terça-feira, 4 de junho de 2013

E A NOSSA FEIRA POPULAR?

Todos os anos, sem exceção, uma ou duas visitas à Feira Popular de Lisboa estavam garantidas, normalmente à noite, para jantar umas sardinhas assadas. Não era prato que eu e a minha irmã em miúdas apreciássemos (os gostos mudam com o tempo!), mas ficávamos sempre entusiasmadas com a saída noturna raríssima - e a perspetiva de darmos uma voltinha nos diversos divertimentos.

Note-se que não íamos a todos, tínhamos de escolher entre "A Selva"" ou o "Comboio Fantasma", posteriormente entre a "Roda Gigante" ou a "Montanha Russa", mas a volta no carrossel das bolas nunca faltava. Nem o algodão doce ou as farturas. Nesses tempos de criança e adolescente transformava-se numa noite mágica, cheia de luz, cor, música e animação. Era o arrepio daquelas "teias de aranha" que nos  roçavam a cara na escuridão de um dos comboios, as "bruxas" já automáticas que nos prediziam o futuro, a vertigem de ver lá do alto as luzes cintilantes da nossa cidade e a tentativa (por vezes falhada!) de acertar um soco nas bolas do carrossel, entre tantas outras aventuras.

Nos anos que se seguiram passeei, namorei, almocei, jantei, petisquei e convivi com amigos e familiares naquele espaço tão popular. Aprazível, apesar de alguns problemas logísticos notórios. De igual modo, o filhote e três das quatro sobrinhas partilharam o nosso entusiasmo de outrora pelas várias diversões - até andei na "Lagarta", a acompanhar! A sobrinha mais nova já não teve tanta sorte...   

A nossa Feira Popular encerrou portas há 10 anos - numa negociata camarária pelo terreno de Santana Lopes e de Carmona Rodrigues com um indivíduo de Braga, que tinha um projeto para construção de edifícios no local, mas o dito fulano foi suspeito num processo de corrupção (quer dizer, mais que suspeito, foi condenado a pagar uma multa irrisória para o seu bolso, que a justiça portuguesa é branda nestes casos!)  - e até hoje estão por cumprir as promessas de reabertura de uma nova Feira noutro local. 

Consta que o terreno vale milhões, mas excetuando breves incursões de circos natalícios, está abandonado e ao deus-dará  desde 2003. Assim... não vale nada! E em ano de eleições autárquicas era bom que os candidatos à presidência da CML pensassem na solução para o problema. Sem promessas vagas e falsas...

*******
H A P P Y   B I R T H D A !
Para a minha mana (quase sempre acompanhante nessas "noitadas" da Feira Popular) 
e para a  Ana, aka Vani, amiga destas lides blogosféricas. 


Imagem da net.

32 comentários:

  1. Para as aniversariantes, parabéns!
    Também me lembro dessas incursões à Feira Popular quando vinha passar uns dias a Lisboa a casa de um tio!
    Um espaço nobre ao abandono é uma tristeza!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Incursões impossíveis nos dias que correm, ROSA, mas que acabavam por ser uma oportunidade de convívio e diversão. Por acaso passei por lá recentemente (num dia em que me esqueci da máquina fotográfica em casa) e fiquei desolada com o abandono que reina no terreno...

      Abraço

      Eliminar
  2. Já passaram 10 anos de uma novela mexicana sem fim à vista, era bom que tivesse um final feliz, pelo menos nas novelas costuma haver :/

    Muitos Parabéns à Mana da Teté e à Vani!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma novela mexicana e daquelas bem beras, POPPY, com amnésias a torto e a direito! Dos responsáveis camarários, já se vê... :P

      Beijocas! :)

      Eliminar
  3. Ui que saudades, ai ai....

    E as sardinhas? e as febras? e o frango no churrasco? e os matraquilhos? eheheh

    Já lá vão dez anos sim, mas passei ali muita noitada....e acho que te vi no combóio fantama e na roda gigante. Ias cheiinha de medo que ainda me lembra.....só podias ser tu claro :)))

    Quanto à negociata daqueles xicos espertos, enfim, são coisas que já não me espantam nada nem a forma que se estão ou não estão a resolver.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saudades, nostalgia, o que lhe queiras chamar, JP!

      Febras e frango como em casa ou noutros locais, mas sardinhas nem por isso! E os matrecos foram mesmo um esquecimento imperdoável, das últimas vezes que lá fui não falharam... Em miúda pequena, nem por isso! :)

      Infelizmente fazem as negociatas, saem todos a assobiar como se não fosse nada com eles, e depois a cidade perde um local de diversão e convívio, sem se perceber bem porquê! Trastes!

      Beijocas

      Eliminar
  4. Parabéns e felicidades a quem faz anos.

    Que saudades da Feira...

    Ladrão em Portugal é quem rouba um creme ou um pão!!

    Beijufas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, SÃO, esses pés rapados que não têm que comer vão todos "dentro", estes continuam a cirandar por aí com o nariz no ar, com ar de gente importante... Cambada!

