quarta-feira, 20 de agosto de 2008

AMIGOS PARA SEMPRE?

Marina de Portimão

Tanto a Inês (anja) como a Safira postaram recentemente textos sobre a amizade, que me deram que pensar. Os amigos são para sempre? E a resposta é simples: uns sim, outros não!

Passo a explicar:

1º Numa reunião de convívio com antigas colegas de escola, 20 anos depois ou coisa, uma mulher descobriu que não tinha nada para lhes dizer, nem elas qualquer conversa que lhe interessasse;

2º Uma grande amiga de liceu, resolveu recomeçar a sua carreira profissional no Algarve: até aí, tudo bem!; não deu contactos nenhuns, nem nunca se interessou em telefonar, mandar um postal, nada!; 13 anos depois encontro-a no aniversário de um amigo comum (com o qual nunca perdeu contacto...), faz-me uma grande festa, quase se comove num imenso monólogo sobre os "Amigos de Alex"; AHN???

3º Muitos, para não dizer quase todos, quando casam e têm filhos pequenos, afastam-se dos amigos solteiros ou divorciados, todo e qualquer simples jantar é com outros casais em condições semelhantes, passam a noite a discutir as fraldas dos bebés: um tédio!; isto quando não se confinam apenas ao aconchego do lar...;

4º Em casos de separação, normalmente a coisa refina: elas a afirmarem que o ex era um traste e que andava doente, coitadinha, sem o homem ligar nenhuma; eles a referirem que a mulher era uma putéfia, que não lhe dava a devida "atenção"; quem é que consegue ajuizar isso, se não estava lá para ver o dia a dia?!;

5º Todos os meus amigos têm defeitos e qualidades, se fossem santinhos de altar nem sequer conviviam comigo, que também não sou perfeita! Mas, pessoalmente, existem algumas facetas que não tolero, nomeadamente o (des)interesse, a toleima e a hipocrisia...

Por sinal, também nunca me senti traída numa amizade! Algumas vezes, sim, bastante desiludida!!! C'est la vie!

Fica uma musiquinha para ti, Kátia, desejando-te muito boa sorte no teu novo rumo e um dia muito, mas mesmo muito, FELIZ!!! :)))



(a foto é minha, não é da tua amada Soteropólis, mas só para te dar um cheirinho a mar...)

37 comentários:

  1. Ah!Obrigada Teté!Poxa,fiquei emocionada.E eu gosto dessa música.Obrigada mesmo!
    A sorte me presenteia com a sua amizade e lembrança e isso sim é importante.FELIZ HOJE Pra nós!
    :)
    Beijo,cheiro,saudades e agradecimentos!

    ResponderEliminar
  2. Os amigos são um bocado como os automóveis, de vez em quando têm de ser revistos e, caso tenham passado do prazo, serem enviados para a sucata, ou seja (por vezes levam-me à letra), convidados a seguir um caminho diferente do nosso. Tomo consciência disso quando encontro alguém e apenas se consegue falar do passado, pouco do presente e nada do futuro. É sinal de que chegou o momento de chamar o reboque... Beijo!

    ResponderEliminar
  3. Os amigos são como no fundo nós somos...com qualidades e defeitos que vamos revelando ou não conforme o bom senso ou ausência dele.
    Muito pano para mangas que este tema dava.
    Vim num saltinho breve muito breve só para te espreitar e à Kátia!
    Os meus parabéns para ela, em todos os sentidos!
    :))) Beijinhos bem GRANDES para as duas!

    ResponderEliminar
  4. Pois os amigos nem sempre são para Sempre!
    Já tive algumas desilusões com algumas amizades, mas a vida é mesmo assim e por isso é continuar.

    Um beijinho para ti e um outro para a Kátia

    ResponderEliminar
  5. Hai dedos de mais nunha mao para contar os verdadeiros amigos... Se o penso

    ResponderEliminar
  6. amigos a sério podemos ficar um tempão sem falar com eles que não esmorece a amizade... a amizade não precisa de incentivos, ou se tem ou não se tem:)

    ResponderEliminar
  7. ja fui tao feliz naquelas casinhas da foto, com Amigos muito queridos, pessoas que mesmo com o afastamento (e daqui a 20 anos podemos nao ter conversas em comum) espero poder manter todo o amor que nutro por eles...=)

    ResponderEliminar
  8. Nem sabia que tinhas iate, Teté! Agora é que quero ser amiga tua.

