sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O NATAL DA TIA

Fotografia de Ian Britton

Apertou o blusão de cabedal preto e saiu do apartamento. Chovia. Na noite escura e mal iluminada por candeeiros de luz tremeluzente, a figura alta, esguia e vestida de negro de Luisa confundia-se com as sombras. Ao entrar no carro, pousou no banco do pendura o enorme saco que transportava na mão. Não se via vivalma na rua, mas à medida que foi avançando para o centro, a cidade ganhou cor com as lâmpadas coloridas que ornamentavam árvores e postes com os enfeites natalícios. O movimento era praticamente nulo, conduzia lenta e tranquilamente na direcção da casa da tia Magui, relembrando aquela primeira consoada, mesmo decorrida mais de uma década.
Tinha então 14 anos e mal conhecia a tia, que encontrara apenas esporadicamente em criança. Nesse ano, os pais tinham viajado em negócios para Nova Iorque e por lá tinham ficado, para evitar idas e vindas inúteis de avião. Sentia-se acabrunhada, não porque sentisse a falta deles – aliás, nunca celebravam o Natal conjuntamente, nem participava nas faustosas recepções que a mãe promovia, primeiro porque era pequenina, depois porque ia atrapalhar com as suas infantilidades, por último porque era desengonçada – mas porque preferia ter ficado sozinha no seu quarto, como de costume. “Mais vale só...”, repetia para si própria! Comemorar o quê?
Assim, quando Magui abriu a porta encontrou uma adolescente espigada e de cenho franzido, vestida de negro dos pés à cabeça, como se fosse uma carpideira em dia de funeral. Exibindo um sorriso, abraçara-a com emoção: “Há quanto tempo, Luisinha?!” O espanto da rapariga tornou-se evidente, não a reconhecia naquela mulher de aparência tão jovem, mais baixa e roliça do que recordava, envergando uma espécie de sari multicolor, com o cabelo liso e castanho a escorregar-lhe pelas costas. O seu casaco foi prontamente pendurado num bengaleiro sobrecarregado, enquanto era conduzida à sala onde se encontravam outros desconhecidos, que riam e conversavam como se se conhecessem há milénios. Consternada e arrastada pela tia entre os convivas, onde não faltava um gato listado que passarinhava entre todas as pernas, as apresentações sucediam-se, de passagem: “É a Isabel, a vizinha do lado, o primo Zé, a minha amiga Gracinda...” enquanto repetia “é a Luisinha!”. Ela acenava com a cabeça, meio tonta, com a certeza que não se lembraria de nenhum nome, tentando sorrir, vagamente ciente do contraste entre as duas irmãs.
No palacete raramente se ouviam vozes mais elevadas, mesmo em dias de festa - uma eventual casquinada de conveniência, de bom tom. A mãe tinha uma voz de gelo, metálica, mas quase inaudível, mesmo a tratar com a criadagem: “Maria, faça a mala e vá-se embora. Já!” Ou quando se dirigira a ela, ainda há poucos meses: “Uma vez que a menina não tem a mínima noção de cor, faça-me o favor de se vestir sempre de preto, sem ofender o bom gosto de ninguém!” Muito menos qualquer daqueles indivíduos seria convidado a pisar o hall de granito cinza, nem seria a mãe a cozinhar aquele jantar simples mas apetitoso - no cardápio dela só constavam receitas sofisticadas com pomposos títulos afrancesados. Quase conseguia vislumbrar o seu ar de horror e o comentário viperino que se seguiria, na sua voz gélida: “Que fauna... digna de um Zoo!”
À meia-noite, Magui sentou-se no chão junto ao galho prateado que fazia as vezes de árvore de Natal e começou a distribuir os embrulhos que se encontravam debaixo, enquanto chamava um por um todos os presentes, que os abriam com alegria e agradeciam simpaticamente, mesmo desconhecendo o dador. Luisinha ultrapassou o tédio de receber mais uma Barbie de colecção (longe de alguma vez ter brincado com bonecas), mas rebuçados, bombons, bolachinhas e compotas não faltaram, a par de um quadro, um livro e uma camisola de malha vermelha, sem referir as pegas de cozinha em crochet que couberam a todos, supostamente da lavra da vizinha velhota. Só regressou ao palacete vazio no dia seguinte, carregando consigo esses “tesouros”, mas o que guardou na memória foi o Natal mais feliz de sempre!
Agora, tanto tempo volvido, sabia onde a magia do Natal acontecia e onde nunca deixara de voltar. Ao tocar a campainha, o sorriso alegre de Magui já não a surpreendia, nem que a chamasse de Luisinha e o abraço foi inteiramente correspondido. Após pousar o saco no chão, despiu o blusão preto e, exibindo uma camisola vermelha, retirou do bolso um barrete condizente, que pendurou no cocuruto, declarando: “Este ano, o Pai Natal sou eu!” E riram-se ambas, enquanto entravam na sala de braço dado, onde os amigos de sempre as aguardavam...

Foi com este conto que participei no desafio/concurso da Licas, que conseguiu angariar 10 participantes, e que obteve um brilhante 7º lugar. Brilhante?! Sim! Não votei em mim própria, nem pedi a ninguém para o fazer, ahahah!

BOM FIM DE SEMANA PARA TODOS!!!

