quarta-feira, 5 de maio de 2010

O "MEU" CAFÉ!

Era apenas um café de bairro, pequeno, estreito e escuro. Foi obrigado a modernizar-se por um qualquer antepassado da ASAE, tornando-se um pouco mais iluminado. Já não existe, mas no toldo de entrada ostentava o pomposo título de “pastelaria”.

Os proprietários / balconistas costumavam ser simpáticos com os clientes, em estilos bastante diferentes – um com alguma prosápia de pseudo-intelectual, outro mais o homem lá da sua terra, com pronúncia axim - mas eram verdadeiros esclavagistas para os empregados. Resultado: semana sim, semana não, aparecia uma cara nova a servir às mesas. Contavam-se histórias mirambolantes, de um que fugira tão esbaforido dos patrões, que até lá deixara o próprio relógio...

A pastelaria era encomendada fora e muito má. Ríamos! Era como o bolo-rei: trazia “brinde”, nem sempre identificável. As sandes de pão com pão denunciavam um ténue vestígio a queijo, fiambre ou presunto, fatiados no mais transparente possível. Um cliente ocasional voltou lá a queixar-se que os chocolates que tinha comprado tinham bicho. Os preços praticados eram iguais aos das grandes e boas pastelarias da zona (que as há e essas ainda têm clientela!) Afinal eram ou não eram uma pastelaria fina? Hummm... Bom, adiante!

A frequência não podia ser mais variada: estudantes de todos os anos e cursos, donas de casa, vizinhos que passavam para beber um cafezinho, pessoal das barracas, homens que não prescindiam do seu fim de tarde - a discutir política e futebol - diante de uma imperial. Àquele antro chamávamos carinhosamente... o “entulho”!

Foi o local onde estudei e convivi com amigos, onde festejámos alegrias e partilhámos tristezas. E não é que o “entulho” deixou saudades em alguns de nós?

Este texto é uma reedição - que não costumo fazer - de um post publicado aqui a 15 de Novembro de 2007, mas serve como resposta ao desafio lançado por Carlos Barbosa de Oliveira nas suas "Crónicas do Rochedo". A imagem é da net.

20 comentários:

  1. a tasca da Ti Júlia no secundário e o Troika do senhor Oliveira durante a licenciatura tinham os seus odores muito característicos mas foram palco de muitos debates políticos, futebolísticos e filosofias tão inocentes como incongruentes.

    ResponderEliminar
  2. Suponho que a maioria de nós já tivemos tascas ou cafés onde debatemos fervorosamente as nossas ideias, MOYLITO!

    E, como bem dizes, normalmente tão inocentes como incongruentes... :D

    ResponderEliminar
  3. Também tinha um café desses!

    Não tenho vindo aos blogs, não ando muito bem. Podes dizer à tua amiga que a partir de agora está à venda na Bertrand. Não deve haver nenhum exemplar em Faro mas é só encomendar.

    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Bem, eu não tinha um café particular. Mas quando comecei a sair à noite ia sempre para o bar 'O Corsário',em Sesimbra, que, muitos anos depois, continua a ser o mesmo barzinho meio kitsh onde me sinto bem.
    Beijocas

    PS:adorei a imagem do café saturnino :)

    ResponderEliminar
  5. Bem, pelo que contas, abençoada ASAE!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  6. pelo que li posso suspeitar que os empregados em renovados mais regularmente que os produtos à venda...

    ResponderEliminar
  7. Todos nós temos coisas simples do dia a dia que nos deixaram saudades.....sejam elas boas ou não....vista assim a esta distância de anos...hahah
    Beijokitas

    ResponderEliminar
  8. Com um serviço assim tão... digamos, personalizado, espanta-me que tenha tido tanta clientela para além das baratas!

    ResponderEliminar
  9. Apesar de tudo a tua "pastelaria fina" tinha o charme da diferença.
    Ficam-te as boas recordações e esquece a fatia de queijo a fugir do pão.
    Quanto aos patrões desse género, são uma classe em extinção.
    Bj Tété

    ResponderEliminar
  10. LINDO!!!
    Também quero...

