sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

É OU NÃO É PRECISO LATA?

Ontem, numa brincadeira de troca de comentários com a Maria, lembrei-me de uma história antiga, que me faz sempre sorrir. Logo no primeiro ano do liceu fiz amizade com a Alex (chamemos-lhe assim!), que se prolongou durante vários anos após a adolescência, mantendo várias amizades comuns. Entretanto a minha amiga casou com um português emigrante na Suiça e viveu lá alguns meses, quando regressou não disse nada a ninguém. O casamento não resultou - acontece a muito boa gente - mas além disso regressou grávida de outro fulano, também ele casado e com filhos pequenos. Talvez por isso não tenha desejado relatar as aventuras algo rocambolescas que vivenciou.

Mas já se sabe que o mundo é pequeno e logo se soube a historieta toda através dos amigos comuns que de algum modo a viram ou encontraram. Não sou de amuar, mas confesso que fiquei ofendida por ela não me ter sequer telefonado. Um dia lá telefonou e fui beber café com ela, já gravidérrima dos seus 7 ou 8 meses, para me dar uma valente descasca por não lhe ter dado apoio naquele período que mais necessitava. E que, por isso, já não seria madrinha da sua filha, tal como tínhamos combinado outrora. Nem houve discussão, porque o meu ponto de vista era completamente o oposto - cabia-lhe a ela ter ligado, que sempre era melhor ouvir a versão dela e tentar dar a ajuda possível, do que ouvir os boatos e a má-língua alheia que aquelas cenas "da vida conjugal" geraram. E óbvio que a amizade esfriou até a um ponto sem retorno.

Mesmo assim encontrámo-nos várias vezes, quando a minha mãe precisou de ajuda para tratar de umas papeladas em notários, falei-lhe na Alex, que para além de ter o curso de notariado, estava a trabalhar por conta própria e em início de carreira, o que é sempre complicado em termos monetários. E ela que sim, que tratava de tudo e tal. E supostamente estava a tratar, de vez em quando ia pedir dinheiro à minha mãe para custas, papeladas necessárias e horas de serviço dela. E um dia desapareceu do mapa: disse aos pais que lhe surgira uma boa oportunidade de trabalho no Algarve e lá foi ela e a filha, sem deixar contato nenhum. Já foi sem surpresa que, uns tempos depois, a minha mãe veio a descobrir que nenhum dos seus assuntos pendentes fora resolvido... E contratou outro fulano que tratou de tudo em cerca de 2 ou 3 meses! Topam a laia da "companheira" de percurso?

Claro que fomos tendo notícias através de alguns amigos, que os "negócios" dela iam de vento em popa, vivia num enorme palacete e uma vida de estadão. A minha mãe, que mantinha amizade com os pais dela, chegou a encontrá-la em festas e a Alex perguntava-lhe sempre "porque é que a Teté e a mana não me vão visitar?". Simples: porque nunca tinham sido convidadas, nem tinham contatos telefónicos ou outros! E mesmo que tivessem, na altura já estavam suficientemente de pé atrás...

13 anos depois da sua súbita partida para o Algarve, aparece no aniversário de um amigo comum, com o qual nunca perdeu contato. Com todo o à-vontade de sempre e fazendo um grande alarido festivo quando me viu. Durante o ameno convívio monologou românticamente sobre o filme "Os amigos de Alex" e como estava feliz por nos reencontrar a todos, mas que infelizmente nunca íamos aos anos dela (sem convite?). E aí alguém lhe relembrou que outra amiga presente fazia anos no mesmo dia, era impossível comparecer aos dois aniversários, a uma distância de cerca de 240 quilómetros. E aí a iluminada criatura teve um vaipe e decidiu na hora: então este ano juntamos as duas festas! E virando-se para a outra, que igualmente não via há 13 anos, explicou a sua ideia: 
"- Eu venho do Algarve, trago os meus amigos para animar a tua festa e a empregada doméstica para ajudar nos preparativos e comemoramos na tua casa!"

Só não rebolei a rir, porque a outra minha amiga - a verdadeira - estava de boca aberta e queixo caído perante a "sugestão" da Alex...

BOM E SERENO FIM DE SEMANA PARA TODOS!

Imagem da net.  

16 comentários:

  1. Lata?!
    Pior do que isso!
    Sempre me ri com essa Alex que protagoniza o papel de muitas alexs que passam nas nossas vidas.
    E, afinal, a festa fez-se ou não?:)))
    beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Houve festa, sim, NINA, mas da amiga lisboeta, que da outra eram apenas "postas de pescada"... :)

      Por acaso não tive muitas Alex na vida, esta desiludiu-me bastante (e continuo a gostar dela e a desejar que a vida lhe corra bem, apesar de tudo!), mas a certa altura virou anedota. Que é o que acontece quando percebes que todas as verborreias são treta... :D

      Beijocas!

