quinta-feira, 5 de março de 2009

VENTANIAS...

Fotografia de Ian Britton

Vai para aqui uma ventania que até assobia, como não me lembrava de ouvir desde os tempos em que ia passar férias com os meus avós, que viviam numa casa praticamente isolada de vizinhança, na encosta de um monte. Onde os cães uivavam em sintonia e, até adormecer, as forças da natureza pareciam conspirar para uma sensação de abandono ou de total solidão...

Ultrapassando essa memória quase poética, a ventania foi tal, que metade do meu cabelo voou! Quer dizer... mais ou menos... que foi a cabeleireira que o cortou e madeixou. Ora desde tempos imemoriais que tenho aversão a cabelos curtos - lá para os idos 13 anos cortei-o "à rapaz", com a minha mãe a insistir que me ficava muito bem, mas o Figaro lá do bairro não acertou com a tesoura, o cabelito ficou curtinho, mas com uma grande popa em cima, facto que contribuíu para ser envergonhada durante algum tempo (algumas mães lembram-se de cada uma) - de modo que o corte não foi radical e até é confortável.

O madeixanço já foi outra conversa! Não nasci loira, mas dá jeito para esconder os brancos, enquanto são só alguns. Para azarito meu, a cabeleireira que me costuma fazer as nuances está de baixa de parto (bom para ela certamente, que andou anos a fio em tratamentos de fertilidade sem conseguir engravidar e agora vai ter gémeos) e a esta só expliquei que queria dois tons - um mais loiro, outro mais acobreado, que se notassem na base do castanho (ainda) muito escuro. Durante o processo, a dona lá do estaminé fartava-se elogiar, "ai, está lindo, lindo, nota-se bem o contraste!" e eu a ver que não se notava nada e a pensar "o que tu queres, sei eu!". Quer dizer, as loiras sim, as acobreadas só de lupa!!! A mulher que as fez lá se saíu a dizer que da próxima vez (qual próxima?) faz umas laranjas (ui, que aí a cena até fervia!) e a outra a tomar-me por madeixada burra: "ponha os óculos e veja lá bem, dona Teté, como se nota muito bem!". No final pus os óculos e, com o nariz colado ao espelho, lá consegui verificar que algumas exibiam uns dois tons de castanho abaixo do original, mas onde é que isso é acobreado??? Nem estava (ou estou) especialmente chateada, mas embirro quando me querem fazer crer o que não existe! "Santa paciência, mas não dá para reparar em nenhum contraste", rematei, com um sorriso. Lá me prometeram mais umas "pratas" para a próxima sessão, mas o mais certo é passar! Até a parturiente sair da baixa...

Não estando de baixa, aliás, mais em alta, o tempo tem sido curto para blogosferar, mailar, etc. e tal. Já referi que por aqui tem sido um sempre em festa? E organizar também dá uma enorme trabalheira... O ritmo normal segue dentro de momentos!

33 comentários:

  1. Tenho um tio que é careca e que quando nós eramos pequenitas dizia para cobrirmos a cabeça em dias de vento porque ficou careca num dia de ventania muito forte....hihihiih
    E estás a ver toda a pequenada a segurar o cabelo em dia de vento....

    POis eu estou cehia de trabalho e tambem não tenho tido grande tempo para andar aqui como gostaria.....mas faço o que posso.

    Beijokitas

    ResponderEliminar
  2. A partir de que idade nos tornamos loiras? É que estou a chegar aos quarenta e talvez seja a hora e não saiba lol

    ResponderEliminar
  3. Essa da ventania do teu tio não é nova, PARISIENSE, mas facto é que estava ontem de tal maneira que, para além do assobio, parecia trovoada! :)
    Também faço o que posso...
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  4. Olha, TERESA DURÃES, não me parece que tenha idade...

    Mas para disfarçar os poucos brancos dá um jeitaço, basta ires olhando o espelho... :D

    ResponderEliminar
  5. Toca de cortar o cabelo à Paulo Vento!

    ResponderEliminar
  6. da proxima vez talvez seja melhor emprestares os oculos à senhora!

    tiveste sorte! imagina tu que em vez de uma popa te deixassem com uma proa...

    ResponderEliminar
  7. Ui, isso é que não, REIZÃO! :D

    ResponderEliminar
  8. Ná, VÍCIO, ela só pretendia fazer-me de parva!