    ResponderEliminar
  9. tens razão! eu por ser solteiro também fui "metido de lado" muitas vezes e até estou a pensar em criar um HI5 para ter alguns amigos...

    ResponderEliminar
  10. e há aqueles que quando se separam vêm ter com os velhos amigos para os ampararem e consolarem para logo que arranjam passarinho novo se pirarem novamente

    ResponderEliminar
  11. O meu maior amigo é aquele que me pagar um bagacito.
    Ou meia-dúzia...

    ResponderEliminar
  12. Ui um tema que tem que se lhe diga!

    Amizades? Muito desiludido, muito desiludido. Aliás, é um conceito que quanto mais tenho anos de vida, mais confusão me desperta. Não sei se será mais interesse.

    Amizade é amor, desinteresse, preocupação. Não vejo isso nas pessoas hoje em dia.

    De resto, a atenção para o que diz rafeiro perfumado. Concordo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Os amigos são como as rosas, não por terem espinhos, mas porque precisam de serem regadas para ficarem bonitas.
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  14. Olá tété, a foto está lindissima.....tás no bom caminho!!!
    Quanto ao tema ora bem :
    os amigos são como os brinquedos.....uns a gente guarda toda a vida, as vezes não os vemos mas eles estão sempre lá quando abrimos a porta do baú .....outros desaparecem e a gente nem sabe bem como nem porquê...
    Eu tenho amigos de toda uma vida e quero guarda-los, aqui bem juntinho ao coração....os que me desiludiram desses já nem reza a historia.
    Beijokitas grandes e vou de ferias de novo....ahahahhaah
    Até prá semana

    ResponderEliminar
  15. Infelizmente, já passei pela sensação de exclusão social por parte de alguns "amigos". Esse afastamento deveu-se simplesmente porque eu não tive filhos e "eles" sim. Passada a euforia das fraldas e biberons, "esses" voltaram, mas depois fui eu a dizer...TCHAU!
    Amigos destes não quero...

    beijocas

    ResponderEliminar
  16. KÁTIA, tudo de bom para ti, hoje e sempre, que mereces...
    Beijão! :D

    Não conhecia essa teoria, RAFEIRITO, mas concordo que faz sentido... :)))
    Beijoca!

    A família não escolhemos (nada contra a minha), os amigos sim, SU! Concordo que o tema dava um livro (Alberoni já fez, né?), mas aqui só toquei em alguns pontos, que me parecem essenciais! ;)
    Jinhos para ti também!

    TONS DE AZUL, se essas desilusões não existissem, até seria de estranhar... ;)
    Jinhos para ti!

    ResponderEliminar
  17. Não conto os amigos pelos dedos, CONDADO!
    Uns são, outros não, se bem que hajam amizades passageiras... temporais...
    Quando passa, fica tudo bem! (`_^)

    MOYLITO, concordo que a amizade não precisa de incentivos!
    Mas não é unilateral, o desinteresse fere! Muito! Mas nada que não se resolva em pensamento: "Ganda amiga!"
    Já não falava comigo há 13 anos e num encontro casual começa a divagar sobre grandes amizades?! Pois!!! ;)

    S.A. espero bem que sim, que é bom sinal...
    Tens algum parentesco com o Malato??? :)))

    ResponderEliminar
  18. Iate, moi, SUN? O mais perto que estive disso, foi num barquinho insuflável para o puto, quando tinha prái 3 anos... (`_^)

    Ah, VÍCIO, não precisas não, que tenho a certeza que tens... dos bons!
    Poucos?! Hélas! Acontece a todos... :)))

    Bem-vindo, SEPARADO DE FRESCO!
    Mas essa não é novidade, em solteira também me apareciam uns e umas, de vez em quando, quando os namoros corriam mal e... pfssst, ar que lhes deu, quando corriam bem!
    (já espreitei o teu canto, mas fiquei sem palavras!) Comento depois... ;)

    Ah, o meu REI preferido a dar o ar da sua graça!
    Quem é que recusa um (ou meia dúzia) de baçaços a tão nobre estirpe??? :)))

    ResponderEliminar
  19. Não sou tão pessimista, CARLOS!
    As desilusões acontecem, mas também fazem parte da Vida...
    Mas concordo que só para relembrar velhas histórias, um reboque está de bom tamanho! ;)
    Beijoca!

