quinta-feira, 26 de maio de 2011

CARACOLADA!

Certo dia, lá para os finais dos anos 60 do século passado, uma vizinha resolveu organizar uma caracolada na casa dela e convidou alguns inquilinos do prédio. Como companheiras de muitas brincadeiras de rua, e não só, do seu segundo filho - o mais velho estava num colégio interno, não tenho a certeza se o último já era nascido - eu e a minha irmã lá fomos muito satisfeitas para a festa! Suponho que nunca tínhamos provado caracóis, mas não éramos muito esquisitas, comemos e gostámos. Apesar de super salgados e picantérrimos, para o nosso paladar da época.
Problema é que a acompanhar só havia cerveja. A minha mãe tinha-se desculpado do convite, porque o meu pai não gostava de caracóis (nem da vizinha, mas isso ela não disse!), e lá estivemos nós com cerca de 9/10 anos de idade, sem água ou sumos por perto, a compensar a sede provocada pelo picante com umas cervejolas. E não, não foram às dúzias ou sequer meia dúzia, certo é que às tantas já via a sala a andar à roda. A televisão emitia também um jogo do Benfica, o nosso amigo Zezinho mais interessado na bola que nas minhas tonturas, a minha irmã a achar que me estava  a armar aos cucos...
A sensação de bebedeira não passou - embora ninguém tivesse acreditado, com tanta agitação em simultâneo - e assim, foi com surpresa, que me viram cair para o lado quando a vizinha nos foi devolver à proveniência. Não desmaiei, só falhei no encosto da ombreira da porta! Levaram-me de imediato para a cama, chorava porque me doía o braço com que aterrara no chão, ria, em simultâneo, com todas aquelas caras incrédulas, a olhar para mim. Como é que era possível uma catraia de 10 anos embebedar-se? O meu pai estava alheado desta movimentação, sossegado a ver televisão e a ler o jornal na sala. Depois de me acalmarem de risos e choros, lá me fui despedir dele, avisada para não "dar bandeira", antes de adormecer, profundamente.
Certo é que nos tempos que se seguiram nem podia ouvir falar em caracóis, que o enjoo (ou a culpa) desse dia voltava para me assombrar. Voltei a comer alguns, poucos, com o meu primeiro namorado e com a minha amiga Ana. 
Agora, assim que abre a época, não falho! Felizmente, também já não caio para o lado com o cervejame. Como os tempos mudam, não é?

30 comentários:

  1. Mudam, pois.
    Ficou-te na memória essa aventura.
    É engraçado como as memórias afloram sempre que há motivo para tal. E às vezes não são só memórias visuais, mas olfactivas ou gustativas.
    Sempre que compro agriões lembro a vez que os fui apanhar, ao campo, com duas amigas da aldeia e a aventura naquele terreno molhado, quase movediço. Mais, lembro o gosto dessa salada, já na casa delas e a carne entremeada com pão caseiro que comemos.
    Será que os miúdos de hoje têm tantas recordações?:)

    bji gde

    ResponderEliminar
  2. Curioso teres ficado (nessa altura) enjoada de caracóis, como se tivessem sido eles a provocarem a bebedeira. Mas consigo ganhar-te, eu apanhei a primeira aos 5 anos, com champanhe! Beijocas!

    ResponderEliminar
  3. eheheheh Tete, grande aventura ;)

    O tempo mudou e tu fizeste-te uma "mulherzinha", tanto que já aguentas cerveja sem falhares a ombreira da porta ;)

    Eu adoro caracóis nhami nhami

    Já que estamos numa de confissão de bebedeira, apanhei a primeira com 13 anos, com um licor qualquer, foi a primeira e a única ;x

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  4. Teresa Hoffbauer5/26/2011

    A história da tua primeira bebedeira é muito gira e gostei muito de a ler, já dos caracóis NÃO gosto mesmo nada, quer dizer, nunca os provei, mas só de os ver comer à minha família paterna (todos alfancinhas) quase vomitei.
    Eu sou uma mulher do Norte NÃO como caracóis!!!

