quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O PIANO

Andava em busca de um filme que toda a gente me aconselhou a ver, até que alguém me emprestou "O Piano", que não sendo exactamente o que procurava também me escapou na época.
Em meados do século XIX, a família de Ada McGrath - uma mulher muda, com uma filha de 9 anos - contrata o seu casamento com um fazendeiro neo-zelandês. Apesar de muda a mulher não se considera silenciosa, pois transmite os seus sentimentos através de um piano. Após uma longa viagem, ela, a filha, o piano e demais bagagem encontram-se numa praia solitária, onde o marido que nunca viu a deveria ir buscar, o que só acontece depois de passaram a noite ao relento. Stewart chega na manhã seguinte, acompanhado por vários carregadores de tribos locais, que assustam Ada com a sua curiosidade e modos desabridos. Para colmatar, dada a dificuldade de transporte pelos lamaçais que os conduzirão a casa, o fazendeiro resolve deixar o piano na praia, como carga supérflua, apesar dos protestos gestuais e escritos da mulher.
A história terminaria por aqui se, assim que o marido se ausentou, ela e a filha não fossem procurar o vizinho Baines, que os guiou da praia a casa, para as levar de volta ao instrumento abandonado. A alegria de ambas quando tocam e dançam ao som da música cativa o homem analfabeto e rude, que posteriormente propõe a Stewart ficar com o piano, em troca de umas terras. Desde que Ada lhe dê lições, o que o fazendeiro aceita com satisfação, apesar de novamente contrariar a vontade da mulher.
Se de início a acção lenta não augura grande interesse - solidão, chuva e lama só contribuem para uma certa nostalgia, não tão distantes assim das janelas de quase todos nós - o ritmo vai entrando em crescendo como numa peça musical, onde perpassa o desejo, o sexo, o romantismo ou até a fúria e a violência, o que torna o filme da neo-zelandesa Jane Campion (que também escreveu o argumento, o que lhe valeu o Oscar  de melhor original, em 1993) simplesmente inesquecível .
Por seu turno, Holly Hunter e Anna Paquin também ganharam os Oscars nesse ano (respectivamente para melhor actriz principal e secundária), sendo que os desempenhos de Harvey Keitel e Sam Neill são igualmente memoráveis. Espreitem o trailer aqui

Imagem de cena do filme da net.

18 comentários:

  1. Vi o filme só por uma vez e já foi há algum tempo. Este remake fez-me recordar certas passagens do filme.

    ResponderEliminar
  2. o instrumento, quando deixou de estar abandonado, abanou a cauda? ~xc

    ResponderEliminar
  3. Lindo, lindo, lindo! Mesmo, mesmo maravilhoso! :) E sim também concordo que o início é lento e não chama muito, mas ainda bem que não desisti e vi-o até ao fim. ;)

    ResponderEliminar
  4. Uma das minhas melhores amigas convidou-me para ir ao meu cinema preferido ( que infelizmente já fechou) ver O PIANO. A lotação estava esgotada, e 90% eram mulheres. Quando vi a sala cheia de mulheres fiquei horrorizada, e pensei logo que o filme ía a ser uma seca.
    Afinal, puro preconceito!!!
    O filme é uma obra prima: as paisagens, os actores, a música, a história — tudo de 1ª água — e então, o "Popo" do Harvey Keitel é de um erotismo sem limites.
    Também eu queria recuperar o meu piano tecla a tecla submetendo-me às suas fantasias...

    ResponderEliminar
  5. Também o Piano me passou ao lado. Sei, no entanto, que as suas teclas esperam que as dedilhe um dia.
    Beijinho Tété e FELIZ NATAL

    ResponderEliminar
  6. Para ser sincera, PAULOFSKI, já tanta gente tinha elogiado o filme, que quando começa naquele ritmo lento até duvidei se não o teria confundido com outro... ;)

    ResponderEliminar
  7. Não será o filme da minha vida, VANI, mas também gostei... :)

    ResponderEliminar
  8. Aquele piano não tinha cauda, coitado, VÍCIO! :))

    ResponderEliminar
  9. Pois, estava a ver que ia adormecer no sofá, frente à TV e ao radiador, TONS DE AZUL, com a musiquinha a embalar! Mas depois acelerou o ritmo e também gostei! :)

    ResponderEliminar
  10. Por acaso não me admira muito que tenha tido mais espectadoras femininas, EMATEJOCA! Não tanto pelo erotismo de Keitel, mas pela sensibilidade que perpassa ao longo de múltiplas cenas. (aqui o filhote desistiu logo ao fim de 15 minutos ou coisa...) ;;)

    ResponderEliminar
  11. Suponho que são teclas que gostarás de dedilhar, KIM!

    Beijinhos e FELIZ NATAL também para ti! :D

    ResponderEliminar
  12. Vi este filme quando saiu e achei na altura uma seca......mas anos mais tarde voltei a ver e aí achei que na verdade não era tão seca assim....

    Beijokitas e Bom Natal

    ResponderEliminar
  13. De princípio também achei uma seca, PARISIENSE, já estava quase a adormecer frente à TV (o filhote já tinha desistido de ver, ao fim de 15 minutos ou coisa), mas de repente começou a fazer sentido e a ganhar ritmo, acabei por me comover com a história... ;)

    Beijokitas e Bom Natal para ti também!

    ResponderEliminar
  14. Eu vi há muito, muito tempo. E retenho o ter gostado muito na altura. Lembro-me vagamente da história, mas vou recordando essencialmente a banda sonora, que em boa altura comprei o CD. É linda, claro. Um pouco repetitiva, mas para quem gosta do piano em toda a sua simplicidade (e não martelado jazzisticamente, argh argh argh) são momentos de puro deleite.
    Beijinhos e deixo já votos de Bom Ano, que a avaliar pelo Natal arrisco-me a não ter oportunidade mais tarde :)

    ResponderEliminar
  15. SAFIRITA, gosto de piano tanto em jazz, como na sua forma mais simples. Mas convenhamos que o início muito parado, mais o piano, estendida no sofá com uma mantinha e o radiador apontado, estava a ver que adormecia... :D

    Vale que depois ganhou mais ritmo!

    Beijocas e Bom Ano para ti! :)

    ResponderEliminar
  16. já ando há que tempos para ver este filme e a partir de agora agora vai demorar bem menos. a tua descrição é fixolas e despertou-me a curiosidade :)

    ResponderEliminar
  17. O meu filho não passou dos primeiros 15 ou 20 minutos de filme, entediado, MOYLITO! Mas depois a história dá uma volta... ;)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)