quarta-feira, 6 de abril de 2011

SAPATEIRA RECHEADA

O meu pai, homem do Norte, pouco cozinhava, mas do recheio da sapateira era sempre ele a tratar. E ainda hoje o faço como ele, o que, no meu entender (e no de todos os familiares e amigos), fica muito mais saboroso do que os que comemos em marisqueiras ou cervejarias. Tanto pode servir como entrada ou como mariscada, o que depende do tamanho da sapateira (ou de quantas são) e do número de pessoas à refeição. Em qualquer dos casos, os ingredientes são simples:

a sapateira, evidentemente, cebola, alho e ovo cozido bem  picadinhos, maionese, pimenta e piri-piri. Junta-se o conteúdo do casco (tirando aquela espécie de guelras e outras partículas rijas) - em querendo, e se para aperitivo, inclui-se também toda a carne das patas e tenazes - aos restantes ingredientes e envolve-se. Eventualmente, podem-se ainda acrescentar um pouco de ketchup e cerveja, cortando na maionese, o que torna a pasta mais rosada. 

No final tempera-se com a pimenta e o piri-piri e serve-se com tostas ou pão torrado a acompanhar, preferencialmente depois de arrefecer um pouco no frigorífico. Claro que, para dar um toque de classe gastronómica, podem servir o recheio dentro do próprio casco.

Bom apetite!

25 comentários:

  1. Fiquei cá com uma vontade. Da próxima vou usar esta receita que só de ler trouxe água na boca.

    ResponderEliminar
  2. Acho que o teu pai aprendeu comigo. E como somos ambos do Norte ...
    Entre a minha e a dele há uma pequena diferença, provavelmente para melhor, a do teu pai. É que eu não ponho piri-piri nem pimenta. Todo o resto é igual e de facto fica uma maravilha.
    Às vezes - o interior da sapateira é que não ajuda. Se não estiver cheia é uma desgraça.
    O que tu me vieste lembrar, logo hoje que nem janto, pois vou à Luz ver Benfica-Porto em andebol.
    Espero que a luz não se apague e que ganhe o melhor.
    E que o melhor seja o ...
    Beijinho Tété

    ResponderEliminar
  3. Fica lá com o recheio e dá-me as patas.
    Não há nada melhor que um martelo e uma pata de sapateira eheh

    ResponderEliminar
  4. Prefiro alimentos estragados, daqueles que os parasitas da sociedade oferecem às IPSS's...

    ResponderEliminar
  5. Não é justo! É a segunda vez que venho aqui e recebes-me com sapateira, que eu gosto tanto???

    O meu pai também fazia muito bem, mas sinceramente nunca prestei atenção à receita :(

    Já "roubei" a receita :)

    E estou como o Fausto, também adoro as patas eheh

    Hoje a porta estava aberta e eu entrei...

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  6. ui ui ui, que nível. muito bom. e com esta temperatura, puxa por minis como os judeus por cêntimos :e

    ResponderEliminar
  7. Dizem que sou especialista nesta matéria e a minha receia é muito similar à sua. Tem mesmo é de ir ao frigorífico pelo menso uma hora, antes de ser saboreada.

    ResponderEliminar
  8. Bem-vindo, CONSTANTINO, GUARDADOR DE VACAS! (e de sonhos?!)

    Ainda bem que ajudou a abrir o apetite! :D

    ResponderEliminar
  9. Se o meu pai fosse vivo, KIM, faria este ano 80 anos, de modo que terias sido tu a aprender com ele... Ou então é receita "costumeira" lá do Norte e eu não sabia! :D

    Espero que ganhe o melhor e que a luz não se volte a apagar... :))

    Beijinhos!

    ps - o meu pai não punha pimenta nem piri-piri, porque nós éramos miúdas e protestávamos, mas a ideia era essa... :P

    ResponderEliminar
  10. Pronto, já percebi a ideia FAUSTO, só patas... =))

    ResponderEliminar
  11. Hummm... não estarás a ser demasiado radical, TEONANIZI? Ou será que perdi qualquer coisa? ;)

    ResponderEliminar
  12. A porta está sempre aberta a quem vem por bem, MARIA! E claro que também gosto das patas, aliás, na sapateira aproveita-se quase tudo! :))

    Espero que gostes da receita, se a experimentares! ;)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  13. Ah, lá isso é verdade, a sapateira puxa por minis, MOYLITO! Mas para os não apreciadores há sempre um vinho verde fresquinho que também vai bem... :D

    ResponderEliminar
  14. Claro, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, que quanto mais fresquinho estiver o recheio, mais agradável se torna! Já vi é que deve ser especialidade nortenha e não apenas do meu pai... :D

    ResponderEliminar
  15. zé do cão4/07/2011

    Teté.