    Espero que este comentário desta vez seja publicado.

    ResponderEliminar
  5. Tomaste a vacina aos 10 anos, agora podes beber as que quiseres. Já não faz mal :)

    ResponderEliminar
  6. Caracóis só gostava dos que eu tinha na cabeça. Tanto que gostava deles. Afagava-os e enrolava-os nos dedos, mania que perdurou por muitos anos e bons anos, até ao dia em que
    traí lá se foram depois da máquina zero da tropa me descobriu a careca... Ah não! Desses caracóis, os que põem os corninhos ao sol, só mesmo com uma grande bebedeira é que eu os iria provar.

    ResponderEliminar
  7. é de pequenino que se vai habituando o corpo!
    já imaginaste se isso não tivesse acontecido? talvez ainda hoje não te aguentasses com uma grade de minis... :e

    ResponderEliminar
  8. Paula ALgarve5/26/2011

    Eu não acredito no que li!!! Não consigo parar de rir...Isto é uma anedota não é? A tua irmã também ficou asim "à roda"? Adorei! Agora ainda gosto MAIS de caracois...eheheheh:))

    ResponderEliminar
  9. Não ! Caracois, não ! :)) Creio que é mais um pitéu sulista (sem ofensa) :)) No Norte, praticamente ninguém os come e nunca os vi à venda !
    Também nunca tinha comido camarão e cerveja até ao 15 anos, numa noite muito quente de Verão ! ... mas que maravilha ! :))
    ... e melão que eu não gostava até um dia em que estava a dar uma aula de ginástica na parada do quartel, também no Verão, e passa o cabo do rancho com um às fatias e me perguntou: meu alferes, vai uma fatiinha ?... Claro que comi... e nunca tinha comido nada melhor até aí !
    .

    ResponderEliminar
  10. Ui!
    Marchavam já que era um regalo...

    ResponderEliminar
  11. Como boa alentejana que sou, adoooooro caracóis! Mas ainda não os provei este ano :( e agora abriste-me imenso o apetite! Deste fim-de-semana não passa! Olha eu já a dizer: "Amooor, temos caracolada no sábado à tarde!" :d

    Mas que história tão engraçada a tua! Eheheh.
    A minha "primeira vez" foi um pouquito mais tarde, aos 14, e também com a maldita da cerveja, numa daquelas matinés de sexta-feira à tarde, na discoteca lá do sítio, onde só se podia entrar aos 16, mas eu já me afoitava e ninguém me dizia nada, até porque sempre pareci mais velha. Só mais de dez anos depois consegui sentir o prazer de uma geladinha...

    E é verdade, infelizmente os miúdos de hoje não têm tanto para contar e recordar como nós temos.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Chorei de tanto rir. Eu também adoro caracóis e "mines". Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Pois, NINA, durante muito tempo a memória olfactiva dos caracóis continuou: só o cheiro me enjoava! :)

    Eles agora estão a viver o presente, mas um dia também as terão! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  14. Era mais o cheiro que me relembrava a peripécia, RAUF! :D

    Mas em cerveja também não voltei a tocar durante muito tempo... 8-}

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  15. Eheheh, diria mais desventura, MARIA! :))

    Mas a verdade é que, alguma vez na vida, todos fizemos uma asneirola destas! E com bebidas docinhas que não sabem a álcool, conheço vários amigos que até nem costumam beber bebidas alcoólicas... :P

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  16. O meu pai também não comia caracóis, TERESA, mas devo-te dizer que da última vez que estive em Vila Praia de Âncora, comi lá um pires deles. Ou seja, no Norte também há quem goste, embora provavelmente a maioria não seja apreciadora! :D

    E sim, já saiu, parece que a coisa está a melhorar! ;)

    ResponderEliminar
  17. Hummm... algo me diz que não será bem assim, CONSTANTINO! :))

    ResponderEliminar
  18. Também gostava de enrolar os caracolitos no dedo, quando era menina. Os do cabelo, não os outros, PAULOFSKI! :)

    Quanto aos que se podem comer, olha, mais fica! =))

    ResponderEliminar
  19. 24 minis, VÍCIO?! Deves estar a brincar, são 6 litros de cerveja, ninguém aguenta essa parada... :e

    ResponderEliminar
  20. PAULINHA ALGARVE, a minha irmã detestava picante, pelo que comeu menos caracóis e ficou com menos sede, de modo que não teve grande problema!

