quarta-feira, 18 de agosto de 2010

POSTAL PARA AS "CRÓNICAS DO ROCHEDO"

Olá, Carlos!

Tal como prometido, aqui segue o postal para as "Crónicas do Rochedo". Lembrança destas, mas sobretudo de outras férias, em que o destino era o Algarve. Em criança raramente aqui vim - o meu pai tinha apenas 8 dias de férias por ano, portanto íamos visitar a minha avó paterna a Vila Praia de Âncora, o que era sempre uma incógnita sobre se chovia ou fazia sol... nevoeiro pela manhã era quase certo, com a sirene a buzinar bem cedo, para guiar os pescadores até à praia da lota, onde vendiam o pescado. Felizmente passou a ter mais dias de férias e começaram a ser repartidas entre o Minho e o Algarve.

Teria 13 anos (e a minha irmã 12) quando finalmente conhecemos as belas praias algarvias da zona de Albufeira, com aquele mar calmo de águas calientes. Passávamos o dia inteiro na praia, por vezes até jantávamos por lá! Foi o que valeu, já que o meu pai tinha alugado uma casa de pescador, que era apenas um corredor, com uma porta de entrada e outra nas traseiras, sem janelas sequer, e com um pequeno sótão onde nós as duas dormíamos (ou tentávamos) sufocadas pelo calor, até descobrir que se abríssemos os postigos de ambas as portas corria uma aragem mais respirável . Mas fizemos amigos e quisemos voltar. Não para aquela casa, obviamente, mas para o convívio com aqueles alegres companheiros de veraneio. Ainda voltámos durante uns 2 ou 3 anos, pelo meio aconteceu o 25 de Abril, nem sempre o meu pai conseguiu tirar férias nessa época (em que se corria o risco de ser "saneado", sem se saber porquê), de modo que os contactos foram-se perdendo...

Mais tarde "corri" o Algarve de Lagos a Montegordo, com duas amigas da faculdade, uma das quais tinha um Morris mini e a carta de condução acabada de tirar... Isto depois do pesadelo que passámos ainda com os meus pais em Pedras d'el Rei  - um "comboio" para a praia, que descarrilava e eram os próprios veraneantes a sair para o meter de volta nos carris, com água nas canalizações a só funcionar 3 horas por dia. Por duas vezes fui acampar (não sou fá), outras estive em casa de amigos.

Desde esses primórdios até hoje a paisagem algarvia mudou bastante: a urbanização desenfreada e sem condições foi dando lugar a estruturas mais bem pensadas, daí continuar a ser o destino predilecto depois de adulta, casada, mãe do filhote, com a mana, cunhado e sobrinhas (com uns interregnos por Isllantilla, quando a exorbitância dos preços foi incomportável). A restauração também evoluiu, as doses boas-para-anorécticas foram substituídas por normais, algumas instalações já não correm o risco de levar com um pedregulho em cima, por estarem à "sombra" do penhasco...

Concluindo: como diz o outro, já fui muito feliz no Algarve! (com alguns "sustos" pelo caminho, que felizmente se resolveram!)

Jinhos!
Teté

16 comentários:

  1. Aprendi ontem finalmente a digitalizar um postal, daí o "atraso" do mesmo! Sorry, Carlos! :)

    ResponderEliminar
  2. Tantas e tantas histórias que poderia contar das nossas viagens ao Algarve, do Porto por essas estradas nacionais, horas a fio no nosso FIAT 127 cheio à pinha sob o escaldante sol alentejano, para duas semanas de areia fina e água, muita água. Guardo as fotos e as cicatrizes para me recordar desses belos tempos onde residíamos por duas semanas nos parques de campismo de Faro, na Quarteira ou em Vila Moura. Percorremos o Algarve de lés a lés, e não faltavam umas visitas a Espanha com a inesquecível travessia do Guadiana de ferry até Ayamonte. Memoráveis esses tempos.

