terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

A METER ÁGUA...

Que a água é um bem essencial à sobrevivência do Homem, não restam dúvidas! Que tem chovido pouco ou quase nada em Portugal neste inverno, também não. E que a falta de chuva prejudica a agricultura, idem idem aspas aspas. Já me custa mais engolir que a atual ministra da agricultura - ambiente, mar e mais não importa o quê - se limite a ter fé (no S. Pedro?!) que vai chover: certamente poderia implementar algumas ações que atenuassem os prováveis prejuízos - não só dos agricultores, mas como de todos nós, que na escassez de determinados produtos igualmente essenciais, depois os pagamos a peso de ouro. E ouro, já se sabe, não abunda por cá...

Contudo, não foi esta a razão da água ter sido motivo de discussão na Assembleia da República. Em causa, para os deputados, estava o fornecimento das águas que eles bebem em reuniões, plenários, comissões, etc. e tal. Engarrafada e mineral, que aquilo é tudo gente chique. Mas como há por lá uns "perigosos" ambientalistas, preocupados com o desperdício desnecessário de tanto vasilhame por ano, foi efetuada uma proposta no sentido de passarem todos a beber água da torneira. Não caiu o Carmo e a Trindade, porque estes já deviam estar ocupados com as manifestações de fé de Assunção Cristas... adiante!

Como não podia deixar de ser, neste assunto tão relevante para o país, o caso foi estudado pelo conselho de administração da AR, que chegou a esta brilhante conclusão: a água da torneira sai mais cara que a engarrafada! Como é que é?!?

Então, grosso modo, as contas foram feitas levando em conta os jarros de água que se tinham de comprar, os maiores custos com os ordenados das funcionárias que os tinham de transportar e lavar e mais não sei o quê. António Couto dos Santos, presidente do dito conselho (será aquele antigo ministro da educação?), defendeu que os custos eram dez vezes maiores. Se não fosse tão ridículo, por esta altura estávamos todos a rir até às lágrimas, a imaginar as garrafinhas e os copos a voar até às mesas de trabalho... sem intervenção de uma única auxiliar de manutenção e limpeza (contínua, não sei porquê, hoje em dia é uma terminologia mal vista, como se não fosse um trabalho tão digno como os outros)!

Rir é bom, mas tomarem-nos por parvos chateia...

Imagem da net, suponho que promocional do dia mundial da água, a 22 de março.

26 comentários:

  1. É verdade. Os ordenados dos manipuladores dos jarros e o preço dos mesmos faz a diferença. É que a água engarrafada custa 2oo e tal euros por mês. A alternativa, upa, upa.
    Mas afinal que é isso comparado com os programas de governo em encadernação de luxo a 120€ cada? :)

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente, Teté, vives num país em que se tem mais fé do que se criam alternativas.
    Todos sabemos que situações destas podem acontecer - a da seca - , mas em vez de se investir em sistemas de poupança de água, não! Preferimos continuar a fazer as mesmíssimas coisas e, se Deus não se lembrar de fazer chover (valha-me Ele mesmo!), lá iremos pedinchar subsídios pelas perdas. O costume.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo2/28/2012

    E hoje nem é dia 1 de abril. Idiotas!
    beijocas
    Nina

    ResponderEliminar
  4. Minha linda, este Governo e afins são um anedotário, pena que as gaffes tenham que ser pagas por nós.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. e eu, e tu, e todos nós é que andammos a viver acima das nossas possibilidades... faz sentido, não faz?

    ResponderEliminar
  6. Realmente parece uma anedota,o que se passa neste país à beira mar plantado,é o reflexo dos nossos "brilhantes" governantes, que passam e arrastam realmente quem trabalha para a miséria, enquanto eles é sempre a somar.

    ResponderEliminar
  7. A Cristas- que por acaso até deu uma boa entrevista ao Público no domingo- veio hoje dizer que apesar da Fé não vai ficar sentada à espera que chova. Fiquei mais descansado, mas continuo à espera que ela dance a dança da chuva, com a indumentária apropriada, como já sugeri lá no CR.
    A propósito deste caricato episódio da água na AR, são os interesses das empresas que eles querem defender. Lamentável que não saibam fazer contas, esquecendo-se de incluir os custos adicionais da água engarrafada ( transporte, produção, impacto ambiental, etc)
    Quanto ao Couto dos Santos é mesmo o ex-ministro da educação e da juventude...

    ResponderEliminar
  8. Que discussão ridícula! E porque é que os senhores deputados não pagam a sua água? Eu, nas escola, sempre paguei a água que bebia! Que são eles mais do que nós?

    ResponderEliminar
  9. Apesar de tudo acredito que a água engarrafada fique mais barata que a da torneira...todos sabemos que quanto mais garrafas comprares mais baratas ficam...

