terça-feira, 19 de janeiro de 2010

A ALMA E A GENTE

Nada me move contra José Hermano Saraiva, um comunicador nato, que ao longo de muitos anos aliciou várias gerações com os seus relatos históricos, lendários ou imaginários, via televisão. Com um estilo muito próprio, teatral até, foi um verdadeiro fenómeno no pequeno ecrã, enquanto o seu entusiasmo contagiante cativava o público, fascinado também com as suas inúmeras expressões e trejeitos característicos.

Um dia destes (sim, não vejo muita televisão, nem sei os horários, portanto é quando calha) voltei a vê-lo no seu programa da RTP2, que nem sei se era recente, sobre D. Duarte, Mouzinho de Albuquerque e Gungunhana. Ainda me ri, que o empolgado relator afirmava que eram 46 soldados portugueses contra 3000 nativos bem armados por estrangeiros - já tínhamos Rambos nessa época! - mas, o que mais me impressionou, foi a fala entaramelada dele, semelhante à daqueles campónios rudes e desdentados que entrevistam nos noticiários, em que põe legendas para a malta entender o que dizem...

Ah e tal, que estou a contender com o homem que está velho? Nada disso, é o destino de todos nós, se não tivermos o azar de morrer entretanto! Nem duvido da sua sanidade mental (apesar da incongruência da historieta em si), mas quer dizer, quando o diálogo com a placa grita mais alto que a dicção perceptível, não está na altura de se reformar? Estou a falar de televisão e de um homem de 90 anos (a acreditar na wikipédia, mas deve andar mesmo por aí!), nada de dar um coice a um de 65, só por ter atingido a idade!

A alma (e o corpo) da gente tem os seus limites...


Fotografia da net.

33 comentários:

  1. não entendo porque te riste!
    se nós tivemos uma padeira que aviou vários porque não ter rambos? =))

    ResponderEliminar
  2. Ah, mas essa foi à sorrelfa, enquanto os fulanos estavam distraídos, VÍCIO... :)))

    ResponderEliminar
  3. O vício tem razão!
    Nas aulas de história não só conheci a padeira de Aljubarrota como muitos outros heróis portugueses, que não se chamavam rambos nessa altura. Os nossos heróis eram sempre meia dúzia contra um batalhão de espanhóis ou mouros.
    Há em todos os países do mundo estas histórias/lendas de heroicidade. Ainda há pouco festejamos aqui um herói alemão, que talvez nem tenha existido, ou pelo menos foi muito diferente do que nos conta a lenda.
    O José Hermano Saraiva é um patriota como havia noutros tempos... mas há gente muito pior a fazer programas na TV portuguesa!!!
    Há um actor, da Holanda, que vem regularmente à TV alemã, que tem 106 anos, quase cego e ainda há pouco tempo disse numa entrevista, que o Hitler não tinha sido mau de todo.
    Sabe se lá os disparates que vamos dizer, quando chegarmos a essa idade. Claro, que não os dizemos perante o ecrã da TV.

    ResponderEliminar
  4. Falar com placa é dificil pá!!E sorte tens tu de não seres o "Camâra man" a estares sujeito a levar com a placa, cuspida da boca do Saraiva! lol

    Besitos

    ResponderEliminar
  5. Já de há muito que algumas afirmações de Saraiva, nos seus programas, são alvo de acesa polémica. Lembro-me de há já vários anos, ter sido cilindrado porque num programa, defendeu uma tese contrária àquela que escreveu na sua História de Portugal.

    ResponderEliminar
  6. Tens razão...quantos com cinquenta epoucos, já levaram um pontapé no traseiro e o saraiva já dura que dura, talvez pensem que não há Historiadores tão bons como ele..menina, são os tachinhos da Tv aliás, como em todo o lado, quem mais tacha mais come...Beijinho tété...

    ResponderEliminar
  7. Com que então, hoje trazes à liça o inventor de factos históricos...

