quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

REGRESSO À ESCOLA?!

Não contava com esta! Pela milionésima vez sou chamada à escola do filhote, para mais uma reunião com a Directora de Turma. Porque tem faltas de atraso e outras injustificadas, dado andar "assoberbado" como Presidente da Associação de Estudantes...

Nenhum de nós concordou que ele se candidatasse, mas aos 17 anos ele não liga muito ao que os pais dizem! Que era fácil, punha a equipa a trabalhar (muitos deles, amigos desde a primária!), não tinha de fazer quase nada. Mas desde arbitrar o jogo de futebol escolar, até desencravar a máquina de matrecos, tem-lhe tocado quase tudo, como era previsível. Escusado será dizer que as notas também desceram vertiginosamente! No 12º ano, quando estes desvarios podem ser pagos por não conseguir médias para entrar na Faculdade.

Imagino que ninguém ama mais ou menos os próprios filhos por terem melhores ou piores notas! E até aprecio que ele seja interessado, que participe na vida escolar. Mas ao ponto de se prejudicar? E agora, quando está quase a atingir a maioridade, sou eu que tenho de voltar à escola, para levar a "rabecada" da professora? Nem entendo o que é que ela me possa explicar, que mude a situação...



Imagem da net, da Banda Desenhada "Peanuts", de Charles Schulz.

26 comentários:

  1. Filhos criados, trabalhos dobrados.....já diz o velho ditado.

    Nessa idade o importante é participar e estar disponivel para os amigos e colegas....não propriamente pensar em médias, digo eu.

    Já passei por lá, agora os meus um já saiu da faculdade, outro já lá está á 2 anos, mas também ficou mais um aninho no 12º.

    Vai com calma que a vida é demasiadamente curta.
    E a meu ver tirando fazer o teu papel de mãe (rabugenta, que não entende, que refila)nada mais poderás fazer.

    Faz simplesmente o teu papel de mãe.

    Beijokitas

    ResponderEliminar
  2. no secundário, pais e professores já não podem fazer grande coisa :( ou querem ou não querem :D

    ResponderEliminar
  3. Ah, obrigada, PARISIENSE! Os filhotes parecem todos tão fantásticos nos blogs alheios e não só, que chego a duvidar se fui eu que o eduquei mal... :b

    Beijokitas, amiga!

    ResponderEliminar
  4. Ah pois, tetuska ahahah! É quando eles se tornam independentes que as preocupações e trabalhos sãso a duplicar eheheheh, quer dizer, pelo menos acho que dou mais trabalho aos meus pais, agora, do que antes ahahaha :D

    Concordo que se á para prejudicar a sua entrada numa universidade, a associação de estudantes só atrapalha...

    Oh, a profe não deve querer dar-te rabecada nenhuma, onde é q já se viu? :D. Provavelmente está preocupada com o teu filhote e prefere falar contigo antes de agir, penso eu.

    No meu meio é muito raro mandar chamar os pais, mas já me aconteceu por duas vezes...numa, o rapaz ficou-me catatónico no meio de uma aula (lá tivermos de chamar quem o viesse buscar). Noutra, uma miudita convenceu-se q estava possuida por nao sei que e teve uma quebra de tensão tal que ficou branca que nem cal. Lá veio dali coordenadora, directora, bombeiros, mãe e tia. Chamei tudo! :D Claro está que já não houve mais aulas nesse dia...

    Agora só lido com adultos, não preciso de mandar chamar os pais...o segurança, quando o há, quanto muito, lolololol! Brincadeira, nunca tive problemas que o justificassem. :y

    Boa reunião :)

    ResponderEliminar
  5. Não sou mãe, e sempre contei com a minha para tudo, eheheh, nunca fui muito de esconder coisas...se tinha revoltas, era sempre pela frente e fazia questão que soubessem que estava do contra ahahaha. :D

    Mas, a única coisa que podes fazer é ser mãe, sim :) Estar disponível. O teu rebento gosta de arregaçar as mangas :) e compreendo que é aliciante ser-se responsável por colocar algo em funcionamento, e muito mais apelativo do que estar sentado numa sala...

