sexta-feira, 28 de setembro de 2007

AS MULHERES DO MEU PAI

Perder o fio à meada, acontece a quase todos que leram este livro. Mas no fundo, a meada não é importante!

Agualusa confunde-nos com uma viagem real por terras africanas, com um enredo ficcional paralelo no mesmo percurso, para além de inúmeras estórias ao sabor de vários povos e referências a sons musicais, poesia e culturas diversas. Os narradores também são diferentes a cada capítulo, ou sub-capitulo.

Na viagem real, o escritor, a realizadora Karen Boswall e o fotógrafo Jordi estão presentes, na intenção de fazer um argumento para um filme naquelas paisagens.

Na ficcional, Laurentina (também ela realizadora de cinema) descobre que não é filha biológica daqueles que sempre considerou pais e parte para Luanda em busca das suas origens, na companhia de Mandume, o homem que a ama, negro de raça e português de coração. Chegam a Angola a tempo de assistir ao funeral do pai, Faustino Manso. Músico angolano, que percorreu todos aqueles territórios da África Meridional, tendo tido 7 mulheres e 18 filhos, assim lhe reza a fama.

“De quantas verdades se faz uma mentira?”- é a interrogação inicial.

A escrita é fantástica, poética, bem-humorada, com estórias inverosímeis, mas fascinante, no todo!

Surpreendente, também, nas vertentes da menina e da galinha ou da bailarina. Aliás, as últimas palavras são dela:
“- Leve os sonhos a sério – sussurrou. – Nada é tão verdadeiro que não mereça ser inventado.”

AS MULHERES DO MEU PAI
José Eduardo Agualusa
Editora: Dom Quixote (Maio de 2007)


*****
CITAÇÕES:

“Pensei que fosse zangar-se comigo. Receei que me expulsasse do cemitério aos gritos. Aconteceu o contrário. Abraçou-me com sincera ternura, quase alegre:
- Tu és ainda muito nova. Tens o quê, trinta anos? Só podes ser a caçula, a Laurentina. Fico feliz que tenhas vindo, filha. Bem-vinda à tua família.”

“- É tua, a galinha?
- Ya!
- Parece um cão.
- Julga que é um cão. Foi criada por uma cadela. A pobrezinha morreu, a Pintada ficou sozinha. Faz tudo o que faz um cão, só não ladra, mas quase. Queres ver o que lhe ensinei? Pintada, dá a pata!
A galinha saltou debaixo da mesa e estendeu a pata direita. A menina riu-se. Ri-me com ela.”

“Mas, enfim, se George Bush, que fala como um estivador, pode ser presidente dos Estados Unidos da América, porque é que, ao invés, um tipo que tem a eloquência de um bispo, e os mesmos gestos doces, a mesma voz de tamarindo, não há-de poder ser candongueiro em Angola?”


*****
O Clube de Leitura funcionou sobre rodas, não foi só puxar uma cadeira e sentar: um dos participantes, o Zé G., fez uma belíssima apresentação do livro, com pesquisa internética a envolver entrevistas ao autor, fotografias e críticas jornalísticas. Hummm... tenho de me preparar melhor para a próxima sessão! Estipulada para o dia 17 de Novembro, com o livro de Mário Vargas Llosa, “As Travessuras de Uma Menina Má”.

Obrigada, Zé!

BOM FIM-DE-SEMANA PARA TODOS!

17 comentários:

  1. Olha, uma ideia engraçada era abrir uma sala de leitura virtual! :)
    Com encontro e hora marcada!

    Pareceu-me bastante interessante o livro. Aliás, as frases que transcreveste são eivadas de comicidade e reflexão. Se já andava intrigada com este autor, agora fiquei ainda mais.

    xxx

    Se o Sky fosse criado por uma galinha se calhar também adquiria os seus irritantes hábitos...mas como ele vive rodeado por humanos que adoram interagir com ele, estamos habituados a dizer que ele é um cão muito humanizado, com manias de humano...ou, há uma amiga que diz, que noutra encarnação ele deve ter sido humano. ;)

    xxx

    Como te disse na Teia, o Stardust é um filme assim "levezinho". Para este fim-de-semana, para além de ter uma parede da sala para pintar, estou a preparar-me para rever dois grandes filmes: The Fouintain - O Último Capítulo; e Requiem For a Dream.

    Beijinhos de bom fim-de-semana, amiga.

    : )

    ResponderEliminar
  2. Gostaria de ler esse livro.
    Obrigada e voltarei com relatos fresquinhos.
    Bom fds,Beijocas.

    ResponderEliminar
  3. Adorei !!! Estás inspirada mesmo!!
    E a idéia da sala de leitura virtual também é boa.
    Beijos e bom final de semana!