    ResponderEliminar
  11. Se ainda existisse eu tinha que saber onde era.
    Assim tinha a certeza que não pararia por lá ! :)))
    .

    ResponderEliminar
  12. E fez muito bem em reeditar o post. Agradeço a participação e farei o link amanhã, porque hoje ainda há um post sobre o desafio das cidades para publicar.
    Gostei do texto mas, pela descrição que faz, não me admira que tenha fechado...

    ResponderEliminar
  13. Todos temos algum café/poiso de antigamente, não é, TERESA DURÃES? :)
    Quanto ao recado, já transmiti!
    Beijocas e as melhoras!

    É esse kitsch que é giro, SAFIRITA, porque cafés e bares há muitos. Alguém terá grandes recordações da fauna fina da Versalhes ou afins?! Foi-se lá beber um chá com a vovó, quando muito... :D
    Beijocas!
    ps - também achei piada à imagem, embora com o texto só tenha mesmo a parecença de outra galáxia...

    Uma parente antiga da ASAE, RAFEIRITO, mas fechou porque os patrões já estavam na idade da reforma ou por aí... :))
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  14. Eheheh, VÍCIO, tinham uma vitrine com chocolates, que os clientes habituais nunca pediam. Só um incauto pedia aquilo, que alguns empregados marchavam mais depressa... =))

    Como deves calcular, PARISIENSE, não é do "entulho" em si que tenho saudades (muito menos da pastelaria), mas do convívio, encontros e até desencontros que aconteceram no local... :D
    Beijokitas!

    Naquela bodega a cerveja nunca faltava, REIZÃO! (aqui para nós, era assim das poucas coisas que se podiam consumir com confiança...) :e

    ResponderEliminar
  15. Já vi ratos e baratas em cafés de Lisboa, PAULOFSKI, mas uma das poucas vantagens lá do estaminé é que passavam a vida a limpar as mesas, os vidros da montra, as vitrinas do balcão, nunca lá vi nenhum/a. Como cliente assídua que era... :D

    Claro que ficaram as boas recordações, KIM, principalmente das pessoas com quem mantive convívio durante esses anos. Continuo a dar-me com algumas, até! Tudo o resto é pormenor de somenos importância... :)
    Beijoca!

    Eheheh, GATINHA, já não existe! E mesmo que existisse, provavelmente já não teria o mesmo "encanto"... :z

    ResponderEliminar
  16. Lembras-te do cometa Halley, RUI? Pois, naquela altura andávamos todos aluados, tudo o resto era pormenor. Hoje já não teria a mesma piada... :))

    Ainda bem que dá para o desafio, CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, que não tem comparação com esses grandes e maravilhosos cafés do mundo... :D
    Mas fechou porque os patrões já estavam "entradotes", muito antes da verdadeira ASAE andar por aí a fechar cafés por "dá cá aquela palha"!

    ResponderEliminar
  17. Que delícia de "entulho"...aqui costumávamos frequentar a cantina da faculdade ou então um local mais próximo do centro da cidade que chamávamos de "sujinho".Hoje não teria a mesma graça, nem nós o mesmo estômago :o)

    ResponderEliminar
  18. Nunca tive assim um café como o teu! Não tive um café certo. Normalmente íamos para a praia ou ficávamos nos bancos de jardim da avenida. Mas na Universidade tinha por hábito frequentar um em Faro. Gostava especialmente daquele, pois tinha um ambiente bastante acolhedor. Era o nosso "velinhas", por ter velas em todas as mesas! Perdia a hora quando ia até lá e depois no dia seguinte é que eram elas para ir trabalhar! lol

    ResponderEliminar
  19. Claro que não teria a mesma graça, TURMALINA, nem a mesma vontade de frequentar, mas o importante não era a comida ou o local: era mesmo o vai-e-vem de pessoal! :))
    O "sujinho" parece-me um bom tema de seguimento para os "Cafés da nossa vida", se me permites a sugestão... ;)

    Ah, TONS DE AZUL, para além da confraternização no café (vulgo, "entulho"), uma das razões porque lá ia era para estudar. Em casa, com a caminha ali tão perto, ui... =))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)