    Acaba por ser bom, sabes, porque ele irá aprender a organizar-se e a ser polivalente e dinâmico. Tem é de saber organizar as prioridades e não deixar atrasar uma coisa por causa de outra. Terá de tomar consciencia que o futuro dele depende das notas e que nao pode deixá-las baixar assim. É dificil conciliar tudo? ó pois é, e nós não sabemos? :D é um stress? ó pois é! Mas, vive-se e aprende-se! :) Se quer acumular responsabilidades, tem de saber geri-las e, sendo filho de quem é, isto é só um revés temporário :)
    Se não fossem os revezes, não aprendiamos e não evoluiamos, ne?

    Claro que a minha perspectiva é a de filha e formadora eheheh.

    ResponderEliminar
  6. Mas então, MOYLITO, porque é que me chamam à escola? Para dizer que a culpa é minha?! :-w

    Caraças, vai fazer 18 anos daqui a dois meses, já não lhe mudo as fraldas...

    Até agora tem sido um aluno razoável/bom, sem médias fantásticas, mas escapa-me esta saída! Duvido que alguma vez vá entender, fossos geracionais dão nisto... ;)

    ResponderEliminar
  7. Teté.
    E vai à escola sem bata ou com ela? Levas a sacola? Acho que isso acontece a todos. Também fui lá varias vezes, porque o mais novo ninguém lhe passava a perna. De vez enquanto andava à "bordoada". Antes de lá ir (Já sabia porquê) perguntava-lhe. Então quem foi desta vez? Lá tenho que pagar uns óculos, não? Resposta:- Então tirei-lhos antes.
    Depois assentou e agora é um Senhor. O teu também vai ser assim. Ao menos por agora, é campeão de matraquilhos.

    Jinhos, querida amiga.

    ResponderEliminar
  8. Adorei ouvir o Carlos do Carmo, devidamente ilustrado.
    MARAVILHA.

    do zé

    ResponderEliminar
  9. esta juventude não tem mesmo emenda!
    comigo nada disso acontecia! nem as faltas de atraso! alias, atrasos era o meu forte :)]

    ResponderEliminar
  10. Ou o poder associativo está-lhe no sangue ou teremos um político na forja?

    O meu rapaz apenas quer ter as aulas que estão no programa mas também gostaria que os professores fossem mais assíduos. Ou é de mim ou na próxima reunião de pais alguns deles vão "rabear".

    ResponderEliminar
  11. São questões que não devem ser nada fáceis de resolver, realmente. Pelo menos, pode ter um consolo... o seu filho parece demonstarr bastante empenhamento cívico e isso é uma aprendizagem para a vida, da maior importância. Espero que recupere nas notas até final do ano.

    ResponderEliminar
  12. Penso que o melhor e que seja teu filho que te represente diante a professora, não é?

    ResponderEliminar
  13. Calma, ele próprio acaba por se aperceber disso!

    Besito

    ResponderEliminar
  14. É realmente estranho, estas situações ocorrerem com filhos de 17 anos, a não ser que seja por muito "boa intenção" e amizade !
    Há uma questão que ainda hoje me coloco : Qual será a idade em que os filhos nos dão menos preocupações ? Sinceramente não sou capaz de responder.
    Com meses ?... com poucos anos ?... na infância ?... na adolescência ?... quando casam ?... quando a família deles cresce ?... quando já parecem bem lançados na vida ?...
    A resposta é impossível, Teté!
    Simplesmente, essa idade não existe !
    .

    ResponderEliminar
  15. Eh, já passei por alto, os meus já estão formados, mas umas faltas todos tinham, umas birras, só que com o 12 não se pdoe brincar senão, mais um ano cá fora...a Neide abandonou o taekwondo, (foi campeão aos 13 anos, esteve no Ranking nacional, desistiu pois tinha de ir lutar para espanha França, Lisboa, e queria levar os estudos a sério, tem 26 anos feitos o mês passado e defenderá a Tese em Maio...sempre em frente,deixou coisas de que gostava (ela é que sabia, eu deixava-a resolver como quisesse...)
    O teu rapaz tem muita coisa em cima, ele gosta, assim, não tem jeito a stora chamar-te a ti, devia char o rapaz ehhh olha, ias levar o cinto e esbordoá-lo ali? ehhh, coitado..Tem calma, ele chega lá, ele consegue..Um abraço apertadinho da laura

