terça-feira, 21 de junho de 2011

NOME DE CÓDIGO: MERCÚRIO

Simon (Miko Hughes) é uma criança autista que adora puzzles e charadas, que os seus pais lhe compram para se entreter, já que tem imensas dificuldades de comunicação. E numa dessas revistas descobre o código tido como inviolável dos serviços secretos norte-americanos, usado para contactar espiões infiltrados noutros países. Que foi colocado lá de propósito para testar a sua eficácia (o que só por si é uma ideia abstrusa!), dando um número telefónico de contacto para quem o decifrasse. Gera-se o caos na organização secreta e Kudrow (Alec Baldwin), o responsável máximo, dá ordens inequívocas!
Por seu turno, Art Jeffries (Bruce Willis), agente do FBI, está a desempenhar um serviço rotineiro e é chamado para analisar o local de um homicídio seguido de suicídio. Os pais de Simon! Não se contentando com a explicação da polícia de que o miúdo se encontra desaparecido, acaba por o  descobrir escondido dentro de um armário e o rapaz é levado para o hospital. Desconfia ainda da arma utilizada no crime, cara e de profissional numa família modesta, pelo que pede protecção policial para o puto até ao final da investigação. Ao voltar mais tarde, descobre que este já não tem vigilância da polícia e foi transferido para uma enfermaria (a pedido dos pais, segundo o informam) e aí suspeita logo de uma conspiração. Apesar do assassino brutamontes andar por lá, ele consegue escapar com o miúdo numa ambulância, mas a partir daí as perseguições e tiroteios sucedem-se quase ininterruptamente...
Há filmes dirigidos a um público mais masculino, outros a mais feminino. Este é um caso típico dos primeiros: muita acção, pancadaria, mortandade, tiros e um argumento pouco credível em vários aspectos (então ele e o puto vão dormir a casa de uma fulana que conheceram nesse dia num bar?!?). Mas isso não interessa nada, desde que distraia e prenda a atenção:


Foi o caso, com este filme de 1998, realizado por Harold Becker. Quando não há nada de mais interessante a fazer, pronto, até marcha! Eheheh! 

Imagem da net.

16 comentários:

  1. estavas a tentar dizer que fizeram um menage com o puto? que escandalo!!!! :-o

    PS: o que é que é abstrusa? :-/

    ResponderEliminar
  2. Quem nunca dormiu em casa de uma gaija que conheceu num bar mais um puto diga EU! EU!

    ResponderEliminar
  3. Huum...
    Para público mais masculino?
    E eu que pensava que era um filme a ver. Não gosto nada de filmes com muita pancadaria.:)

    beijocas

    ResponderEliminar
  4. À falta de melhor até se vê bem, quanto mais não seja pela criança, mas não é o meu género...

    Estou como o Vício, também não sei o que é abstrusa =))

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  5. também vi, ontem ou anteontem, curiosamente :) entretém, mas pouco mais do que isso :P

    ResponderEliminar
  6. Nada disso, queriam matar o puto, toda a famelga e tudo o que mexesse em redor, VÍCIO! :))

    Aqui ia mais no sentido de parva, mas no dicionário os sinónimos são "desordenada", "impenetrável" ou "obscura"... :D

    ResponderEliminar
  7. Eu, e uma série de pessoas como eu, RAUF! E sim, não era uma dama da má vida... :))

    ResponderEliminar
  8. Acaba por se ver bem, NINA, mas também é daqueles que ficas cansada com tanta perseguição. Enfim, quando não há mais nada para fazer, entretém... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  9. Por acaso até gosto do Bruce Willis, MARIA, acho-o sempre um bocado desaproveitado nestes filmes abrutalhados, suponho que tem versatilidade para mais! E sim, o puto também vai bem! :)

    Vê-se bem, sim! Também não é o meu género, mas dentro dele até nem é dos piores! :D

    Já esclareci o Vício, de dicionário em punho! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  10. Estamos de acordo, então, MOYLITO! :D

    ResponderEliminar
  11. Anónimo6/22/2011

    Marcha este e marcha qualquer folha de jornal abandonada no deserto.
    Acredita que me lembrei de ti no festival de cinema de Taormina. Daria tema para vários posts.
    Há coisas que não se explicam, mas as tuas eu adoro.
    Beijinho amiguita Tété
    Kim

    ResponderEliminar
  12. Olá Teté!! Quer dizer venho eu cheio de boa vontade ler o teu blog agora que entrei de férias da faculdade e tu dizes-me que os gajos gostam mais de filmes de pancadaria e com argumentos parvos ehehhe. Eu gosto de filmes de acção é verdade mas têm de ter conteúdo e credibilidade. Este filme, pelo que contaste não me deu lá muita vontade de ver. Além de que a ideia em si não me parece muito original.
    Eu aproveito para te aconselhar o filme dos X-Men que está agora em exibição. Além de não ser necessário saber nada de bds para ver este filme, como eles se passa cronologicamente antes dos outros que já existem, nem sequer precisas de ver esses. Acho que vais ficar a perceber porque motivo eu gosto tanto de bds e até vais ficar fã ;) Quando tiveres um tempinho da-lhe uma oportunidade. Beijocas.

    ResponderEliminar
  13. Este filme passa constantemente na TV. E hoje à noite vai passar mais uma vez, mas quem o não vai ver, sou eu.
    Vi-o uma vez e chegou.

    ResponderEliminar
  14. Certamente que daria, KIM! Se bem que possivelmente nem todos os filmes seriam dos que mais gosto... :))

    Obrigada e beijocas, amigo! :D

    ResponderEliminar
  15. Bom, as generalizações é no que dá, PSIMENTO! Mas ainda há poucos dias, num aniversário de uma amiga estava a dar um filme daqueles só de explosões, o mulherio todo na converseta, e eles (com uma excepção!) vidrados no ecrã. Aquele então quase nem diálogo tinha, era a ver para o lado que explodia mais... =))

    Obrigada pela dica do X-Men, depois logo te digo alguma coisa! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  16. Claro, TERESA, quem viu uma vez, chega e sobra! Mas facto é que acaba por se ver até ao fim, para ver onde pára a perseguição... :))

    (aqui o maridão já o viu duas, mas é ele!) :D

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)