sábado, 30 de junho de 2012

A PUTA


Este texto foi recebido via e-mail (obrigada, Cat!) e foi escrito por Sónia Morais Santos, no blogue "Cocó na fralda"! Não sendo blogue que costume visitar, não sei a data em que foi publicado, mas achei-lhe imensa piada e, de algum modo, um "retrato" irónico de alguma gentinha mesquinha e invejosa que circula por aí. E que, felizmente, não representa a maioria, como a própria autora ressalva...:

"Vou dizer-vos uma coisa. É preciso ter muita paciência para ter um blogue. Porque se há gente muito boa e querida e simpática como vocês, que são a maioria, depois há os outros. E se é verdade que são mesmo a minoria, esses outros cansam. Moem. Molestam. Porque são repetitivos. E têm tantos problemas na mona e na vida que fazem dó. Para esses, eu sou sempre e serei sempre... uma puta. Se sou feliz sou uma puta. Se sou infeliz, mais puta sou. Então é assim:
Se eu escrevo que vou de fim-de-semana, sou uma puta porque com esta crise há imensa gente que nem sabe como comer, quanto mais pensar em passar fins-de-semana fora. Se mostro fotos do sítio onde estou sou uma puta, a fazer pirraça a quem tem de ficar enfiado em 20 metros quadrados e cheio de fome. Mas se não mostro, sou uma puta ainda maior, que deve estar num palacete banhado a ouro e que nem tem coragem de mostrar, tal é o luxo nojento. Mas se, pelo contrário, não vou de fim-de-semana e me queixo de ter o dinheiro contado, sou uma puta porque moro no Parque das Nações, tenho os filhos no colégio, e devia ter vergonha por me queixar da falta de cheta quando há gente que, essa sim, não tem um cêntimo na carteira.
Se digo que estou gorda, sou uma puta porque há pessoas que pesam tanto que chegam aos 3 dígitos e estou a humilhá-las ao falar do meu suposto peso a mais. Mas se fico feliz porque emagreci, sou uma puta porque tenho dinheiro para fazer dietas que os outros não têm, e tenho tempo para fazer caminhadas, coisa que os outros, coitados, nunca têm.
Se me queixo dos meus filhos, porque fizeram uma tropelia qualquer e se estou cansada deles e deixo um desabafo, sou uma puta porque há tanta gente a querer engravidar sem conseguir, e eu que tenho filhos nunca por nunca devia queixar-me deles, é uma vergonha. Se os enalteço, vaidosa, sou uma puta que não pára de se gabar, e devia ter vergonha porque há pessoas que têm filhos deficientes que não conseguem sequer sorrir quanto mais fazer as habilidades que os meus fazem.
Se ponho vestidos da Madalena, sou uma puta exibicionista que devia era dar tudo a instituições de solidariedade. Se falo de solidariedade, sou uma puta porque na verdade o que eu quero é mostrar-me boazinha mas não passo de uma megera nojenta, que tem dinheiro para ser solidária, porque o resto das pessoas, coitadas, não têm dinheiro para si, quanto mais para os outros.
Se digo mal de um funcionário, que me atendeu mal, e calha a chamar-lhe burro, sou uma puta que não sabe o que passam os funcionários, uma puta que está a dizer que todos os funcionários desse ramo são burros, uma puta que acha que só porque tem um curso superior é melhor que os outros, devia era virar uma dessas funcionárias para ver o que era bom.
Se me queixo de ter muito trabalho, sou uma puta porque há muita gente no desemprego e eu devia era virar as mãos para o céu e agradecer ao Senhor a oportunidade que me deu. Se digo que houve um mês pior, com menos trabalho, vão dizer que eu sou uma puta, que em vez de estar em casa armada em freelancer devia era estar sentadinha a uma secretária, que assim não me faltava o trabalho, essa é que é essa.
Se digo que baptizei os meus filhos por respeito e amizade à minha sogra, sou uma puta porque com Deus não se brinca. Se decidisse não os baptizar, apesar dos pedidos da sogra, era uma puta das piores, ingrata do caraças, coração de pedra, incapaz de descer do seu pedestal arrogante para fazer alguém feliz.
Se estou doente, e descrevo o mal-estar, sou uma puta que não sabe o que é estar realmente doente, doente à séria, em perigo de vida, com um padre ao lado pronto para a extrema unção. Se me regojizo com a minha saúde, sou uma puta que merece é ficar doente, por estar a vangloriar-se de algo que há tanta gente a não ter.
Eu podia continuar por aí fora. Mas não posso. Tenho de ir trabalhar (ai, que puta, trabalhar? E tanta gente no desemprego...). E daqui a bocado também tenho de ir fazer o almoço para os meus 3 filhos que estão em casa porque têm tosse (tosse? oh, minha puta, tosse não é doença, sabes lá tu o que é estar doente?). Ainda bem que esta gente é a minoria. São vocês, a maioria saudável, que me faz continuar a ter vontade de vir aqui contar algumas aventuras e desventuras da minha vidinha normal (normal? tu és é uma anormal de primeira! E, claro, uma puta!)
* salvo seja!"
(Por Sónia Morais Santos)

Parabéns à Sónia pelo texto e pela publicação do seu livro, com o mesmo título do blogue, desejando-lhe muito sucesso! (e que pelo menos irei espreitar, da próxima vez que passar por uma livraria...)

