sexta-feira, 28 de novembro de 2008

DÉJÀ VU!

Fotografia de Ian Britton

O texto que se segue NÃO É verídico (nem original)!

***
Todos nascemos livres, é certo, mas é fundamental que o saibamos.

Maria tinha sido criada pela tia Antonieta, desde a mais tenra infância. Passaria horas a vê-la trabalhar na sua arte, de bordadeira, enquanto contava os tostões para ver se o dinheiro chegava até receber outra vez! Em criança, só a aterrorizava a tesoura de Antonieta, que insistia em cortar-lhe o cabelo curto, enquanto as suas colegas de escolas exibiam tranças compridas e gozavam do seu aspecto de "maria-rapaz". Com os olhos húmidos, perguntava à tia: "O cabelo cresce, não cresce?" A velha senhora expunha um sorriso benévolo, dava uns tapinhas de leve na sua cabeça e confirmava.

Por sorte, a vida de ambas melhorou ao receberem uma herança familiar. Reunida toda a família, os protestos e reclamações sucederam-se, havendo quem contestasse também a sua parte ou pedinchasse qualquer coisinha. Ingénua, Maria, já concordava que lhe parecia justo e sempre alegrava a malta, mas a tia permanecia inabalável: "Dinheiro atirado ao vento! E mais não conto!" Será que tinha razões para isso? Por vezes não estamos preparados para ir nesse sentido. E o veneno destilado pelos familiares funcionou na mente da adolescente. As histórias têm estado, desde sempre, ao serviço do poder e da ganância.

"Onde estão os meus 18 anos? O que farei para me salvar? Afinal, quem melhor que nós mesmos para nos conhecermos a fundo?" Todos temos as nossas fases... Há sinais evidentes que nos mostram a necessidade de conhecer por dentro a arte da guerra. Naquele dia, acabara de almoçar e chegara-se à janela. Já antes de comprarem a moradia estava ali o pinheiro e a macieira. A tia trincava uma das maçãs da árvore e comentava vagamente: "É um belo fruto!" Não sabia confirmar há quanto tempo se apercebera do seu interesse pela vida, que não era aquela. Como é que acabou? Fez a mala e partiu! Já era qualquer coisa... Tinha de enfrentar os seus próprios medos!

Um dia recebeu uma carta de Antonieta, que confessava sentir-se doente, triste e cansada. Foi preciso dizer mais? Voou para junto dela apesar da distância, contou-lhe sobre a sua vida, riram e comoveram-se juntas. Cada olhar representava uma prova de amor. "O amor verdadeiro é isto e existe", considerou Maria. Cansada daquela emoção inesperada, a idosa recolheu ao seu quarto e adormeceu profundamente. Sozinha na sala, a sobrinha escutava o assobiar do vento na encosta do monte. Há anos que não o ouvia... mas que belas noites de sonhos de adolescente, em que alguns até se realizaram... Já estava mais descontraída. Não pedira desculpas, porque se há forma errada de corrigir um erro, é cometer outro propositadamente para justificar o primeiro.

Mas a velha senhora não voltou a acordar! Se calhar tinha morrido sem obter esse perdão ambicionado. Não sabia ao certo como matar os fantasmas que assolavam à sua porta. Sentou-se por uns instantes muito breves, no cemitério a observar o céu azul. Um pássaro estendia as asas e soltava um grito de liberdade. Levantou-se, sacudiu os ombros e recordou a antiga máxima inglesa: "Good girls go to heaven, bad girls go everywhere!"
***
Qual é a curiosidade deste texto (um pouco lamechas, é certo)? Apesar das necessárias adaptações em sujeitos e predicados, dos elos para o construir, foi elaborado a partir de frases que li esta semana em todos os vossos cantos. Para comemorar os dois anos de actividade na blogosfera, que se completam amanhã!!! Plágio, moi? Ná!

E agora, alguém reconhece a frase que escreveu?

Bom fim de semana e DIVIRTAM-SE a adivinhar (ou não)!

34 comentários:

  1. Não sabia ao certo como matar os fantasmas que assolavam à sua porta
    É certo, não sabia, pensava nos fantasmas como se fossem vampiros que chupassem a vida...
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. As histórias têm estado, desde sempre, ao serviço do poder e da ganância.

