quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

A DAMA DE FERRO

Mais filmes?! Isto é castigo?!? Não, não é! Apenas uma vã tentativa de visionar o maior número de filmes candidatos aos Oscar - já na próxima madrugada de segunda-feira, para quem vive em Portugal - e ter uma noção menos vaga da justiça dos prémios!

A vida de Margaret Thatcher nunca me interessou minimamente, a ideia que me ficou dela dos seus tempos de (primeira) primeira-ministra britânica não é particularmente abonatória, só Meryl Streep me levava ao cinema para ver um filme sobre a mulher. Quer dizer, ela e a minha mãe, que me convidou para assistir à sessão...

Bom, para quem tenha a ilusão que Phyllida Lloyd pretendeu realizar um retrato histórico e fiel da "dama de ferro", bem pode ir tirando o burrico da chuva (não andamos a passar de cavalo para burro? então não é necessário explicar a expressão...): a mulher, demente e com alucinações, passa a maior parte do tempo entre as paredes da sua casa e, em momentos de maior lucidez, vai  relembrando algumas passagens da sua vida. As recordações vão desde os primórdios de filha de merceeiro - que no meio de um bombardeamento, durante a II Guerra Mundial, sai do abrigo para tapar a manteiga do estabelecimento com uma campânula de vidro (?!?) - passando pela notícia da bolsa de estudo obtida em Oxford e pela atitude de superioridade com que os gentlemen da aristocracia britânica a admitiram no partido conservador e, finalmente, por diversas fases da sua carreira política e de algumas das múltiplas contestações que suscitou, entre a população ou até no núcleo duro do próprio partido. Nos entrementes, vai mantendo conversas esotéricas com o marido que já morreu há 8 anos, possivelmente para não perdermos o fio à meada e percebermos a dimensão do seu estado demencial. 

Contudo, o trailer não mostra muito essa perspetiva:


Sem Meryl Streep (e Jim Broadbent, que desempenha o papel de Denis Thatcher) e sem a extraordinária caracterização, este filme valia zero! E não muda em nada a má imagem que ainda persiste dessa segunda dama inglesa (sendo a primeira a rainha, evidentemente!): dura, inflexível, orgulhosa, conservadora, ambiciosa, fria e insensível, apesar de corajosa! Mas coragem está longe de ser tudo!  6.3, na classificação até 10 da IMDB, dá uma ideia?
 
Como fã incondicional da atriz, custa-me preferir que seja Viola Davis a ganhar o Oscar, com "As Serviçais": mais filme, uma temática mais interessante e profunda, um desempenho igualmente impressionante, sem ter de fazer de louca... (que, já se sabe, ser uma das preferências de Hollywood!) 
 
Imagem de cena do filme da net.

35 comentários:

  1. Também ando como tu, Teté! Não assisto à cerimónia dos óscares, mas queria ver os filmes candidatos antes da entrega. ;)
    Esta Dama de Ferro vi na segunda e gostei muito, mas tudo se deve sem dúvida à excelente interpretação de Meryl Streep. Gostei também de conhecer o outro lado de M. T., que até me conseguiu deixar com alguma pena... Mas que a mulher era terrível lá isso era!!
    Também acredito que o óscar vá para ela e não para Viola Davis. Veremos...
    Ah! Vi ontem "O Artista", que simplesmente adorei. "A Invenção de Hugo Cabret" só conseguirei ver depois dos óscares, por isso não sei... Talvez fique a torcer pelo "O Artista" ou "Meia-Noite em Paris" ou "A Árvore da Vida". :p "As Serviçais" e "Os Descendentes", apesar de ter gostado não me parece... Os outros candidatos a melhor filme não vi, mas ainda gostava de ver também "Cavalo de Ferro" e "Tão forte e tão perto".
    Beijocas cinéfilas! ;)

    ResponderEliminar
  2. Ainda ontem ouvi falar neste filme e só se falava na caracterização e interpretação de Meryl Streep, dá a ideia que tudo o resto não vale nada...

