quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

UMA NOITE NÃO SÃO DIAS

Nada melhor para estrear as leituras anuais do que um escritor imaginativo e divertido. "Uma noite não são dias", com o subtítulo "Intriga e paixões no esquisito ano de 2044", de Mário Zambujal, possui todos os condimentos necessários a alargar sorrisos, que por vezes se abrem em sonoras gargalhadas.

Os acontecimentos na Avenida Vertical são preocupantes: numa só noite, um apagão, um helijéquingue (leia-se, helicóptero fanado à má fila!) e o furto de uma jóia secular abalaram a estrutura do edifício e dos seus habitantes. A relação de Grace e Antony, os esforços policiais da comandante Alzira Sidónia e do seu subcomandante Ernesto, um reencontro de amigos, os métodos utilizados pelos jornalistas de "O Indesmentível" e um escultor influenciado por Rodin que só esculpe mulheres nuas em posições estranhas, a par de um romance tórrido, são alguns dos meandros por onde circula a acção, numa sociedade tecnológica e evoluída, onde as mulheres já dão cartas há muito tempo! Algumas, poucas, ainda sabem cozinhar, seguindo receitas centenárias...

Também achei piada ao aportuguesamento das palavras de língua inglesa, não numa tradução literal, mas tal como soam aos nossos ouvidos.

Único senão: 124 páginas souberam a pouco!!!

CITAÇÕES:

"Jaime e António são os seus nomes civilmente registados, contudo tratam-se e tratam-nos por James e Antony, hábito adquirido no jardim-de-infância, onde todos se entendiam em inglês. Continuaram juntos até ao décimo quarto ano, final da escolaridade obrigatória."

"A máquina obedece às vozes, botão de elevador é antiguidade. Além de fisicamente cansativos, pois exigiam que se carregasse com o dedo, os botões foram declarados potenciais transmissores de doenças. Na hora que passa todos temem a tosse das rãs. Com alguma razão: hospitais e consultórios médicos apinham-se de gente tossindo, num coro semelhante ao coaxar das rãs no alvoroço dos charcos."

"Ele não as perdera de vista desde que as notou no pavilhão, nem o concerto tivera ainda o seu início. E depois, sentado duas filas à frente delas, levou a noite de pescoço torcido, a tal ponto que Grace comentou:
- Aquele senhor é que tem razão. Em vez de pôr os olhos na orquestra, vira-lhe o ouvido.
Numa interpretação diferente, Carlota pareceu reforçar a ideia:
- Também me parece que ele quer música."

"[...] às oito, oito em ponto, estarei à sua porta pronto para a conduzir ao Salão das Saladas. Grande restaurante, pode acreditar. Convenci o meu pai a almoçar lá na terça-feira passada.
- Bravo, e que disse ele?
- Disse assim: filho, que droga de almoço, isto nem é carne nem é peixe."


"Moral da história [segundo o próprio autor]: as pessoas mudam o mundo, o mundo não muda as pessoas."

20 comentários:

  1. Um autor que gosto e muitos os livros que me fazem dar uma gargalhada com gosto!

    ResponderEliminar
  2. Eu também, TERESA DURÃES, daí ter escolhido o último livro dele para iniciar o ano! Rir com gosto é tão booom... :))

    ResponderEliminar
  3. acho que depende do conceito de mundo...
    será que é mais correcto dizer "as pessoas mudam as pessoas"? ~s :[

    ResponderEliminar
  4. Concordo que as pessoas são as que mais contribuem para mudar as pessoas, VÍCIO! Mesmo assim é preciso deixar passar algum tempo para o mundo mudar qualquer coisa... :b

    ResponderEliminar
  5. as cıtaçoes fazem lembrar a cronıca dos bons malandros. o que tambem se ınsere no contexto da tontura rural!

    ResponderEliminar
  6. Claro que nada como começar o ano á gargalhada..-....e que ela dure até ao proximo natal.

    Beijokitas

    ResponderEliminar
  7. Parece interessante.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  8. Mário Zambujal, um grande escritor e um contador de histórias por excelência. É engraçado mas sempre que o vejo na têvê a minha memória retrocede ao tempo em que ele apresentava um programa desportivo aos domingos!

    ResponderEliminar
  9. Olá Tité
    Tenho-te encontrado puco ultimamente. Será que te tens perdido com estas leituras tão agradáveis?
    Passei apenas para te deixar o meu abraço de Bom Ano, com os votos de muitos sucessos pessoais, familiares e profissionais e já agora ... Boas gargalhadas.
    Beijinhos
    Licas

    ResponderEliminar
  10. Deu vontade de o ter, ler, e rir, rir faz falta e ainda estamos a começar! Gostei dos exertos...não sabia que o zambujal era irónico e divertido..Um abraço, mas, acho que vou comprar mesmo..laura

    ResponderEliminar
  11. convenceste-me. assim que for a algum lado em que esteja à venda compro-o :D

    ResponderEliminar
  12. Bem-vindo, TONTURA RURAL!
    Pois, cada escritor tem o seu estilo de escrita, é natural que faça lembrar a "Crónica dos Bons Malandros"... :)

    Eheheh, PARISIENSE, sempre de goela aberta também é demais... :))
    Mas que os momentos de bom humor se multiplicassem sempre, era óptimo!
    Beijoquitas!

    É divertido, essencialmente, MATCHBOX 32! :D
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  13. Sabes que programas desportivos não são de todo a minha onda, PAULOFSKI! Mas sim, lembro-me desse programa! Contudo prefiro Zambujal na sua faceta de escritor humorístico... :))

    Oh, querida LICAS, não me estás a confundir com outra comentadora tua? Tanto quanto sei, tu é que estiveste fora... ;)
    Sim, a leitura do livro é agradável!
    Beijinhos e Bom Ano para ti também!

    ResponderEliminar
  14. Rir faz sempre bem, LAURINHA! Todos os livros que li do Zambujal têm essa vertente humorística, num tom irónico muito próprio. Acho que vais gostar! :)
    Beijoca!

    Eheheh, MOYLITO, mas não pretendo convencer ninguém, até porque sei que muita malta prefere livros mais sérios - de tratados filosóficos a ensaios ou poemas amargurados. A sugestão segue apenas para quem aprecia livros mais leves... :D

    ResponderEliminar
  15. Teté;

    Caramba, e agora como é que eu me vou explicar!...
    Acredita, é quase um crime, mas nunca li Mário Zambujal...
    Mas está prometido, amanhã vou à Livraria Camões, aqui na "minha" cidade e se não tiver, encomendo.

    bjs, Teté e uma vez mais, Bom Ano
    da Ana e Osvaldo

    ResponderEliminar
  16. para amargura e melancolia já basto eu :)

    ResponderEliminar
  17. Abriste-me o apetite! Boa dica! ~c
    Vou já (nos próximos dias) tratar disso.. ehehe ;)

    ResponderEliminar
  18. Não é crime nenhum, OSVALDO, não conseguimos ler tudo...
    Mas os livros do Zambujal costumam ser bastante divertidos, pelo menos os 4 que li! :))
    Beijocas e BOM ANO para ti e para a Ana!

    Oh, MOYLITO, quando penso em melancolia és o primeiro que me vem à cabeça... =))

    Ainda bem que a dica serve para alguém, TÁ-SE BEM!! :D

    ResponderEliminar
  19. Não tenho conseguido ler nada :s

    ResponderEliminar
  20. O tempo para fazer tudo o que temos em mente é escasso, LOPESCA... ;)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)