    ResponderEliminar
  16. parece-me que há uma certa pressão para envolver mais os pais. e se, por um lado, é muito justificada e plenamente compreensível - acho mesmo obrigatório que assim seja - por outro lado deve aplicar-se apenas ao básico. mas isto acho eu que não percebo mesmo nada do assunto :)

    que pai é que consegue obrigar um puto de 17 anos a fazer seja o que for na escola? é como digo, em termos escolares, nessas idades, ou os miúdos querem a escola ou não querem... (atenção que eu acho que deviam querer mas parece-me complicado impor seja o que for)

    ResponderEliminar
  17. Onde é que já se viu uma mãe levar "rabecada" à conta do filhote, VANI?! Olha, infelizmente já (ou)vi muitas vezes!!! Ao longo de aaanoooosss!!! Mas quer dizer, agora não estava a contar. Acho que já está crescidinho qb, para serem os profes a falar com ele, né? E tanto quanto percebo eles não chumbam por faltas, quando muito podem ter de fazer uns exames extras (à vontade do professor) ou anular a matrícula da(s) disciplina(s).
    Polivalente, dinâmico e stressado é, falta-lhe a parte da organização... ;)
    Terá de evoluir um bom bocado sim, espero que tenhas razão! :)

    Felizmente, ZÉ DO CANITO, nunca fui chamada à escola por andar à bordoada. Aliás, a 1º vez, foi porque baixou as calças no recreio aos seis anos de idade. Estranhei imenso, porque ele era muito tímido e não me parecia coisa dele, para a professora dizer que toda a rapaziada tinha feito o mesmo! Aí sim, apeteceu-me dar bordoada na professora! :-w
    Curso de matraquilhos tirei eu, quando andava a estudar, ele é mais PlayStations e afins! :))
    Jinhos, amigo!
    ps - e obrigada, que é sempre bom saber que alguns reguilas dão em Senhores... :D

    ResponderEliminar
  18. Faltas só "tout court", VÍCIO?! Mas pronto, quem nunca se baldou às aulas que atire a primeira pedra! Nem me chateava se faltasse de vez em quando, mas para me chamarem à escola, é porque não é exactamente o caso... ;)

    Detestava que ele se virasse para a política, PAULOFSKI, mas temo que seja o caso!
    E sim, professores pouco assíduos também há, no 7º ano teve uma professora de Matemática que só deu um terço das aulas que devia dar, nem imaginas as reuniões de pais em fúria a que assisti. A mulher tinha a mãe doente no hospital, que acabou por morrer! Pronto, coitada da senhora e da mãe! E a partir daí foi melhor? Não! Os alunos ficaram todos "coxos" à disciplina, no 8º ano eram negativas em barda, nem a nova professora podia leccionar dois anos num! Vale que as tias ajudaram o filhote a recuperar... :)

    Já recuperou parte das notas, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, não sei é se vai chegar...
    Claro que gosto do empenhamento cívico (do político nem por isso), a organização é que ainda está por acontecer! ;)

    ResponderEliminar
  19. Cá para mim, CONDADO, ele já está em muito boa idade de se representar a ele próprio... :))

    Espero que sim, BRANQUINHA! :)
    Besitos!

    Absolutamente de acordo, RUI! Pais preocupados somos sempre e cada idade teve (tem e terá) os seus problemas! Não duvido da "boa intenção", mas o que é que a professora quer que eu faça?! Que vá levá-lo à porta da sala de aula a tempo e horas? Pois... :e

    ResponderEliminar
  20. Qual cinto, LAURINHA?! Aos 17 anos (quase 18) já está na boa altura de se disciplinar a ele próprio! O problema passa um bocado por aí, quer fazer tudo, alguma coisa falha de caminho... :)
    Abraço para ti!