    E se fosse uma santola? e um arroz de lavagante e uma lagosta suada?
    Que apetite.
    Teté, sobre a pergunta as iniciais da tal empresa era ASS?
    Se sim, sim mesmo.

    ResponderEliminar
  16. Pois eu gostava muito da receita da minha mãe....á moda de Angola....que claro tinha de levar cerveja e miolo de pão...assim que gindungo.
    Agora até que ia uma.....com uma Cuca bem geladinha... por favor...ahahahh
    Beijokitas

    ResponderEliminar
  17. Teté sua malvada, fiquei com água na boca!!...que bom aspecto tem esse recheio, fazemos um acordo, tu tratas do recheio e eu trato das tostas boa??..
    Não sou do Norte, mas também uso quase todos esses ingredientes, acrescento apenas um pouco de mostarda, excluindo a cebola e o alho. Fica maravilha.
    Estamos na altura dos petiscos, quando o sol espreita, o cheirinho a maresia desperta, logo, apetece saltar para as tasquinhas e provar cada delícia dessas.
    Sabe bem passar por aqui, tens sempre algo que nos desperta!!...

    Beijokas

    ResponderEliminar
  18. O teu pai era do Norte e o meu do Sul (duma cidadezita chamada Lisboa)!!!

    Vou mandar à minha filha Luísa esta tua receita da SAPATEIRA RECHEADA, já que eu não tenho vontade nem jeito para cozinhar, e além disso é uma receita bem complicada. Mas é como eu te digo, a Luísa além de ser matemática é uma boa cozinheira.
    Espero que a tua pergunta se tenha esclarecido.

    ResponderEliminar
  19. Teté, para eu ser uma grande admiradora da menina da fotografia, e, dizer, que QUERO QUE ELA SE AGUENTE ATÉ 2013, tem que ser CÁ DA TERRA!!!

    ResponderEliminar
  20. Ainda bem que te abri o apetite, ZÈ DO CANITO! :D

    E sim, eram essas as iniciais da empresa! :)

    Jinhos!

    ResponderEliminar
  21. Hummm.... pois, PARISIENSE, mas no fundo o gindungo pode ser utilizado em vez do piri-piri, não é? :))

    O meu pai punha sempre cerveja também! A Cuca é que não tenho aqui à mão... :D

    Beijokitas!

    ResponderEliminar
  22. Malvada, moi, NUVEMDOCE?! Eu aqui a revelar as receitas "secretas" familiares e ainda levo com essa? Tá mal!!! =))

    Não sou grande apreciadora de mostarda, mas se excluis a cebola e o alho já não é a mesma coisa... :n

    E sim, tal como tu, adoro esta época do ano e os petiscos nas tasquinhas! Nham, nham... :)

    Beijokas!

    ResponderEliminar
  23. Cidadezita chamada Lisboa, EMATEJOCA! Mau, mau... :)

    Hoje, a cidadezita foi eleita a 4ª mais bonita do mundo por uma agência de viagens on line! Só para começo de conversa... :D

    Mas sim, fica resolvido o mistério da personagem chamada Luísa! Agora que a receita é complicada... nem por isso! ;;)

    Também percebi logo a quem te referias, mas a actriz que fazia de Malvina é-me mais simpática! Opiniões, está claro! ;)

    ResponderEliminar
  24. Deixa-me só ir buscar uma cervejinha fresquinha que já te digo onde vai parar essa sapateira e respectivo recheio.

    ResponderEliminar
  25. Pois, pois, uma cervejinha fresquinha é indispensável a acompanhar, PAULOFSKI! :D

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)