sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O OUTONO DO NOSSO DESCONTENTAMENTO...

Em tempos que já lá vão, as senhoras da alta sociedade lisboeta reuniam-se em chás-canasta, com múltiplos objetivos: jogavam às cartas, distraíam-se da habitual desocupação, conversavam sobre boatos ou trivialidades, comiam do bom e do melhor e, em alguns casos, ainda angariavam fundos para instituições de caridade ou para os pobrezinhos. Tudo dentro da moral e dos bons costumes cristãos do antigo regime.

A minha mãe - que durante quase toda a sua vida adulta foi "dona de casa" - a certa altura tornou-se monitora da "Tupperware", para ajudar ao orçamento familiar. A promoção e venda dos produtos era efetuada em casa de outras senhoras (a primeira, normalmente, era do seu círculo mais chegado), que por sua vez convidava meia dúzia de amigas, a ideia era convencer uma ou duas destas a realizar a reunião seguinte. Regra geral também envolvia chá, torradas e/ou um bolinho, pois na sua maioria eram agendadas para a hora do lanche. Eram quase todas mulheres burguesas, que não trabalhavam fora de casa, mas que  costumavam cozinhar para a família: sabiam que aproveitar e acondicionar devidamente os restos das refeições era fundamental, para não desperdiçar comida...

Assim, numa ocasião, a minha mãe foi apresentar os produtos a casa de uma dessas senhoras de alta sociedade. Que, talvez para não assoberbar demais a criadagem ou por medida de poupança, se decidiu por uma reunião multifacetada - além da apresentação "Tupperware", juntou um chá-canasta e uma angariação de fundos. Claro que as madames não estavam nada interessadas em saber como é que as suas sopeiras guardavam os alimentos, foi um fiasco de papaguear para o boneco. O lanche começou a ser servido e uma criada, impecavelmente fardada, aproximou-se da dona da casa e perguntou: "a monitora come na sala ou na cozinha?" 

"- Come aqui!", respondeu a senhora, educada. Mas a minha mãe perdeu o apetite - o mesmo não acontecendo com as restantes convidadas, que se atafulharam "à grande e à francesa" do lauto repasto de doces e salgadinhos - e pirou-se assim que pôde, com a nítida sensação que mulher que trabalhasse só era admitida naqueles salões com alguma condescendência!

Ontem lembrei-me deste episódio, ao ler a crónica de António Lobo Antunes, "Os Pobrezinhos", que, erroneamente, circula no facebook como tendo sido dedicada a Isabel Jonet, diretora do Banco Alimentar Contra a Fome, após as suas polémicas e "moralistas" declarações televisivas. Não foi, mas seria merecido! O futuro dela não me preocupa minimamente! Temo é que idiotas desta laia, que debitam disparates com ar entendido e professoral, a instituição e as muitas famílias mais carenciadas que auxilia venham a sofrer as consequências... Isto é ou não o outono de todo o nosso descontentamento?

BOM DESCANSO!

Imagem do facebook.

13 comentários:

  1. Não sei do que falas mas vou pesquisar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A presidente do BA foi à televisão debitar as suas opiniões políticas, CATARINA, dizendo que a culpa da crise era de todos nós, que nos endividámos demais. O que em parte é verdade, mas está longe de termos sido TODOS! Para já nem referir os banqueiros corruptos e os políticos farsolas que nem foram presos, nem pagaram pelos seus embustes.

      E a fulana que sempre foi uma privilegiada nem sabe o que é trabalhar para sustentar a família, ainda veio com uma treta que não há miséria em Portugal, porque miséria é estar o ano inteiro sem ter que comer, não só uns dias... :P

      Não há pachorra, ainda por cima da parte de uma fulana que é voluntária e tem feito um bom trabalho à frente do BA, que tem auxiliado tanta gente carenciada. E que tem tantos voluntários para além dela, que trabalham a semana inteira e dedicam alguns fins de semana ao trabalho em prol de necessidades (reais) alheias!

      Eliminar
  2. vi o tal video polémico e, na minha opinião, a idiota tem alguma razão.
    a inutilidade da sociedade tem vindo a crescer devido a algumas razões que ela apontou.

    bom descanso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A idiota chamou idiota a todos, daí chamar-lhe o mesmo! Como é que uma pessoa que não precisa de trabalhar para sustentar a sua família se pode dar ao luxo de debitar as suas "verdades" sobre situações alheias, VÍCIO? Até concordo com algumas, mas culpa de TODOS não será...

