segunda-feira, 26 de novembro de 2012

OPERAÇÃO OUTONO

Há muitos anos que não ia ver um filme português, numa sala de cinema. Mas este versa o assassínio do general Humberto Delgado, baseado em factos verídicos que o seu neto - Frederico Delgado Rosa - conseguiu recolher, para escrever a biografia do avô, e a curiosidade prevaleceu.

A ação decorre entre o outono de 1964 e o final do julgamento em 1981. O plano da emboscada, o duplo homicídio do general e da sua secretária (em fevereiro de 1965, em Villanueva del Fresno, na província de Badajoz), a posterior descoberta dos cadáveres, a investigação da polícia espanhola, o discurso de Salazar na época, a morte do ditador, a revolução de abril e os testemunhos controversos dos alegados autores do crime em tribunal conduziram a sentenças leves dos réus presentes, com a culpa toda em cima dos ausentes, condenados à revelia a penas maiores...

Bruno de Almeida realiza esta versão dos acontecimentos, que deve estar muito próxima da realidade, se bem que nunca tenha sido provada em tribunal, com juízes a acreditar na "quase-inocência" dos agentes da PIDE/DGS. Fica o trailer:


Pontuado com 7.7/10 na IMDb, até ao momento - note-se que por 11 votantes, provavelmente todos portugueses - gostei do filme! Não só do argumento, como do elenco de atores, em que Diogo Dória sobressai no papel de Mário de Carvalho (o traidor da confiança do general), especialmente quando argumenta frente ao espelho as respostas que o ilibam de qualquer cumplicidade no crime. Uma cena curta, mas marcante. João D'Ávilla, Ana Padrão, Nuno Lopes e Carlos Santos, representando amigos ou carrascos, também não lhe ficam muito atrás...

Vergonha, talvez seja a justiça portuguesa, nas últimas décadas. Neste caso, como em tantos outros! Mas, acima de tudo, o filme é um reavivar da memória de todos os que acreditam que, na História, não existem "esponjas" que apaguem os momentos mais sórdidos!   

Imagem de cena do filme, da net.

12 comentários:

  1. Huum...
    Este não me chama a atenção!:)

    Mas...não esqueci o desafio ali abaixo:))
    bji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, NINA, imagino que não seja muito filme que te agrade... :)

      Obrigada e beijocas!

      Eliminar
  2. Se o tempo não estivese como está, a estas hora estaria a ver o filme sobre Arístides de Sousa Mendes.

    Este também gostaria de ver.


    Como dizes bem, a Justiça portuguesa é algo de fachada!

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema da Justiça (ou falta dela) em Portugal já vem de longe, SÃO! E também não é só cá: quem tem dinheiro safa-se mesmo depois de cometer os piores crimes, o Zé da Esquina fana uma laranja para comer e vai dentro... :P

      Esse de Sousa Mendes ainda é um caso a ponderar, que agora começam a estrear muitos e bons filmes! ;)

      Boa semana também para ti!

      Eliminar
    2. Acabei agora mesmo de falar ao telefone com a minha melhor amiga, e ela disse-me que o filme sobre o Arístides de Sousa Mendes é mesmo muito bom, e que pensa ver o filme sobre o Humberto Delgado ainda esta semana... e eu cá tão longe.

      Li o teu artigo lá em cima, que não comentei, porque fiquei profundamente chocada, eu que vim aqui só dar uma espreitadela depois de estar 11 horas ao telefone.

      Eliminar
    3. Xi, grande maratona de telefone, EMATEJOCA! ;)

      O que concluí é que estes casos de violência doméstica têm vindo a piorar, e só não pioram mais porque os gajos às vezes falham na execução... :P

      Mas que é impressionante, não tenhas dúvidas!

      Eliminar
  3. Este entrou para a minha lista no dia da estreia. Espero vê-lo ainda esta semana, numa sala livre de pipocas :-)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh, pois, conheço uma aqui por perto sem pipocas, onde o filme está a ser exibido, CARLOS! :)))

      Eliminar
  4. Irei ver o filme.
    Confesso que primeiro que ver o filme sobre Arístides de Sousa Mendes. Na minha opinião o seu nome só não é mundialmente conhecido porque é português.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o destino de se ser português, TIAGO: apesar de grandes feitos, nunca são atribuídos os devidos créditos. Ou pior, ainda dizem que foi um espanhol... :P

      Eliminar
  5. Um filme que não perdia, se estivesse aí, aqui não vai passar em nenhuma sala de cinema, mesmo nas livres de pipocas.

    Além do tema do filme ser do meu interesse, eu adoro os filmes portugueses, desde os muito vélhinhos até aos mais modernos.

    Tive muita pena de não ver o trailer!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino que não, EMATEJOCA! Mas diga-se me abono da verdade que filmes alemães cá também passam poucos. E quem diz alemães diz nórdicos, da antiga Europa de Leste, etc. e tal. Para além de americanos, ingleses, franceses e espanhóis com muito poucas exceções dos restantes países...

      Mas eu também vi uma série de filmes velhinhos, quase todos na TV! E gostava bastante. Mas depois começaram a surgir outros, que tinham pouco interesse, no meu entender. Dessa fase, gostei do "Kilas" e de "Sem Sombra de Pecado", mas confesso que vi poucos! ;)

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)