    ResponderEliminar
  8. Sim.É altura do homem se reformar. Acho que cumpriu a missão que lhe foi confiada pela rtp. Contar umas histórias de uma forma académica sobre passado de Portugal. Melhor esteve a defender o patrimóno que anda prái abandonado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo7/22/2012

      parem um poco.de julgar as pessoas sem as cunheser pois eu cunhesi muinto bem este senhor porque foi um grande senhooooor........ pois voses nem iso sabem ser

      Eliminar
  9. Por acaso numa visita que fiz há poucos anos ao convento da Arrábida, foi-me transmitido que o senhor teria estado ali a gravar um programa e que foi o cabo dos trabalhos para o transportar de um lado para o outro... :)

    Tudo tem o seu tempo, de facto!
    Beijocasss

    ResponderEliminar
  10. Tambem gosto bastante da personagem, nem que fosse só pelo facto de incentivar muita gente a gostar de História.Tem um "senão": É daquelas pessoas que quer ficar na Historia não por ser um autor de um bom programa sobre o tema, mas por ser um bom historiador
    Não acho que seja o caso. Ele é um bom contador de historias e sómente isso. Inventa sem reservas ao ponto
    de roçar o ridiculo.Basta ler o "Novos elementos para uma biografia de Camões".
    Desculpa pela intrusão. :)
    Gio

    ResponderEliminar
  11. Eu gosto tanto deste senhor que não me importaria nadinha mesmo de ver na tv várias homenagens e reemissões póstumas:)

    ResponderEliminar
  12. Sou espectador assíduo. O homem pode inventar factos, relatar hipotéticas façanhas lusas, estar gágá, mas resiste e insiste em nos ensinar a História de Portugal.

    ResponderEliminar
  13. Pois é como eu te digo, Teté, quando era adolescente tinha um fraquinho pelo nosso rei Sebastião, e sonhava com a sua chegada numa manhã de nevoeiro... e não estava gágá como o José Hermano Saraiva!!!
    Ele não era própriamente louco, mas sim doente, e tinha a mania de feitos heróicos, influenciado pela nossa história como descrita nos "Lusíadas"!
    Estou a cair de sono, que já nem sei dizer coisa com coisa. BOA NOITE!!!

    ResponderEliminar
  14. Tete

    concordo com...comunicador nato !

    :)
    bj teresa

    ResponderEliminar
  15. EMATEJOCA, concordo que a História de Portugal, tal como nos ensinaram na escola primária era assim, cheia de heróis a raiar a lenda. Não me parece que seja negativo começarem por contar a História em estórias, porque isto de empinar factos, datas e assim não cativa nenhum miúdo. Mas claro que ando crescem, devem começar a perceber o que é História ou ficção.
    O facto de ser patriota ou cristão convicto não impede o discernimento de batalhas impossíveis de ganhar! Ou verdadeiros dislates, de velhinhos que já não sabem bem o que é que dizem. Para as suas famílias é uma coisa, em televisão é outra... ;)

    Ia levando com a placa sim, BRANQUINHA, só por estar em frente do ecrã! :))
    Besitos!

    Aqui nem se trata de polémica, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, que sei que existiu e existe, mas de um problema comunicacional maior: quase nem percebia o que ele dizia! E isso em rádio ou TV não funciona! :)

    ResponderEliminar
  16. Historiadores melhores há de certeza, LAURINHA, comunicadores talvez não! Será que tem pilhas duracell?! :))
    Jinhos, nina!

    É, o homem também é pródigo em inventar, CAPITÃO! :D

    Igualmente verdade, CARLOS, chamou imenso a atenção para um património completamente abandonado pelos autarcas. Mas agora lugar cativo na TV, com as dificuldades que exibe e historietas nem muito fidedignas, pois... é altura de se reformar! :)

    ResponderEliminar
  17. É um "prazo de validade" incontornável, TÁ-SE BEM!! :D
    Beijooocasss!

    Bem-vindo, GIO!
    Absolutamente de acordo: um bom contador de histórias (que é o caso) não significa que seja um bom historiador!
    Certa vez até o vi relatar a última ceia de Cristo, como se fosse um dos convivas... =))
    Não percebo qual é a intrusão! ;)

    Já percebi que o adoras de paixão, MOYLITO, mas também não é caso para tanto... :e

    ResponderEliminar
  18. Nem contesto, PAULOFSKI! Mas quando mal se entende o que ele diz, não está na hora de se reformar? ;)

    Tens razão, D. Sebastião não era louco, EMATEJOCA! Só um bocado megalómano (isso ainda hoje existem por aí aos pontapés), mimado, birrento, imaturo e fascinado por um protagonismo heróico em grandes batalhas! Foi o que se viu! (ainda há quem diga que os problemas de consanguinidade familiar também provocavam alguns distúrbios mentais, mas disso não há certezas)! Em tempos, votei nele como o pior português de sempre, eheheh! Qual manhã de nevoeiro? Voltar um estropício daqueles envolto em brumas? Ná, nem pensar! :D
    Boa noite para ti!

