quarta-feira, 22 de agosto de 2012

BOLOS E BOLINHOS

O Califa sempre foi uma referência na pastelaria fina (como costumava dizer-se!) de Benfica ou até de Lisboa. No início da adolescência mudámos para um apartamento das redondezas, de vez em quando a minha mãe pedia que fôssemos comprar lá uns bolos, especialmente quando íamos visitar os meus avós, o que acontecia quase todos os domingos. E ditava a encomenda: dois pasteis de nata, dois duchesses, duas delícias de morango, dois palmiers e por aí fora, consoante lá supunha o número de pessoas presentes na  hora do lanche. Raramente era inferior a uma dúzia de bolos, porque nunca se sabia se as vizinhas eram convidadas, o que também acontecia quase sempre, desde que elas próprias não tivessem visitas.

Também era certo e sabido que a sôdona Emília, que não era obrigada a comer pão antes de atacar os bolos, como nós, não se inibia nada em começar a comer o bolo que já tínhamos apontado a dedo como sendo aquele que queríamos comer a seguir às torradas. OK, era falta de chá da nossa parte, mas fazer o quê perante aquela gulosa empedernida? Por vezes até comia o meu e o da minha irmã, passando às torradas em seguida...

Porém, a partir de determinada altura era raro comer bolos, como ainda hoje em dia é. A minha irmã, que durante os tempos de liceu teve quase sempre aulas no turno da manhã (enquanto eu tinha de tarde!), ia ao Califa frequentemente, a pedido da minha mãe, comprar o lanche de ambas: nada menos que dois bolos para cada uma! Obviamente, nas férias contavam comigo, mas não sei se enjoei ou coisa, deixei de comer. Dai que a minha irmã, um ano mais nova e alguns centímetros mais alta, tenha terminado o liceu com mais 20 quilos que eu! Que foi perdendo durante os tempos universitários, quando já não lanchava diariamente dois bolos com chantilly!

Apesar disso, continuamos a encomendar os bolos de aniversário no Califa, que a pastelaria de confeção própria continua fresca e cinco estrelas. Mas nunca frequentámos o snack-bar ou o restaurante, porque os clientes habituais eram demasiado "queques" para o nosso gosto....

Ontem, esporadicamente, passei pelo Califa! Era tarde, não tinha almoçado, pensei sentar-me na esplanada e comer uns croquetes (que, por sinal, também costumam ser bons), mas não havia lugar. Fui ao balcão pedir, com a intenção de fazer a refeição ligeira em casa. E qual não foi o meu espanto quando, em vez dos bolos de outrora, observo uma vitrina pejada de miniaturas. Bolinhos muitos, bolos no tamanho original poucos! Vale que ainda não reduziram nos croquetes, mas de caminho aproveitei para trazer estes dois para a sobremesa do jantar:

Escusado será dizer que do tamanho original, não? (e sim, cada um comeu o seu bolo inteirinho!)

33 comentários:

  1. Que giro: és capaz de te ter cruzado com uma amiga minha e a filha, rrsss

    Eu sou gulosa, mas não gosto de chantilly nem de cremes, mas perco-me por doces conventuais, hummmm

    E vou-me já embora,que só de olhar engordo! rrss

    Abraço grande e bom apetite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era precisa muita pontaria para me cruzar lá com a tua amiga, que tive apenas cerca de 5 minutos ao balcão a fazer o pedido, enquanto embrulhavam e a pagar, SÃO! :D

      Mas tirando gelados e chocolates (só alguns) não sou apreciadora de doces de um modo geral. Calhou que na hora estava com fome e até os bolitos sorriram para mim... :)))

      Abração!

      Eliminar
  2. Seus gulosos!!!

    Sabes que apesar de não ser muito de doces, este é o meu bolo favorito? E vens aqui acenar com um pratinho com dois? Isto faz-se a uma blogueira? Não é justo! :p

    E depois o Califa??? Como diz o Malato, já fui muito feliz no Califa ai ai ai ehehe

    Moravamos muito longe do Califa, mas os meus pais tinham uns amigos a viver muito perto e por isso íamos lá muitas vezes, chegámos a comprar bolinhos e outras coisas para piqueniques que fazíamos na mata de S. Domingos...mais tarde tive um amigo que morava para esses lados...

    Não me lembro de ir ao restaurante ou ao snack, mas se o fiz não era nada queque, atão não acabei de dizer que o meu bolo favorito é o duchesse??? ai ai ai

    Pois, tens razão, a Dona Emília era mesmo muito gulosa...a Teté não, pois não, pois não??? (assobiando)

    Beijinho :)

    *agora fiquei com vontade de comer um bolo...queres ver que ainda tenho que ir ao Califa??? Tudo eu...tudo eu :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está uma coisa que não me chamam há muito tempo, MARIA: gulosa! :)))

      Mas confesso que quando era miúda era muito mais. E nunca se sabe se essa gulodice não volta com a idade avançada! (a assobiar para o ar...)

