sexta-feira, 9 de novembro de 2007

PELA ESTRADA FORA

Não, não vou escrever sobre o livro de Jack Kerouac, ou sobre o filme “Um Bater de Corações” (Heart Beat), que nele se baseia. Nem da geração beatnik de que este escritor foi um dos símbolos.

Estou só a imaginar a sensação que teria hoje, se enchesse uma mochila com meia dúzia de tarecos e partisse assim, pela estrada fora, sem rumo, nem destino, nem hora marcada. Em ritmo de liberdade plena!

Uma sensação que vivi no passado, aos 20 e poucos anos, quando com duas amigas percorremos a costa algarvia de Lagos a Montegordo, todas solteiras e disponíveis para partir à aventura. Nós e o boguinhas de uma delas, que condutora ovo estrelado (leia-se, com a carta tirada recentemente, em que era obrigatório usar um símbolo amarelo ostentanto um 90 - a velocidade máxima permitida a quem tinha carta há menos de um ano) se atrapalhava imenso, sem que a pudéssemos ajudar muito, visto que ainda não possuíamos o referido documento. Contudo, quando nos cruzávamos com um sinal de perigo, ostentando um bovino dentro do triângulo, a outra gritava pela janela: “Afastem-se vacas, que a vida é curta!” E ríamos que nem malucas...

Mas voltando à vaca fria (pró que me havia de dar), hoje como seria? A mochila nunca seria tão leve, porque à medida que os anos vão correndo, cada vez carregamos mais o peso das coisas sem as quais não conseguimos passar: telemóvel, carregador, máquina fotográfica, ipod, quiçá o portátil e o Kangoroo... E mais umas roupinhas, que hoje sou mais precavida e friorenta. Ná! Isso é muita tralha: umas meias grossas, um casaco de malha e a máquina fotográfica estão no ir, o resto fica! Já tenho a “mala” feita, para um dia destes...

Enquanto esse sonho não se realiza, vou ouvindo o Zeca Afonso: “Não me obriguem a vir para a rua gritar, que é já tempo d’embalar a trouxa e zarpar, tiriririri, tiriririri, tiriririri, paracuietaé.”

Um bom São Martinho a todos, com muitas castanhas e vinho!

26 comentários:

  1. Fico satisfeito por gostares de Zeca!

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  2. LOLOLOL, já não posso com tantas vacas!!! LOLOLOL!
    Espectaculo!! E olha, tb adoro o Zeca. Dorme meu menino, a estrela dalva...o meu piri Gadjot é que adorava essa, sabes q o conseguia adormecer cantando-lha (diz a essa gaja pra parar de ganiiiiiiir! gritava o meu pai...)??

    Fizeste-me lembrar história simples ou lá o que é do David Lynch, de um tipo que atravessa a america em cima de um cortador de relva. Por acaso não vi, ainda.

    ResponderEliminar
  3. Fizeste-me lembrar outra cena, qd eu era menina (...aprendi de meu pai, a guardar os rebanhos e acntar trailailai LOLOL) e só tinhamos um boguinhas (um renault cinco muita velho), eu e a minha mãe iamos a pé para casa, que ainda era um cadito longe e fora de Loulé (agora já é dentro de loulé...a antiga vila fez-se cidade). Para nos entretemos, caminhavamos "pela estrada fora" cantando:
    Minhas botas, velhas, cambadas!
    Palmilhando Léguas sem fim!
    Quanto mais velhinhas e estragadas,
    Mais vigor sinto eu em mim!!

    E lá iamos marchando!

    ResponderEliminar
  4. O meu comentário: a minha cabeça parece uma abóbora de hiper-mercado, pelo que me abstenho de pronunciar-me sobre aventuras decorridas no Al-Andaluz.
    Há novidade?
    Estou à vontade, pois não tarda que o Governo encerre as unidades psiquiátricas do país!

    ResponderEliminar
  5. Também já fiz isso com os meus verdes anos num Wolkswagen, anos 40. Percurso-Elvas, Madrid, Barcelona, Andorra, Narbone e volta. E a dormir no carro e em pensões manhosas.
    Podia lá ser isso hoje!