    CAPRICCIO, absolutamente de acordo!
    A amizade é uma plantinha frágil, que tem de ser regada, senão murcha e morre!
    Jinhos e continuação de boas férias, nina! :)

    Ah, PARISIENSE, estamos em sintonia...
    Não quero, nem nunca quis, vir aqui lavar "roupa suja"! Muito menos no aniversário da Kátia! Mas foi uma "travadinha" que me deu, até à conta dos posts das outras meninas...
    Beijokitas, amiga, e continuação de boas férias! ;)

    ResponderEliminar
  20. Ah, GATINHA, e os amigos todos a casarem e a parecermos a peça que sobra no puzzle?

    "De lado" é pouco, para o que senti! Curiosamente, tendo o cuidado de não excluir ninguém, ainda levei com algumas respostas parvas de algumas "amigas", que recusaram "conviver" com os velhotes, os casais, os babadíssimos pelos filhotes, etc. e tal! No meu aniversário, para beber um cafézinho e apagar o bolo de anos?!

    Há XAUS muito bem dados, mas levo tempo a digerir... ;)

    Jinhos, nina!

    ResponderEliminar
  21. De há um ano para cá tem sido este o meu grande problema! Os amigos! E mais que isso foi os que se fizeram de tal, por me apanharem fragilizada! Chegou o reboque (como diz o rafeirio)! "mais vale sózinha..."
    Beijo grande

    ResponderEliminar
  22. Ahhh, meus amigos e amigas a maioria ficaram plo caminho, já que eu mudava de terra vezes sem conta devido ao trabalho do pai... Mais tarde já moça ai ia escrevendo cartinhas e recebendo, depois fomos para mais longe, África do Sul, mais cartinhas e miminhos que foram rareando, voltamos auqi, quem lá ficou não se atrevia a manda ruma folha de papel e ...ficaram apena sno meu coração. aqui fiz novas amizades mas deixa que te diga, sou eu que voo que caminho que corro ao encontro delas, senão! ja mal restava uma, é a verdade, dou-me todinha e ajudo e entendo mas...a vida e assim, há que regar adubar e florir o jardim da vida e não só o da terra!...mas sou muito mas muito amiga da minha amiga...
    E adoro conviver com quem quer que seja, divorciado solteiro sei lá que mais, só que nem tenho posses pra jantaradas como gostod e fazer, mas por vezes juntamo-nos na casa de uma e damos à taramela...beijinhos de Braga...

    ResponderEliminar
  23. resposta ao rafeiro; se falo do futuro começam a dizer que baixe à terra e deixe de sonhar tanto, ou que estou a ver filmes a mais!... que sonho demasiado com coisas que nem têm pés nem cabeça, mas, o meu mas prende-se com o querer um futuro melhor para muita gente que é infeliz!...comc rianças sem pais e que na sinstituições sofrem à smãos de quem as maltrata e abusa delas, mas, teria de ser tudo vistoriado por mim e por quem estivesse no meu lema...o melhor para todos sem deixar que se faça mal dê lá por onde der, mas isso so vai acontecer quando a casita surgir!...


    gatinha isso nem quer dizer nada, mas a maioria pensa que quem na tem filhos não está para aturar os deles ehhhhhh, eu adoro receber seja lá quem for, desde que tenham educação e maneiras ehhhhhhh...e um dia quem sabe ainda vindes à minha casita e falamos falamos de tudo que há tanto pra falar sem ser doenças, fraldas e biberons...Beijinhos.

    ResponderEliminar
  24. parêntesis: e quando não se casa, e não se tem filhos???? somos mesmo avis rarum!

    ResponderEliminar
  25. Vão-se as velhas amizades, fazem-se novas.
    É um ciclo...

    Bjinhos

    ResponderEliminar
  26. Como já disse na da safirita, engraçadamente este também é um tema em que me debato a pensar...e já vivi quase todos os pontos que descreves...ou vou vivendo...e vai-me chocando e desiludindo...

    ResponderEliminar
  27. hum!? que eu saiba nao, so o conheço o senhor de vista e de ouvido, que a frase fica no ouvido :P

    ResponderEliminar
  28. É um tema que já abordei algumas vezes. É sempre actual e falar dele dava assunto para 7 dias e 7 noites ahahahah

    Conheço de facto vários casos de pessoas que ao se separarem, fizeram-no também dos AMIGOS, o que é uma pena.

