quinta-feira, 27 de novembro de 2008

SMIRT

Smirt é a palavra que os ingleses usam para um novo convívio social: os fumadores que se juntam na rua em torno de um cinzeiro e acabam por meter conversa uns com os outros! Engraçado é que, especialmente nas empresas, conhecem-se colegas de cuja existência nem se suspeitava - cada um enfurnado no seu próprio gabinete, contactando apenas as pessoas com quem trabalha directamente - no Reino Unido como cá. Daí a origem da palavra fazer todo o sentido, numa mistura de smoke com flirt. Curioso ainda é que alguns não fumadores, de vez em quando, também se dirijam ao local, para dois dedos de conversa ou para o perigoso vício de lamber um chupa-chupa... (sabiam que também faz mal aos triglicéridos e coisas desse género?!)

Bom, tinha prometido a mim mesma não voltar ao tema do anti-tabagismo nos próximos meses - escrevi aqui sobre ele - mas já decorreu quase um ano.

Um ano em que se mudaram hábitos: não o de fumar, mas o dos locais que frequentava. Há que séculos que quase todas as sextas-feiras à noite ía com um grupo de amigos beber umas cervejas e petiscar qualquer coisa, enquanto tagarelávamos, a uma pequena cervejaria de bairro. O proprietário acatou a proibição, tivemos pena, mas obviamente deixámos de lá ir. Aliás, em Benfica existia apenas um único bar com etiqueta azul e esse nem tinha petiscos.

No Califa, uma das maiores e conceituadas pastelarias da zona, numa noite em que fui lá comprar tabaco, uma mulher comentava com um dos sócios: "Mas isto está às moscas! Será por causa da nova lei?" E ele, impante, em alto e bom som, suponho que propositadamente para eu ouvir, uma vez que não havia mais ninguém por perto: "Paciência! As pessoas têm de se habituar!" Pensei: "Hummm... este gajo não deve estar a ver bem o filme, que o café ao lado tem a esplanada cheia de gente, apesar do frio!" Até para o tabaquito deixei de ser cliente...

Claro que as "happy hours" de sexta-feira não terminaram, embora a organização já dependa de alguns telefonemas: em casa ou noutros sítios mais permissivos! À conta disso, conhecemos vários outros locais, bem mais aprazíveis (e baratos) do que o antigo poiso.

Para rematar, o Califa esteve fechado para obras durante meses (as "más-línguas" dizem que foi a ASAE, mas disso não tenho a certeza), ao fim de cerca de 40 anos de serviço de restauração. Reabriu na semana passada e, espanto dos espantos, até tem uma esplanadinha cá fora, para os fumadores inveterados... sem lugar vago, no dia em que cusquei, se quiserem saber!
(nem tinham alternativa, que entretanto abriram outros espaços que não discriminam tabagistas...)

*******
Foto da Kavewall.

25 comentários:

  1. ainda gostava de saber de me rotulares de perigoso e o que é que eu tenho a ver com o lamber de chupas...

    ResponderEliminar
  2. com a proibição de fumar em espaços fechados muitas esplanadas apareceram. Até que enfim que este é um país de sol

    ResponderEliminar
  3. Por razões obvias deixei de fumar....mas de vez em quando lá caio na tentação....quando o meu mais que tudo não está por perto...
    Mas quando estou com amigos que são fumadores claro que tambem vou para as esplanadas com eles.....mesmo se já não fumo....
    Mas se os cafés tivessem as condições de ventilação adequadas não precisavam de perder tanta clientela.....mas......isto daria pano para mangas!!!!!

    Beijokitas linda

    ResponderEliminar
  4. Eu sou mais do Smart... Não fumo.

    ResponderEliminar
  5. Eu reparei, que o Alemão do norte, que é normalmente frio e distante, evitando falar com estranhos, também fala muito mais durante as fumaças à porta dos restaurantes.

    Isto porque a semana passada os fumadores ganharam uma batalha, podendo fumar dentro de bares. Agora o dono da casa decide se aceita ou não fumadores. Se os fumadores não gostam, podem ir ao bar do lado!

    ResponderEliminar
  6. Onde eu me encontro, poucos são os cafés onde não se fuma...

    :)

    ResponderEliminar
  7. abaixo a ditadura dos não-fumadores.

    não à discriminação.

    os fumadores também são gente.

    não ao fascismo sanitário.

    [estas são as palavras d eordem de uma manifestação de fumadores que estou a imaginar neste momento]

    ResponderEliminar
  8. A Teté está num país do Sol, mas aqui...
    Eu nunca fumei! Mas as pessoas mais intolerantes convosco sao exactamente as antigas fumadoras.
    Um casal amigo meu, onde nas festas lá em casa, se fumavam mesmo coisas piores... agora tornaram-se uns cacadores aos fumadores. Até mete impressao!

    Saudacoes de um Düsseldorf a cheirar a "WEIHNACHTEN"!

    ResponderEliminar
  9. o califa reabriu? com aqueles bolos fantásticos???? isto sim, é uma excelente noticia!

    ResponderEliminar
  10. Vamos entao tentar abrir um sindicato dos fumadores!!
    rsss

    Assim nao ficamos excluidos!

