quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

ARMADILHAS URBANAS

Lembram-se daqueles filmes americanos em que um protagonista é perseguido por bandidos, dentro de um edifício deserto, e tenta a todo o custo encontrar uma saída? Pois esta história é idêntica, sem bandidos, mas verídica...

Uma amiga minha teve de se deslocar à zona de Almada e decidiu estacionar o carro num parque subterrâneo de uma área comercial. Estranhou que apenas lá estivesse uma carrinha parqueada, mas como eram 9 da manhã calculou que a hora não fosse de grande movimento. Entrou nas escadas, subiu um lance, tentou abrir a porta e nada. Subiu outro lance, outra porta: também trancada. Aí resolveu descer as escadas e sair por onde entrara. Susto dos sustos! Era uma porta corta-fogo... que só abria do lado de fora!

Aí teve uma sensação de pânico: ninguém sabia onde ela estava e, pelas suas contas, só dariam pela sua falta quando não fosse buscar a filha ao ginásio, cerca das 19 horas!!! Telemóvel? Só chamadas de emergência! "Mas isto é uma emergência, não posso ficar aqui fechada!", pensou.

Ligou e a operadora atendeu. Atabalhoadamente lá explicou a situação e a outra aconselhava-a a ter calma:
- Onde é que está?
- Estou no local X, em Almada.
- Ah, X não fica em Almada, mas no Pragal...
- É isso, no Pragal!
- Então vou contactar os bombeiros da zona...

Voltou a ligar uns 10 minutos depois, com receio que se tivessem esquecido.
- Ah, não se preocupe, que os bombeiros já aí estão à sua procura, na escada.
Subiu novamente o lance e encontrou-os no piso -3, que ela julgava ser o piso 0, juntamente com o gerente, que pediu muita desculpa mas eram ordens que tinha, cozido e frito.

Resumindo: as portas corta-fogo estão lá por exigências legais, as outras estão trancadas para evitar a ladroagem e qualquer um pode cair naquela "armadilha" e ficar lá trancado sabe-se lá quanto tempo... sobretudo, se não levar telelé!



Plain White Ts - "Hey There Delilah"


Imagem daqui.

25 comentários:

  1. uhuhu, primeiro de novo. quem é fã, quem é?

    sempre quero ver [ou melhor, não quero] se essas portas abrem num incêndio, ou se acontece como vemos nas Filipinas e países assim em que fica tudo em barbecue porque o chefe mandou trancar...

    ResponderEliminar
  2. Esta é a prova que andar de elevador, mesmo sendo fechado, afinal não é assim tão mau.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Há cada uma, meu Deus! Espero que a tua amiga nao tenha apanhado um trauma.

    Ando entusiasmadíssima com o Clube de Leitura. Uma convidada já me perguntou se pode ser um livro policial.

    O Bejamim Button chegou cá esta quinta-feira, talvez o veja no fim de semana. A crítica no meu jornal diário é estupenda.

    BOA NOITE, TETÉ!

    ResponderEliminar
  4. Com que então uma história aqui bem perto de mim!?

    Para além do medo de andar de avião, essas portas e elevadores também me causam receios. É que também já perdi a confiança nesses locais modernos para passar o tempo. Depois de acontecer algo, ninguém sabe de nada.
    São de facto autênticas armadilhas.

    ResponderEliminar
  5. Olá Teté

    Eu nunca confiei em edifícios inteligentes.

    É cada coisa que acontece, medo tenho dos elevadores blindados, parecem sarcófagos.

    Um beijinho e bom início de dia,
    Isabel

    ResponderEliminar
  6. Pois eu havia cair na armadilha também, porque não tenho costume de apanhar elevadores quase nunca (não é fobia, só que prefiro fazer a pé, se não levo pesos).

    Quando menos deviam advertir que as portas não abrem do outro lado. Mas, claro, se é uma ilegalidade... até o dia em que acontecer uma grave.

    ResponderEliminar
  7. estava alguém a filmar! pode vir a ser um bom filme!

