sábado, 22 de junho de 2013

A SALA DE JANTAR

Uma amiga do Clube de Leitura pertence a um grupo de teatro amador, denominado "Ilha d'Artes". Atualmente, a peça que exibem intitula-se "A Sala de Jantar", escrita pelo dramaturgo americano A. R. Gurney em 1982, e que fez sucesso em palcos de maior nomeada.

Fomos ver por amizade e simpatia - sem grandes expetativas - mas acabou por ser uma agradável surpresa! Uma enorme mesa de sala de jantar rodeada de cadeiras é praticamente o único cenário, onde se entrecruzam cenas do dia a dia de famílias de uma alta burguesia em extinção, onde não faltam criadas fiéis à beira da reforma, pais a repreenderem a linguagem, a postura e os sonhos dos filhos, avós ricaças que são alvo das pedinchices dos netos ou o marido que considera que a mulher não deve estudar na mesa que é uma antiguidade, reservada para as (escassas) visitas. 

O que me espantou ainda mais foi a atuação destes atores amadores, que não ficam em nada a dever aos profissionais. E a sua adaptabilidade aos espaços onde atuam, consoante a disponibilidade de auditórios ou pequenos teatros locais, que obviamente exigem alterações na encenação e novos ensaios, para exibições durante 3 dias ou coisa. Para depois passarem ao palco seguinte... 

Desculpem lá, se isto não é carolice e um grande amor ao teatro, não sei o que possa ser!

Imagem promocional do evento, do facebook do grupo.

12 comentários:

  1. Por vezes as pequenas “productions” acabam por oferecer horas agradáveis tanto para os amadores (que têm amor à arte) como para a plateia. Merecem ser aplaudidos e divuldados.

    Estou a aguardar, com bastante entusiasmo, o post sobre o desafio para pôr à prova os meus palpites pouco certeiros! : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. CATARINA, eu que não vou muito ao teatro (profissional ou amador), fiquei realmente espantada com a dedicação do grupo. Possivelmente não será o único, cá ou noutras terras, mas lá que é preciso carolice, não tenho dúvidas... :)

      Who cares se os palpites não forem certeiros? Facto é que há sempre alguém que chega lá... porque no fundo é um exercício de lógica! E disponibilidade, também... ;)

      Desta vez são 13 fotos!

      Eliminar
  2. Creio eu que, fundamentalmente, o que diferencia um actor amador dum profissional, é mesmo o facto de um não fazer profissão dessa sua actividade, tal como o outro e menos a sua capacidade interpretativa.
    Todos sabemos quão difícil é hoje a possibilidade de manutenção de actividade constante de um actor profissional. Há aqueles que tendo tanto ou mais talento não "arriscam" o profissionalismo pela !insegurança !
    E isto é comum a qualquer tipo de arte ! Antes do mais, cada um tem que ter em conta a subsistência, bem estar e futuro da sua família e por tal, é condicionado !
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que sim, RUI, um ator profissional pode disponibilizar de mais tempo, mas o fator insegurança também pesa. Mais ainda se tem de assegurar a subsistência da sua família. Mas não deixo de louvar quem arrisca todo o seu talento nesse futuro incerto... ;)

      Também não faltam exemplos de pessoas amarguradas, que por não terem seguido os seus sonhos/ideais artísticos, acabaram por abandonar a família. Lá está, cada um tem de seguir as suas próprias prioridades, se bem que muitas vezes a escolha seja difícil... :)

      Eliminar
  3. Amor e carolice sem vedetismos :)))

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo, MARIA! :)

      Beijocas!

      Eliminar
  4. Quando as pessoas gostam mesmo de fazer uma coisa, é assim.
    Por acaso não sou grande fã de teatro.

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente não é sempre assim, GRAÇA! Pode-se ter muito talento, empenho, persistência e tudo o mais, mas às tantas circunstâncias alheias podem determinar o desemprego e/ou a impotência de seguir esse rumo desejado. No teatro, como em muitas outras profissões... ;)

      Bom fim de semana!

      Eliminar
  5. Por esse país fora há boas companhias de teatro amador que deveriam merecer mais atenção dos media, mas os jornalistas culturais andam muito distraídos
    Beijinhos e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Andam mesmo, CARLOS! E acredito que sim, que há gente empenhada na sua veia artística (ou outra), para depois enfrentar muitos entraves, que por vezes se traduzem numa desistência.

      Mas não culpo inteiramente os jornalistas culturais, não só porque estão limitados pela "linha editorial do 'órgão de comunicação'", como pela falta de informação sobre os eventos... ;)

      Beijocas e bom domingo!

      Eliminar
  6. Tenho visto peças representadas por grupos ditos amadores e que me deixam boquiaberta e comovida, de tanto talento e dedicação que demonstram. Isto, sim, é cultura!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vou muito ao teatro, BRISEIS, ainda menos ao dito amador, mas realmente fiquei espantada com o talento e a dedicação demonstrados! Tenho de ir mais vezes... :)

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)