    ResponderEliminar
  4. Essa de comparar uma galinha a um cão era para me provocar, não era? Pois um grande co-co-de-co! para ti! ;)

    ResponderEliminar
  5. Não li o livro ainda... averdade é que não é daqueles que tinha na minha lista para ler... mas deixaste-me com vontade de o fazer! Parece-me interessante.. assim como foi muito interessante essa tua ideia de escreveres sobre o livro!
    Obrigada pelas palavras no meu post.. eu gosto de sonhar mas na verdade vivo a vida de olhos abertos.. sonhos só mesmo as metas.. os objectivos.. que quero atingir e que considero sonho até o conseguir!
    Bom fim de semana..
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  6. A tua selecção é um excelente aperitivo.
    Crítica incisiva através de humor subtil...Simpático :)

    ResponderEliminar
  7. Oh Su, se calhar é melhor pensarmos nisso. Uma sala de leitura virtual? Talvez... O Eduardo Jai, também já me deu um endereço de um blog desse género, mas estavam a ler Proust, salvo erro "A Busca do Tempo Perdido" e já iam no VI volume...
    Não consegui ir ver o Stardust, porque tive aqui umas arrumações a fazer, talvez dê amanhã...
    Aquela galinha não era nada irritante, porque... parecia um cão!

    Gata, estou a contar com esses relatos fresquinhos e com uma fotos novinhas...

    Então pronto se pensarmos melhor no assunto, talvez se consigam arranjar mais uns interessados... na sala de leitura, é claro, Kátia!

    Serviu de provocação? Sorry, deve ter sido o Agualusa que pensou: "há ali um rafeiro armado em esperto, vou provocá-lo a compará-lo a... uma galinha!" Não tenho culpas nenhumas no cartório.

    4ever... or never, sim é bom sonhar, o que é diferente de fantasiar... Bons sonhos!

    Ahkla se o livro fosse mau, não valia a pena escrever sobre ele aqui, não é?

    Jinhos e boa semana para todos!

    ResponderEliminar
  8. E eu passei o fim-de-semana de molho, sem fazer nada do que me tinha proposto a fazer. Complicado!
    Bem , uma galinha com essas características de certeza que não corre o risco de ser irritante. Não há nada como o olhar inteligente do nosso amigo quatro patas! Tenho-o agora aqui à minha beira completamente rendido ao sono. E eu com uma caneca de cházinho de limão adoçado a mel a ver se isto "vai"!

    xxx

    A sala de leitura devia ser engraçada. Inauguravamos uma no blogspot, convidavamos o pessoal nas leituras de algumas coisas pré-definidas e marcavamos uma data. Devia ser interessante...ou algo deste género! ; )

    P.S. Por mim podes filosofar o quanto quiseres lá na Teia. Aproveitei o teu comentário e acabei por continuar uma pseudo filosofia ideia sei lá, lá na Teia...é assim, as ideias vão puxando outras, e por aí fora. Aquele pequeno livro do apontamentos de um monstroário é uma autêntica delícia de pensamentos! Ias gostar, penso eu. Está outro pensamento colocado no outro blog que tenho com o Taliesin, no Reflexo do Espectro (que é só de fotos nossas!).

    Beijinhos grandes grandes.

    ResponderEliminar
  9. Mandei o teu comentário ao Zé e o endereço do 'pequenoquiproquo'.

    Partilho a tua opinião!

    Já comecei a ler o Mário Vargas, estou a gostar.

    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Su, já dei uma passadinha anterior, no blog que me falas, depois espreito com mais atenção. E sim, os nossos amigos de 4 patas são incondicionais, se bem que eu tivesse tido um gato. As melhoras para ti!

    Oh, Aninhas, parece que não me conheces... já tinha enviado ao Zé, para ver se ele concordava com o texto. Como ele não disse nada, concluí que não discordava... E não, ainda não comecei a ler o do Vargas Llosa!

    Tenham ambas um bom dia!

    ResponderEliminar
  11. Su, adorei Requiem For a Dream, mas não sou capaz de o rever! É deveras pesado, sempre a descer...corajosa, a tua decisão de o rever! =)

    Tete, ADOREI o teu texto. Fez-me ter vontade de pegar no livro outra vez. Aliás, acho que vou começá-lo de novo.
    Incrivel, as tuas citações foram as que mais me chamaram a atenção também. Essa da galinha julgar que é um cão, DEMAIS! Ò Rafeiro, cócócóricócó pra ti, LOLOL!

    ResponderEliminar
  12. Ah, a ideia da sala de leitura virtual parece interessante!! Bora lá!

    ResponderEliminar
  13. Cheia de vontade de ler esse livro.

    ResponderEliminar
  14. Hummm, Su, parece que a Vanadis também quer participar na sala de leitura virtual...

    Pega, Vanadis que vale a pena!

    Então Elora, quando se junta a vontade, já é meio caminho andado!

    Jinhos a ambas!

    ResponderEliminar
  15. Deu-me vontade de ler o livro: o melhor comentário que posso arranjar para agradecer o teu óptimo post.

    :)

    ResponderEliminar
  16. sorte da galinha ter ainda mais 3 patas para se apoiar!

    ResponderEliminar
  17. Boa, Eduardo, lê que vale a pena!

    Vício, aquela galinha não tinha dentes, mas bicava quem se aproximava da sua menina... animal feroz, como vês!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)