      A sodôna Emília era muito gulosa mesmo, lá tá, já era velhota, estava-se nas tintas para a linha e ainda menos para a regra de comer primeiro as torradas e só depois os bolos... :D

      Oops, será que contribuí para a engorda de alguém? Não era essa a intenção! :P

      Beijocas!

      Eliminar
  3. Não conhecendo o Califa, bolos e bolinhos foi o que nunca faltou cá em casa, porque a minha mãe sempre acalentou o sonho de vir a ser chefe de pastelaria (digo eu!:))
    O que é certo é que eu adoro bolos e bolinhos, que são uma desgraça na minha linha, muito mais desgraçada, ainda, com salgados.
    E não é que agora, que estou oficialmente de dieta, olhei estes bolos que adoro e nem fiquei a salivar? Bolas! Estou uma linda menina!:)))

    bjis e muitos ou poucos bolinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh, NINA, fizeste-me lembrar uma amiga minha que era (e é!) um prato em frente a uma montra de pastelaria. Quer dizer, agora é raro encontrá-la em frente a alguma, mas gostava tanto, tanto, que até os olhinhos dela brilhavam! :)))

      Também prefiro salgadinhos, mas normalmente não chego ao ponto de salivar! Se me apetece, como e pronto! :D

      Beijocas! E o bolinho foi esporádico, não te preocupes! :)

      Eliminar
  4. Lembro-me do Califa quando ia ver os jogos do Benfica nos anos 70.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda está no mesmo sítio, CARLOS II! Mas também foi nessa época que me mudei para a zona e que conheci a pastelaria... tenho ideia que abriram nos finais dos anos 60, princípios de 70. Sei que comemoraram 40 anos há relativamente pouco tempo! :)

      Eliminar
  5. Ficava fora da minha área de "intervenção" dos meus tempos de universitária mas conheço-lhe a fama!
    Eu era mais Campo Grande! O lar onde estava era na Alameda das Linhas de Torres! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tive colegas universitários que residiram nesse(s) lar(es) da alameda, ROSA, uma vez por outra almocei com eles por ali, em pequenas tasquinhas. Mas pastelarias na zona só conheci o "Trenó", já no Lumiar, onde fui poucas vezes... e porque o meu dentista ficava lá perto (e quando o filhote pedia uma bola de Berlim)! :)

      Abraço!

      Eliminar
  6. Conheci o Califa de há três anos a esta parte, por conta da minha filha "emigrada" em Lisboa e a estudar na ESCS... Quanto a esses dois bolinhos...já me fizeram crescer a água na boca. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh, se calhar o meu filho conhece a tua filha, que ele também estuda lá, LUISA! Entrou um ano depois, mas não quer dizer nada... :)

      Eliminar
    2. Às tantas... era giro :)

      Eliminar
    3. O mundo é pequeno, LUISA! :)

      Eliminar
  7. Pois, o Califa e tal...
    É certo que foi a melhor coisinha que apareceu em Benfica.
    Tal como a Mexicana na Pç. de Londres ou o Vává mais acima...
    Mas eu sempre fui mais da Trindade, ou da Portugália, ou do Zé Duarte!
    Porque sempre fui mais de salgados que de bolos.

    Beijokas com doces sorrisos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também sou mais de salgados, KOK, mas como é óbvio, vivendo em Benfica desde sempre (com um breve interregno pela Colina do Sol) e numa família de gulosos, era impossível escapar-me a fama da pastelaria. Como igualmente não me escapou a da Mexicana, a do Vavá, da Suiça e por aí fora, sem residir na zona... :)

      A Trindade e a Portugália são outra loiça, evidentemente! De barro, para um bom bifinho a cavalo... :)))

      Agora esse Zé Duarte não estou a ver! Será o Zé Pinto do entrecosto com arroz de feijão??? :D

      Beijokas sorridentes!

      Eliminar
    2. Não, não tem nada a ver com pintos nem quaisquer outros galináceos!
      O "Zé Duarte" era (actualmente remodelada mas não verdadeiramente para melhor), uma tasca no Alto de Stº Amaro onde os petiscos eram a razão de viver; e de beber, evidentemente!
      Também poderia ter referido a (pastelaria) Tamar ou a (cervejaria) Relento, ambas em Algés!
      Mas isto não é bem um roteiro de comes e bebes, pois não? Então termino!
      Com beijokas e sorrisos, doces e salgados!

