sábado, 2 de fevereiro de 2013

EM CADA ESQUINA UM BANQUEIRO

Para quem não teve oportunidade de ler a crónica de Ricardo Araújo Pereira na revista "Visão" desta semana, aqui fica o hilariante e contundente texto do humorista: 

"Em cada esquina um banqueiro

O ideal seria que todos os estabelecimentos comerciais portugueses tivessem "banco" escrito no nome. Nenhum negócio iria à falência, porque o estado acudiria a todos.

Ser dirigente de um banco bem sucedido é bom. Ser dirigente de um banco mal sucedido é ainda melhor. As mercearias falidas não são nacionalizadas e as casas de ferragens com problemas de tesouraria não se recapitalizam com dinheiro do Estado. O problema é das mercearias e das casas de ferragens. Toda a gente já percebeu a diferença entre recapitalizar-se, por um lado, e pedir emprestado porque se vive acima das possibilidades, por outro. O ideal seria que todos os estabelecimentos comerciais portugueses tivessem "banco" escrito no nome. Um talho chamado Banco Carnes de Ouro. Uma mercearia chamada Banco Frutas Idalina. Um restaurante chamado Banco Adega Regional O Botelho. Nenhum negócio iria à falência, porque o Estado acudiria a todos. Se falisse, pagava o País inteiro. Só por falta de visão comercial é que continua a haver empresários que ignoram esta estratégia simples mas vencedora.

O negócio da banca é duro e complexo. Trata-se de comprar dinheiro barato e vendê-lo mais caro. Pensando bem, talvez não seja assim tão complexo. Estamos a falar da comercialização de um produto que toda a gente aprecia. O risco não é muito grande. E, além disso, é um bem que não se estraga. Ninguém diz, ao levantar um cheque: "Olhe, desculpe, estas notas são da semana passada."  

Ainda assim, um número bastante elevado de banqueiros consegue reunir a mistura de talento e obstinação necessária para levar muitas destas instituições à completa ruína. Não deve ser fácil.

O jornalista Nicolau Santos fez, há dias, uma lista não exaustiva de banqueiros portugueses envolvidos em escândalos financeiros e consequentes processos judiciais. São cerca de dezena e meia. E acrescentou uma lista de bancos que o Estado português já ajudou, com avultadas injecções de capital. Contando com o BPP e o BPN, são cinco. Num país com a dimensão de Portugal, 15 banqueiros e cinco bancos parece muito. Não sei se é suficiente estabelecer uma regra, mas são números um tanto alarmantes. Qualquer dia, banqueiro detido passa a ser um pleonasmo.  Talvez fosse bom remodelar os testes psicotécnicos na admissão de candidatos ao lugar de banqueiro. Aparentemente, saber de finanças não habilita ninguém a gerir instituições financeiras".


Imagem da net.

14 comentários:

  1. Mas olha que deixaram ir à falência o BPP e bem diferença me fez porque a minha nora trabalhava lá!
    Também podiam ter acudido a este! :))
    Como sempre uma crónica com um sentido crítico cheio de humor e de verdades!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E alguém percebe a quem é que acodem ou não, ROSA? Sabemos que pagamos a fatura e ainda nos atiram em cara que fomos nós que nos endividámos acima das nossas possibilidades. O que é uma mentira refinada, porque aconteceu a alguns deslumbrados, mas muito longe de sermos todos. E muito menos comparativamente com bancos, compras de submarinos, gestores públicos pagos regiamente para não gerir mais do que a própria carteira e diabo a 4!

      Crítica e humor funcionam muito bem em simultâneo! :)

      Abraço

      Eliminar
  2. Eu compr a "Visão" todas as semana e ,, portanto, já lera.

    Fizeste bem em colocar aqui este texto.

    Eu já escrevera no facebook de Passos Coelho que achava muito bem os milhões postos pelo Governo no Banif, já que todas as empresas podem falir - menos os Bancos!

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. À exceção do "Expresso" e um ou outro jornal desportivo, cá em casa é raro comprar-se jornais ou revistas. E são mais eles a comprar, porque vou lendo quase tudo na net, nos blogues e no facebook! Para quê?

      Nunca consegui chegar a ler esse teu comentário, SÃO,mas certamente foi latim para ruim defunto... :P

      Mas considerei esta crónica muito assertiva, daí achar interesse na sua publicação blogosférica, para quem não leu... :)

      Beijocas

      Eliminar
  3. Nós todos já sabemos isso... toda a gente sabe... Ninguém faz nada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achas que são todos, BRISEIS? Protestar e demonstrar a nossa indignação é o que muitos de nós podemos fazer... E sempre é melhor que nada ou o queixume do eterno fado! ;)

      Eliminar
  4. Pois é por isso que os Ulrich(s) e os Espírito-Santos e esses todos se atrevem a dizer as baboseiras que muito bem lhes apetece para cima de todos nós e nada lhes acontece. Filhos da ... mãezinhas deles!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, GRAÇA! A arrogância é tal, que ainda se permitem dar lições ao povo de como aguentar ou não o que o próprio sistema bancário despoletou... :P

      Cambada de trastes!

      Beijocas para ti!

      Eliminar
  5. Já tinha lido, mas foi um prazer reler!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em cheio, não é, Carlos? :)

      Eliminar
  6. Só me ocorre uma frase que ouvi várias vezes quando apresentavam o documentário sobre a Fraude do BPN, "a melhor maneira de assaltar um banco, é administrá-lo". óbvio que não é a todos que caberá a carapuça, mas se bem se lembram o buraco do BPN foi o buraco inicial que começou a trazer-nos para a situação actual, mas o que eu pergunto é? Onde andam as pessoas que roubaram? Estão presas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perguntas tu e toda a gente, POPPY, mas a resposta é conhecida: "Não, não estão presas, andam por aí na boa vai ela e a gastar o dinheiro que roubaram!" E nós a pagarmos as dívidas avultadíssimas destes meliantes, com impostos cada vez mais elevados. Uma cambada do piorio, e uma justiça que não é igual para todos! :P

      Eliminar
    2. Nestas situações ainda existe algo mais caricato Teté, é que (quando acontece, o que nem sempre) quando são levados a julgamento utilizam o dinheiro roubado para pagar a bons advogados, giro não é? Pois só se for para eles... Não entendo nada disto :/

      Beijinhos e bom fim de semana

      Eliminar
    3. Pois, POPPY, o que roubaram dá para um batelão de advogados e ainda lhes sobra para andarem por aí a pavonear-se! Uma cambada do piorio... :P

      Beijocas e bom fim de semana também para ti! :)

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)