terça-feira, 26 de janeiro de 2010

NAS NUVENS

Nas Nuvens ("Up in the air", no título original) relata o dia a dia de Ryan Bingham, um funcionário especializado em despedimentos de pessoal de várias empresas, quando os respectivos patrões não têm coragem suficiente para os efectuar. Homem que carrega pouca bagagem, física e emocionalmente, imperturbável perante as diversas reacções dos empregados dispensados, fornece-lhes um dossier para estudarem as particularidades do caso pessoal, enquanto os tenta convencer que aquele pode ser um ponto de partida para uma nova vida.

Na verdade, Bingham vive mais nos aeroportos que em casa, conhece todos os segredos do funcionamento destes, encontra fortuitas companheiras sexuais de caminho e colecciona milhas aéreas, o que lhe interessa mais que o futuro dos desempregados que acabou de demitir. Entretanto, uma jovem recém licenciada dá novas ideias ao seu próprio chefe, para poupar custos com as viagens dos funcionários da CTC (uns 25, em constante movimento aéreo), com a possibilidade das demissões serem realizadas via net. Ele protesta, mas acaba por ser seleccionado para levar a jovem a desenvolver uma experiência no "terreno", contrariado...

Um filme mais sério do que pode parecer à primeira vista:



Realizado por Jason Reitman, que também assina o argumento em conjunto com Sheldon Turner, tem George Clooney, Vera Farmiga, Anna Kendrick e Jason Bateman nos principais protagonistas, a par de vários não-actores que interpretam o papel que lhes coube na vida real: o de desempregados!


Imagem do filme, na net.

17 comentários:

  1. HEY! Interessante, MESMO! Aposto que ainda há a reviravolta e ele apaixona-se pela gaija que o vai despedir ahahahahahahah! :))

    BEIJINHOOOOOO!! :x

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente a minha banda lenta não carrega o buffer para ver vídeos.
    :-(
    FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja um BOM DIA !
    Saudações Florestais !

    ResponderEliminar
  3. a estagiária está correcta na proposta dela!
    pode até ser via facebook...

    ResponderEliminar
  4. aconselhas?
    estou desejoso de o ver mas tenho algum receio que tenha as expectativas altas demais...

    ResponderEliminar
  5. O Clooney é adequado a estes filmes porque consegue passar aquela imagem de xico-esperto intocável e tem nível a forma como depois reage e é vergado pelas circunstâncias opostas às suas convicções gerais. é um gajo versátil até, nesse aspecto :)

    ResponderEliminar
  6. Ainda não vi o filme. Está na fila.
    .

    ResponderEliminar
  7. Ora aqui está uma possibilidade de emprego para os dias que correm, despedidos de qualquer interesse, porém nada garante que também este seja um emprego seguro e como qualquer outro empregado por conta d'outrém está sempre sujeito a alistar-se no fundo do desemprego. A não ser claro que seja préselecionado para uma bolsa qualquer, via cuuriculum vitae!

    ResponderEliminar
  8. Ainda não vi. Vim apenas deixar um abracinho e um beijinho de boa noiteeeeeeee, está frioo que nem sei.
    Já tenho o filme do Kim, estás linda na mesa, aqui, ali, ah que belo recordar...abração da laura

    ResponderEliminar
  9. Tem o George...estou lá! ;)

    Besito!

    ResponderEliminar
  10. Tem piada que saí de lá pouco entusiasmado, mas depois pensei nas várias interpretações que o filme pode gerar. Há duas que me agradam...

    ResponderEliminar
  11. Não é um filme muito previsível, VANI, nem sais de lá encantada. Mas que dá que pensar, lá isso... ;)
    Beijooocas! :D

    Bem-vinda SILVANA NUNES!
    Mais tarde passo pelo teu canto! :)
    Saudações!

    A estagiária pode estar muito correcta, VÍCIO, mas a desumanização de ser "dispensado" por uma máquina, sem coragem do cara a cara, soa-me a filme de terror... :]

    ResponderEliminar
  12. Gostei, FAUSTO, mas mais por ter ficado a pensar na desumanização das relações... a vários níveis! :)
    Para todos os efeitos, o filme é considerado do género dramático, certo? :h

    O Clooney vai muito bem no seu papel, MOYLITO, a grande surpresa foi Anna Kendrick, a tal jovem cheia de ideias novas! ;;)

    Pois, este ultrapassou a minha fila, RUI! :D

    ResponderEliminar
  13. Já encaraste a possibilidade de vir um americano com conversa da treta, ou mesmo um português que não conheces mais gordo, despedir-te, PAULOFSKI? Ou seres encarregue dessa tarefa? Coisa sem graça, mesmo... :p

    Xi, LAURINHA, ainda bem que me lembraste do filme do Kim, que ainda não lhe enviei o mailito. Pareço ingrata, mas não sou, só que isto por aqui tem estado um bocado atrapalhado, esqueci-me completamente! ;)
    Obrigada e beijinhos, nina!

    ResponderEliminar
  14. Vale a pena pelo George, BRANQUINHA, mas também para reflectir... :)
    Besitos!

    Já li o teu post, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, mas vou guardar para amanhã o comentário, que a hora está tardia! De qualquer das formas, mais do que o filme em si (Clooney, Farmiga, Kendrick, etc.), a variedade de interpretações que se podem desenvolver, explicam o prémio para melhor argumento nos Globos de Ouro. (ou não, que Hollywood não brinca em serviço, quando se trata da sua indústria...) ;)

    ResponderEliminar
  15. fui ver no Domingo... eficou muito mas muito aquém daquilo que esperava :(


    bj
    teresa

    ResponderEliminar
  16. Gostei, TERESA, porque me pôs a pensar... :-/

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  17. Um papelaço do Clooney e a Vera, como sempre, um espectáculo!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)