domingo, 9 de dezembro de 2012

A INVESTIGAÇÃO EM PORTUGAL

Conheci Medina Carreira noutros tempos: era amigo do meu pai, desde que foram alunos nos Pupilos do Exército! Amizade que mantiveram até o meu pai morrer, já lá vão muitos anos. Deixei de o ver quase desde essa época. A não ser na televisão, com as mensagens catastróficas do costume sobre o país, que embora não sejam totalmente isentas de sentido e de verdade, me desagradam. Como desagradam as de outros comentadores políticos, por outras razões...

Certo é que nunca pretendi falar dele aqui: nem bem, nem mal! E continuo a não pretender, mas partilho inteiramente a opinião de Filomena Martins, na sua crónica do "Diário de Notícias" de 8 de dezembro de 2012, neste excerto:

"Que o Ministério Público tem de investigar todos os indícios e pontas soltas de um processo não há dúvidas. O problema - o grave problema - está na forma como o faz. Medina Carreira é apenas a última vítima (conhecida) dos métodos de investigação das nossas polícias, que começam a fazer lembrar os que Edgar Hoover impôs na América quando fundou o FBI. O nome do fiscalista e ex-ministro das Finanças surge numa das "agendas" de remessas de dinheiro dos arguidos do caso e isso obriga a ir verificar. Mas é possível fazê-lo - para chegar à conclusão de que afinal era só um nome de código - sem ser na praça pública. Da forma como foi feito (mais uma vez) só pode ter um propósito muito baixo. Se isto se tem multiplicado em relação a figuras mais ou menos conhecidas da nossa sociedade, imagine-se o que acontecerá a pessoas sem voz ou meios para se defenderem. Já há razões para sentir medo da investigação criminal em Portugal. Qualquer um pode ser envolvido publicamente numa história com a qual nada tem a ver. Por manifesta incapacidade do Ministério Público em gerir a informação. Ou, no pior cenário, por permitir que essa informação seja manipulada e usada para fazer julgamentos sumários. A perceção dantes era de que os poderosos nunca eram investigados. Agora é exatamente a contrária: parece já não existir quem não seja suspeito de um qualquer crime, suspeita que na maioria das vezes nunca se concretiza, permanecendo a dúvida eterna. Não sei o que é pior. Sei é que a descrença nesta justiça e nesta investigação já não devia cair mais. Mas afinal parece que há níveis abaixo do lodo."


Neste caso específico, pareceu-me uma questão de justiça: imparcial, como a ética exige! 

14 comentários:

  1. Não lhe aprecio o estilo, como não aprecio o de outros comentadores mas não acreditei minimamente em semelhante atoarda!
    Não percebo como é que estas notícias são postas cá fora, pondo em causa o nome de uma pessoa.
    O princípio da inocência deveria ser respeitado.
    Penso que há gente na polícia a receber dinheiro para dar estas informações à comunicação social que precisa de vender!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acredito que há gente na polícia e quiçá nos tribunais a passar estas informações à comunicação social, ROSA! Pior é que ninguém sabe quem são esses "bufos" e se o fazem por dinheiro ou por vingança política. Neste caso, pareceu-me tramóia montada: o arguido tinha um livro tão bem "escondido" que a polícia descobriu logo. E nesse livro estava inscrito o nome dele, mas afinal era um código. Daí até lhe revistarem a casa, o escritório e os computadores foi um saltinho, já com os jornalistas devidamente informados... :P

      Mas enfim, enquanto as investigações funcionarem assim, escapam os tubarões e são incriminados a arraia miúda e alguns inocentes, que alguém quer tramar. Pior, é que ninguém está livre que isso lhe aconteça também... até porque as razões podem não ser só políticas!

      Abraço!

      Eliminar
  2. Não li nada sobre o assunto. Mas, como dizes, a dúvida permanence e assim se mancha a reputação de um indivíduo sem quaisquer consequências para quem o faz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O assunto é recente, CATARINA! E na busca que fizeram não encontraram nada incriminatório. Mas a ideia que fica e uma vez que a notícia (ou falta dela!) foi parar aos jornais é a velha história de "não há fumo sem fogo"... Neste caso, acredito que o fumo foi ateado propositadamente para o incriminar, já que ele não costuma ter papas na língua!

      E claro, ninguém sabe quem comunicou aos jornais, nem nunca arranjam maneira de o descobrir! Um segredo de justiça da treta, portanto!

      Eliminar
  3. É nestas alturas que gosto de ser uma pessoa comum.
    Mais do que a reputação manchada, é uma vida em jogo.

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, NINA, é menos provável que uma pessoa comum possa ser assim incriminada. Mas não é de todo garantido, já que as razões podem não ser só exclusivamente políticas...

      Beijocas!

      Eliminar
  4. Com Medina Carreira ou com qualquer outra pessoa, esta maneira de atuar das polícias só faz aumentar o descrédito na investigação e na justiça em Portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já de si bastante descredibilizada por atuações que levam a processos que morrem nos tribunais, LUISA!

      Eliminar
  5. Concordo! Uma vergonha o que fazem com as pessoas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achas que esta gente tem vergonha destes métodos, GRAÇA? Não me parece... :P

      Eliminar
  6. Medina Carreira não me agrada ,pela arrogância , porque não diz a verdade toda e não dá o direito de contradiotório.

    No entanto, tenho-o por ser honesto e acho que a maneira como este Governo está a proceder contra pessoas que são frontais e não entram em jogos florais em favor do Governo estão a ser alvo de manobras muito semelhantes ás que se viam no Estado Novo!!

    Bo semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é mesmo esse, SÃO! Com Medina Carreira ou com outro qualquer - menos provável com gente "anónima" como nós, mas também pode acontecer - este método de incriminar publicamente e investigar depois deixa muito a desejar! E sim, é um tipo de atuação quase pidesca - "queimar" as pessoas na praça pública, com ou sem motivo! :P

      Boa semana!

      Eliminar
  7. Sempre fui muito crítico de Medina Carreira e até o incluí na colecção de cromos do CR. No entanto, o que se passou não só é preocupante, porque demonstra a ligeireza da justiça neste país, como também revoltante, pois títulos como o da primeira página do Sol,são mais uma prova de que Justiça e Comunicação social estão amancebadas.
    Entretanto, como já há tempos eu vinha alertando, há gente nos gabinetes ministeriais a serem pagos por nós, para fiscalizarem a blogosfera. Depois, digam que a PIDE não ressuscitou...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que se passou com Medina Carreira podia ter-se passado com qualquer outra pessoa que quisessem tramar, CARLOS, e isso é que me pareceu relevante! O problema é que esta "Justiça" a funcionar assim não é justiça e não cumpre o seu papel. E a comunicação social, como sempre, dá de si uma triste figura, a correr atrás de "furos" para vender, em vez de tentar esclarecer e informar e não ir atrás de boatos e "fumaças"... :P

      Bom, quanto a esses biltres, já se suspeitava, pelos vistos um elemento mais lerdo desbocou-se completamente! O que teve a vantagem de percebermos como funciona! :P

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)