18 comentários:

  1. Gostei muito de ler o texto. É sempre assim, "preso por ter cão e preso por não ter". Há dias a Sónia foi entrevistada na TV e levou os filhotes.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Finalmente um amigo conseguiu descobrir o que se passava com o meu pc e repará-lo.
    Peço desculpa pela ausência, mas se a princípio conseguia abrir alguns depois deixei por completo de conseguir abrir. Levei horas a correr o antivírus a desinstalar programas e a reinstala-los e nada. Por fim um amigo através de um amigo virtual, através de um programa de controlo remoto, levou quase três horas a mexer nele e conseguiu pô-lo como novo. Bem Hajam os amigos.

    Gostei do texto. Mas isso não é de agora, no meu livro da quarta classe nos anos 50 havia uma história "O velho o rapaz e o burro" que retratava isso mesmo. E depois o mundo virtual não é melhor nem pior do que o real. Graças a Deus eu tenho sido muito abençoada com os amigos virtuais. Quando eu estive internada no hospital,em 2008 alguns se deslocaram lá para me dar força. Foi uma grande surpresa e fez-me muito bem. Quando meu pai faleceu, alguns se deslocaram para me acompanhar naquela hora difícil e houve um casal que fez quase 300Kms para isso. E agora que estava aflita com o pc, foi também um amigo que me valeu.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Já o tinha lido.
    A blogosfera é o retrato mais fiel do que é o ser humano, quando é de baixo nível (e não me refiro ao social).
    Felizmente, há muito que não me aparece gente mesquinha (a dar a cara), no entanto e porque sei que a há, retirei as memórias do meu cantinho...e que feliz que estou com essa decisão.:)

    beijinhos e distância dessa gente ruim.

    ResponderEliminar
  4. Gostei imenso de ler este texto! Está hilariante! :) Já tinha ouvido falar do blogue e do livro, se não estou em erro, foi no programa da Conceição Lino, "Boa Tarde".
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  5. Muito giro! Muito bem retratado! E não é tão pouca a gentinha que assim pensa...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Já conhecia o texto, Teté. E tinha-a visto aqui há dias num programa de TT. Para ser sincero, acho o texto um pouco exagerado.

    ResponderEliminar
  7. Divertido. Mas é verdade que há gente que não se consegue aturar. :)

    ResponderEliminar
  8. Nunca a vi, nem sequer na TV, SONHADORA! Que este mês tem estado quase todo o tempo ligado na bola, de que vejo muito pouco... :))

    Mas o texto em si tem piada e é isso que dizes, escreva-se o que se escrever, há sempre alguém pronto a embirrar com "qualquer coisinha"... ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  9. Bem hajam mesmo, ELVIRA, que alguns também já me têm ajudado bastante com as múltiplas alterações (do blogger e não só!) e de alguma imperícia informática minha... :D

    Tivemos o mesmo livro, que também me lembro bem dessa história! :))

    Abraço e espero que tenhas resolvido esse problema de vez!

    ResponderEliminar
  10. Nunca tinha ouvido falar nem do blogue, nem do livro, TONS DE AZUL! Até porque não costumo andar aí à cata de blogues, visito um ou outro desconhecido esporadicamente, que nem sempre tenho tempo de dar a volta aos dos conhecidos e amigos... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  11. Há sempre gentinha do contra, GRAÇA, escrava-se o que se escrever... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  12. Claro que é exagerado, VIC! Mas até lhe achei mais piada por isso... :))

    Desconhecia de todo a autora! :D

    ResponderEliminar
  13. NINA, saltei o teu comentário, deve ser do adiantado da hora... sorry! :)

    É como eu digo, a blogosfera sendo mais pequena que o mundo real, não deixa de o retratar! ;)

    Eu não tiro daqui nada, de vez em quando ainda aparecem uns "cromos" a insultar-me por um texto antigo, mas não mudo uma vírgula ao que escrevi! Tenho ou não direito a dar a minha opinião? Erros, tenho vários, ortográficos, gramaticais, etc. e tal. Mas ou dou logo por isso ou no dia seguinte e altero, ou senão fica assim. Sou uma má revisora de mim própria, que por vezes não vejo o óbvio! :))

    E sim, também prefiro distância de "más ondas"... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  14. Então não há, LUISA? No real, como no virtual... :))

    ResponderEliminar
  15. O texto é muito bom, com alguns exageros pricipalmente o título, acho que nem quem fala mal por tudo e por nada a chama assim, mas...

    É por causa destas e de outras que há muito deixei de me importar com o que os outros possam dizer ou pensar sobre mim...no fim, faça o que eu faça ou diga há sempre quem critique...há muita inveja neste mundo, e não falo só do virtual...

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  16. Claro que há, MARIA! Afinal a blogosfera não deixa de refletir o mundo real, com tudo o que tem de melhor e pior! :)

    E sim, é evidente que é exagero, mas há gente assim, que tudo o que se diga criticam, por uma razão ou outra... É mesmo de não ligar! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  17. muito bom o texto. o que não tem em subtileza tem em força :) não é fácil ter que destilar a bílis dos outros, mas a ironia sempre ajuda qualquer coisinha :)

    ResponderEliminar
  18. Pois foi isso mesmo que achei, MOYLITO! E piada à diversidade de pontos de vista, que acabam por ser irónicos por tão contraditórios! :))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)