    ResponderEliminar
  11. E não é perigoso, VÍCIO? Até te podes engasgar com o pauzinho, inadvertidamente... :)))

    Bem-vinda, Teresa DURÃES!
    É verdade, mas com este briol não sou eu que vou para a esplanada... :)

    Pois, PARISIENSE, há gente de todas as maneiras e feitios. Até conheço gente adulta, que fuma às escondidas... :)))
    O meu filho, que não fuma, também passa a vida em esplanadas e espaços para fumadores, que tem uma série de colegas que fumam.
    E esse é outro aspecto da proibição que se tornou negativo: uma série de jovens começaram a fumar (não sei se por o fruto proibido ser o mais apreciado, ou se só porque sim...). E isso sim, já acho uma grande patetice, que eles não podem dizer que não foram prevenidos sobre os malefícios do tabaco, ANTES de se viciarem... :)
    Beikoquitas, nina!

    ResponderEliminar
  12. Fazes tu muito bem, RODERICK!

    Bom, aqui não será o caso, CREST, que o tuga pela-se pela converseta! :)
    E não, não tenho nada contra bares para não fumadores: só lá vai quem quer! O mesmo se diga em relação aos que permitem o fumo...
    Mas ainda bem que é assim, na Alemanha, que a mim o que mais me irrita são os fundamentalismos do 8 ou 80, pode ser que com bom-senso se chegue a uma solução equilibrada! ;)

    Pois, CAPITÃO, por aqui perto não havia nenhum... ;)

    ResponderEliminar
  13. Hummm... porque será que andas com ânimo para manifestações, MOYLITO? :)))

    Tens razão, EMATEJOCA! Não há ninguém mais intolerante do que os ex-fumadores, que parecem andar à caça...
    Saudações natalícias, então!

    É, não é, INÊS? Estava a ver que não tinha sítio para encomendar os docinhos de Natal... ;)

    Eh, eh, eh, apesar de tudo, MYLLANA, acabei por nem me sentir muito excluída: mudei foi de poisos! :)))
    'Bora aí então sindicalizarmo-nos!

    ResponderEliminar
  14. deve ser um qualuqer reflexo condicionado. não estou a ver é a origem:D

    ResponderEliminar
  15. Pois, nem eu, MOYLITO! :D

    ResponderEliminar
  16. Ora, perdem uns por outros... fumar faz mal, fumar , mata, mas ninguém os ouve...já vi que fumas e não é pouco; a menina não sabe que faz mal à saúde? sermaõ tardio é? mas devagarinho vais desviando a coisa e sem dares conta, deixaste de o fazer... Claro que quem aceitou que fumassem, só lucra!... beijinhos.

    ResponderEliminar
  17. Gostas de sermões, LAURINHA? Eu não!

    Ainda por cima quando são repetitivos e vindos de todos os lados (até de pessoas na rua que não me conhecem de lado nenhum), ao longo de mais de 3 décadas!!!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  18. Agora que falaste lembrei-me, há anos que não entro no Califa.

    Quanto ao tabaco, fui fumador durante muito tempo, felizmente já deixei, mas ainda assim fui sempre contra esta lei ditatorial contra os fumadores e não contra o tabaco (se calhar porque sei o que é querer fumar e não poder).
    Agora verdade seja dita, qualquer centro comercial ou café tem um ar notoriamente mais saudável.
    Entretanto cuidado, além do mal que faz o fumo, o frio que está na rua não faz melhor.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  19. É, PINOKA, agora no Inverno também não vou congelar para esplanadas...

    Além de ditatorial a lei tinha ainda um lado pidesco, de todos poderem fazer queixinhas de alguém que vissem a fumar num local não permitido, com multas exorbitantes para o prevaricador e o próprio comerciante. Exorbitantes, para um país que tem um ordenado mínimo de 426 euros, note-se!

    Beijokas!

    ResponderEliminar
  20. Eu até consigo imaginar quem comece a fumar só pelo prazer de poder praticar o smirt :)

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  21. Não diria tanto, PAX, mas estas proibições fundamentalistas costumam ter efeitos contrários nos jovens - fruto proibido... -, segundo me disseram alguns adolescentes, há uma série deles que começaram a fumar...

    Beijoca! :)

    ResponderEliminar
  22. Eu estava a ironizar em parte, mas olha que não duvido muito que muitas pessoas comecem a vir para a porta só para conversar e desanuviar e tenham mesmo de puxar do cigarrito para o poderem justificar.
    E com proibições é assim mesmo: é quando dá mais vontade! Jovens ou não.

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  23. É, PAX, pessoalmente também não gosto nada que me proíbam de fazer o que quer que seja... ;)

    ResponderEliminar
  24. é, alguns cafés obviamente tb viviam disso, e mesmo para mim que não fumo, como tenho amigos que o fazem escolho bars, restauranres e cafés em que se possa... muitas vezes com benefício; Lisboa ganhou (sem saber ler nem escrever) mágnificas esplanadas!!

    bsj

    ResponderEliminar
  25. É verdade, LEONOR, Lisboa ganhou muitas novas esplanadas.

    E sim, o meu filho que não fuma, também vai a muitos locais para fumadores porque tem colegas que o fazem...

    Jinho!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)