terça-feira, 4 de setembro de 2012

SANGUE VERMELHO EM CAMPO DE NEVE

Quase um mês e 484 páginas depois, fica a dúvida se continuarei a leitura da tetralogia policial do escritor sueco Mons Kallentoft.

O corpo nu e torturado de um homem gordo, solitário e dado como incapaz para mais do que "apanhar bolas" é encontrado pendurado numa árvore, no meio da floresta, durante um inverno rigoroso numa província da Suécia. Malin Fors é uma das inspetoras que investiga o caso, que é amplamente divulgado nos jornais, por ser tão inusitado. Mas as pistas foram apagadas pela própria neve, há que procurar no passado da vítima a solução para o estranho crime...

Neste livro, o enredo policial alia-se ao género fantástico (com uns laivos de terror!), o que à partida não é um ponto necessariamente negativo. Mas (há sempre um mas...) o ritmo da ação está longe de ser uniforme: por vezes empolgante no desenrolar, outras a marcar passo, com  historietas secundárias de personagens de pouca ou nenhuma relevância. Será "estilo" do autor (já que este foi o primeiro livro que li dele)?

Sabendo de antemão que os livros não se medem às páginas - e sem a "velocidade" de leitura que alguns parecem ter - normalmente demoro vários dias a ler um "calhamaço" destes. Nem a sucessão dos nomes suecos das múltiplas personagens me desconcentraram, embora me fizessem lembrar alguns romances russos clássicos. Li! Todavia, aqui e ali faltou aquela dose de avidez de passar ao capítulo seguinte, com o entusiasmo de conhecer o final. Num policial, não é o melhor sinal! 

Citações:
"Estamos a investigar um assassínio e as pessoas não têm tempo de telefonar. E depois reclamam que a polícia é lenta." 

"As circunstâncias e o excesso de testosterona, realmente, podem fazer com que os adolescentes cometam actos muito condenáveis. E aquele que sofre por viver abandonado e espezinhado acaba por revoltar-se e pagar da mesma moeda." 

"O homem na árvore. O cadáver dilacerado que cai sobre um colega. É como se tudo piorasse a toda a hora, como se a fronteira da violência fosse mudada, constantemente, para a frente. Como se as pessoas cheias de medo, em desespero e por raiva, se dispusessem a fazer tudo e mais alguma coisa contra as outras. Como se cada vez mais pessoas, de certa maneira, se sentissem fora de si mesmas e acima de todas as outras." 

*******
Dada a dificuldade de adivinhação / identificação dos autores das fotografias de ontem, acrescentei (M) e (F) para se tornar mais fácil descobrir. (M) para masculino, (F) para feminino, evidentemente! Ajuda?!? Dia 6 serão todos devidamente identificados, mas entretanto podem dar pistas sobre as próprias fotografias!   :)))
  

24 comentários:

  1. Nunca gostei de policiais, fazem-me sentir estúpida por jamais conseguir decobrir quem roubou, matou, ....

    Mas não há regra sem excepção, adorei um, que li de rajada e cuja adapatação ao cinema(que, aliás, vi antes de ler o livro) também me agradou imenso:"Os Crimes dos Rios Púrpra".

    Bom dia para ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adoro policiais, SÃO! Desde que com a necessária dose de mistério e ação... :)

      E acho que li esse livro também, o filme é que me escapou! :D

      Bons sonhos!

      Eliminar
  2. O título ganharia muito se fosse antes "sangue laranja", ou "sangue cor de burro quando foge". Assim torna-se banal... Beijoca!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, RAUF, banalíssimo sangue vermelho, não é? Ainda se fosse de outra cor... :D

      Beijocas!

      Eliminar
  3. Só agora li a adenda ao desafio.
    Lá terei que rever tudo...mais logo (e também lerei este post, porque tenho pressa:))
    beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, NINA, tentei acrescentar umas dicas para se tornar mais fácil! Não resultou por aí além... :)))

      Beijocas!

      Eliminar
  4. Gosto de policiais mas há muito que não leio nenhum!
    Quanto ao M e F já dão alguma ajuda...vamos a ver se acertei no que tenho em rascunho, pelo meno no género! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu leio vários por ano, normalmente, ROSA! Gosto muito! :)

      Vou tentar acrescentar mais umas dicas!

      Abraço!

