segunda-feira, 11 de abril de 2011

PERSEGUIÇÃO POLICIAL

Eram 3 da manhã. Ela já dormia, ele estava a acabar de ver um filme na televisão. Tocaram à porta. "Polícia!", anunciaram, enquanto mostravam o distintivo. Entraram uns quatro ou cinco policiais à paisana casa dentro, enquanto um explicava sucintamente que andavam atrás de uns assaltantes que tinham fugido para os quintais das traseiras. Ela acordou, para os ver passar e pedir desculpa pela "invasão". A rua estava cortada, carros e polícia armada pululava por toda a zona, tanto da PSP como da PJ.
Não conseguiram vislumbrar os meliantes, escondidos nalguma sombra dos quintais da vizinhança - tinham acabado de assaltar um casal brasileiro. Os polícias saíram, voltando a desculpar-se pelo incómodo, pedindo que os avisassem caso vissem algum movimento estranho, mesmo que lhes parecesse insignificante. Mas alguém consegue dormir sossegado perante a perspectiva de ter assaltantes armados a rondar pelas redondezas? 
O aparato policial mantinha-se na rua, um dos polícias relatava à central os últimos acontecimentos, o que conseguiram ouvir da varanda, enquanto fumavam um cigarro - tinham descoberto o carro onde os suspeitos se deslocavam, propriedade da mãe de um deles, que logo foi identificado. Passado pouco tempo, voltaram a tocar à porta e a entrar, renovando as desculpas. Finalmente, às 5 da manhã conseguiram capturar os fugitivos e o casal pôde descansar e dormir, depois de assistir ao vivo e na "plateia" a esta autêntica perseguição policial.
Curioso é que com tantas emoções nocturnas ela não ouviu o despertador de manhã e chegou ligeiramente atrasada ao emprego. E quando contou aos colegas o motivo, todos a olharam incrédulos, como se tivesse inventado uma grande patranha para justificar o atraso! Ninguém tinha ouvido falar do assunto nos noticiários...
(não há um jornalista em cada esquina para relatar tudo o que se passa no país e no mundo, muito menos acontecimentos imprevistos; por outro lado, nem sempre os jornalistas retratam o país real, tanto por omissão como por falta de isenção; então, se não é notícia nos meios mediáticos... não aconteceu?!)

Imagem da net.

18 comentários:

  1. Bem isso é que foi uma noite animada. Possivelmente não deu noticia porque no fim tudo acabou bem e sabes como é… Se a historia não for trágica, chocante, sargenta ou polémica nunca dá noticia. Mas se não acabasse desse modo e os suspeitos fugissem então já seria certamente motivo de noticia para se culpar também um bocadinho a “incompetência” policial… enfim… escolhe-se as noticias que passam…
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Não é questão das notícias que se escolhem (mal ou bem), PSIMENTO, mas de todos parecerem duvidar das que não passam nelas! :n

    E sim, se houvessem mortos e feridos estávamos uma semana ou mais a gramar o assunto até à exaustão, com opiniões da populaça, de "especialistas" ou de inúmeras fontes... :p

    O caso não se passou comigo, mas com um casal amigo!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  3. foi uma grande falha da policia!
    deviam ter acordado primeiro um jornalista para os acompanhar :n

    ResponderEliminar
  4. Ainda bem a polícia teve a "gentileza" de voltar a tocar no timbre às 5 da manhã para avisar que estava tudo resolvido. São uns queridos. ;)

    ResponderEliminar
  5. SUSPENSE! e que suspense... juro que me vi num filme do grande mestre, só que ele tinha virado a história, e a polícia é que eram os assaltantes.

    ResponderEliminar
  6. Isso mesmo, VÍCIO, assim já a minha amiga não passava por aldrabona... :))

    ResponderEliminar
  7. Então não, SUN? Fora não terem divulgado a perseguição à comunicação social... :D

    ResponderEliminar
  8. Que mania que os assaltantes têm de actuar de madrugada, EMATEJOCA! E depois a polícia tem de andar a persegui-los a essas horas impróprias, sem deixar as pessoas dormir convenientemente... :))

    ResponderEliminar
  9. Se por um lado vivem assustados perante a presença de assaltantes nas redondezas, por outro sentem que a polícia está a atenta e a actuar. Só pecaram por não terem avisado a TVI!

    ResponderEliminar
  10. Foi um episódio esporádico, que o bairro até é sossegado, PAULOFSKI! Mas essa de não chamarem a TVI foi mesmo falta de lembrança... =))

    ResponderEliminar
  11. Grande noite! E sem ter de pagar bilhete...
    Na verdade, é como diz,o que não passa na televisão, não existe. Essa é a dura realidadee não é só cá.

    ResponderEliminar
  12. Há mais vida e realidade para além da que passa na televisão, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA. Aliás, na TV também passa muita ficção... :D

    ResponderEliminar
  13. Bem, se tivesse sido contigo até podiamos estar aqui a dissecar a forma como os assaltantes foram banidos, ou não. O discernimento da altura, ditaria o happy end da noite em branco, na sequência do teu último post, que é como quem diz, Hitchcock não faria melhor.
    Infelizmente, e eu sei bem, já nem dormir sossegado se pode.
    Beijinho Tété

    ResponderEliminar
  14. Às vezes é difícil acreditar na verdade...

    Beijinho e obrigada :)

    ResponderEliminar
  15. Eheheh, este Hitchcock foi à portuguesa, KIM, e está longe de ter o mesmo glamour... :))

    Este casal até vive numa zona sossegada da cidade, foi um caso esporádico. Pessoalmente já vivi numa zona da Amadora, com vista para as barracas (que já desapareceram, na sua maioria), em que de vez em quando havia tiros à noite, diziam que quando chegava novo carregamento de droga, para avisar os possíveis compradores... (a polícia nem entrava lá) :P

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  16. Há realmente histórias muito inverosímeis, MARIA, daí a duvidar de tudo que não apareça nos telejornais já é outra "onda"... :)

    Nada a agradecer! Beijocas!

    ResponderEliminar
  17. bem, pode ser que isso melhore o negócio das espingardarias :)

    ResponderEliminar
  18. O negócio das espingardarias, MOYLITO? Para cada um se proteger a si próprio dentro da sua casa? Hummm... não me cheira! ;x

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)