sábado, 18 de agosto de 2012

O MUNDO AMORDAÇADO!

O mundo está a tornar-se um lugar cada vez mais perigoso! Os governantes e os detentores do poder económico conluiam-se no esforço de calar as vozes dissonantes, o desrespeito pelo direitos humanos torna-se visível a cada dia que passa. 

A Grã-Bretanha, tida como uma das democracias mais antigas da Europa, acolheu em tempos o ex-ditador Pinochet, que nunca chegou a ser julgado pelos crimes de genocídio, de enriquecimento ilícito e mais uns quantos que colecionou ao longo dos anos que liderou o destino dos chilenos. Crimes contra a humanidade, nada de somenos importância! Mas em relação a Julian Assange - aquele sujeito que teve o "descaramento" de publicar documentos "Top Secret" que revelam a podridão que grassa entre governantes e reinantes económicos do mundo inteiro, e que os EUA tem debaixo de olho para julgar por alta traição e possivelmente condenar à pena de morte - o caso já fia mais fino e o governo de David Cameron já ameaçou retirar a imunidade da embaixada da República do Equador, em Londres, onde o australiano se encontra alojado e conseguiu asilo político. Ou seja, esquecendo todas as regras do direito internacional...

Para a hipocrisia ser maior, a "digna" demanda inglesa é entregar Assange às autoridades suecas, onde duas moçoilas (que o convidaram para sua casa) o acusaram de violação... consta que um pouco depois da cabeça dele estar a prémio! Isto não vos lembra aquele fulano do FMI, acusado de violar uma empregada do hotel onde estava hospedado, quando bem cotado para assumir a Presidência da República francesa? Extraordinária coincidência, não é? Escusado será dizer que, independentemente do resultado do julgamento, logo de seguida Assange seria recambiado para os States... e o suspiro de alívio audível por todo o Universo!

Há métodos muito imaginativos (e legais) para manter as pessoas caladas no seu descontentamento - e os legisladores e tribunais, encarregues pelo próprio poder, tratam do assunto com empenho e dedicação. Que o digam as Pussy Riot, uma banda musical russa de rock punk constituída por três jovens mulheres, que ontem foram condenadas a dois anos de prisão, por vandalismo. O que é que se atreveram a fazer? Cantaram uma cantilena numa catedral de Moscovo, pedindo a Deus o afastamento de Putin. Um verdadeiro sacrilégio, que incomodou os crentes, no entender da juíza... 

Nem são os únicos exemplos dos abusos de autoridade nos últimos dias, mas, de repente, não vos dá a sensação que estamos todos sentados num barril de pólvora?

Imagens da net.

18 comentários:

  1. O mundo nunca foi um lugar seguro e estamos a chegar ao início de um ciclo que nos está a mergulhar numa zona de grandes perigos!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É certo que nunca foi, ROSA, mas ou por termos mais informação ou por sermos menos ingénuos agora parece mais hipócrita, na tentativa de manipular a opinião pública e instalar um clima de medo na população. Esse novo ciclo não augura nada de bom...

      Abraço

      Eliminar
  2. ola, vi o seu blog no perfil de outra pessoa e decidi visitar para conhecer seu espaço, adorei imenso.. voce não quer vir visitar meus poemas?? http://assombrado-mc.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-vindo, MIGALHAS!

      Poesia não é o meu forte, nem sei comentar, mas lá irei espreitar... :)

      Eliminar
  3. A inquisição acabou mesmo? Ou é reinventada a cada década de acordo com os interesses vigentes?

    Beijokas sem restrições (por agora)!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve ser mais nessa da reinvenção consoante os séculos e as décadas, KOK, mas não há dúvida que o retrocesso tem sido grande no capítulo da liberdade do cidadão comum... e, possivelmente, com muitas artimanhas pelo meio, para instaurar um clima de medo nas populações!

      Beijokas! :)

      Eliminar
  4. A mim dá-me é a sensação de que tudo não passa de um bando de escroques e de que o rastilho ligado ao barril de pólvora onde estamos sentados já está aceso.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se está aceso não sei, SÃO, mas temo que caminhe por aí...

      Abraço!

      Eliminar
  5. Eu até compreendo que os crentes se tenham sentido incomodados, mas o poder democrático bem musculado da Rússia aproveitou esse pretexto para calar vozes incomodas. Isso é que incomoda mesmo! Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temo que a Rússia, de democrática, tenha só uma fina camada de verniz, TERESA! Mas que o poder continua musculado, não tenho a menor dúvida! Até os crentes incomodados (parece que as garotas tiveram apenas um minuto a cantar) devem considerar dois anos uma pena excessiva! Ou não... que não conheço nenhum russo que me tire essa dúvida!

      Beijocas

      Eliminar
  6. Olha, este caso do Assange mete nojo! Coitadinhas das meninas que eram virgens e tudo e o maroto abusou delas... E eu sou o Pai Natal! Que raio de hipocrisias!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, GRAÇA! Elas só o convidaram para ver a sua coleção de selos e ainda acreditavam que os bebés chegavam no bico da cegonha... Oportunistas e manipuladores costumam entender-se lindamente!

      Eliminar
  7. Reparei agora na ironia da tua etiqueta "Coisas do outro mundo". Quem dera fosse mesmo outro e não o nosso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem nos dera a todos, LUISA!

      Eliminar
  8. A contracultura foi uma "moda" há anos e sinceramente, pela hipocrisia bruta que se assiste no mundo, não sei se a "moda" deveria voltar..

    O caso Assange é apenas mais um, e certamente haverá outros tendo ele como protagonista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MIGUEL, supõe-se que Assange não trabalha sozinho, mas querem dar-lhe uma "punição exemplar", para tirar ideias dessas a futuros divulgadores de documentos secretos. A dúvida é capaz de ser se a sua morte - abatido a tiro por forças especiais, como já ouvi um jornalista americano defender - não trará o efeito inverso...

      Os movimentos pacíficos não costumam funcionar com gente desta laia!

      Eliminar
  9. São casos que demonstram como a Democracia tão propalada pelo Ocidente é uma rotunda mentira.
    Sobre Assange e Straus Kahn já escrevi, mas sobre as Pussy Riot ainda não. Mas não é pelo facto de a imprensa anglo saxónica nunca mencionar o nome do grupo por questões terminológicas... é só porque, apesar de considerar a pena que Putin lhes aplicou ser vergonhosa, também acho que as meninas deveriam ter evitado fazer aquele espectáculo numa Igreja. Há que respeitar os crentes e elas não o fizeram. Daí a a concordar que tenham de ficar engaioladas dois anos, vai obviamente uma grande distância. Os cinco meses que já á passaram eram já pena demasiado pesada.

    ResponderEliminar
  10. Nem mais, CARLOS!

    E concordo que as meninas deviam ter evitado, mas também parece que a atuação durou apenas um minuto, de modo que os 5 meses em que já estiveram detidas estava mais que de bom tamanho! Isso de não mencionarem o nome do grupo, embora seja o habitual moralismo a falar mais alto, não foi extensivo a todo o jornalismo... ;)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)