domingo, 25 de setembro de 2011

VICKY CRISTINA BARCELONA

Há uma peça de Shakespeare intitulada "Muito Barulho Por Nada", que nunca vi em palco, mas em que essencialmente... não se passa nada! Ou, pelo menos, nada de muito relevante! Ora este filme de Woody Allen segue na mesma onda... 
Vicky (Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson) vão passar dois meses de Verão a Barcelona, em casa de uma parente afastada (e abastada) da primeira, com diferentes intuitos - Vicky vai estudar a cultura catalã e Cristina anda em busca da sua vocação. As duas amigas não podiam ser mais diferentes: Vicky tem o seu futuro todo planeado, que inclui acabar os seus estudos e o casamento com Doug,que ela acredita dar-lhe segurança e estabilidade; Cristina, por seu turno, vive o momento e está muito mais aberta a aventuras amorosas. Entretanto, conhecem o pintor Juan Antonio (Javier Bardem), recentemente envolvido no escandaloso divórcio com a  impetuosa Maria Elena (Penelope Cruz), que as convida para um fim de semana em Oviedo. Contrariada, Vicky acompanha a amiga e o espanhol nessa viagem, mas uma indisposição gástrica impede Cristina de sair da cama, enquanto os seus companheiros passeiam pela cidade. Quando, mais tarde, Cristina vai viver com o pintor, a situação parece resolvida, até que Juan Antonio vai buscar Maria Elena ao hospital, depois desta tentar suicidar-se, e regressa com ela a casa! Pois...
Sem dúvida que é um filme divertido, mexendo e remexendo com conceitos e preconceitos, mas, dois dias depois, alguém se lembra exactamente das voltas e reviravoltas do argumento? Pois...


Claro que o elenco é de primeira e a  actuação de todos 5 *****! Mas chega para ser o filme da vida de alguém?! Pois...

Imagem da net.

22 comentários:

  1. O velho Woody ainda dá que falar.
    Outro na minha listagem.:)
    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Gostei do filme. Basta ver uma vez.: )

    ResponderEliminar
  3. Não é ( nem de perto nem de longe...) um dos filmes da minha vida, mas gostei mais do que de Midnight in Paris ( oh sacrilégio...). Claro que a Penélope e a Scarlett deram uma boa ajuda, mas gostei bastante do argumento e fiquei a pensar mais sobre ele do que no de MiP que, apesar de interessante, me pareceu um bocado simplista.Pese embora o imagético que o envolve...

    ResponderEliminar
  4. Gostei de ver pois não sou fã do Woody Allen (shame on me) e concordo contigo, não é filme de uma Vida. Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Anónimo9/25/2011

    Oi Teresa
    Como de costume ando muito arredado da paixão cinéfila que já houve em mim.
    Mas agrada-me sempre aqui rever hipotéticos desvios dos meus hábitos.
    Beijinho para ti
    KIM

    ResponderEliminar
  6. Este deu uma noite destas na RTP, NINA, de modo que o gravei para ver mais tarde! :)

    Mas sim, este ano vi tantos filmes de Woody Allen, que parece maluqueira, mas não é, só coincidência! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  7. É um filme agradável, mas concordo que basta ver uma vez, CATARINA! :)

    ResponderEliminar
  8. Não é sacrilégio, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, são gostos diferentes! :D

    ResponderEliminar
  9. Curioso é que também não sou fã, ISIS, calhou que este ano visse mais filmes dele. E fiquei fã de "Meia-Noite em Paris", como já tinha gostado bastante de dois anteriores. O que em 70 ou coisa da sua carreira cinematográfica não é dizer muito... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  10. Este por acaso foi via TV, KIM, o que não sendo a mesma palpitação, não deixa de ser um ramo da mesma haste! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  11. Não vi por isso não posso "opinar", mas quando o título nada me diz...e também não sou fã de Woody Allen.

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. zé do cão9/26/2011

    Venho dar-te um beijo e dizer-te que estamos todos mais velhos.

    ResponderEliminar
  13. realmente, tenho ouvido que o Woody Allen tem andado um bocado perdido e dão este filme como exemplo. Giro, bons actores, engraçado a tempos mas... mas... pois, não é nenhum monumento. Estou a tentar resolver o meu défice de Woody Allen (mais dia menos dia estão reunidas as condições para começar a trabalhar nisso;)) e como estou a contar vê-los por ordem cronológica, este ficará para o fim :)

    ResponderEliminar
  14. Por isso é que também só o vi na TV, MARIA! :))

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  15. Claro que estamos mais velhos, ZÉ DO CANITO, o contrário é que seria de admirar... :D

    Jinhos!

    ResponderEliminar
  16. Pois, é dos últimos, MOYLITO! Mas em não tempo muita disponibilidade, também seria de ficar para o fim... ;)

    ResponderEliminar
  17. Bem, a modos que foi o filme da vida do Bardem e da Penélope, que os moços amancebaram-se logo a seguir e já produziram descendência.

    Diverte, mas de facto, o sumo não era muito.
    Bjs

    ResponderEliminar
  18. Também vi este e penso que foi mesmo na TV. Até lhe achei piada na altura, mas sim confesso que já não lembro de nada agora a não ser dos actores que faziam parte do filme. ;)

    ResponderEliminar
  19. É, SAFIRA, para eles foi mesmo filme da vida, agora para a restante humanidade... nem por isso! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  20. Eheheh, escrevi este post dois dias depois de ver o filme, TONS DE AZUL, daí que tive de puxar mesmo pela memória, que a maior parte já se tinha esvaído. Mas lá está, é engraçado, na altura! :D

    ResponderEliminar
  21. Gostei de ver mas já passou :)

    ResponderEliminar
  22. Pois, LOPESCA, passou recentemente na televisão... :))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)