      Eliminar
    3. Eheheh, já fui muito feliz no "Relento", sabias, KOK? Houve uma altura em que trabalhava em Linda a Velha e ia almoçar com frequência a Algés... e o "Relento" era um dos restaurantes onde ia! :)))

      Mas pronto, esse "Zé Duarte" nunca conhecia, nem antes, nem depois. Aliás, essa é uma zona de Lisboa que conheço muito mal... :D

      Beijokas sorridentes!

      Eliminar
  8. Aos anos que não vou ao Califa, quando a minha irmã estudava em Lisboa vivia perto do Califa e quando a ia visitar, era paragem obrigatória.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, RAINHA, o Califa já foi tão famoso quanto isso: em tempos era paragem obrigatória! Diga-se em abono da verdade que, nos anos 70, era um sufoco lá ir! Como agora ainda é no Natal, Páscoa e tal... :))

      Boas férias!

      Eliminar
  9. Já eu, que só vou comer uma sopinha ao jantar, acho muito mal a menina vir para aqui fazer pirraça com o meu bolo preferido ;)
    Beijinhos e bom proveito :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É que nem é bolo preferido nenhum, SAFIRITA, calhou... :))

      Só uma sopinha para o jantar? Ai essas dietas... :D

      Beijocas... e boa sopinha!

      Eliminar
  10. Também morei ao pé da Califa em dois períodos da minha vida. Por lá amesendei uma vez ou outra, mas ao balcão. Quanto às especialidades, era mais salgados, mas a minha irmã que lá morou também perto, quase até morrer, era bastante assídua na bolaria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca amesendei muito por lá, CARLOS, ao balcão só me lembro de uma vez! Na adolescência evitava aqueles "queques" todos, só nos últimos anos me sentei uma vez ou outra, para uma refeição ligeira... Tanto que só recentemente descobri que os croquetes também são uma especialidade! :)

      Eliminar
  11. Nunca fui grande apreciadora de bolos. Nem caseiros, nem de pastelaria.
    Tirando o arroz doce e as azevias de grão, acho que podiam acabar todos. Mas cada um tem os seus gostos.
    Olhe o vídeo, bem como o anterior das festas do Barreiro foi feito por mim, com as fotos que fiz.
    E é muito fácil.
    Procura no seu pc, o Windows Live Movie Maker, abra-o e depois é só escolher as fotos que quer.
    Pode ainda acrescentar musica, ou comentários. E depois é só salvar e ditar o filme. Muito, muito simples
    Um abraço e tudo de bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que cada um tem os seus gostos, ELVIRA, os meus até vão mais para os salgados. Mas tem dias em que apetece uma coisa diferente... :)

      Muito e muito obrigada pela informação! Estou curiosa e vou experimentar. Se e quando sair alguma coisa gira publico por aqui. Não quer dizer que seja para já, claro! Porque gosto de experimentar calmamente... :D

      Abraço e mais uma vez obrigada!

      Eliminar

  12. Como estava um pouco afastada estou tentando voltar aos poucos
    novamente tentando digerir o desconforto que estou passando no momento.
    Eu não posso parar muito menos desistir de lutar como sempre fiz.
    E a amizade nos da força sempre para continuar nossa jornada.
    Nessa rapida visite convido você a ler minha postagem
    também dizer se gostou do novo visual da nossa Viagem.
    Linda noite beijos no coração,Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que corra tudo bem contigo nesse momento, EVANIR! Prometo passar para ver o novo visual! :)

      Beijos e boa noite para ti!

      Eliminar
  13. Não vou às padarias portuguesas com frequência mas, curiosamente, fui hoje a uma porque estava com saudades de bolos portugueses. Comprei pastéis de nata, uma taça de arroz doce e para mim.... uma fatia grossa de rolo de chocolate com bolacha, o que costumava fazer muitas vezes há muitos anos. Ainda pensei em comprar um bolo de arroz porque me recordei do ano (quando andava no liceu) em que comia um bolo de arroz todos os dias durante alguns meses.
    Venho visitar-te e falas-me em bolos. ESP, Teté.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh, tive de ir ver o que ESP queria dizer, CATARINA! A Internet realmente dá um enorme jeitaço! :D

      Salame de chocolate, é como se chama esse rolo de chocolate e bolacha por cá! :))

      É, houve uma certa época em que era normal os meninos e meninas levarem para a escola um bolo para o lanche. Ainda não se falava em problemas de obesidade, nem nada disso... ;)

      Eliminar
    2. Nós chamávamos “chouriço de chocolate”. O salame veio mais tarde. : )
      O bolo de arroz compráva-o todos os dias na cafetaria do liceu. Era mesmo gulosa por eles. : )

      Eliminar
  14. "comi" em vez de "comia", claro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que o sentido de perceba, não tem problema, CATARINA. Todos nós cometemos um erro ou outro de digitação... :)

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)