      Beijocas!

      Eliminar
  5. Não estou bom hoje não....

    Esqueci-me de deixar os parabéns a quem faz anos. A mana a Ana e Vani Um dia feliz para todas

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acontece nas melhores famílias, JP! :)

      Obrigada e beijocas!

      Eliminar
  6. PARABÉNS à mana e à Ana, que tenham um dia FELIZ :)))

    Eu tenho imensas saudades da Feira Popular, fui uma privilegiada, não só porque íamos muitas vezes como também porque raramente pagava as diversões, era quase tudo à borla e andava as vezes que quisesse, eu e os manos, claro (assobiando)...tinha um bocadinho de medo do Comboio Fantasma e da Montanha Russa e fui "atropelada" nos carrinhos de choque, o resto era canja e adorava...também convivi com amigos e familiares, almocei e jantei, passeei e brinquei, mas nunca namorei na feira ohhhhh que pena, agora já não posso eheheh :)

    É uma tristeza ver como está aquele local...quanto à negociata não acredito em tudo o que li ou ouvi e Pedro Santana Lopes foi um bom presidente, para mim o melhor e fez muitas coisas boas pela cidade...quem me dera que ele ainda fosse presidente.

    Beijinho :)





    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era tudo à borla, MARIA?!? Xi, essa deve ser outra Feira Popular que não conheci, porque nós pagávamos tudo - se bem que as voltinhas não fossem especialmente caras, não se podia ir a todas... :)

      Mas há lá comboio fantasma que não meta um bocado de medo aos miúdos? Se não metesse, qual era a graça?!? :)))

      Carrinhos de choque e montanha russa também não eram os que mais gostava, aliás, na montanha só andei uma vez e mais crescidinha! Namorar é sempre bom em qualquer idade ou lugar, ia lá perder essa oportunidade, mesmo que não soubesse que iria encerrar? ;)

      Também não acredito em tudo o que leio ou ouço, mas não estou a ver as "grandes obras" que Santana fez por Lisboa. A bem dizer, só esteve lá dois anos, que depois foi substituir Durão Barroso, quando este abandonou o cargo de PM para que tinha sido eleito, quando lhe acenaram com um cargo mais bem remunerado na Europa. Agora que foi no tempo de Santana que a negociata foi feita, basta pesquisar na net - esteve na presidência da CML de 6 de janeiro de 2002 a julho de 2004, ou seja, foi ele que encerrou a Feira Popular de Lisboa! :P

      Beijocas!

      Eliminar
  7. É verdade, tantas recordações naquele espaço! Também fui lá muitas vezes, com os meus pais, depois com amigos, ainda cheguei a lá ir com os meus filhos pequeninos. É uma pena vê-lo ao abandono!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda um dia destes lá passei, TERESA, e fiquei mesmo desolada! As boas recordações do espaço são muitas, mas sobretudo custa que desapareça assim sem percebermos exatamente porquê e ainda que as gerações mais novas não tenham oportunidade de usufruir desses divertimentos salutares ao ar livre... ;)

      Beijocas

      Eliminar
  8. Parabéns às meninas!
    Quanto à feira popular, até eu que estou tão longe da capital entristeci quando lá quis ir e já estava fechado. Passar por lá é triste.
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito triste, mesmo, NINA! :(

      Mais ainda numa época em que há poucas oportunidades de divertimento num espaço aberto e para todos...

      Beijocas! :)

      Eliminar
  9. Negociatas! Sempre a mesma coisa! Faz pena ver as coisas abandonadas por inépcia dos "governantes". Foi realmente uma pena ser encerrada, se bem que a mim, pessoalmente, não me tenha feito falta, já que não sou fã dessas animações.

    Parabéns às meninas que fazem anos! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francamente, GRAÇA, também era mais fã dos divertimentos quando era miúda. Mas teve a sua piada ver o entusiasmo de filho e sobrinhas ser quase igual ao nosso de outros tempos. E perder um local emblemático de convívio com familiares e amigos, pela ganância de alguns políticos... :P

      Beijocas!

      Eliminar
  10. Enquanto andei no liceu o nosso fim de ano lectivo era sempre festejado na Feira! Boas recordações é pena que o terreno esteja ao Deus dará...
    Veremos se algum dos candidatos nos promete mundos e fundos :)))
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes o que é que acho, PAPOILA? É que nenhum dos candidatos vai tocar no assunto, porque essa ideia de ceder terrenos para o povoléu se divertir custa-lhes a engolir, mesmo que os "custos" não saiam do seu bolso... :P

      xxx

      Eliminar
  11. Lisboa deve ser a única capital europeia que não tem uma Feira Popular. A minha relação com ela não foi muito intensa, porque praticamente só lá comecei a ir quando vim para Lisboa. Nesta altura do ano, porém, com os exames a aproximarem-se, ia lá quase todas as noites jogar umas partidas de matraquilhos antes de começar a estudar.
    A Feira Popular que faz parte da minha infância e de que tenho saudades é a do Porto, localizada nos magníficos jardins do Palácio de Cristal.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É evidente, CARLOS, que cada um tem a sua Feira Popular de infância. Nunca visitei a do Porto, mas após uma breve pesquisa também me pareceu que já não vou ter oportunidade...