20 comentários:

  1. Então vou ter de ler os outros, porque gostei imenso deste, Teté! :)

    ResponderEliminar
  2. O teu conto estava na minha lista e votei uns 20 minutos antes de a Licas encerrar a votação, porque já estava com dúvidas da minha decisão.

    Este arrependidíssima de ter votado nos dois primeiros contos, pois esses concorrentes votaram com 10 pontos no conto que eles próprios escreveram, o que acho muito incorrecto — e sem necessidade, porque ambos os contos já tinha imensos pontos e estão, na verdade, muito bem escritos.

    Eu fiquei em último lugar com ZERO PONTOS, mas orgulhosa por não ter votado em mim própria, e ter proíbido os meus amigos e familiares no Porto de o fazerem, pois era só por amizade e não por gostarem do que eu escrevi, disso tenho a certeza!!!

    Bem — o concurso da LICAS foi um sucesso e esta tradição tem de continuar...

    Saudações glaciais de Düsseldorf!

    ResponderEliminar
  3. Ahhh sim, pois então os outros mereciam um desconto na pontuação. Tens razão o teu conto é brilhante. Parabéns. x)

    ResponderEliminar
  4. Pois eu gostei bastante deste conto de Natal Teté. Sempre associamos os contos de Natal e reis magos, Pais-Natal e estrelinhas. O teu foi diferente, contemporâneo e interessante. Gostei especialmente da caracterização que fizeste da mãe Luisa de tão palpável que era. Impressionante como em poucas frases nos conseguiste caracterizar uma personagem sem ser de uma forma directa. Adoro uma boa história e esta é uma boa história. Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Está um frio de rachar?

    Who Cares?

    Afinal de contas, é fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  6. Na verdade, SUN, havia um conto (o que ganhou) muito superior a todos os restantes... na minha opinião! :)

    E há outros bastante razoáveis, embora alguns a puxar para a lamechice! ;)

    Coloquei aqui o meu, tal como faço sempre que participo em concursos/desafios deste género, não para me queixar da classificação. Embora continue a achar pouco ético que cada um vote no seu com a pontuação máxima (ou mínima que fosse), tal como fizeram 3 dos participantes... :))

    ResponderEliminar
  7. Pois eu não me arrependo de votar como votei, EMATEJOCA. E continuo a achar que o conto que venceu se destaca imenso de todos os outros, merecia ganhar. Mas estou como tu - não havia necessidade de votarem em si próprios, continuo a achar que só lhes fica mal. Ao que ganhou e às outras, obviamente.

    Ah, se tivesse posto no Facebook (ou até aqui), também não iam faltar amigos a ir lá votar. Mesmo sem ler...
    Mas, na verdade, qual é o gozo de ganhar assim? Não gosto dessas "batotas", nem a feijões. :D

    Mas enfim, deu-me gozo participar e isso é que é o mais importante. E se para o ano houver mais lá estarei, desde que a Licas clarifique lá nas regras esse pomo de "discórdia" - para um lado ou para o outro, evidentemente!;;)

    Com ou sem frio de rachar, um óptimo fim de semana para ti!

    ResponderEliminar
  8. Ná, o meu conto não é brilhante, PAULOFSKI. A classificação é que foi, com cada um a "puxar a brasa à sua sardinha" (enfim, não foram todos, mas alguns)... =))

    ResponderEliminar
  9. Pois, o difícil mesmo é ser sintético, PSIMENTO, que o conto não podia exceder uma pagina A4. Que, como sempre, excedi e depois foi cortar, sem perder o fio à meada... :)

    Obrigada e beijocas!

    ResponderEliminar
  10. O prémio está bem entregue.
    Da votação, fica-me a mesma vontade de dizer não à votação do próprio no próprio.
    Beijinho Tété

    ResponderEliminar
  11. Já tinha lido na Licas e gostei muito do seu conto, devo dizer. Não votei, porque só hoje tive tempo de os ler todos com tempo.

    ResponderEliminar
  12. Claro que está, KIM! Nem nunca me passou pela cabeça contestar que há contos melhores que o meu, neste ou em qualquer outro concurso. Não tenho vaidades ou veleidades dessas... :)

    Agora votar em mim própria, nem sequer me passou pela cabeça! Enfim, são opiniões... 8-o

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  13. Obrigada, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA. Pena não ter concorrido também... :)

    ResponderEliminar
  14. Minha amiga

    Um xi do tamanho do Mundo. O Natal está chegando e a crise

    está atrás da porta do 2011.



    ResponderEliminar
  15. Minha amiga


    Um xi do tamanho do Mundo. O Natal está chegando e a crise espera-nos atrás da porta do 2011

    ResponderEliminar
  16. Está mesmo, ZÉ DO CANITO! :D

    Um xi grande também para ti, em duplicado! :))

    ResponderEliminar
  17. Não sabia de votação nenhuma mas foi com grande alegria que li o conto.
    Gostei mesmo muito!
    Estás de parabéns miúda ;)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  18. Não sabias porque não contei a ninguém, FAUSTO, nem aqui, nem no FB! :D

    Obrigada, miúdo!

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  19. no papel da mãe a glenn close; no papel de luísa, a anne hathaway e, no papel de magui, Judi Dench :D

    ResponderEliminar
  20. Eheheh, com uma historieta uma bom bocado mais burilada, MOYLITO! :))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)