    Bom, TERESA, pelo menos concordas com alguma coisa... :)
    Beijoca!

    ResponderEliminar
  19. Avisa quando me vires gagá bastante como para ter de fechar o blogue, Teté. :]

    ResponderEliminar
  20. Anónimo12/22/2010

    Silvino Silva, 36 anos, guia-intérprete nacional, PORTUGUÊS...

    Não posso deixar de lamentar que muitos dos meus compatriotas critiquem uma pessoa que tanto tem lutado para divulgar Portugal e que possui, apesar da avançada idade, uma lucidez invejável, coisa que aparentemente falta a muita gente que aqui expressou a sua opinião.
    Acho extraordinário que uma pessoa idosa seja capaz de reformular os seus pontos de vista sobre muitos assuntos, a ponto de hoje ter uma opinião contrária a algo do que escreveu no passado, ao contrário do que acontece com muitas das mente petrificadas e que mais não possuem do que cuprólitos de conhecimento histórico.

    Conseguem fazer melhor? Então apareçam na nossa TV e lutem pelo País, mas contrariamente ao que acontece com a restante programação de merda da RTP, os programas do Professor José Hermano Saraiva valem cada cêntimo que neles se gasta.

    Bem haja Sr. Professor, que as suas emissões durem ainda muitos anos.

    ResponderEliminar
  21. Eheheh, SUN, o teu comentário escapou-me! Podes estar certa que aviso, se tu não me avisares antes a mim... :D

    ResponderEliminar
  22. Caro Silvino Silva!

    Longe de mim retirar o mérito a José Hermano Saraiva sobre tudo o que fez pela divulgação da nossa História de Portugal, nomeadamente via TV. Daí a acreditar em tudo, tudo o que ele afirma, nomeadamente na valentia de 46 soldados contra 3000 homens bem armados, vai um grande passo - o que não quer dizer que ele próprio não se tivesse baseado em relatos romanceados da época.

    Mas aqui o caso é outro: neste programa especificamente, a sua dicção foi muito precária, quase não se entendia o que dizia - o que em televisão funciona mal! O que não desvirtua todo o trabalho que fez anteriormente, mas suponho que quando o corpo (neste caso a voz) já não acompanha a sua lucidez, está na altura de se retirar, dando lugar a um ou vários historiadores mais jovens e capazes de comunicar.

    Não há muitos? Não sei, não sou historiadora, mas certamente que em querendo a RTP encontra um digno sucessor para o professor... ;)

    ResponderEliminar
  23. 46 homens brancos contra três mil negros armados de algumas escopetas inglesas, é o que o Professor Saraiva vos quiz dizer. E não foi por causa dos RAMBOS (se é que alguma vez os houve em terras lusas), mas sim da invenção da metralhadora!

    Foi a primeira vez que em Moçambique que se usou aquela arma que dizimou dezenas de negros à primeira rajada, justamente a primeira leva deles, que estavam equipados de espingardas inglesas. Depois, os cavalos e os sipaios africanos (auxiliares) a pé e com lanças fizeram o resto...

    O homem pode estar velho e abatido. Mas gagá é que não é. Fala com dificuldade sim, mas V.Excias, não se importariam nada se ele se chamasse Fernando Pessa e falasse mal do inginheiro Sócrates...

    Aliás, o resultado das eleições do próximo dia 5 de Junho só nos fará concluir que o digníssimo Professor nasceu no país errado!

    Que pena.

    ResponderEliminar
  24. Obrigada pela lição, LIVRE PENSADOR MOÇAMBICANO! Mas, na verdade, ele esqueceu-se de referir o "pequeno pormenor" que os portugueses já iam munidos de metralhadoras. O que, convenhamos, faz diferença na história em si...

    Quanto às eleições, mais ou menos uma voz a falar mal do Sócrates faria diferença?