    Até aos 12/13 anos acho imprescindível o acompanhamento dos pais, MOYLITO! Aos 14 ou aos 15 ainda admito. Mas a partir dos 16?! Em tempos tive uma explicanda que me dizia: entra a 100 e sai a 200! E era miúda dos seus 12 anos, referindo-se a uma professora. Os sermões e "rabecadas" não valem de muito para os putos, para os pais ainda menos, suponho que só servem a "consciência tranquila" dos profes... C'est ça! ;)

    ResponderEliminar
  21. rabecadas...
    e depois dar um cartolo no catraio quase adulto...

    yayaya

    mãe (e pai) sofre... mas tem que ser

    deve ser as namoradas que o andam a preocupar

    abrazo serrano en paris

    ResponderEliminar
  22. LOOOL, polivalente dinâmica e stressada é uma boa definição minha. E a parte da falta de organização, então, nem se fala!!!! :D :D De certeza que o filhote não se chama Vani? :))

    ResponderEliminar
  23. Claro que vai evoluir :) Crescer é isso mesmo, né? :) Além disso, filho de peixe sabe nadar! :))

    ResponderEliminar
  24. Eh pah, parece-me de muito mau tom dar ralhetes aos pais...quer dizer, há casos em que tal é necessário (por exemplo, uma mãe que telefona constantemente para a filha, sabendo que esta está em aulas e após esta lhe dizer que está a fazer um teste, a mãe mesmo assim não quer desligar...tenham lá paciência, mas ouviu filha e ouviu mãe...), mas casos são casos e o teu parece-me tudo menos um desses...
    Enfim, agora só trabalho nos chamados EFAs :), de formação profissional de adultos, e ali não costuma ser necessário chamar os pais, LOL :)) (se bem que há um ou outro caso que...enfim...). A abordagem com adultos é totalmente diferente...primeiro, não são criancinhas; depois, não são esponjas, não absorvem e aprendem como uma criança ou jovem; depois, não têm problemas de disciplina, mas podem ter de relações inter-pessoais ou comportamentais (se bem que nunca tive problemas dignos de registo). Por fim, detesto que me chamem sra formadora ou sra professora lololol (não sou professora...e formadora soa estranho...), de modo que ali todos nos tratamos pelo nome próprio (com miúdos já não convém...). :y Tudo isto para mostrar que há formas diferentes de lidar com pessoas diferentes, de faixas etárias diferentes e realidades distintas...
    (se bem que me ande a irritar a boca, vinda de camadas ditas superiores, de "onde é que tu tens conhecimentos para dar isso?", como se eu não tivesse um cérebro...)

    ResponderEliminar
  25. Enfim quem regressou à escola fui eu, e deste lado as coisas são beeeem diferentes...e nem por isso mais fáceis...lol...

    Já deves ter reparado que estou mais a tentar organizar a minha cabeça que outra coisa :)) É dificil trabalhar numa
    área que poucos se dão ao trabalho de tentar conhecer, mas que muitos maldizem logo à partida...

    ResponderEliminar
  26. Não me parece que vá lá à carolada, MIXTU! O que o preocupa não sei, sei que não foram as aulas do primeiro período, este ainda está para ver... ;)
    Abrazo citadino em Lisboa!

    Não, não se chama, VANI! :D
    Crescer é isso mesmo, todos sabemos que o processo de aprendizagem é longo! :h
    Pois, também me parece que é muito diferente dar aulas/formação a jovens ou a adultos! Mas não ligues a essa gente que te faz essas perguntas tolas. Quem teria sido o primeiro professor, se não teve quem o ensinou? Uns fizeram da sua experiência a mestria para ensinar, os seus alunos ensinaram outros e por aí fora. Ah, tinhas de ter tido a "papinha" toda feita para poder ensinar? Nem tu, nem ninguém! E atenção que isto é diferente do que pertencer àquele grupo de pessoas, que sem saberem exercer uma profissão, aceitam um cargo, com a desculpa que é "um grande desafio pessoal" (que normalmente só quer dizer que tiveram uma cunha para entrar numa panelinha qualquer)!
    Tenho a certeza que te vais sair bem, amiga! :)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)