    E "proas" acho que nunca tive, que a popa serviu-me de lição... :)

    ResponderEliminar
  9. Teresa Durães,
    A idade ideal para ficar loira é a partir dos 40....dá tanto jeito a gente dar uma de loira a partir dessa idade....ahahahhahha

    Eu sou desde pequenita, mas que dá jeito lá isso dá.....hihihih

    Beijokitas as duas.

    ResponderEliminar
  10. Avisa quando estiver vento again. Tem-me dado uma trabalheira deixar o cabelo crescer! madeixeca, fiz meia duzia... e branquitos pintaditos, pois então que remédio!

    ResponderEliminar
  11. Cabeleireira é para o cansaço?... Mas deve ser só sensação minha...

    ResponderEliminar
  12. Tete, fazes anos hoje?

    ResponderEliminar
  13. Nunca fiz madeixas :D. Já pintei o cabelo de todos os tons de vermelho e acobreado, e houve um verão em que a minha mae me obrigou a pintá-lo de castanho escuro, porque,segunda ela, eu estava toda às riscas e toda russa... :D tinha madeixas loiras ahahaha, mas do sol me ter queimado o cabelo...bem, melhor, do óleo jonhson com que eu empapava o cabelo, de propósito para o "bronzear" ahahahahah! :D

    ResponderEliminar
  14. cabelinho novo para o aniversário? muito bem:)

    ResponderEliminar
  15. Fiz algumas vezes antes dos 40, PARISIENSE! Mas depois, já não era só pelo gozo de ficar (mais) loiraça... :)
    De qualquer forma, varia de pessoa para pessoa, né, Teresa Durães?
    Beijoquitas a ambas!

    E com tanta ventania é preciso avisar, INÊS? O cabelo não o deixo é encurtar demasiado... :)
    Por enquanto, as madeixitas vão disfarçando os ditos prateados! (eh, eh, eh, mais poético que brancos, né?) :D

    Sim, CONDADO, pode-se dizer que o cabelo (pelo, para ti) fica cansado da cor e muda para branco. Para reverter o processo, a cabeleireira (peluquera) usa umas tintas... (*_*)

    ResponderEliminar
  16. Não, VAN, ainda faltam alguns dias! :D
    Mas deixa estar que depois faço a festa, lanço os foguetes e apanho as canas! :)))
    Ah, ah, ah, consta que os surfistas também fazem isso com o óleo das pranchas!
    Quanto ao cabelito às riscas, conheço uma miúda (quer dizer, já deve ter 25 anos ou coisa) que tinha tantas de tantas cores, tipo hippie, que as próprias cabeleireiras lhe disseram que o melhor era descansar... :D

    Ui, nota-se assim tanto, MOYLITO??? :D

    ResponderEliminar
  17. Ah, então foste mudar de imagem para o grande dia e ficaste na mesma? Repara que no fundo do fundo isso até é bom. (`_^)

    Ventos por aqui já os houve mais fortes neste inverno e noutros.

    ResponderEliminar
  18. Olha, com tanta madeixa, eixa...pois parece-me que com pintas, madeixas, ou lá o que for, és e serás sempre, uma amor! ahh, até rimou...
    Nunca tive madeixas, ams desde os 35 que os pinto, e faço-o em casa, e agora as tintas cada vez são mais fáceis d eusar e menos tmepo...fica mais que barato, comparado aos 30 queos quease, que a cabeleireira leva, só vou cortar e mais nada... Beijinhos.

    ResponderEliminar
  19. AS mulheres e a sua eterna Odisseia com os cabelos. Às vezes penso que terão inveja dos homens por não ficarem carecas...

    Beijo!

    ResponderEliminar
  20. Acho que o ventou levou a Teté para longe...

    Hoje não se "posta" porquê?


    Um excelente fim-de-semana pleno de... saúde!

    :D

    Bj.

    ResponderEliminar
  21. Quando não sei fazer algum trabalho dijo a cliente, não me importo de ficar a perder,mas pelo menos não tenho Tetés para aturar depois, LOOOL!
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  22. Ehhh, e isso tudo levou-me a Luanda, quando uma amiga minha, mas mais velha, era louraça e trabalhava num salão de cabeleireiro, e as cores antigamente não eram de fiar...a pariga pintou o cabelo, mas ficou cinza esverdeado..e por causa disso, as raparigas de outro salão mais abaixo, gozavam-na quando ela passava sozinha e assim; pedia-me que fosse com ela só até depois de passar por lá (vá que elas na sabiam que eu era surda, senão continuavam a cantilena a meterem-se com ela, viam-na acompanhada e calavam-se e iam para dentro...fiz isso tantas vezes, e depois lá pintou o cabelo de novo e ficou loirinho)
    Beijinhos sem vento..

