terça-feira, 21 de dezembro de 2010

DEMOCRACIA... MAS NÃO TANTA?!?


A maior democracia do mundo, assim se auto-intitulam os norte-americanos, parece estar a ter dificuldades em lidar com o "problema" Julian Assange e a Wikileaks: a revelação de inúmeros documentos que põem a nu o envolvimento dos EUA (e não só!) em guerras e outras actividades insuspeitas  em países democráticos, conseguiram abalar o poderio da grande potência mundial.
Enfim, não estou exactamente a par dos "incómodos" que a divulgação jornalística provocou nos meios diplomáticos mundiais, suponho que devem ter sido avassaladores, a julgar pelas opiniões exacerbadas de alguns comentadores, como este Bob Beckel:


Tão fofo! É contra a pena de morte, mas a favor das execuções sumárias dos "terroristas" e "traidores" que infrinjam as leis americanas, pelas tropas especiais. E já agora, Assange é americano, o que eventualmente lhe imporia algum "dever" patriótico? Não, coitado, nasceu na Austrália!
Mas não é o único a aventar a solução drástica, portanto a coboiada ainda vai no adro...
     
Imagem da net.

20 comentários:

  1. Com a tua publicação de hoje, minha cara Teté, vamos ter sarilho!
    Ou corcordo e digo: "lindo" extraordinário" etc...
    Ou discordo com a tua opinião sobre os Estados Unidos.
    E porquê?
    Porque como todos nós, só cega de um olho — o meu olho americano.
    Já no meu tempo de revolucionária, tinha um fraquinho pela a América do Norte.

    Sei muito bem que os Estados Unidos não são a maior democracia do mundo, mas já agora diz-me o nome do país mais democrático do mundo - China? Cuba? Portugal?
    No country is perfect!!!

    Vamos agora aos factos: Também eu não estou bem ao par do que se passou. A divulgação jornalística do que os meios diplomáticos americanos pensam da nossa Angie e do nosso Guido, só provocou risos, pois cá, os jornalistas tem palavras muito mais duras para ambos.

    Quanto à revelação de inúmeros documentos que põem a nu o envolvimento dos EUA em guerras e outras actividades não é novidade nenhuma — todo o mundo sabia disso muito antes de aparecer o Julian Assange e a Wikileaks.

    Não façam do Julian Assange um herói, que ele não é nenhum anjo — foi preso na Suécia por ter violado duas raparigas!!!

    Não vou ter um Natal branquinho, vou ter um Natal brancão. A neve já atingiu 25cm.

    ResponderEliminar
  2. Sarilho nenhum, EMATEJOCA!

    A questão só é vagamente política, nem tem muito a ver com o Assange e o seu papel - isso já toda a gente sabe!

    Agora que Assange é incómodo ao ponto de um comentador televisivo afirmar que ele deve ser abatido a tiro, deve ser e muito! E a hipocrisia está aí: o dito comentador diz-se contra a pena de morte, mas já não tem nada contra a "justiça" pelas próprias mãos, à laia de cowboy... :p

    O "santo" violou duas raparigas suecas? Ná, essa história então cheira a esturro à distância, que uma das "coitadinhas" levou-o para a própria casa, só se lembrou de o acusar quando a cabeça do homem já estava a prémio... :e

    Beijocas! E já agora que a neve não derreta, até ao Natal... :D

    ResponderEliminar
  3. será que os ingleses não estavam bem quando pensaram em colonizar aquelas terras?

    ResponderEliminar
  4. Vício, não foram os ingleses, foram os holandeses!!!

    ResponderEliminar
  5. Os americanos são muito democaratas, mas é quando são eles a impor as regras. Caso contrário, cai-lhes a máscara e comportam-se como os chineses, iranianos ou cubanos que tanto criticam.

    ResponderEliminar
  6. ematejoca, seja lá quem tenha sido (porque aquilo é como o brasil que ninguém sabe de quem é descendente) mais valia terem ficado à lareira a coser meias e deixar os indios descansados

    ResponderEliminar
  7. E como é que tu matas um país, REIZÃO??? Para lá do exagero, evidentemente, que lá como cá e em todo o lado há gente boa... ;)

    ResponderEliminar
  8. Entre os primeiros colonos britânicos encontravam-se muitos prisioneiros (deportados) e puritanos religiosos, VÍCIO! Portanto, logo aí, estás a ver o género de gente que foi lá parar... :))

    ResponderEliminar
  9. Não foram os ingleses, EMATEJOCA?! OK, não foram só ingleses, os primeiros a porem lá o pé até foram os espanhóis, mas o território é enorme e houve comunidades de colonos de vários países europeus, holandeses incluídos... ;)

    ResponderEliminar
  10. Absolutamente de acordo, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA! Embora a parecença seja mais com os seus antepassados, os cobóis do faroeste - resolução a tiro! :p

    ResponderEliminar
  11. Coitados dos índios, esses foram chacinados por todos os colonos europeus daquelas terras, VÍCIO!