      Os políticos nacionais estão de tal maneira a lixar-se para o povo que os elegeu, que a Feira Popular de Lisboa já deixou de ser tema. E com as próximas eleições, nem sei se algum vai tocar no assunto... :P

      Beijocas!

      Eliminar
  12. Parabéns às aniversarientes! : )
    Boas recordações. Recordar folias rejuvenescem!
    Abraço e boa noite!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, CATARINA! Há locais que nos trazem sempre boas recordações... :)

      Abraço!

      Eliminar
  13. Tem a certeza que o terreno era de Santana Lopes e de Carmona Rodrigues?
    Se calhar são irmãos gémeos e o terreno foi-lhes deixado como herança pela tia Maria Joaquina de Trás-os-Montes.

    Cuidado com as constatações generalistas e usadas sempre em torno dos alvos mais fáceis.

    Sabia que o espaço em que a Feira Popular se encontrava, era PROVISÓRIO desde 1961. Investigue o papel de João Soares - que apelidava o terreno da Feira como "baldio" e já agora detenha algum tempo, a analisar as declarações feitas por António Luís, que em 2000 era presidente da Associação de Feirantes da Feira Popular de Lisboa: «As construções na Feira Popular são todas ilegais. A Feira nem sequer tem número de polícia. Todas as construções são feitas sem que os projectos passem pela Câmara, por causa do estatuto provisório que a autarquia teima em não alterar» (relembro - ano de 2000)

    E já agora, recuando mais no tempo, lembra-se que Jorge Sampaio também foi presidente da CML? Eu ajudo a refrescar a memória:
    1994: "Protocolo entre a Câmara Municipal de Lisboa - representada pelo Sr. Presidente da Câmara Dr. Jorge Sampaio - e a AVENIDA PARQUE, SA (proprietários do Parque Mayer), definindo um programa para o Parque Mayer com uma edificabilidade de cerca de 51.200m2." e agora espante-se: o mesmo Jorge Sampaio (Presidente da Republica) em 2002 "vetou" esta construção na área.

    e a história continua... aconselho a que perca algum tempo também com os (estes sim, irmãos) Sá Fernandes em todo este processo e terá acesso garantido a uma novela mexicana.

    Parabéns à Vani. Não pode comemorar na Feira Popular, mas pode beber um café no Terreiro do Paço e pode passear pela Ribeira das Naus que o actual presidente da CML já inaugurou umas três vezes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MARIA RITA SILVA, no texto não houve a intenção de esmiuçar todos os meandros camarários até encerrarem a Feira Popular - e isso foi feito por Santana Lopes e Carmona Rodrigues.

      Acredito até que tenha razão, que os problemas já vinham das presidências anteriores. Mas isso não invalida o facto de ter sido na presidência de Santana Lopes que a CML encerrou a Feira Popular. Admito que se quisesse escrever uma tese sobre o assunto teria muito mais a investigar e a apurar, mas não é o caso. O post era sobre a Feira de outrora, sobre o estado em que está o terreno hoje em dia e as tais negociatas que nunca ninguém chegou a entender (e que envolveram uma tentativa de corrupção), que levaram ao seu encerramento. Obviamente, tudo limitado ao espaço de um post, que não é exatamente um livro ou uma tese sobre o assunto.

      Agradeço-lhe as suas sugestões de passeio!

      Eliminar
  14. Anónimo6/05/2013

    Esse Jorge Sampaio sempre foi muito tendencioso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E esclarecer esse ponto anonimamente, é cá de uma coragem...

      Eliminar
  15. No meu primeiro ano de faculdade morei mesmo por trás da feira popular, na av. 5 de Outubro, mas acho que só lá fui uma ou duas vezes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não era local para se ir todos os dias, LUISA, especialmente para quem andava a estudar... :)

      Eliminar
  16. É pena que não haja, no nosso país, um parque de diversões digno desse nome. A nossa vizinha Espanha tem um aqui tão perto da fronteira e que tantos portugueses visitam todos os anos que, certamente, não seria um investimento perdido se fosse feito um por aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho uma pena. E em tempos também houve um em Braga (Bracalândia), que depois mudou para Penafiel, mas também esse acabou por encerrar, W. Diz a wiki que o pagamento das SCUTS e o aumento (brutal) do IVA (na restauração ainda mais obviamente) fez cair em flecha o número de visitantes do parque, que vinham sobretudo de Espanha. Estes governantes querem ganhar em todos os carrinhos, mas em alguns casos acabam por perder, nomeadamente no turismo de Espanha... Resumindo, tirando uns carrinhos de choque que de vez em quando aparecem numas feiras, não há parques de diversões no país! :P

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)