutra era e que, tal como agora, muitas vezes se deixavam levar por discursos empolgados... e que ninguém hoje tem culpa dessas mentalidades do passado! :)

      Quanto ao Spike Lee, é capaz de ser o que diz a Luma Rosa: dor de cotovelo! :D

      E é verdade: é um erro julgar o passado, segundo as leis (e mentalidades) que hoje vigoram!

      Eliminar
    3. Desculpa que te diga, EMATEJOCA, mas há sempre gente desejosa de "passar uma esponja" sobre determinados factos do passado. Ainda ontem li umas declarações polémicas de um fulano que afirmava que o holocausto não tinha sido bem assim, tinha sido muito empolado. Não era alemão, creio que árabe, mas facto é que aparecem sempre assim uns fulanos a negar o inegável. E não é só no holocausto, na escravatura americana, na guerra de África, no verdadeiro extermínio dos índios na América do Norte e do Sul, exemplos são muitos.

      Conheci pouca gente que estivesse na guerra de África e ninguém muito próximo: felizmente a minha geração escapou a ela e, mesmo que não fosse por mais nada, até hoje estaria agradecida ao 25 de abril por isso... :)

      Mas sim, o racismo ainda não é coisa do passado. Infelizmente!

      Eliminar
  3. Sim, as cenas mais chocantes e violentas não são as de tiroteio : são mesmo as da hedionda maneira como as pessoas escravizadas eram maltratadas!

    Além disso, a sociedade estado-unidense é violenta e patológica , não percebo a razão de tanta "aflição" com os filmes de Tarantino, quando o "western" e os policiais , principalmente, são recheados de tiros e lutas.

    A única diferença é que Tarantino mostra mesmo que quando uma pessoa é ferida , grita, o sangue corre e não morre instântanemante.

    Graças a Deus, a tua geração não passou já pela guerra colonial, mas lembro-me de soldados da minha geração contarem que uma das maiores e mais dolorosas surpresas que tiveram que enfrentar foi a de que as pessoas não morrem como nos filmes...

    Um boa dia, linda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, SÃO, o modo como os escravos eram maltratados sempre me arrepiou, mas neste filme é muito evidente!

      E também concordo que as coboiadas também estão recheadas de tiroteios e violência, só que as mortes eram "tiro e queda" e aqui nem por isso... :)

      E daí tantos soldados terem ficado traumatizados para a vida inteira!

      Bom soninho para ti!

      Eliminar
  4. Alguns amigos viram o filme e gostaram, excetuando as cenas violentas. Não estava a pensar em ver o filme mas se conseguir desviar a minha atenção dessas cenas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desviar a atenção é difícil, CATARINA, mas em já estando preparada para a violência, o filme acaba por valer a pena! :)

      Eliminar
  5. Por acaso, também é coisa que me deixa sempre mais sensibilizada, cenas em que é retratada a violência cometida contra os escravos... Os filmes do Tarantino têm sempre esse cunho muito próprio, que mistura um humor sórdido com imagens bastante cruas... O homem é um génio! Adorei o Pulp Fiction e o Sacanas Sem Lei! =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então é filme para ti, BRISEIS: Se és admiradora do realizador, não percas! Como não vi os outros, não tenho termos de comparação, mas este é um bom filme... :)

      Eliminar
  6. Tu vais mais vezes ao cinema numa semana do que eu num ano.

    Depois de ver dois filmes do Tarantino, não tenho coragem de ver este, apesar de ser uma grande admiradora do actor austríaco Christoph Waltz.

    Amanhã já combinei com a minha amiga Chista para irmos ver o Lincoln.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já expliquei, EMATEJOCA, nestes dois meses e picos tinha vales de bilhetes à borla, e como o tempo tem estado assim para o bera, é óbvio que aproveitei! Christoph Waltz destaca-se pelo seu desempenho e é um sério candidato ao Oscar de melhor ator secuundário. Só tenho a apontar que de secundário tem pouco...

      O Lincoln fui ver hoje e, parafraseando uma amiga minha, é um enorme pastelão! Mas só devo escrever sobre ele para a semana, que isto são filmes a mais de enfiada... :)

      Eliminar
  7. Pois bem, a minha amiga chama-se Christa!!!

    Mas não é a razão porque voltei aqui, pois um "r" a mais ou a menos pouco importa.

    Gostava de saber o significa "golpe do baú"?

    Também beijocas para ti, Teté.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Golpe do baú" é uma expressão brasileira (ou, pelo menos, a primeira vez que a ouvi foi numa telenovela) que pegou por cá e traduz-se em "pessoas que casam com outras por dinheiro"! Um golpe antigo, portanto... :)

      Beijocas!

      Eliminar
  8. O Dr. King Schultz nasceu em DÜSSELDORF!!!
    Mais tarde, deixou a sua profissão como dentista e foi para os Estados Unidos como caçador de cabeças a prémio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, se isso é revelado no filme, escapou-me, EMATEJOCA! O local de nascimento, porque a parte de ser um antigo dentista que se passou a dedicar a caçar cabeças a prémio é referido no filme, evidentemente! :)

      Eliminar
  9. And the Oscar goes to...

