segunda-feira, 28 de setembro de 2009

OS COMBOIOS PASSAM...

Fotografia de Ian Britton

O TGV ("Train à Grande Vittesse", do francês, que se traduz para o portuguesíssimo "Comboio de Alta Velocidade") nasceu em França, no início dos anos 80. Em Fevereiro de 2008 - numa imagem retirada da Wikipédia - as linhas espanholas já a funcionar, em obras ou em projecto eram as que constam do mapa ao lado.

Embora pouco divulgados, os traçados das linhas portuguesas já estão estipulados, em acordos com a AVE de Espanha e com a própria União Europeia, que subsidia parte do empreendimento. Questão decidida há cerca de 5 anos ou mais. E, mesmo que as obras começassem nos próximos dias, só lá para 2013 começaria a funcionar nos principais percursos e em 2015 nos restantes...

Espantoso não é que a população envelhecida brade aos céus perante a inovação, sem qualquer expectativa de benefício próprio, mas sim que figuras gradas da economia nacional venham armar-se em aves agourentas, que somos muito pobrezinhos, que o investimento não resulta a curto prazo, portanto torna-se urgente adiar esse progresso em "tempos de crise"! (nunca ouvi falar de outros, mas pronto!)

Sou absolutamente a favor do TGV: se não nos servir a nós, pode vir a favorecer as gerações vindouras! Mas fico curiosa perante as vossas opiniões, portanto façam o favor de comentar...

19 comentários:

  1. Adiei este post em função da campanha política que estava em curso!

    Mais, acho que a população de qualquer país não tem direito nenhum de criticar ou referendar acordos e tratados internacionais, que levam imenso tempo até os técnicos especialistas conseguirem decidir as cláusulas do acordo. Ser "treinador de bancada" pode ser um gozo no futebol, aqui não passa de uma idiotice pegada... :-L

    ResponderEliminar
  2. Não sei traduzir PAPANATAS, isso é que me parece os que não defendem que podas colher o comboio as oito e estar no centro de Lisboa às dez e meia... Ainda que seja para trabalhar mesmo...

    ResponderEliminar
  3. Em Espanha comentou-se muito (em negativo) quando na campanha eleitoral a MFL anunciou que se o PSD ganhava não ia haver trem de alta velocidade. Quando menos na Galiza os empresários levam anos a lutar pela ligação Vigo-Porto. O que não faz sentido é que para um trajecto de cem quilómetros: por exemplo Vila Nova de Cerveira-Porto, se demore duas horas (Até Vigo são quatro horas!!!) Se o serviço fosse melhor e mais rápido, acho que mais pessoas o utilizariam, eu entre elas, nem que me tivesse que deslocar a Valença para apanha-lo. Adoro ir de comboio, onde a gente pode ler ou trabalhar ou nada fazer...

    ResponderEliminar
  4. eu também sou a favor! até estou pensar comprar um só pra mim...

    ResponderEliminar
  5. Acho que sim. A medida é boa.

    E é por alguns continuarem a armar-se em remediadinhos- pobres é que se perdem eleições.

    ResponderEliminar
  6. Tendo vivido em França e viajado no TGV, claro que não poderia ser que a favor.
    Porque eu sei o que é ir de Paris a Tours numa horita e pouco em vez de 2h e tal. E quando vamos em trabalho faz muito jeito.

    Beijokitas

    ResponderEliminar
  7. Olá Teté!
    Também sou a favor do TGV. Ainda por cima irá passar na minha Vila, nem imaginas a polémica que isso deu por estas bandas!
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  8. completamente de acordo. tudo o que é isolamento cheira a... cheira a... a... cheira mal, vá. talvez não concorde com todas as linhas que anunciaram mas concordo com a ligação a Paris por Madrid e acho mesmo que deveria ser Lisboa-Coimbra [sem chauvinismo]-Salamanca-Madrid. essa parece-me uma linha inteligente.

    Porto-Vigo não compensará.

    mas no geral, completamente de acordo

    ResponderEliminar
  9. Bem, lá tenho de me armar em advogado do diabo e dizer que há problemas bem mais emergentes a resolver, antes de se começar a pensar no TGV. Os prédios começam-se pelos alicerces, não pelo telhado ou pelo elevador...se esses alicerces não forem sólidos, de que serve o Tg...perdão, o elevador? :h~xf

    ResponderEliminar
  10. Modernizar, sempre, mas, haverá outras prioridades ainda... A saúde, a educação e as viagens mais rápidas podem ficar para depois... e os cotas que reclamam sabem bem que nunca vão assentar o cuzinho lá...e por isso querem contribuir em algo que seja palpavel daqui a um anito...Beijinhos e adoro andar de comboio, muito, se ficar pronto, claro que vou até espanha e, espero que nems e lembrem de botar bomba quando eu viajar, bolas...laura