    ResponderEliminar
  8. Uhuhu, MOYLITO, quem sabe se como prémio não ganhas um corte de cabelo fenomenal??? :)))
    Por acaso também foi a primeira pergunta que fiz! E essa também não quero ver...

    Desde que as portas abram, PINOKA, não é assim tão mau...
    Beijocas!

    Ficou enervada, obviamente, EMATEJOCA, mas traumatizada suponho que não!
    Ainda bem que há aí entusiasmo para o teu "Clube de Leitura"! ;)
    Aguardo a opinião sobre o "Benjamin", mas, às vezes, ter expectativas demasiado altas atrapalha...
    Bom dia!

    ResponderEliminar
  9. Não gostaria de cair numa armadilha dessas.....mas francamente este país está a ficar um país de terceiro mundo....

    Coitada da tua amiga eu acho que na situação dela teria tido um ataque cardíaco......e teria escrito forte e feio no livro de reclamações, isto se não os processa-se.
    Agora imagina que era uma criança????

    Bom fim de semana linda.
    Beijokitas

    ResponderEliminar
  10. Também já me aconteceu. E numa sexta feira ao fim do dia!!
    Sorte ter passado um senhor que andava a arranjar a electricidade, senão eu e um colega meu, teriamos passado lá o fim de semana!!!!

    ResponderEliminar
  11. Calhou ser pelas tuas bandas, CARLOS, mas provavelmente podia ser noutro sítio qualquer...
    E se fecham as portas por causa da ladroagem, se calhar não têm seguranças suficientes... ;)

    Ah, ISABEL, mas este edifício nem sequer era inteligente (acho?!) Fecharam as portas com receio de "intrusos"...
    Beijinhos e Bom Dia!

    Se existissem elevadores por ali, SUN, suponho que nem tinha havido problema... (`_^)
    E sim, algum dia aquele sistema de "segurança" pode correr mal...

    ResponderEliminar
  12. Oh VÍCIO, o filmezito devia dar um Oscar... para a estupidez! ;)

    Ah, PARISIENSE, ela enquanto esteve a aguardar os bombeiros também pensou em fazer 10 mil reclamações! Mas quando se viu dali para fora, ala que se fez tarde... :)
    Beijokitas e bom fim de semana, nina!

    Pois é, RODERICK, estas situações podem acontecer a todos...
    E qualquer um que chegue para (nos) livrar da clausura inesperada, é um herói!!! :)))

    ResponderEliminar
  13. Os bombeiros eran voluntarios?... (Case que estou por ir eu tambem a ver a cara da interfecta)(`_^)

    ResponderEliminar
  14. Razão tinha o meu padrinho, actualmente com 70 anos, tinha uma regra:

    Sempre que entrava num cinema, campo de futebol ou outro espaço público muito frequentado, a primeira precupação dele era escolher um local de onde fosse fácil fugir caso ocorresse algum incidente eheheh

    Nunca me vi numa situação assim mas de facto deve ser pavoroso.

    jinhos

    ResponderEliminar
  15. Ainda bem que não resido numa selva urbana...

    Bom fim-de-semana, Teté!

    ResponderEliminar
  16. credo! Moral da história: nunca estacionar num parque subterrâneo!

    ResponderEliminar
  17. Bfds, ofereci-te um selo

    ResponderEliminar
  18. E não dava para sair por onde tinha entrado?? E nem estou a falar sair com o carro, mas sair a pé por onde entrou com o carro... ai o pânico o pânico...
    beijo d'enxofre

    ResponderEliminar
  19. O problema é se há um fogo. Ninguém sai dali vivo. Ela não fez nenhuma exposição à gerência do tal espaço comercial?

    PS. Como Almada/Pragal faz parte das minhas frequências habituais podes mandar-me um e-mail e dizer onde foi para eu estar prevenido?