    E sim, tens razão, a colonização dos States foi idêntica à do Brasil, até porque eram terras de novas oportunidades e vastos territórios para os que morriam de fome na Europa... A questão era a própria sobrevivência! :-w

    ResponderEliminar
  12. Acho piada a várias coisas nesta história da Wikileaks.
    O Assange não é um anjo e muito menos é parvo. Os EUA são um bocado parvos e de anjo não têm nada mesmo nada.
    Andam a arranjar maneira de incriminar o senhor só para o descredibilizar mas não fazem nada que impeça o site wikileaks de lançar mais documentos cá para fora.
    Sabendo nós que a espionagem ainda é o que era, é de estranhar que uma pessoa tão perigosa como o Assange ainda respire. Se fosse tudo realmente como pintam há muito que já tinha patinado para fora de cena.

    Também não me parece que o Assange, neste momento, tenha algum poder dentro da Wikileaks ou esteja a tomar quaisquer decisões.

    Concordo, apesar de tudo, que devem ser desmascaradas diversas operações levadas a cabo por esse mundo fora. Talvez assim se explique muita coisa que vai mal neste mundo e realmente se comece a fazer alguma coisa.

    No fundo, concordo com o site na parte de revelar documentação dita secreta porque sei que não vão ser parvinhos de por a segurança mundial em check com alguma coisa que haja escrita naqueles papéis.
    Mas que gostava de saber o que é que há lá... ai isso gostava :D

    ResponderEliminar
  13. Acredito que sim, mas pouquíssimas.
    A maioria tem entranhada a "cultura" da superioridade bacoca...

    ResponderEliminar
  14. A minha curiosidade sobre correios diplomáticos é limitada, FAUSTO! Mesmo que contenham documentos secretos que abalem muito a supremacia dos EUA. Mas se o crápula de um comentador televisivo defende na TV que o homem deve ser abatido a tiro (e não era o único), é sinal que de democrata só tem um finíssimo verniz...

    Quanto ao homem, é óbvio que o andam a tentar tramar, até com questões que não têm nada a ver! E suponho que talvez até já o tivessem feito (a tiro ou de outra maneira qualquer) se tivessem a certeza que a Wikileaks acabava com a sua prisão ou morte. E isso parece-me que eles já perceberam que não acontecerá, que ele não trabalha sozinho... :D

    É esperar para ver! Mesmo assim tenho achado piada à aflição de todos e a "impávida" negação de alguns sobre a veracidade dos ditos documentos. Se fosse um chorrilho de mentiras não andavam todos tão aflitos, só ainda não percebi como é que o Cavaco se vai vingar de lhe chamarem vingativo, ahahah! =))

    ResponderEliminar
  15. OH, REIZÃO, lá como cá o povo é conduzido como rebanho! E se desde pequenino ouvires dizer que os EUA são os maiores e melhores, que és um deles, e ainda cantares o hino nacional diariamente na escola, é normal que muitos tenham essa "mania" da superioridade, bacoca como bem referes.
    Alguém consegue escapar a isso? Só poucos, evidentemente! ;)

    ResponderEliminar
  16. o que é extraordinário é dizerem que a culpa é deste totó e não dos próprios EUA que não souberam guardar, como qualquer Estado em condições faz, as suas próprias informações... enfim, mais democracia à americana.

    ResponderEliminar
  17. Por acaso não considero o homem um totó, MOYLITO, e até espero que ainda tenha muitas mais histórias para divulgar, dos EUA e não só! À pala da diplomacia e dos "segredos de Estado", os governantes mundiais usam a população como carne para canhão!

    Mas concordo contigo, a democracia americana (e não só) deixa muito a desejar... 8-o

    ResponderEliminar
  18. Anónimo12/21/2011

    Nos EUA a “liberdade de expressão e manifestação”, permanecem até o momento - desde que - não fiquem afetando os interesses dos poderosos do capital; mas, em qualquer momento quando as autoridades e os órgãos que constituem a organização política estadunidense, entenderem que os interesses dos poderosos, estejam sendo prejudicados pelos atos públicos e coletivos de sentimentos e opiniões - então vem por parte da organização politica a repreensão e admoestação com violência, e essas manifestações serão consideradas “ilegais” e “abusivas” e podem ser impedidas, perseguidas, dispersadas ou reprimidas.

    ResponderEliminar
  19. ANÓNIMO, logo, trata-se de uma democracia muito subjectiva, para não dizer com grandes falhas e lacunas... ;)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)