    Há circunstâncias que nos levam a manter-nos distantes fisicamente de pessoas que gostamos, o que não quer dizer que tenhamos esquecido.

    ResponderEliminar
  29. Ui...Teté, o teu número três já me causou tantos complexos! A cena mais macabra de que me lembro, e olha que se passou com as minhas melhores amigas (por sinal até fui eu que lhes apresentei os respectivos num jantar a seis que resultou em dois casamentos ( eu, logicamente, fiquei a chuchar no dedo)), foi numa saída a cinco (claro!) em que eles demonstravam a sua afectuosidade por turnos. Cito: 'vá, agora façam vocês sala um bocadinho'. Muito agradável. Mas serviu de emenda. Nunca mais saí a cinco.

    Para não falar duma que não me quis dizer que estava grávida para não me 'magoar'... e da outra que me enviou um email com um video de animais e suas crias para que eu percebesse sem ela me dizer (já tinha dito a outra amiga que já me tinha contado, mas n teve coragem de pegar no telefone e partilhar). Uma pessoa sente-se posta de parte e ainda por cima sente a cobardia da 'pena': 'ah, coitada, nem lhe consigo dizer porque ela é de tal forma um monstro que nem tem capacidade de ficar contente por mim e só vai ficar a ruminar na sua própria miséria. Isto é o que eu interpreto quando me querem 'poupar'. Belo trabalho fazem, de facto!
    A malta vai desculpando, mas doí... E vamos esfriando...
    Eu admito falta de mimos, mas não falta de tacto. Pese embora o facto de eu ser mega sensível, claro. Mas custa-me horrores ser 'magoada' por pessoas que me conhecem. Ou deveriam. Mas também serve para separar o trigo do joio. Será amigo aquele que só nos liga nos anos e nos envia sms não personalizado no Natal? Don't think so...

    Beijinho desinteressado, sem toleimas nem hipocrisias

    ResponderEliminar
  30. Os amigos vêm-se sobretudo nos maus momentos(dizem). Sou da opinião que os amigos estão tb presentes nos bons momentos, sempre de uma forma desinteressada. A minha mãe sempre me disse que não podemos ter muitos amigos. Poucos, mas bons. E os amigos de infancia são talvez os que ficarão para sempre. Salvaguardando raras excepções, hoje em dia posso dizer que tenho poucos mas bons amigos. Um deles está a trabalhar no outro lado do mundo, quase nunca o vejo, no entanto quando isso acontece, é como se nunca tivessemos estado afastados.

    Viva a amizade !!!!!!!! beijokas teté

    ResponderEliminar
  31. INÊS, concordo, "mais vale só que mal acompanhada". Prefiro ter inimigos (que acho que não tenho) a amigos da treta. Mas a vida nem sempre é como desejamos, daí já ter tido algumas desilusões...
    Jinhos!

    Pois é, LAURINHA, muitas vezes temos de ser nós a entrar em contacto, a tentar combinar um encontro, mas isso nem me causa problema. Mas não pode ser sempre de uma só parte, que a amizade é um sentimento mútuo. E sim, também há que compreender que naquele dia que nos apetecia estar com outra pessoa, ela pode estar cansada, ter outros planos ou simplesmente não lhe apetecer sair. Quando essas pessoas se recusam sistematicamente a todo e qualquer encontro, com desculpas cada vez mais esfarrapadas, está na hora de pensar no tal reboque que fala o Rafeirito... O desinteresse magoa e ainda fica mais complicado quando de repente (por um qualquer interesse passageiro) essa malta volta, como se nada tivesse acontecido - a história da outra que, ao fim de 13 anos, me faz aquele monólogo absolutamente comovido é verídica!!! Não estava no outro lado do mundo, que o Algarve fica a cerca de duas horas e meio de caminho e ela vinha a Lisboa frequentemente. Achei-a patética e hipócrita. Nem um telefonema sequer para dar os seus novos contactos e depois aquele discurso sentimentalão??? Às vezes posso ser um bocado totó, mas tanto também não... ;)
    Jinhos grandes, nina!