    Parabéns:)

    ResponderEliminar
  3. (por acaso reconheço sim a frase!)

    não sei se é triste morrer sem resolver os fantasma da vida

    ResponderEliminar
  4. eu acho que não está ali nada meu mas eu era bem capaz de falar em contar os tostões!
    ou então dizer que a tua hiper grana é chata como a potassa! já estou farto de fechar janelas!

    ResponderEliminar
  5. É, CONDADO, mas em metendo fantasmas também é mais fácil adivinhar... (`_^)
    Abraço!

    Em cheio, apesar das alterações, MOYLITO! :)))

    Obrigada e igualmente S.G.! :)

    ResponderEliminar
  6. Não acredito em nada disso!

    :D

    ResponderEliminar
  7. Fantasmas só existem para (alguns) vivos, TERESA DURÃES!
    A frase foi retirada do teu último post, mas ainda não conheço muito bem o teu canto, daí talvez não se enquadrar muito no espírito da "brincadeira".
    Que é só isso mesmo, nada para plagiar ou ofender quem quer que seja!

    Ora, ora, VÍCIO era lá capaz de não incluir uma frase tua?! "Será que tem razões para isso?" Mas claro, era das mais difíceis, até porque mudei o tempo do verbo... :)))
    Quanto à Hiper grana estás cheio de razão, não sei como acabar com aquilo, o anti-virus está a funcionar mas não detecta aquela treta. Se souberes o que posso fazer, avisa! ;)

    ResponderEliminar
  8. Ná, a tua frase não foi essa REI! :)))

    ResponderEliminar
  9. Cá por mim, reconheci algo do meu texto "Matei o meu Pai". Reconheci, também alguns lances de prosa de outros textos que li.

    Mas agora, matei a minha mãe no meu blog e sem aviso prévio.

    Resta-me dizer que o teu texto está com muita imaginação.

    Um bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  10. Xi, CARLITOS, andas a treinar para homicida, não? Primeiro o pai, agora a mãe... :)

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  11. isso do nascemos livres, não é o princípio do 1º artigo da Declaração Universal dos Direitos do Homem? :D

    ResponderEliminar
  12. LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL, encontrei logo o meu!!!!!!!!! Muié, tá demais!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  13. Já o acho mais crescido!=D

    ResponderEliminar
  14. Parabéns!
    Reconheci algumas frases que li em vários blogs. Mas não identifiquei nenhuma minha.
    Ideia muito gira!

    ResponderEliminar
  15. Onde estão os meus dezoito anos? ahhhhhhh, bela tirada de literatura!... Pois, parabéns ao teu blogue que amanhã estarei fora vou levar uma amiga longe daqui, tão longe e oxalá não chova que tem montes esubidas e descidas co caraças e queira deus que não haja neve por lá!... Beijinho da laura.

    ResponderEliminar
  16. É sim, VAN!
    A tua frase era das mais fáceis de encontrar! :D
    Acredita que ele cresce... :)))

    Ah, INÊS, tive de me cingir aos posts que li na semana passada, se não só lá pró ano que vem é que acabava de ligar tudo...
    Obrigada!

    Eh, eh, eh, LAURINHA, sabia que descobrias logo. Ná, isto não é literatura nenhuma, é só uma brincadeira de palavras.
    Então boa passeata para ti e para a tua amiga. :)))
    Beijocas, nina!

    ResponderEliminar
  17. Mas que bela compilação, Teté, deve ter dado um trabalho danado. Olha, li duas vezes, e encontrei duas frases, uma da Gata Verde e outra da Van, mais não consigo.

    Mas muitos parabéns, pela comemoração e pelo texto! Beijo!