    ResponderEliminar
  11. Segundo o meu dicionário, CONDADO, papanatas significa lorpa, pacóvio ou otário. E sim, parece-me o termo certo para definir os que não compreendem que o futuro não se adia eternamente para amanhã, com as desculpas "esfarrapadas" de sempre.
    Em trabalho ou simples turismo, certo é que favorece a população em geral, se bem que não alguns em particular! :)

    Certo, SUN, é que se a MFL tivesse sido eleita, não podia voltar atrás com os acordos já firmados... mas poderia empatar bastante! Felizmente, não foi! :D
    Se os serviços dos comboios já existentes fosse bom, obviamente nem se punha a questão! Assim, faz todo o sentido continuar a desenvolver um projecto de futuro, para benefício de ambas as populações em geral!
    Camões chamava "velho do Restelo" a essas aves agourentas e pessimistas, no tempo dos Descobrimentos... (`_^)

    ResponderEliminar
  12. "Uh, uh, pouca terra, pouca terra!", também quero um no meu quintal, VÍCIO! :))

    A medida é boa a médio ou longo prazo, CARLOS!
    De pobrezinhos, remediadinhos e "sós" suponho que estamos todos fartos! Não sei se foi só por isso que a Nélinha perdeu as eleições, imagino que muitas das incoerências do passado também deram os seus frutos... ;)

    Claro que numa viagem de recreio o tempo não conta tanto, PARISIENSE, mas que em trabalho e na mobilidade das populações poderá fazer uma enorme diferença no futuro, lá nisso não restam dúvidas... :)
    Beijokitas!

    ResponderEliminar
  13. Imagino sim, CAPRICCIO, que ainda li uns trabalhos de uns "putos" na Internet, preocupados porque o traçado das linhas passa lá na terra deles, o que é mau para a agricultura local, os empreendimentos a desenvolver (nem sequer iniciados, segundo entendi), etc. e tal!
    Obviamente, os que forem expropriados das suas terras vão exigir indemnizações "milionárias", mas não é por aí que um país deve ficar parado, espero que as indemnizações sejam justas consoante a utilização desses terrenos... ;)
    Beijinhos!

    Bem me parecia que ias compreender esse cheirete, MOYLITO!!! :))
    Segundo depreendi do mapa espanhol, essa hipótese Coimbra-Salamanca-Madrid está a ser projectada. As primeiras serão mesmo Lisboa-Madrid e Porto-Vigo, posteriormente Lisboa-Porto (passando por Coimbra), Faro-Sevilha-Madrid também parece estar em projecto.
    Chauvinismo nenhum, pá, aqui estás à vontade! :D

    ResponderEliminar
  14. Oh, VANI, por mais que subscreva esse teu sonho, um país não se constrói assim! Quando alguém tenta mexer nos alicerces podres vem a casa abaixo ou, derrubá-los à partida, para se construir de novo, provoca uma revolta de todos os inquilinos! :p

    Começar de novo um projecto de futuro pode não trazer grandes benefícios de início, mas as "revoluções" são mais pontuais. A mobilidade para os que trabalharem mais longe será diferente, para o comércio e turismo também! :y

    Mas pronto, é mera opinião! :)

    ResponderEliminar
  15. LAURINHA, por mais que concorde que os sistemas de saúde e de educação deveriam ser melhorados e muito, os acordos entretanto desenvolvidos com a empresa espanhola ou a União Europeia não podem nunca voltar atrás. Quer dizer, até podem, mas aí o país teria de pagar imenso dinheiro por não cumprir os contratos/tratados, ficando assim sem TGV ou os "tostanitos"... ;)
    Também ainda não percebi porque é que esta história veio à baila durante a campanha eleitoral, eventualmente só para agradar ao "povo" velhote, queixoso e com razão de um sistema de saúde deficiente! Topas, não é?! :h
    Beijocas, nina!

    Eu também, TERESA! :b

    ResponderEliminar
  16. Mas, tété, se em espanha já há tgv há mais de 15 anos, não era melhor arranjarem um projecto mais actualizado?...

    ResponderEliminar
  17. Passando por cima de todos os comentários já escritos dou a minha opinião. Tenho sérias dúvidas que o investimento num TGV seja adequado à nossa situação geográfica e, mais importante, situação financeira. É evidente que só teria algum benefício na ligação entre as capitais ibéricas ou entre o Norte e a Galiza. Não seria de todo rentável em relação às ligações para Europa e o avião continuará a ser o meio de transporte ideal.

    ResponderEliminar
  18. E que projecto é esse, VANI? :h

    Efectivamente, essas serão as primeiras linhas a implementar, PAULOFSKI! Suponho que os investimentos fazem-se para o futuro, não exactamente para começarem logo a dar lucro no dia a seguir. E parte desse investimento vem da União Europeia (destinado a isso e não há saúde ou ensino ou qualquer outra grave deficiência no nosso sistema), se quebrarmos acordos e tratados ainda teríamos de pagar indemnizações e grandes pelo menos à AVE espanhola, possivelmente também à UE!
    Claro que o avião será sempre o meio de transporte ideal, especialmente para viagens mais longas... ;)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)