    ResponderEliminar
  32. INÊS, como só casei depois dos 30, bem sei do que falas...
    E sempre detestei festas/convívios em que só se fala das fraldas ou gracinhas dos filhotes, o que não quer dizer que não se possa contar uma coisa ou outra. Mas uma noite inteira nisso??? Haja dó! Gente entediante há em todo lado, quer seja solteira, casada ou divorciada. "Avis rarum" uma pinóia! Dos chatos, sim, é fugir a 7 pés... (e claro que não estou a falar de alguém, que tendo um problema específico, nesse dia desabafa sobre o assunto) ;)

    SORRISOS, também! Mas ainda mantenho algumas "velhas", que me dão imenso prazer... :)
    Jinhos!

    VAN, vai chocando e desiludindo, mas também serve como aprendizagem de vida, para irmos aprendendo a separar o trigo do joio. Porque realmente há amizades que foram muito importantes no passado e lá devem ficar, como boas lembranças. E depois há aqueles que estiveram no passado, mas continuaram sempre presentes, hoje e no futuro (independentemente de distâncias espaciais, que podem acontecer...)
    E novas, que também acontece... :)
    Beijokinhas e bem regressada da tua pausa internética! :)))

    ResponderEliminar
  33. S.A., brincadeirinha, mas a frase é mesmo muito simpática e fica no ouvido! :)))

    PASCOALITA, também conheço gente que se separou e nunca mais quis saber dos amigos com quem convivia. E alguns que "envenenam" daqui e dali, como podem, o/a ex. Mas quer dizer, como referes, isto é um mero post, o tema dava pano para mangas... não dá para focar todos os pontos!
    A distância espacial é diferente da distância emocional, não achas? Contudo, às vezes uma leva à outra... ;)
    Jinhos, nina!

    ResponderEliminar
  34. Saí várias vezes a 3, a 5, a 7, whatever, SAFIRA! Às vezes nem se notava muito, outras era assim um bocado chato. A minha mana
    convidava-me quase sempre, mas só ia às vezes e dependendo do programa. Mas essas manifestações por "turnos" nunca aconteceram, que também desistiria logo dessas saídas!

    Qual mega sensível? Se são amigos têm de ter tacto, gostar da nossa companhia independentemente de estarmos sós ou acompanhadas e evitar essas "peninhas"! Pena é para galinha!

    A minha irmã esteve casada 10 anos sem ter filhos (com toda a malta a fazer perguntas parvas do "para quando é?" e "não querem ter?", etc. e tal) e foi a primeira a saber que suspeitava estar grávida. E claro que ficou satisfeita! Por mim e por ela, que também queria ter sobrinhos...

    É evidente que qualquer um começa a esfriar, se os amigos nos começam a tratar como "coitadinhos", qualquer que seja a razão! Ninguém precisa, né?

    Jinho grande! E sincero... :)

    ResponderEliminar
  35. Também acho que os amigos são para todos os momentos, bons e maus, ANA!

    Haja verdadeira amizade, que sempre se encontra um bocadinho de tempo para conversar, partilhar uma refeição, ir a um cineminha, whatever! Ou, à distância, escrevendo, telefonando, mantendo contacto de um modo geral.

    Duvido sempre daqueles que dizem ter muitos amigos. "Poucos, mas bons" é o ideal.

    E viva a amizade! Jinhos! :)))

    ResponderEliminar
  36. Verdades mais que verdadeiras. Umas, engraçadas; outras, infelizmente, não; entre alguns dos casos que listou.
    Um beijo!

    P.S.: 1) Aqui no Brasil a terminologia "liceu" era empregada no tempo do meu avô; ginásio, no meu tempo. Hoje, no lugar de liceu ou ginásio, usa-se ensino fundamental;
    2) Antes de escrever O Jardineiro Fiel, Le Carré só escreveu romances cujo tema era a espionagem;
    3) Como se posicionou ideologicamente, fiz uma pequena alteração no final do meu post Saudades da URSS. ;)

    ResponderEliminar
  37. Obrigada pela explicação, OLIVER!

    Aqui agora também já não se chama liceu, mas escola secundária. Continuo a chamar de liceu (que quando andei lá ainda era assim que se chamava) e quase todos sabem o que é. Enfim, um ou outro puto mais novo talvez não...

    Por mim está OK, não te preocupes!

    Jinhos!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)