    Melhor filme:

    "Amor"

    Melhor realizador:

    Michael Haneke por "Amor"

    Melhor actor:

    Joaquin Phoenix em "The Master"

    Melhor actor secundário:

    Christoph Waltz em "Django Libertado"

    Melhor actriz:

    Emmanuelle Riva em "Amor"

    Aqui, estão os meus favoritos.

    Para dar palpites ainda é muito cedo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OK, EMATEJOCA! Depois copio e colo este comentário, quando der os meus palpites... onde poderás acrescentar mais alguns, se os tiveres entretanto! :)

      Eliminar
  10. Um cara que era atendente em locadora de filmes se tornar um grande diretor é para deixar qualquer cineasta com formação acadêmica como Spike Lee com dor de cotovelo. Ainda mais esse que diz ter sido ele o precursor das discussões raciais em Hollywood através dos seus filmes.
    O primeiro filme que assisti de Tarantino foi Pulp Fiction, por causa do retorno de John Travolta. É mérito de Tarantino ressuscitar a carreira de John Travolta - a curiosidade é que o papel de John Travolta era para ser de Curt Cobain - e também por isso, na contra capa do disco do Nirvana "in utero" tem uma homenagem para Tarantino. Me gusta dizer que admiro Tarantino, porém ainda não assisti ao filme Django, o que será corrigido em breve!!
    "Até gostei do filme", isso é bom sinal ;)
    Beijus,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É LUMA, é capaz de ser isso: Spike Lee tem dor de cotovelo de Tarantino! Aliás, suponho que é coisa que há de sobra lá pelos bastidores de Hollywood... :)

      E tens razão quanto a ter ressuscitado a carreira de Travolta. Mas nem isso me levou a ir ver o filme. Agora se gostas do realizador não percas, porque para eu ter gostado de um filme tão violento, é mesmo muito bom sinal! :)

      Beijocas

      Eliminar
  11. Este não está na minha lista de prioridades. Disseram-me que é muito violento e, neste momento, a minha disposição não aconselha que veja filmes destes. Talvez um dia mais tarde em DVD...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É violento sim, CARLOS, mas não deixa de ser um bom filme... :)

      Eliminar
  12. Hoje é um dia negativo para o cinema, cá pelas minhas bandas. Fecharam as salas de cinema da Guia (Albufeira) que eram as que eu normalmente frequentava. Agora só mesmo em Faro. Se isto continuar pelo mesmo caminho estou a ver que acabo por ter que ir a Lisboa quando quiser ir ao cinema :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que chatice, LUISA! Tanto para os residentes na zona, como para os veraneantes. Não é que vá muito ao cinema quando estou de férias, a bem dizer até é raro, mas essas também eram as salas que me ficavam mais próximas. E ir a Faro ainda é um grande esticão. E em Portimão, também encerraram as salas?

      De qualquer forma tinha ouvido dizer que iam encerrar cerca de 40 e tal salas no país! O que é sempre maus sinal... :(

      Eliminar
  13. Eu não vi e não quero ver, do Tarantino nem o pulp fiction, que já tem barbas, eu vi...

    Agora já entendi porque é que a menina vai ao cinema todos os dias...ah, pois é!

    Beijinho óh papa-filmes :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não vi o "Pulp Fiction", MARIA! Nem o "Inglorious Bastards". Provavelmente na altura não tinha bilhetes à borla... :)

      Não vou ao cinema todos os dias, mas este mês e tendo os ditos vales para gastar é verdade que fui muitas vezes. Resumindo, já vi os filmes quase todos nomeados para os Oscar... e os que não vi, é improvável que vá ver. Agora só me falta um que gostava de ver, mas esse não foi em nenhuma destas salas e nem está nomeado... :)

      Beijocas da papa-filmes com muito gosto!

      Eliminar
  14. Não me passava pela cabeça que fosse realizado um western spaguetti, em 2012!!, por Tarantino.
    Só por isso, pela curiosidade, vale a pena ir ver o filme.
    Bjs e bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem o seu quê de spaguetti, PEDRO COIMBRA, mas mistura a escravatura pelo meio! Também achei que valeu a pena... :)

      Beijocas e bom fim de semana

      Eliminar
  15. Ontem fui ver Lincoln. A interpretação de Daniel Day-Lewis está excelente! Acredito que leve o oscar.
    Quanto a este Django... Estou como tu, nunca vi os filmes de Tarantino devido à sangria desenfreada... Mas o tema deste filme está a tentar-me. Talvez vá na segunda...
    Bom fim de semana! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei muito mais deste do que do "Lincoln", do qual ainda não fiz post, mas vai sair um dia destes, TONS DE AZUL... :)

      A principal diferença de outras coboiadas ou de filmes de gangsters, deve ser o sangue a rodos e a gritaria durante os tiroteios, mas violentos são todos eles...

      Bom fim de semana!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)