    O que não percebo é porque é que os srs deputados, e não só, continuam a ter estas mordomias todas...é que grão a grão enche a galinha o papo...

    Eu também tenho Fé...e espero, não só pela chuva...

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  10. Estás a mangar comigo, não estás, VDEALMEIDA? Mudaram a previsão dos custos dos jarros para o quádruplo ou quintuplo, assim como se só pudessem beber em jarros de cristal. E os funcionários não lavam os copos à mão, mas em máquinas, os jarros seriam só algo a acrescentar nelas. Além que os jarros eram apenas um "investimento" inicial! Os copos e as garrafas também não voam até às mesas... :))

    Essas encadernações de luxo são apenas mais uma a acrescentar ao rol do despesismo que por lá grassa... :S

    ResponderEliminar
  11. Neste caso a fé não resolve a situação, ANA! E antes de se entrar em restrições de água às populações (note-se que ainda pode vir a chover e muito), certamente existirão outras medidas para rentabilizar recursos hídricos... ;)

    ResponderEliminar
  12. Para esta gentalha é sempre um de abril, NINA, que eles não sabem fazer mais nada além de mentir. Em alguns casos, com grande descaramento... :P

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  13. Concordo, SÃO! Um anedotário em que a factura nos é entregue no final... :S

    Abraço!

    ResponderEliminar
  14. Imenso sentido, para eles que gostam de viver à grande e à francesa e criticar o "despesismo" do povo, MOYLITO! :S

    ResponderEliminar
  15. Bem-vinda, RAINHA! :)

    Infelizmente é isso mesmo: arrastam a malta para a miséria e ainda lhes atiram as culpas para cima, dos erros atrás uns dos outros deles próprios! Não há pachorra! :P

    ResponderEliminar
  16. Ah, valha-nos isso, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, que essa de ficar sentada (ou ajoelhada) com muita fé à espera que chova estava-me a assustar!

    Que são os interesse das empresas privadas que eles querem defender, até eu percebi! Mas justificações destas são tão ridículas, que até o Tio Marcelo gozou - e ele não é suspeito de estar contra a atual maioria... ;)

    Bem sabia que me havia de elucidar sobre se o Couto dos Santos seria o mesmo! Daquela cabecinha, pelos vistos, continuam a sair "pérolas"... :e

    ResponderEliminar
  17. Boa pergunta, GRAÇA! Em todas as empresas em que trabalhei nunca me recusaram um copo de água da torneira, mas se quisesse engarrafada tinha de a comprar, evidentemente... Porque será que as "excelências" não percebem isso? ;)

    Mas que a discussão é ridícula, também é verdade! :)

    ResponderEliminar
  18. Ah, MARIA, não fica nada! Mesmo que haja águas engarrafadas baratas, a da torneira é MUITO mais barata! A justificação é que é tão absurda, que até o "tio" Marcelo gozou com ela... :)

    Eles mandam a malta apertar o cinto, mas já não acham despesismo exagerado as suas muitas mordomias... :P

    Não tenho contra as pessoas terem fé, mas uma ministra não pode só ter fé e esperar que chova, tem de tomar algumas medidas para atenuar os possíveis efeitos de um ano de seca... (se for o caso!)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  19. Ridículo, absolutamente ridículo.

    ResponderEliminar
  20. Ridículo é, CATARINA, mas esta gente que "mora" na AR nem se dá conta... :P

    ResponderEliminar
  21. Levantar o cu para ir buscar um copo de água à torneira? Mas está tudo doido ou quê? É claro que não faz sentido absolutamente nenhum!!! Afinal, estamos a trabalhar para a engorda e há que apressar a coisa porque o abate deve estar para breve...

    Enfim, ele há com cada justificação que até dói só de ouvir.

    Quanto ao assunto "seca", cheira-me que ainda vamos reclamar de não parar de chover e já ser altura de ir esticar os presuntos ao sol. Este ano há-de ser até Junho...

    ResponderEliminar
  22. Que pena... ser este o país que (também) temos :(

    ResponderEliminar
  23. Infelizmente, (também) é, LUISA! :(

    ResponderEliminar
  24. Era ridículo, se não fosse mal intencionado. Ficamos com a sensação de que nos querem fazer de parvos!
    Volto depois , para a votação dos trapinhos. :)

    ResponderEliminar
  25. O problema é que querem mesmo fazer-nos de parvos, TERESA! :S

    Fico à espera então da tua votação! :))

    ResponderEliminar
  26. Sorry, W, saltei o teu comentário!

    Acredita que mais que as atrocidades que esta gentalha faz, dói-me mais ouvir justificações tão estúpidas e esfarrapadas! Antes ficassem calados! :S

    E concordo contigo: ainda há de chover tanto prái, que depois é a malta toda a queixar-se que as férias estão a meter água... vinda do céu! :))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)