    Mas, nessa noite, assustada por estar a dormir no mesmo quarto que uma "bêbada" (moi), teve uma crise de pieira e a minha mãe ainda teve de lhe pôr umas papas de linhaça, para a crise passar... ;)

    A ver se combinamos uma caracolada quando estivermos aí em baixo. Ou quando vieres cá acima! :D

    ResponderEliminar
  21. Tal como já disse à Teresa, a última vez que estive em Vila Praia de Âncora, (terra onde o meu pai nasceu), há dois anos, comi um pires deles! Mas sim, admito, que seja mais pitéu sulista, não acho nenhuma ofensa nisso! :))

    Na verdade, suponho que em havendo fome, as pessoas comem tudo o que lhes aparecer à frente e sabe-lhes lindamente! Nunca digo desta comida não comerei, mas na verdade, se puder escolher, algumas coisas nunca provarei!

    E adoro melão, se tiver fresquinho, melhor ainda! :D

    ResponderEliminar
  22. O comentário anterior era para o RUI, obviamente! :h

    Os da foto não, que esses já marcharam ontem, SISNANDO! :D

    ResponderEliminar
  23. Olha, sinceramente, acho que muitos miúdos de hoje vão ter histórias para contar, KARENB. Embora alguns provavelmente não as tenham, vidrados que estão em jogos da PlayStation, Ipad, Facebook, etc. e tal... ~xf

    E não será grande história quando contarem que, em 2011, passaram para o nível 40 do jogo assim ou assado, que na altura tinham 800 amigos no FB e por aí fora... Mas fazer o quê? Cada um é livre de viver a sua vida conforme prefere... :)

    Mas sim, já todos tivemos "encontros" desagradáveis com bebidas alcoólicas, mais cedo ou mais tarde! :D

    Beijocas e boa caracolada!

    ResponderEliminar
  24. Caracóis e "mines" é uma combinação perfeita, ISIS! E havendo amigos a acompanhar e a pôr a converseta em dia, melhor ainda... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  25. Adoro caracóis! Cá pelo Algarve a época de os consumir é tradicionalmente de Abril a Junho. Já cá cantam várias caracoladas. E imperiais também :))

    ResponderEliminar
  26. Eheheh, LUISA, pois, aí aparecem mais cedo! Mas agora, em começando a época, também não falho! Ainda por cima, sendo ela tão curta... :D

    ResponderEliminar
  27. Como tenho família em Lisboa não me lembro da primeira vez que comi caracóis, mas sei que gosto muito.Para chocar um amigo qualquer aqui do porto basta dizer isso ahahah. Florzinhas de estufa...
    De resto, bem até eu que gosto de beber não comecei tão cedo :p
    Um dia que for aí de visita espero que vás comigo comer uma pratada de caracóis e beber um fino... ups... desculpa, uma Imperial ehehehhe
    Beijos

    ResponderEliminar
  28. Eheheh, essa das florzinhas de estufa tem piada, PSIMENTO! =))

    Mas na verdade aqueles tempos eram outros, lembro-me de aos 8/9 anos os meus primos aí do Norte já serem autorizados a beber um copo de vinho em refeições de festa... E com caracóis ou marisco, tinha de ser cerveja, o que obviamente hoje é impensável dar a um puto dessas idades! E no Verão também me lembro de beber refrescos de café, uns copos enormes cheios de cafeína! Que me lembre, foi a primeira vez que bebi cerveja... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  29. é um alinda e comovente história. A minha primeira bebedeira... já nem me lembro e, por isso, invejo-te :)

    ResponderEliminar
  30. Ah, mas esta dificilmente seria dessas de cair no esquecimento, MOYLITO! :)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)