quarta-feira, 1 de agosto de 2007

O FANTASMA


Há pessoas que têm uma imaginação prodigiosa, não é o caso da minha irmã.

Durante vários anos, fomos ao mesmo salão de cabeleireiro, com bastante assiduidade. O dono, profissional nessa matéria, tinha alguns tiques efeminados, mas era casado e tinha vários filhos. Que lhe davam muitas preocupações, porque não queriam estudar, o mais velho até era meio armado em garanhão, tanto que aos 18 ou 19 anos já tinha duas crianças de namoradas diferentes, quem sustentava toda a família era o paizão.

A certa altura, o profissional começou a ir a mais concursos internacionais de cabeleireiros, vinha satisfeito e revigorado, embora se queixasse de umas dores de cabeça, em que também faltava ao trabalho para ir a consultas médicas... sem detectarem o problema. E num dia, antes de regressar de uma dessas viagens, sentiu-se mal, foi parar ao hospital e morreu. De uma coisa qualquer cerebral, aos 53 anos. Familiares, amigos, clientes todos em choque, um funeral em grande. O caixão vinha selado, dado o transporte aéreo.

E não é que a minha irmã garante a pés juntos que o viu recentemente, no Áki de Alfragide, muito mais assumidamente gay? Ela própria considera estranhíssimo que ele rondasse por aqui tão perto, mas ficou tão siderada, que não teve coragem de lhe dirigir a palavra. Gay, é com ele, mas fingir-se morto? E como? Porque motivo? Também existem fantasmas inexplicáveis...

19 comentários:

  1. acho que a tua irmã devia ter sido proibida de ver tantos filmes quando era mais nova! :D

    ResponderEliminar
  2. Eh páh!!!! Pois,tá-se a ver o filme. Fugiu da vida que tinha para se assumir. Isso é que é cobardia...a tua irmã devia te-lo abordado com umas bofetadas, é o que é. Cobardia.

    ResponderEliminar
  3. Vício, ah, ah, ah, garanto-te que ela não tem um pingo de imaginação e muito menos acredita em fantasmas... Aliás, nem em deuses, demónios, anjos, santos, espíritos ou outras personagens místicas...

    ResponderEliminar
  4. Oh Vanadis, não achas um bocadinho de exagero desatar à bofetada ao cabeleireiro por ele se assumir gay? E o que é que a minha irmã tinha ou tem a ver com a vida dele?
    Mas ela ficou uns diazitos a bater mal, de impressionada que ficou de rever o "morto"...

    ResponderEliminar
  5. Não era à estalada por se ter assumido gay! Era por ter encenado a sua morte e por deixar todos os que lhe queriam bem a pensar que ele está morto. Pelos vistos, deu menos trabalho fazer-se de morto do que enfrentar todos e assumir-se e dizer, é isto que eu sou, é isto que eu quero. Por isso é que disse só á estalada, era mais metáfora. Se fosse eu, acho que ou gritava aiiiiii um fantasma ou dizia-lhe, para morto está muito bem conservado! =D

    ResponderEliminar
  6. Respondendo à pergunta que deixaste no meu cantinho ...
    "Phisális" ou "fisális" é um fruto colombiano que já se cultiva em Porgual. Eu própria vou plantar um arbusto no meu quintal (estes comprei-os no supermercado)
    Sabe a tomate doce (é a melhor forma que sei para o definir ehehehe)

    Brigada pelos votos de boas férias
    1 beijo

    ResponderEliminar
  7. Até concordo contigo, Vanadis, mas o flash do momento paralisa a própria língua...

    E ela nem sabia que o caixão tinha vindo selado, lacrado ou o que quer que seja, só quando contou a história à minha mãe, que esteve no funeral - nós estávamos de férias, na época - é que ficou a saber.

    Espírito matemático, em que 2+2 são 4, nada de ilusões de óptica, foi um grito do Ipiranga. Em jeito de policial de 3ª categoria, mas foi o que ele encontrou...

    Vamos lá ver é se um dia destes não acontece com uma das antigas clientes mais velhinhas, que o adoravam, e se à conta disso elas não têm um treco em frente ao "fantasma".

    ResponderEliminar
  8. A mim lembrou-me um episódio da Quinta Dimensão à portuguesa...
    Não seria o caso de alguém extremamente idêntico?!
    Às vezes a minha mãe jura a pés juntos que me vê em determinados sítios nos quais não estive...só posso ter uma sósia! Poderia ser o caso!

    xxx

    ; )

    ResponderEliminar
  9. Pascoalita, obrigada pela resposta rápida, mas nunca tinha ouvido falar do tal fisális.
    Na culinária, como na vida, estamos sempre a aprender...

    ResponderEliminar
  10. Querida Su, claro que não descartei a hipótese de ser um sósia ou uma pessoa muito semelhante.

    Fica a dúvida, mas garanto que a minha mana não é dada a grandes ilusões...

    Um dia destes ainda vou pensar num post sobre essas coincidências de aparências ou de nomes, que por aqui também aconteceram e acontecem algumas!!!

    ResponderEliminar
  11. Ficamos à espera desse post. Eu cá adoro coincidências! Apesar de achar que elas não existem, LOL. É como as bruxas, não acredito nelas, mas que as há, há! =D

    ResponderEliminar
  12. Quem é que diz que não há coincidências?! ;)

    Olha, um excelente tema para post! Boa ideia! Fica-se à espera!

    Deixo entretanto um beijo de bom fim-de-semana. Vou dar um mergulho até lá abaixo. Uma breve mudança de ares...para descomprimir!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  13. As coincidências ficam para a próxima...

    ResponderEliminar
  14. Quem não se assume tal como é, não presta!
    Seja ou não gay...

    ResponderEliminar
  15. Bem-vindo, capitão merda.
    Não sei se concordo, inteiramente. Se os políticos se assumissem tal como são, quem é que ia votar neles?

    ResponderEliminar
  16. Mas é que não me admirava nada que a tua irmã tivesse razão! Eles andam aí ... e eu tenho medo dos vivos, não dos mortos eheheh

    ResponderEliminar
  17. Pascoalita, absolutamente de acordo!

    ResponderEliminar
  18. Vai-se a ver e o médico que passou a certidão de óbito do sem abrigo que foi enterrado... tb é gay!! E... ohhh coincidência, conhece o cabebeireiro!! hihihihi

    Mas isto sou eu, que sou torcidinha!

    beijo d'enxofre

    ResponderEliminar
  19. Bem-vinda, diabba!

    Quem diz que havia lá alguém no caixão? Um agente funerário chegava! Certidão de óbito, pois, se calhar só uma troca de papeladas. Que não me parece muito difícil... especialmente, num país muito idêntico ao nosso, com imensas burocracias, em que os papéis passam de mão em mão, etc. e tal.

    Mente retorcidinha a tua? Ná! Já vi muito piores de "santinhos"...

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)