    ResponderEliminar
  23. Ná, SUN, não fiquei na mesma! E se tivesse ficado, era tão lá para o fundo que seria difícil de perceber... (`_^)
    A ventania também acalmou...

    Como nunca pintei, LAURINHA, nem me atrevo a essas experiências. Cortar a franjola e assim já! Depois se ficar mal, queixo-me ao tótio... :)
    Jinhos, nina!

    Oh, oh, RAFEIRITO, já estou cheia de inveja da calvice masculina... :D
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  24. OK, CAPITÃO! Para a próxima falta de postagem lá no teu canto, abro o livro de reclamações... :)))
    Gracias pelos votos de saudinha! :D
    Beijoca!

    Ah, se só tivesses Tetés para aturar, CAPRICCIO, acho que não ficavas mal servida! LOOOOOL!
    Desde que não me tentem atirar areia para os olhos, tudo OK! Quer dizer, laranja, só se fosse maldade... ;)
    Beijinhos!

    LAURINHA, a minha vovó que nunca pintou cabelo nenhum, um dia saíu do cabeleireiro de cabelo lilás, à conta de uma ampola que lhe impingiram para não se sabe o quê! Resultado: simplesmente deixou de ir! E à minha sogra, de vez em quando, também lhe fazem umas "partidas", o que acho de péssimo gosto (ela nem repara, mas a família sim).
    Beijocas, nina!

    ResponderEliminar
  25. Olá Teté

    Por essas mesmas razões passei a confiar as minhas colorações às minhas próprias mãos. Sempre que vinha da cabeleireira trazia tudo menos a cor que tinha escolhido.
    Como já tinha madeixas naturais ruivas é fácil aplicar o tom exacto. E nem mesmo agora contra os conselhos da médica deixo de o pintar, sou vaidosa.

    Mas se me visse uma vez loira e platinada!!! Só visto, de fugir.

    Bom fim de semana, a ventania foi-se.

    Beijinho
    Isabel

    ResponderEliminar
  26. ah! Mas quando vou ao espelho vejo apenas o meu cabelo cheio de brancos (e quando digo cheio...)

    Mas na realidade não me importo nem um pouco. Detesto tinta de cabelo

    ResponderEliminar
  27. A Teté anda atarefada a cozinhar para a grande festa...

    ResponderEliminar
  28. Eu detesto ventanias mas mais ainda que tentem iludir-me no cabeleireiro :S

    ResponderEliminar
  29. PARABÉNS!!!!
    Ainda há bolo????
    :)

    ResponderEliminar
  30. Se os cabelos permaneceram na mesma tonalidade de antes, então ficaram muito bonitos. Não faz muito, me lembro que publicou aqui uma fotografia onde exibia madeixas muito giro.;)
    Mas, compreendo, era o seu aniversário e queria algo diferente. É da natureza feminina.
    Um beijo!

    P.S.:Estive há pouco no blog do Rafeiro e soube que uma bela moçoila, ainda por cima giraça, fazia aniversário. Desejo-lhe felicidades e vida longa para você e toda a sua família.

    ResponderEliminar
  31. Não me atrevo, ISABEL, que tenho pouco jeito para pinturas...
    E vaidade também tenho q.b.!
    No faduncho de vestida de negro e de carrapito no toutiço, ninguém me apanha... :)
    Beijinhos!

    Gosto do madeixame, TERESA DURÃES, enquanto o cabelo está nesta fase de não ser "carne nem peixe"...
    Depois, logo se verá! :D

    Atarefada, sim, REI, mas não a cozinhar! O arroz de pato estava bom... :D

    Pois, LOPESCA, lá vender-me ilusões é que não... :)))

    ResponderEliminar
  32. Obrigada, SUN, e uma grande beijoca para ti também! (*_*)

    Sobrou, ESCARLATE.DUE! És servida? :)
    Obrigada!

    Tens razão, OLIVER, é da natureza feminina querer variar! Ou, pelo menos, na minha também está!
    Obrigada, amigo! (quanto ao Rafeiro e Companhia, mais logo respondo em directo no blogue)
    Beijocas!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)