    ResponderEliminar
  20. Que confusão! Lol!
    Qual é a utilidade de uma porta, se não pode ser aberta?
    Para isso, faziam uma parede! Não é? Lol!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  21. Não faço a menor ideia, CONDADO! Voluntários ou sapadores, tanto faz... (`_^)

    Qual muito movimentado, PASCOALITA? Ali não havia ninguém...
    Mas o teu padrinho tem alguma razão, sim, que no meio de muita confusão o pânico generaliza-se!
    Jinhos, nina!

    Bom, CAPITÃO, não é exclusivo da selva urbana... :)
    Igualmente para ti!

    Moral da história, TERESA DURÃES, é prestar mais atenção aos locais desconhecidos onde se vai... ;)

    ResponderEliminar
  22. Obrigada, INÊS, já agradeci 'in loco' e em post...
    bfds para ti! :)))

    DIABBA, a porta por onde tinha entrado era corta-fogo, as outras estavam trancadas, de modo que ficou "presa" na escada...
    Por menos, já fiz figuras bem tristes... :S
    Beijo enxofrado!

    Ná, PREDATADO, quando se viu dali para fora nem quis saber de mais nada! Mas o problema é mesmo esse.
    Já seguiu o mail, mas talvez não tenha sido muito explícita do porquê daquilo estar despovoado: ela entrou "directamente" para o piso -4 (ou -3, mas por aí), julgando que estava no -1. Enfim, podia ter acontecido a qualquer um... acho! :)

    Pois é, MATCHBOX32, tanto quanto percebo as portas servem para as pessoas entrarem e sairem. As corta-fogo, para isolarem de um eventual incêndio! Mas se fecham algumas pouco movimentadas por causa da gandulagem, o risco é "prenderem" pessoas desprevenidas naquela armadilha...
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  23. Bolas, a tua amiga não deve ter ganho para o susto! :S

    Já me aconteceu ficar fechada num cubiculo da casa de banho num centro comercial em madrid...eu abanava a porta, esmurrava a porta, nada, a gaja não se abria. E o telele, por um problema qq com o roaming, não funcionava...do outro lado, ouvi bater e abanar também, sei que falavam comigo, mas em espanhol e através de uma porta, tá-se mesmo a ver que eu percebia, né????? LOOOL! a coisa resolveu-se com um ultimo encontrao e bater de palmas do outro lado looool! uffffff!

    ResponderEliminar
  24. Credo! QUe medo.
    Vá lá que teve presença de espirito para ligar para o 112. E o gerentezeco, muita simpático, não há dúvida. Queria ver se fosse um idoso. Imagina que se afligia e ainda tinha ali um mau estar qualquer e para ali morria sozinho. Isto realmente...
    É isto e o metro agora. Não tem nada a ver, mas lembrei-me, a propósito dos velhinhos. Agora, para tirar um bilhete nas máquinas é preciso tirar um curso.OU isso ou arriscar-se a ser autenticamente roubado para andar no tubo eléctrico. É escandaloso. E mais ainda, quando as bilheteiras estão fechadas, ou nem sequer existem? Como fazem os velhinhos e os iletrados? pois têm de fiar-se na bondade alheia, o que nos tempos que correm também é uma moeda em gravíssima desvalorização.
    Parece que ninguem pensa nos cenários todos. Impressionante...

    Bom, já me 'alambazei' as usual ;)
    Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  25. Eh, eh, eh, arrombaste a porta, VAN?! É o que dá a força dos nervos... ;)
    Mas dessas também já tive algumas, a última das quais numa casa de banho de uma praia algarvia, mais as belas das suas luzes "inteligentes"... Agora até dá vontade de rir, mas na altura não teve graça nenhuma! LOL

    Bom, SAFIRITA, eu não ando de metro, mas a verdade é que essas "ilustres" cabecinhas que idealizam esses sistemas modernaços não pensam na população, muito menos em velhinhos e iletrados!
    Quanto ao susto foi grande! À noite, quando me contou a história ainda estava enervada... ;)
    Beijinhos e bom fim de semana!
    (e já sabes que por aqui te podes "alambazar" à vontade... :))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)