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito de ler estas tuas incursões aventureiras pelos algarves! Ehehe
    Um beijinho de quem vive cá todo o ano! ;)

    ResponderEliminar
  4. Antes de mais, muito obrigado pela participação no passatempo. O link, como habitualmente, será feito à noite.
    Apesar das maldades que lhe têm feito, o Algarve continua a ter paisagens muito belas. Não só na costa, como no interior, desconhecido de muitos. Não gosto do Algarve em Julho e Agosto mas, ao longo do ano, vou lá com frequência. Para Estói ou Olhos de Água.
    O comentário do Paulo também me levou a recordar viagens idênticas do Porto ao Algarve, num Fiat 127 ( castanho). Aquilo era uma aventura, não era Paulo? Chegava-se arrasado e era quase um dia de viagem.
    Praia da Luz, Rocha, Oura e Tavira eram as minhas preferidas. Não pelas praias, mas por quem lá estava à minha espera

    ResponderEliminar
  5. Tarde, mas um postal e um texto de primeira água.
    Que aventuras tão saborosas, minha cara Teté, até me apetece ir até lá, eu que sou uma aficionada das praias do Norte, mesmo com a incógnita sobre se chove ou faz sol... ainda no dia 28 de Junho fui jantar à Vila Praia de Âncora, passando uma bela tarde cheia de sol na praia de Moledo.
    Piada, tu tens uma costela nortenha e eu uma lisboeta! Como o mundo é pequeno.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. O que interessa é as boas recordações que ficam :)

    ResponderEliminar
  7. Selinho para ti espero que gostes :)
    http://lopesca.blogspot.com/2010/08/selo-entre-chavenas-de-cha.html

    ResponderEliminar
  8. Eheheh, PAULOFSKI, que bem te entendo! Nem imaginas o tempo que demorava de Lisboa a Vila Praia de Âncora, pelas estradas nacionais, e com pausa na Mealhada para o almoço... Se não apanhássemos as aldeias do caminho em festas, saíamos de manhã e chegávamos à hora do jantar! :D

    Mas mesmo Lisboa-Algarve demorava muitas horas (não tantas), houve um ano que no regresso o carro (atulhado de tralha, que a minha mãe até a panela de pressão levava na bagagem!) partiu a suspensão em Castro Verde! Num Domingo à tarde, em que estava tudo fechado, incluindo oficinas, só podiam trocar no dia seguinte, e em Beja! Uma aventura... =))

    ResponderEliminar
  9. Como era apenas um postal, não pude esticar mais, TONS DE AZUL, que teria muito mais aventuras a acrescentar! :)

    Beijocas para ti!

    ResponderEliminar
  10. Essas longas horas de viagem, para o Norte ou para o Sul, ficarão para sempre na nossa memória, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA! :))

    Mas tanto com os meus pais, como mais recentemente, já percorri a costa algarvia de lés a lés, o interior conheço um pouco pior. Até houve uma passagem de ano que comemorámos lá, mas como postal não podia alongar muito mais!

    Tive muito gosto em participar no passatempo! :)

    ResponderEliminar
  11. Também passei belíssimas tardes no Norte, EMATEJOCA, nomeadamente em Vila Praia de Âncora, Caminha, Moledo, Vilar de Mouros (sem festival), Viana do Castelo e por aí.

    Mas, salvo raras excepções, as águas nortenhas eram sempre geladas, mesmo nos rios Âncora e Minho... Isto quando não apanhávamos marés vivas, que nem dava para pôr o pé dentro de água (nem sempre as férias eram em Agosto)! ;)

    As minhas costelas nortenhas dividem-se entre minhotas e galegas! Mas como tu dizes, este mundo (e país) é pequeno... :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  12. LOPESCA, nem mais! Boas recordações são sempre bem-vindas... :))

    Obrigada pelo selinho, publico um dia destes, OK?! ;)

    ResponderEliminar
  13. Belíssimas recordações. Fico sempre babada quando apreciam a minha terra. :)

    ResponderEliminar
  14. Bem-vinda, LUISA!

    E tem mesmo muito que apreciar, embora possa ainda evoluir bastante em alguns aspectos, se algarvios e autarcas se unirem nesse esforço! :)

    ResponderEliminar
  15. não me digas que também tens um cavanhaque e és irritante? é que é completamente fora da imagem mental que criei de ti. AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAH

    ResponderEliminar
  16. Eheheh, MOYLITO, não, não tenho cavanhaque e não me julgo irritante, mas até acho piada ao Malato... às vezes! :))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)