    Não vi o filme, mas quero ver...quando não tiver mais nada para fazer :p

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  3. Anónimo2/22/2012

    Assim não vale!
    Nem me deixas preparar a ida ao cinema, que aparece logo outra proposta.
    Huum...
    Entre este e o anterior, opto por este.
    Fashefavôr de não me voltar a trocar as voltas!;)

    beijocas
    Nina

    ResponderEliminar
  4. Meryl Streep é uma actriz enorme de talento e versatilidade.

    A Dama de Ferro é, quanto a mim, uma asquerosa criatura que friamente arrasou a vida de milhões de pessoas, deixou morrer de fome os activistas católicos irlandeses, ordenou o afundamento de um navio argentino.

    Portanto, que me desculpem, mas acho que não irei ver o filme.


    Desejo-lhe um bom dia.

    ResponderEliminar
  5. Este ano não tenho interesse nenhum nos Oscares. Tenho andado arredado das lides cinematograficas e nao faço ideia quais os filmes que estão nomeados e se merecem ou não o prémio.
    Se vir a cerimónia de entrega, vai ser só para ouvir as palhaçadas do apresentador. (que frase bonita, esta)

    ResponderEliminar
  6. eu li uma crítica que afirmava que este filme era um despudor porque a senhora Thatcher ainda estava viva e poderiam ter esperado até que morresse e mais não sei quê [até acho que era a opinião do PM inglês, mas já não tenho certezas]. enfim, aquele toquezinho de empáfia tão britânico tão habitual mas que esconde uma catrefada de misérias.

    ResponderEliminar
  7. Ao contrário de ti, não aprecio a Merryll. Acho-a uma excelente actriz, mas para mim, não é só isso que conta. Não gosto de pessoas (portanto, fica claro que é uma questão pessoal) demasiado competitivas e se julgam as maiores (aquela disputa sem fim com a Kate Winslet é absolutamente ridícula e não fica bem a alguém com o seu estatuto). Helen Mirren faz-me mais sair de casa para o cinema que ela.
    Como é evidente, não é por isso que deixo de ver os seus filmes, e esse está na lista.
    Mas não ligo muito aos Óscares. Já o disse e repito: as coisas nunca foram muito transparentes nas escolhas da Academia, mas então desde que "Quem quer ser bilionário" foi considerado o melhor filme...

    ResponderEliminar
  8. Só agora vi a tua resposta à minha, no post de "O Artista". Não disse que o "Quem quer ser bilionário" seja um mau filme. Mas nunca seria filme para ganhar um Óscar, ainda por cima com filmes como Frost/Nixon, Milk ou mresmo Benjamin Button a concorrer.
    O Singing in the Rain é muito datado, e para ser franco, também não me parece filme para Óscar, mas tem cenas de dança absolutamente geniais. E além disso não é comparável, visto que nem ganhou o Óscar para melhor filme. Creio que nem foi nomeado (no ano anterior sim, An American in Paris ganhou o Óscar.
    Quando falei da subvalorização do cinema francês, poderia falar também do restante cinema europeu. E vá lá que agora até já há filmes europeus nomeados para o Óscar. Fazer filmes como Cinema Paraíso ou o Quarto do Filho não é para americanos.

    ResponderEliminar
  9. Também é apenas por Meryl Streep que tenho o filme na minha lista.Estou plenamente de acordo com a apreciação que faz da Thatcher.

    ResponderEliminar
  10. Adoro esta Senhora!
    Tenho de ver...

    :)

    ResponderEliminar
  11. Não tenciono ver este filme, não me interessa a vida dessa mulher.
    Beijos e boa semana:)

    ResponderEliminar
  12. Mas gosto da Meryl Streep, grande actriz sem dúvidas!

    ResponderEliminar
  13. Grande desempenho desta Dama!!! Streep no seu melhor.

    Acabei de postar a minha critica sobre o filme no meu canto.

    Este ano os filmes nomeados são de excelente qualidade. Pelo menos comparado aos do ano passado!

    ResponderEliminar
  14. Eu gosto de mulheres de ferro, no entanto, ainda hoje uma amiga me comunicou, que não quer ver este filme, porque nunca gostou da ex-primeira-ministra inglesa Margaret Thatcher.
    Eu cá não o quero perder, mas a estreia é no dia dos anos da minha filha Vani e, depois tenho ainda o Círculo Literário e vários convites, em resumo, espero que ainda esteja no cimena quando eu tiver tempo.
    Li que o filme é uma maneira fictícia a possibilidade da Thatcher, no final de sua vida, relembrar os fragmentos do seu passado e pesar os custos pessoais de suas decisões. O filme não é sobre política, é sim, sobre o poder e a perda dele.