    ResponderEliminar
  6. Já fiz algumas viagens assim,por isso sei qual é a sensação que descreves. Não deixes o tempo passar e pega nessa mochila...

    Beijinhos e bom fds

    ResponderEliminar
  7. Ehhh, coitadas das vacas, e elas deviam entender e afastavam-se de vós ehhhhhhh...
    pois nina quando fores é só dizer, disponível estou sempre para o que der e vier, a propósito de te ler e do disponível, tinha uma amiga há anos, tinha-se divorciado há uns mesitos apenas, e, na cabeleireira estava um senhor à espera de cortar o cabelo, eles os dois no mesmo sofá, diz ela; não, eu sou livre, estou disponível...logo ali naquelel momento ehhh o homem nem esperou para cortar o cabelo, pirou-se antes que ela lhe deitasse as garras com mais outros disponíveis...
    Lindas recordações e que belo passeio não deram, assim é que é, há que lembrar...
    beijinhos moça linda.

    ResponderEliminar
  8. É verdade, como seria?
    Eu acho que há um tempo para tudo. Hoje sou bastante comodista e só saio de casa para ir para um sitio no mínimo com as mesmas condições que tenho em minha casa...
    Será a PDI....

    ResponderEliminar
  9. Gostar de Zeca é logo um bom princípio! Quanto às maluqueiras do passado, quando tudo era animação, divertimento e desbunda, só te posso dizer que dei o máximo, não desperdicei nadinha e não estou nada arrependido!

    ehehhe!! Aquele abraço infernal!

    ResponderEliminar
  10. Eu continuo a ter a minha mala leve feita e pronta a "exercer" sempre que posso.

    Adorei o post e a lembrança do Kerouac e do Zeca, misturados com vacas na estrada e o tal 90 amarelo (lembro-me bem, todos queriam que o ano passasse depressa...).

    Bom fim-de-semana, Teté!
    :)

    ResponderEliminar
  11. Olá!
    Passei por aqui e fui entrando sem me apresentar
    Gostei do que li
    Voltarei( se mo permitir)
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  12. Eu em breve estarei "pelas estrada afora"..não vejo a hora de chegar logo.Tenho me planejado há uns 3 anos para retornar ao meu ponto de partida e chegada...Sempre bom viajar assim não é Teté!Fez-me contar aceleradamente as horas,para que não esqueça que tá chegando,tá chegando.
    Beijo!!!!
    Aproveita o final de semana!

    ResponderEliminar
  13. Eu e a africana e pascoalita há tempos fizemos uma viagem por aqui, mas, iamos cansadas das bicicletas...foi giro...
    Bom Domingo a ti e companhia limitada...

    ResponderEliminar
  14. Eu também gosto muito do Zeca. Tenho um amigo que canta as suas canções tal como ele e estava tão afeita a ouvir-lhas a ele que um dia, senti o Zeca na rádio e o primeiro impulso foi pensar: "O Abílio!" Mas, claro, era o Zeca.
    A frase da tua amiga, Teté, ficou muito tempo na gaveta. Acho que estava na altura de sair a correr mundo...

    ResponderEliminar
  15. Quem não gosta, Capitão?

    Vanadis, não sei se é grande elogio o periquito adormecer ao som da Zeca, ah, ah, ah! Acordaste musical, com tanta música na cabeça? E que antiguinhas que elas são. Essas são musiquinhas das aulas de canto coral do meu tempo... E cantavamos botas velhas "cardadas", eh, eh, eh!

    Não, Rei da lã, não há novidade. A não ser essa que acabas de dar sobre o encerramento dos hospitais psiquiátricos do país. Está confirmado?

    ResponderEliminar
  16. Pois é Carlos ii, depois as costas começavam a queixar-se, não é verdade? Claro que teve uma época, mas restruturando umas coisinhas aqui e ali (nomeadamente essa dos parques de campismo e pensões manhosas), ainda dá para fazer. Acho!