      Eliminar
  2. Felizmente que não conheço nenhuma Alex!
    É obra! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta Alex é uma obra rara, ROSA, mas simultaneamente foi uma aprendizagem sobre amizade, lealdade e falsidade! Rara, por ser tudo num único "pacote", ao longo dos tempos e na evolução das personalidades... :)

      Abraço

      Eliminar
  3. Agora amuei :(

    Pa começar, eu não sou a Alex, nunca estive na Suiça nem moro no Algarve, ok? (assobiando)...

    É verdade que me convidei para a tua consoada, mas não disse que ia levar a família e muito menos o mordomo ou a cozinheira, parti do princípio que eras tu que fazias tudo...(assobiando)...depois não ia levar nenhuma lata, ia levar uma garrafa e uma linda prenda para ti, agora já não levo nada e muito menos vou aí, prontos! :p

    Ainda hoje tenho algumas "amigas" com lata, mas latinhas pequeninas...como a Alex tive uma há uns anos atrás, que por acaso se chamava, chama, Teté eheheheh...uma "amiga" que deturpava tudo o que eu dizia ou combinávamos, que se fazia sempre convidada e nunca vinha sozinha...a minha mãe nunca achou muita graça, nem às graçinhas que ela fazia ou dizia e muito menos à nossa "amizade", mas eu era um cadinho totó naquela altura...era uma "amiga" que quando era chamada à atenção dizia sempre que "os amigos não precisam de telefonemas ou explicações, que estavam sempre lá.."
    Pois tá claro!

    Mas sabes? Que se dane a Teté de outros tempos, de que não sei nada há 250 anos...

    Hoje encontrei uma Teté muito mais fixe e amiguinha, ok, esta nova Teté convidou-me para a consoada e depois desconvidou-me, mas não faz mal, eu gosto dela assim, rabujenta e desconvidativa eheheh (assobiando e saíndo de fininho...ainda bem que eu não sou batatinha pequenina) :p

    Beijinho :)))

    *não é preciso empurrares, eu já saí...fuiiiiiiiiiiiiiiiiiii



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tens de amuar, MARIA, que entendi bem o teu comentário brincalhão! E claro que não tens nada a ver com a Alex: quando fiz 19 anos, já ela queria convidar uns amigos para a minha festa, "para animar"! Duas ou quase três décadas depois, na casa da outra amiga, só dá para rir... :D

      Comparativamente, essa "tua" Teté era quase um doce. Apimentado, mas pronto! Quem nunca passou por uma "amiguinha" dessas, não conhece a experiência! Que no final, só dá para aprender... :)

      A Teté rabugenta daqui tem dias, mas nunca empurrou ninguém para a porta! E só sabia assobiar no tempo dos smiles, embora as batatinhas pequeninas já estejam prontas para a murraça... :)))

      Beijocas, sem empurrões!

      Eliminar
  4. ah boa esta é a verdadeira situação do é preciso ter lata :) Um bom fim de semana para ti Teté e para todos :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca conheci ninguém que se comparasse à lata dela, POPPY! :)

      Obrigada e beijocas!

      Eliminar
  5. Mas que grande lata...Para nós, pessoas sérias, estas situações até custam a acreditar...
    Passei para te desejar um feliz Natal e um ano novo com tudo de bom.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha seriedade é muito relativa, SONHADORA, porque certas situações só me dão para rir... senão na altura, algum tempo depois! :)))

      Feliz Natal e Bom Ano Novo! Para já, que ainda passo no teu canto para repetir a mensagem (sem spam)! :D

      Beijocas

      Eliminar
  6. Bem, Teté, precisava de uma foto com muitas mais latas para ilustrar este post. Já conheci gente do género, mas nem tanto...
    Aproveito para lhe desejar Festas Felizes e me despedir até 2013 ( embora vá andar pelo On the rocks, não sei se aportarei ao Rochedo antes de Janeiro)
    Que o próximo ano seja o melhor possível e lá nos encontraremos.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que haja gente com muito mais lata, CARLOS, mas esta foi a que conheci com mais lata na Vida! Impossível de imitar, também... :)

      Obrigada pelo votos, desejo-lhe igualmente um Feliz Natal e Ano Novo, que comentarei em direto nos seus blogues!

      Inté e beijocas!

      Eliminar
  7. Este post não figurava nas minhas atualizações há umas 2 ou 3 horas e parece ter sido publicado há 23 horas. Esquisito!
    Mas que lata e “aldrabona”... a “crook”!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes o blogger tem destas esquisitices, CATARINA! Que já deixei de tentar entender... :)

      Lata, aldrabona, trapaceira e muito, muito manipuladora! Mas já não me causa mossa... Não deixou de ser uma aprendizagem! ;)

      Eliminar
  8. Oh, ele há gente que parece que é inventada... =)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)