    GOSTO DE MULHERES DE FERRO!!!

    ResponderEliminar
  15. Teté:
    Peço desculpa,mas tinha-me esquecido de fazer o link no post sobre a Corrente d'escritas. Agora já lá está.
    Grosso modo, são três dias em que podemos ouvir escritores falar de literatura e conviver com eles. Já lá estive por duas vezes e aconselho, porque é um momento óptimo para lavar o espírito. Se puder, não perca!

    ResponderEliminar
  16. Claro que não dá para ver todos, antes dos Oscar, TONS DE AZUL, mas pelo menos os nomeados nas principais categorias. Ainda vou ver "Hugo", mas os restantes terão de ficar para outra altura! ;)

    E sim, pretendo ver a cerimónia em direto... se não me der a soneira e adormecer! :D

    No meu modesto entender "Os Descendentes" até tem nomeações a mais, mas "As Serviçais" adorei! Não vi foi "A Árvore da Vida"!

    Beijocas cinéfilas!

    ResponderEliminar
  17. De tudo resto safa-se o ator, MARIA, que também vai muito bem! Mas no geral é fracote em tudo, exceptuando talvez o guarda-roupa, muito semelhante ao usado pela antiga primeira-ministra! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  18. Bom, lá para o fim de semana estava a contar ver outro, NINA, mas se te troca as voltas... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  19. Tal como digo, SÃO, Meryl Streep é o filme! Exceptuando Broadbent, a caracterização e o guarda-roupa o filme não vale nada, nem como argumento, música, fotografia, informação, dados históricos etc., é tudo assim filmado pela rama... :)

    E compreendo que não te apeteça ver, eu própria também antipatizava com a fulana, vê-la demente e senil não afeta esse julgamento anterior... Calhou, o convite da minha mummy! ;)

    Boa noite para ti... dado o adiantado da hora! :D

    ResponderEliminar
  20. Eheheh, pois, W, este ano está lá o meu apresentador favorito: Billy Crystal! Só por isso já vale a pena! Mas sim, no caso tenho estado mais ou menos a par dos filmes... :))

    ResponderEliminar
  21. Bom, MOYLITO, imagino que para a família ver a mulher a deambular entre as paredes da sua casa feita barata tonta e a falar com o defunto, não seja especialmente agradável... Mas quer dizer, até é pouco, para o que a fulana fez enquanto governante! E não, não fiquei com peninha nenhuma dela... :P

    ResponderEliminar
  22. Helen Mirren é inglesa, as outras duas são americanas e aparentemente muito mais competitivas, VDEALMEIDA! Suponho que lá no States quem não seja também não vai muito longe na carreira... Mas simpatias pessoais todos temos, mesmo não os conhecendo pessoalmente e por vezes até muito mal, com o que sai deles na imprensa e que nem sempre é verdadeiro! Mas pronto, ficamos com uma imagem da pessoa que nem sempre é favorável... ;)

    Peço desculpa, mas era mesmo a "Um Americano em Paris" que me estava a referir (devia ter ido confirmar e não fui, é o que dá escrever as coisas de cor) e como esse houve outros como Gigi e por aí adiante. Que ganharam a grandes filmes, enquanto ali é só cançonetas e passos de dança...

    Quanto à festa em si, a ideia desde os primórdios era homenagear o próprio cinema americano e a indústria de Hollywood, só nos últimos anos é que abriram um pouco mais o leque. E isso nem se deve levar a mal, porque os restantes países que têm galas do género fazem o mesmo: primeiro o cinema deles, depois os dos outros países! :)

    ResponderEliminar
  23. A apreciação não é só minha, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, o próprio filme passa essa imagem... :)

    ResponderEliminar
  24. Somos duas a ser fãs da Streep, GATINHA! :D

    ResponderEliminar
  25. Tal como já disse à São, CONCHITA, percebo-te perfeitamente. Ela é uma grande atriz, mas a vida da outra não é de molde a interessar-nos por aí além... :)

    Beijocas e boa semana para ti!