    Ah e claro, sê bem-vindo! :)

    ResponderEliminar
  25. Anónimo6/20/2011

    És um idiota... e antes de de dizeres quem um idiota é uma pessoa que tem ideias pergunta ao velho professor com quem gozas que ele explica-te o que significa

    ResponderEliminar
  26. Anónimo9/06/2011

    Pois é estão todos aqui a gozar com o pobre homem que já tem uma idade bem avançada e quem vos dera ter tantos conhecimentos como ele! Ja pensaram no que ele teve de estudar, nos livros que ele teve de ler, nas noites que ele passou em claro para saber o que sabe hoje? Quem me dera a mim que quero entrar na área de História saber tudo aquilo que ele sabe! Ele é um dos maiores portugueses de sempre, como foi visto no programa "O maior português de sempre" ou melhor, nao interessa. Mas voces vao chegar á idade dele, isto é se chegarem, sem dentes e provavelmente terão de usar placa! E esperemos que graças ao que voces dissera aqui, e da maneira que difamaram o pobre senhor, cheguem aos oitenta e já estejam bem piores que ele! Isso é tudo inveja, e se querem ser como ele passem mais de metade da vossa vida agarrados aos livros!
    Tenho dito.

    ResponderEliminar
  27. Caros “amigos” eu nem li todas as ofensas e parvoíces que aqui foram ditas sobre esse Sr. O que digo é uma coisa…
    Uma coisa é a liberdade de expressão, outra é a liberdade de estupidez natural, esta segunda deveria ser punida.
    Este Sr. José Hermano Saraiva, fez e ainda faz mais pelo nosso pais, do que nós todos juntos que aqui estamos a comentar iremos fazer algum dia. Eu ouso nas ruas muita gente falar que mais valia sermos deste ou daquele pais, só porque financeiramente lhes dava jeito.
    Meus caros há coisas sem preço, como a Honra, e Honrar aqueles que fizeram de nós o que somos, seja melhor ou pior. Muitos deram as vidas em batalhas ou não para sermos Portugal, para sermos Portugueses, e quando alguém vem enaltecer-nos, aparece gente curta de inteligência para deitar a baixo… lamento que o povo Português esteja tão obcecado com riqueza fácil. Pois é só isso que se vê.
    Na verdade começo a achar que uma Monarquia Parlamentarista, seria bem preferível ao que temos. Pelo simples facto de que se o problema é o benefício próprio, então ao menos o Monarca por muito egoísta que fosse, quereria sempre o melhor para o pais, mesmo que não fosse para o povo. E o que temos é o pior para ambos (independentemente do partido), pois todos tem um pereço! Fiquem em paz!

    ResponderEliminar
  28. Anónimo6/10/2012

    Lamentáveis estes comentários. Incrível como é possível ter "vontade de rir". Este é um grande homem, alguém que transmite a história de portugal de uma maneira incrível. Mas não sou só eu que o digo, isso é evidente para todos, inclusive para o Sr. presidente da republica que hoje condecorou José Hermano Saraiva. Os comentários deste blog deveriam ter mais respeito por uma pessoa que está doente e que tanto fez para dar a conhecer a história de todos nós, PORTUGAL

    ResponderEliminar
  29. Anónimo6/11/2012

    O meu pai, que era um homem com poucos estudos, deixava tudo e ia ouvir o Senhor Professor Jose Hermano Saraiva. Ele falava de uma maneira que todos o entendiam.É a maior homenagem que se lhe pode fazer. Deus o melhore.Os meus respeitosos cumprimentos

    ResponderEliminar
  30. Anónimo7/20/2012

    Um grande homem num país de homúnculos...

    ResponderEliminar
  31. Anónimo7/22/2012

    Eram 3000nativos? Pois aqui sao quase 10 milhões que vivem quase sempre para e na banalidade, na mediocridade da inveja sem nada fazer para ser melhor. Esse senhor de que ristes claro que nao era um santo...mas nunca parou de aprender. O riso? É o escape dos nossos medos. Interessante o que Eco coloca na boca do personagem Jorge burgos sobre o riso...claro que ir pesquisar sobre isso da trabalho e num pais de cursos em 1 ano e secundários em 6 meses fácil e criticar e ser medíocre.

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)