terça-feira, 24 de novembro de 2009

DIVÃ

Mercedes leva uma vida rotineira e normal ao lado do marido, Gustavo, e dos dois filhos de ambos. Ao consultar um psicanalista por mera curiosidade, e no relato da sua vivência aparentemente perfeita, a mulher de 40 anos começa a questionar o seu casamento (que dura há 20), o seu desejo de seduzir e ser seduzida e a própria realização profissional. As mudanças tornam-se inevitáveis, quando toma consciência que a estabilidade e a segurança alcançadas são mais fachada do que realidade...

O medo do envelhecimento, a traição e a solidão conduzem a novas aventuras desvairadas, em que a personagem se assemelha a muitas outras que cruzam o nosso dia a dia com frequência. Entre risos e choros - a busca da felicidade raramente é fácil - vale a Mercedes a amiga de longa data, Mónica, que mesmo não concordando com todas as suas opções a apoia incondicionalmente.

Gostei do filme realizado por José Alvarenga Jr. e da excelente interpretação de Lília Cabral, bem como da dos restantes actores do elenco: José Mayer, Reynaldo Gianecchini, Cauã Reymond, Alexandra Richter, entre outros.

O trailer contém cenas demasiado reveladoras do enredo, mas deixo aqui para quem o quiser ver.

Diz Gustavo (José Mayer) sobre a separação: "A gente só está tentando transformar uma vida chata em duas divertidas!"


Imagem do filme, da net.

18 comentários:

  1. A mania das grandezas por parte dos portugueses, se não podiam ter feito o filme com um Fiat Uno, ou mesmo com um Renault Clio...

    ResponderEliminar
  2. Dos portugueses, RAFEIRITO?! :h

    ResponderEliminar
  3. Gianecchi????? onde onde onde onde onde??? :D :D :D

    podem-se ter duas vidas divertidas juntos, sem swinguices...

    ResponderEliminar
  4. Num DVD perto de ti, VANI! :D

    Claro que pode! Mas arrastar por arrastar, com infidelidades e desatenção de parte a parte, pois, mais vale seguir outro caminho... ;)

    ResponderEliminar
  5. Sim, dos portugueses, o grito de Ipiranga ainda não chegou aos meus ouvidos! ;)

    ResponderEliminar
  6. sabes onde posso encontrar o trailer legendado?

    ResponderEliminar
  7. está visto, os psiquiatras só servem para lançar a confusão. estava a senhora na sua doce ignorância e pimba, macaquinhos no sótão.

    ResponderEliminar
  8. Anda, amor; dá-me a tua mão!
    Passemos a ponte e vamos à fonte
    da devoção.

    O sol vai a monte!
    Passemos a ponte!
    Dá-me a tua mão...sente o coração!

    É lindo o passeio
    Deste nosso enleio.
    Saltemos! Corramos!
    Vamos pelas margens, nas nossas viagens!

    Nas margens do lago, onde agora estamos,
    É o teu afago, que diz onde vamos.

    O lago é o poiso do cavalo alado...
    Sinto-me voar, nesse teu olhar!

    Não posso fugir! Não quero cair!
    Tu estás a zelar, p´ra me proteger...

    ResponderEliminar
  9. Junto-me ao pedido do vício: sabes onde posso encontrar o trailer legendado? Mal percebi uma palavra!
    A minha vida é muitíssimo divertida mesmo junto tantos anos ao meu cara metade!!!
    A propósito divertimento, trago-te um cestinho cheio de selos, para enfeitares a tua casa, Teté!

    ResponderEliminar
  10. Fiquei com vontade de ver, não entra a Maitê pois não? ;P

    Beijos aluados

    ResponderEliminar
  11. Ah, RAFEIRITO, se calhar ainda não eras nascido quando ele soou... :))

    Por acaso não, VÍCIO! :D

    Fazes nem, TERESA! :)
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  12. Eheheh, MOYLITO, pois, também é um ponto de vista!
    Mas isto de ficar ignorante toda a vida também não está com nada... :))

    Bem-vindo, SANDOKAN!
    Fiquei com ideia que enviaste isto em spam, que é coisa que eu não aprecio... :p
    Para a próxima não repitas, OK?

    ResponderEliminar
  13. Não, não sei se há trailer legendado, EMATEJOCA!
    Não é regra, mas lá que existem casamentos que se arrastam sem chama, não podes negar... E quando assim é, no meu modesto entender, até dou razão à personagem! ;)
    Xi, não é um cestinho, é um cestão! Obrigada, Teresa!

    Não, SILVINHA, a Maitë não entra... =))
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  14. Repleto de chavões e de jargões. Não faz muito o meu gênero. Mas, a sua resenha está perfeita.
    E o Rafeiro, hein? Tão jovem e já precisando de um otorrinolaringologista. Que palavrinha mais comprida, não? ;)
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  15. Chavões e jargões que se calhar fazem parte da vida das pessoas comuns, OLIVER!

    Ná, o jove só se distraiu um bocadinho, não precisa de ornitorrincos... otto... sei lá, essa palavrinha compridona! ;)

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  16. Vai para a minha lista dos filmes a ver :)))

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)