      BC!

      Eliminar
  3. Sem dúvida, estamos a ter um outono "bem diversificado" ! :))) ...
    Não só pelo calendário nem só pela meteorologia !
    Vamos a ver se o verão de S. Martinho dá uma "ajuda" ! Claro que não me refiro só ao "tempo",... mas tenho dúvidas ! :))

    Bfs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RUI, tenho boa memória e não me lembro de um outono assim: uns indignados todos os dias, outros a tentar manter os privilégios conseguidos, numa exaltação constante e a maior parte das vezes disparatada. Todos, sem exceção, com uma enorme sede de protagonismo! Não há pachorra... :P

      Olha, era realmente uma boa ideia que com o São Martinho bebessem uns canecos, que sempre vinha menos mal e irritação ao mundo! :)

      Beijocas!

      Eliminar
  4. No Porto também havia dessas cenas macacas para as senhoras aliviarem as consciências e provarem que estavam ao lado da Nação.
    Quanto ao Outono também deve andar a sofrer uma crise. Então este ano nem temos Verão de S. Martinho?
    Bom fds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calculei que sim, CARLOS, mas não quis alargar para além do que sabia... Caridadezinha era vista como cena de bom tom, noutras épocas!

      O São Martinho deve ter-se assustado com a visita da "ilustre" visitante! :P

      Bom fim de semana!

      Eliminar
  5. Já estou como um comentário do Vício. Então não é que a "idiota" - que fez mais pelos carenciados do que muitos agora indignados - tem em parte razão.
    Mais uma vez os infelizes de barriga cheia da nossa esquerda mais radical e socialistas ressabiados, quiseram perpetrar mais um assassinato de carácter.
    Assiste-se a uma intolerância nas redes sociais no que respeita a tomadas de posição de diversas personalidades, próximas do governo, distorcidas na maioria dos casos, o que no fundo pretendem atingir o actual governo, suposto responsável pela actual situação do país numa esquizofrenia própria de pessoas indignas de viver em democracia, não respeitando as diferenças de opiniões por muito polémicas que sejam.

    Quero agradecer os teus votos pela passagem do meu aniversário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como referi ao Vício, a mulher chamou-nos a todos idiotas, daí o vocábulo de volta para ela. Em parte tem razão? Tem! Mas generalizou a todos!

      Se com essa da esquerda radical e de socialistas ressabiados supões que que atinges, desengana-te! Não sou, nem uma coisa nem outra! :)))

      A caixa de comentários é curta para te referir aqueles que julgo os principais responsáveis pela crise do país, que começa em todos os banqueiros corruptos, passa para vários políticos farsolas de governos desde o cavaquistão, sem esquecer a "descolonização exemplar" do Marocas, submarinos comprados para "alemão ver" e parados no Tejo por falta de combustível e, sim, também muita gente, que sempre viveu com o que não tinha! Este governo, que prima pela incompetência e abuso de poder, é só uma machadada final na democracia... se conseguir chegar ao fim do seu mandato, o que duvido bastante!

      Não tenho nada a criticar à Jonet pelo seu trabalho voluntário no BA. Mas que se sirva disso para debitar as suas opiniões idiotas, repito, na TV, tens razão, já me parece panelinha com o coelho. Ter fome todo o ano é que é miséria, só uns dias pouco importa? De uma fulana privilegiada? Moralismos de quem tem barriga cheia são completamente dispensáveis...

      Noutra coisa tens razão, os ânimos andam mesmo um bocado exaltados... para ainda ter de aturar idiotas!

      Eliminar
  6. Casa onde não há pão todos ralham e ninguém em razão. Assim vai Portugal. O que mais me perturba é o crescente grau de intolerância entre as pessoas. Tudo isto ( petições incluídas) me cheira a demasiado extremismo.

    ResponderEliminar
  7. Tens razão, LUISA, os extremismos andam mesmo à solta. Mas uma pessoa com a responsabilidade dela não vai à televisão dizer tudo o que lhe passa pela cabeça, de uma forma tão radical, sem pensar que as suas declarações são ofensivas para tantos portugueses. As respostas foram igualmente radicais, e se ela não as merecia pelo trabalho efetuado, mereceu pela leviandade das suas afirmações. É que a televisão não é propriamente o café de bairro onde se encontra com uns amigos, e uma conversa mais "acesa" não tem consequências de maior... ;)

    ResponderEliminar
  8. Anónimo8/30/2014

    Recalcamentos...

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)