    Gatinha, por enquanto não dá, o puto e a escola e os velhotes doentes a precisarem de muito apoio, mas já estou com essa encasquetada, quando der... estamos no ir! Se ficamos à espera de mais isto e aquilo, qualquer dia é o reumático e mais não sei o quê que não nos deixa ir...

    Laurinha, pelo menos as vacas algarvias eram muito cumpridoras: afastavam-se todas, eh, eh, eh!
    Disponível é aquela palavra que um homem não quer ouvir da boca de uma mulher...

    ResponderEliminar
  17. Tens razão, Inês, a idade acaba por "pesar" um bocado. Não estou a dizer que vá acampar ou coisa do género. Mas em havendo aí uma brechinha temos de ir, para desanuviar um pouco a cabeça... Claro que há um tempo para tudo, que deve ser vivido da hora certa, mas com umas pequenas alterações, ainda dá belíssimas passeatas...

    Belzebu, mas ninguém falou em arrependimento! O Zeca é o Zeva e mainada!

    Eduardo, sim, também me parece que essa onda de ter a mala leve sempre pronta combina contigo... Como os verbos, ir, conhecer, viajar, descobrir...

    ResponderEliminar
  18. Bem-vinda, Mjf! Aqui não é preciso convite para entrar, volta sempre que te apetecer.

    Kátia se está chegando a hora da partida, então: BOA VIAGEM!

    Laurita, de bicicleta não íamos a lado nenhum, que eu e a minha cara metade andamos os dois muito mal, eh, eh, eh!

    Sun Iou Miou, tudo isto à conta da vaca do post da Vanadis, lembrei-me daquilo. Não são só as palavras, os pensamentos também são como as cerejas...

    ResponderEliminar
  19. É isso, cardadas!!!! E eu que fiquei com o cambadas estes anos todos!!!!! LOLOLOLOLOLOL! Realmente, não fazia muito sentido, mas olha...eu tb andava pela rua a cantar o sobe sobe balão sobe e não percebia como é que o amor tb subia até as estrelas, mas pronto!

    ResponderEliminar
  20. Qualquer mochila dá para levar tudo que faz falta para partir à aventura!

    Ipod? Portatil? Para quê? Leva-se boa companhia e a conversa nunca acaba.

    Muita roupa? Frio? Vamos todos para o Evereste?!

    Máquina fotográfica ainda vá que não vá. serve para registar os melhores momentos, aqueles que a mente teima em esquecer...

    NAAAAAAAAAAAA!
    Para partir estrada fora só é preciso uma boa dose de coragem e a companhia certa. O resto vem por acréscimo.
    Eu acho que encontrei a minha companhia para partir estrada fora. Agora vamos a ver quantos buracos e lombas se atravessam no caminho ;)

    ResponderEliminar
  21. Vanadis, se as botas eram velhas, também podiam ser cambadas, né?

    Fausto, claro que a boa companhia é o mais importante. Mas que mesmo para estas "aventuras" as pessoas apegam-se a uma data de tralha, à medida que a idade vai avançando, não tenhas dúvidas...

    ResponderEliminar
  22. Isso é porque metem na cabeça que essa tralha faz falta...

    ResponderEliminar
  23. "todas solteiras e disponíveis para partir à aventura"?
    interessante! :P

    ResponderEliminar
  24. Pois é, Vício! Mas foi há cerca de 20 anos... ah, ah, ah!

    ResponderEliminar
  25. Anónimo3/01/2013

    The Westerlу apprоaching to bodywork tends tο with
    a DVD which shows a young chaг reсeiving
    a еntire dead body lomi lomi ωith the steps
    unkept down. From the kickoff, WatPо TT m
    offerѕ 4 сanonic courses of Thai traditional ѕoothes the
    mind and dead body. Eѵery man deseгves a pleasant and еntiгe сan scatteг to other pаrts of the consistency if the tantriс massаge is impгoperlу
    performeԁ. Рiece ωealthy franсhіse buyeгѕ in the main busineѕs themselves sο
    many hоi polloi suffer fгom aсhing feet.


    Review my web-ѕіte - sensual massage

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)