    ResponderEliminar
  26. Também acho que este ano há melhores filmes, embora tivesse gostado muito do "Discurso do Rei", MIGUEL! E há dois anos ainda foi pior...

    Já li a tua opinião, que não destoa da minha, se bem que não tenhas como te lembrar do período em que ela governou a Inglaterra! :))

    ResponderEliminar
  27. Bom, EMATEJOCA, confesso que também não fui muito convencida. Tal como digo, só a Meryl e a minha mãezinha me convenceram... :)

    E não, também não gostava nada dela! Aliás, a alcunha vem por ser mais dura e impiedosa do que outros governantes masculinos. Se isso te parece bom... a mim não! ;)

    Quanto ao tema, nem sei bem sobre o que é que é! Talvez assim um "tudo ao molho", em volta da Thatcher...

    Gosto de mulheres fortes e determinadas que se empenham na luta das suas causas. Esta, pelo menos no filme, dá mais ideia de ser parecida ao PPC: mais teimosa que outra coisa!

    ResponderEliminar
  28. Já vi o link CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, mas infelizmente não me fica em caminho! Obrigada à mesma! :)

    ResponderEliminar
  29. A interpretação de Meryl é extraordinária. É muito provável que ganhe o Óscar...

    ResponderEliminar
  30. Só uma pequena correção, Tété: a kate Winslet também é inglesa. Aliás, acho que ultimamente os americanos têm aberto mais os olhos para a qualidade dos actores e actrizes ingleses. E ainda bem, é uma vergonha para eles o Peter O'Toole nunca ter ganho um Óscar (valha lá isso o que valer)

    ResponderEliminar
  31. Só uma pequena correção, Tété: a kate Winslet também é inglesa. Aliás, acho que ultimamente os americanos têm aberto mais os olhos para a qualidade dos actores e actrizes ingleses. E ainda bem, é uma vergonha para eles o Peter O'Toole nunca ter ganho um Óscar (valha lá isso o que valer)

    ResponderEliminar
  32. Não me encanta a perspectiva de passar hora e picos a ver a minha Meryl com aquele cabelo armado. Talvez espere para quando sair no Meo. Atrai-me mais 'os descendentes' do Clooney (só pela temática, claro, tem nada a ver com o sex appeal do homem, claro que não) ou o Cavalo de Guerra.

    O último filme que vi foi o Millennium do Craig (e só ele é que me encheu o olho, visto que o filme em si achei fraquito em comparação com o livro)
    bjs e que ganhe a melhor, mas espero que seja a Meryl, que já me encantou noutros filmes. Mas como às vezes não se percebem muito bem que raio de critérios utiliza a Academia, . Eu não faço ideia porque é que a fulana do Millennium está nomeada para melhor atriz, por exemplo, mas devo ser eu que sou esquisita...
    bjs

    ResponderEliminar
  33. É provável, sim, CATARINA! Mas é pena que seja por este filme... ;)

    ResponderEliminar
  34. Richard Burton também nunca obteve nenhum, VDEALMEIDA! E Paul Newman obteve um por um filme banal, ao fim de 20 anos de uma carreira recheada de excelentes interpretações. O caso de Hitchcock ainda é mais flagrante, que no final da vida deram-lhe um prémio de carreira, tendo perdido todos para que foi nomeado...

    É, os Oscar não costumam brilhar pela justiça! :)

    Tens razão, a Kate é inglesa, esqueço-me sempre. Mas não tem o nível e a classe Helen Mirren, que curiosamente até é filha de pai russo e mãe inglesa... ;)

    ResponderEliminar
  35. Escusavas de referir que estares interessada em ver o do Clooney não tem nada a ver com o charme dele, SAFIRITA, que percebi imediatamente que não! =))

    É impossível ter comparação com o livro, porque a trilogia é genial! Mesmo assim, e não gostando do final ligeiramente diferente, gostei do filme e da interpretação da Rooney Mara, embora a Noomi Rapace, na versão sueca, também vá muito bem!

    E sim, aquele cabelito armado é um bocado irritante... ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)