    ResponderEliminar
  18. Muito giro o que fizeste com as frases que foste vampirizando por aí...
    Lol!
    Gostei bastante.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Não tenho a certeza mas é amanhã que a menina aniversaria? parece-me que sim..mas, vou ver melhor, se for, desde já; os meus parabéns à querida tétézinha e que passes um dia feliz, chio de neve, como fui à Régua vi quanta quiz, no chão e em fitas a cair pelo ar, lindo , estradas cortadas, fomos dar a espanha quase, no regresso e estavamos a alguns kilómetros d eguimarães...xiça, mas já conheço aquilo, é tudo perto da aldeia dos emus avós e lá viemos devagarinho com tudo, tudo branco, mas que beleza para os olhos...beijinhos.

    ResponderEliminar
  20. muito bom teu blog, vim conhecer e gostei.
    Maurizio

    ResponderEliminar
  21. Ah, "afinal, quem melhor que nós mesmos para nos conhecermos a fundo?" não te recorda nada, RAFEIRITO?
    Obrigada e beijoca!

    É, fui "mordendo" umas coisas por aí MATCHBOX31... :)))
    Beijinhos!

    Não, foi ontem, Sábado, LAURINHA, mas como não ia estar por aqui...
    Obrigada, linda! Também gosto muito de ver neve. Já o friozinho que a acompanha, brrrr... ;)
    Jinhos, nina!

    Obrigada, MAURIZIO! Mas acho que já nos conheciamos aí de algum lado... :)

    ResponderEliminar
  22. Ó nina tété, eu não sei se fizeste anos ontem se vais fazer hoje, ando baralhada, mas penso que era por esta altura...Era? como não dizes nada, mas são tantos os escorpiões este mês que não posso fazer um post para cada um..acho que és tu, o jota b que pouco aparece agora, ams gosto muito dele e são mais, olha, são quase todos uns bons lacraus, mas quase todos mesmo...Se for o dia, PARABÉNS a ti e muita felicidade junto de todos os que amas... Beijinhos d alaura..

    ResponderEliminar
  23. Foi por isso que não a reconheci, parece uma frase dita por alguém inteligente! ;)

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  24. Passaria horas a ler contos como este!!

    Um grande beijo e muitos parabéns pela tua criatividade...
    ;))

    ResponderEliminar
  25. é verdade, um optimo exemplo de criatividade, com um resultado espectacular. Gostei muito, tete! Continua! =))) e parabéns!!!!

    ResponderEliminar
  26. Acho que não tenho nenhuma por cá!
    Mas foi bastante criativo, sim senhor!!!

    ResponderEliminar
  27. Bom...a frase népia!
    Passo :)
    rss
    Boa noite.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  28. Ná, LAURINHA, aniversário é só em Março! :)))
    Mas tens razão! Não dá mesmo para fazer posts para todos os aniversariantes, senão não se escreve mainada!
    Jinhos, nina!

    E com essa, remeto-me ao silêncio, RAFEIRITO! :)))
    Beijoca!

    Xi, GATINHA, mais as dedicadas aos artistas, depois sobrava-te tempo para quê? ;)
    Obrigada e beijoca!

    ResponderEliminar
  29. Ah, VAN, mas esta foi apenas uma brincadeirinha pontual... :)))
    Obrigada, nina!

    Errado, RODERICK! "Cada olhar representava uma prova de amor", foi a frase tirada da tua prosa... :)))

    OK, também era só para quem quisesse procurar, MYLLANA... "todos temos nossas fases"! ;)
    Jinhos, nina!

    ResponderEliminar
  30. Oi, Teté, Sabes que fiz isso mesmo uma vez com um livro de relatos breves, para o que em teoria tinha era de fazer uma crítica que me encomendaram numa revista literária? Colhi uma frase de cada relato e construí um conto novo, que de resultas parecia escrito pelo mesmo autor do livro. E ficou realmente bem. He!

    E a minha é:
    "Já antes de comprarem a moradia estava ali o pinheiro".

    Obrigada!

    ResponderEliminar
  31. É, por esse prisma, SUN, em vez de "Déjà vu" devia-lhe ter chamado "História a 37 mãos"... (`_^)

    Sabia que acertavas! :)

    ResponderEliminar
  32. Que copies uma frase minha, eu desculpo, agora copiares o meu procedimento para com quem se ofende, vou pensar! ;) Beijo!

    ResponderEliminar
  33. OK, OK, RAFEIRITO, era só uma brincadeirinha... :D
    Jinho!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)