      Eliminar
  5. Já reparaste que agora os escritores policiais são quase todos dos países nórdicos? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, VIC! Mas como adorei Stieg Larsson, tinha de ver se este também era tão absorvente. Não é! :)

      Eliminar
  6. Gosto de histórias policiais e outras, mas não "aguento" textos do tipo "moinho", que rolam, rolam e parece que não saiem do mesmo sítio!
    Acho que nunca li um autor nórdico. E é possível que morra sem que tal aconteça!
    Não me despertam qualquer interesse. É uma burrice, eu sei!
    Mas o que fazer a um burro quando recusa seguir em frente? Deixá-lo voltar atrás para que procure novo caminho, né? ö_ö

    Beijokas lidas e sorridas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois olha, tenho lido vários autores nórdicos nos últimos tempos, KOK! Stieg Larsson foi uma excelente surpresa. Este, nem por isso, embora se leia relativamente bem! :)

      Mas claro que cada um escolhe as suas próprias leituras. Ultimamente tem-me apetecido variar e não estou arrependida... :)))

      Beijokas sorridentes e boas leituras!

      Eliminar
  7. Estão na moda as triologias e as tetralogias. Tenho embarcado em algumas, mas nessa nunca, porque além de não ser grande apreciador de policiais, os autores suecos cansam-me um bocado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, CARLOS! Estou a pensar ler a do Murakami, cujo último livro da trilogia sai agora e setembro. Não gosto de começar antes, para depois não ficar à espera durante meses... :)))

      Este não tem a ver com Larsson! Embora se leia bem...

      Eliminar
  8. Volto só para dizer que as minhas pistas estão lá todas na fotografia, mas só ainda 1 pax acertou!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, CARLOS! Julguei que a sua fosse das mais fáceis de adivinhar, para quem o acompanha nas suas "andanças" pelo mundo... :)))

      Eliminar
  9. Gosto de policiais, mas quando começam às voltas com histórias paralelas só para entreter, perco o interesse...dá ideia que é só para encher 484 páginas.

    Já li algumas triologias, de romances, o que gosto especialmente é o 2º e o 3º livros é a continuação do 1º, onde entram os personagens que já conhecemos ou pelo menos onde se fala deles...

    Só agora reparei nos M's e F's eheheheh

    Tenho que rever os meus rascunhos e tentar mais uma vez...

    Amei o desafio e... eheheh

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, aqui e ali o livro ganhava com umas páginas a menos de "palha", MARIA! "As Brumas de Avalon" e "Millennium" são dois excelentes exemplos de trilogias e tetralogias empolgantes, cada uma do seu género... :D

      Acrescentei ontem, para ajudar! Vou acrescentar outra, dividindo por posts, segundo sugestão da Catarina! Depois sai a resposta, a 6... :D

      Beijocas!

      Eliminar
  10. Como sabes, Teté, o único policial que me prendeu (muito!) foi O Perfume.
    Esse não dá aso a desvios e historietas secundárias. Julgo que este, a não ser assim, não me prenderia.:)
    beijocas e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O Perfume" não é um policial no verdadeiro sentido do termo, NINA! É uma história algo fantástica que, por acaso, inclui vários crimes. Mas muita "palha" chateia em qualquer livro... :)))

      Beijocas e boas leituras para ti também!

      Eliminar
  11. Tenho alguns policiais de autores suecos que me “emprestaram” mas se quisesse ficar com eles…
    Este, pelos vistos, se não te agrada muito a ti tb não me agrada a mim porque parece termos os gostos muito parecidos em termos de policiais!
    Preciso de um policial excitante que não me faça pensar em mais nada! : )


    Quanto ao desafio ia sugerir que o dividisses em dois: no primeiro post indicarias apenas os nomes dos autores dessas fotos sem estarem por ordem, evidentemente e no segundo post farias a mesma coisa.
    De uma forma ou de outra, gostei do passatempo e claro que agora associaria a máquina fotográfica à Luisa, a bola de ténis “com rosto triste” não ao Carlos, que me parece apenas gostar de andar muito e não deve ser tenista, mas ao KOK! : )
    Já lá vou ver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, CATARINA! Um policial é para seguir, sem grandes distrações e sem ser necessário pensar muito, de preferência empolgante! :))

      Vou fazer isso, já que andam todos às voltas! Obrigada pela sugestão! :D

      Eliminar
  12. Olha, acho boa ideia, porque é um desafio muito difícil, não conhecendo bem as pessoas.
    Eu acho que é mais fácil identificar a minha fotografia, a partir do nome do meu blogue, Os meus óculos do mundo. E pronto! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, TERESA! É uma boa pista para descobrirem a tua foto. Mas não ficou muito fácil mesmo... :D

      Beijocas!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)