terça-feira, 19 de julho de 2011

O SENHOR DA CHARNECA

Stephen Whalby tem a estranha mania de passear pela charneca de Vangmoor a horas em que habitualmente não avista vivalma e é num desses passeios madrugadores que encontra o corpo de uma jovem estrangulada, cujo cabelo loiro foi rapado. Alertada a polícia local, esta considera o seu comportamento suspeito, mas para além desse seu gosto de deambular pelo campo nada mais tem a apontar ao homem, que leva um vida pacata e banal junto à sua mulher Lyn e trabalha na empresa da família como estofador.
Contudo, à medida que vamos desfolhando as 163 páginas deste livro de bolso (nada contra, mas onde mais uma vez abundam as letras minúsculas, que dificultam bastante a leitura!), também vamos descobrindo que a aparente normalidade familiar não passa disso mesmo: de aparência! Stephen é completamente obcecado pela charneca, que conhece como ninguém e que, de certo modo, considera como propriedade sua, tendo inclusive uma coluna no jornal local sobre a região. Por seu turno, Lyn, com quem casou há cerca de meia dúzia de anos, não partilha desse seu fascínio e a óbvia indiferença do marido por uma vida sexual activa leva-a a envolver-se com um jovem veterinário. Mas esses não são os únicos segredos que o casal e quase todas as restantes personagens ocultam...
Mais descritivo do que o habitual, só não entendi o "mapa" da charneca nas páginas iniciais - no meu caso, não atrasou nem adiantou para a compreensão do livro. As descrições das paisagens desérticas, inóspitas e pantanosas assemelham-se vagamente à solidão que reina entre a população das três vilas, sem grandes perspectivas de um futuro mais sorridente. Mas serão todos potenciais assassinos?
Como sempre, a escritora brinda-nos com um final inimaginável, depois de várias "cambalhotas" no enredo, a apontar em várias direcções. Bom, para todos os amantes de policiais! (embora longe de alcançar os meus preferidos, da mesma autora...)
.

12 comentários:

  1. o livro não diz que animal é que Lyn adoptou para poder visitar o veterinário?

    ResponderEliminar
  2. Se tiver um mordomo é ele o assassino :p

    Por gostar muito de policiais, ainda mais com finais surpreendentes, fizeste-me vasculhar os milhentos livros que tenho à procura de um desta autora, que eu jurava que tinha pelo menos um...não tenho nem uma página :(

    Mas já anotei e tenho que comprar...já tenho uma lista enorme e agora cada vez que estou numa livraria lembro de ti ;)

    Beijinho :)

    *Vício =))

    ResponderEliminar
  3. Nada li desta autora. Este livro, em particular, embora belíssima a tua sinopse não me cativou. Livros policiais é coisa que leio pouco.:)
    beijoquinhas

    ResponderEliminar
  4. Anónimo7/19/2011

    Já devorei policiais, mas há muito tempo que não leio nenhum, porque o tempo não dá para tudo.
    CBO

    ResponderEliminar
  5. Como é que adivinhaste que o primeiro encontro se deu devido a um bichano que ela adoptou, VÍCIO?! :))

    ResponderEliminar
  6. Não, por acaso neste não havia mordomo, logo faltava um suspeito essencial, MARIA! :D

    Estes livrecos de bolso comprei-os todos na Feira do Livro deste ano, por 2,49€, o que não deixa de ser uma pechincha. Pena que custem tanto a ler, por terem umas letrinhas tão minúsculas... :h

    Eheheh, mas olha que tento entrar o mínimo possível em livrarias, porque normalmente não resisto à tentação e, tal como tu, tenho bastantes livros em fila de espera a aguardar leitura! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  7. Sei que o género policial não é do agrado de todos, NINA, mas pessoalmente deliro! :))

    Note-se que gosto de escrever sobre os livros que leio e filmes que vejo (e bem sei que muitos não têm grande interesse nesses temas), mas a ideia não é impingir ou influenciar as pessoas a ler ou ver aquele livro ou filme específico - são meras opiniões. Que me permitem no final do ano fazer um balanço do que mais gostei nessas áreas! :D

    Beijoquinhas!

    ResponderEliminar
  8. Claro que entendo, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, mas pessoalmente prefiro a ficção. Ler por prazer passa por aí... :))

    ResponderEliminar
  9. eu sou muito empirista :g =))

    ResponderEliminar
  10. estão-me a dizer, que viu por cima do meu ombro a capa do livro, que é bom. já fica registado ;)

    ResponderEliminar
  11. Empirista puro é a tua cara, VÌCIO! :D

    ResponderEliminar
  12. Sou suspeita, MOYLITO, que considero Ruth Rendell uma das melhores escritoras de policiais... :))

    Mesmo assim, este não é dos meus preferidos, embora tenha a sua "marca" bem patente! ;)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)