sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

O ÚLTIMO ADEUS

Pelo relvado e restante enquadramento dá para ver que este livro não foi lido recentemente, mas nas férias de verão. Como era para ser discutido em sede de Clube de Leitura, como realmente aconteceu em Outubro, fiquei a aguardar a opinião das minhas parceiras, para não vos levar ao engano com o meu arrebatamento por Kate Morton.

Tanto tempo volvido sobre a leitura e a discussão, obviamente falham-me alguns pormenores, mas não serão certamente os mais relevantes. Tal como é costume da escritora, o livro está dividido em capítulos, mais ou menos intercalados, de 3 épocas diferentes: uma primeira à roda de 1911/1914: uma segunda no Verão de 1933; e a terceira e última em 2003, quase sempre entre a Cornualha e Londres.

Portanto, pode dizer-se que não existe uma mas duas tramas, que estão interligadas, constituindo aquela primeira parte uma espécie de explicação do que está para vir. Assim, é durante a festa do solstício de Verão de 1933, que a família Edevane costuma dar na sua casa de Loeanneth, na Cornualha, que o inesperado acontece - o filho mais novo do casal, Theo, de apenas onze meses, é raptado; algumas horas depois é encontrado o corpo de Llewellyn, um velho amigo da família e que com eles reside, sem que se percebam os motivos que levaram à sua morte.

Setenta anos volvidos, Sadie Sparrow, investigadora da Scotland Yard, visita o seu avô Bertie na Cornualha, quando é afastada de um caso que tinha em mãos e, por acaso, dá com a velha e desabitada casa de Loeanneth, e rapidamente se interessa sobre o que outrora lá se passou. Ao pôr-se  em campo, parece-lhe urgente entrar em contacto com os elementos da família que ainda estão vivos: Alice  e Deborah, duas das três irmãs mais velhas do rapazinho desaparecido. E a investigação começa...

Todas as participantes do Clube de Leitura gostaram deste romance cheio de segredos e mistérios, embora a algumas tenha desagradado a "conveniente" coincidência final. Nem por isso deixa de ser uma daquelas escritoras que nos "agarra" da primeira à última página. E atenção que aqui são 615!

Citações:
"Dou por mim a discutir com a televisão. Pior, tenho a forte desconfiança de que estou a perder."

"Em tempos,o pai dissera-lhe que os pobres podiam sofrer de pobreza, mas os ricos tinham de se debater com a inutilidade e não havia nada pior que o ócio para corroer a alma de uma pessoa."

"Estar debaixo de um tecto, com a esperança de estar quente e seca dentro em breve, enquanto a chuva caía lá fora, era uma esplêndida e simples felicidade."


*******
A próxima reunião ainda não tem data propriamente marcada, mas será em Janeiro, com o livro "Uma questão de classe", de Joanne Harris.

14 comentários:

  1. Nunca li nada das duas autoras.

    ResponderEliminar
  2. Deve ser um livro bem interessante de uma autora que não conhecia.
    Um abraço e bom fim-de-semana.
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  3. Do livro, não gosto título ! Causa-me tristeza e nesta altura do ano, temos que a afastar para bem longe !
    Já bastam os momentos de que nos lembraremos desse último adeus dos que nos foram (e sempre serão) Queridos ! Daí, a parte triste do Natal !

    Para ti e tua família Um Feliz Natal, querida Té ! :)

    ResponderEliminar
  4. Para si e família os votos de um Santo Natal e de um Maravilhoso 2017.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. É bom partilharmos livros que lemos, sugestões de leitura, mas
    pertencer a um clube de leitura, acho fantástico!

    Bj


    ResponderEliminar
  6. Beijinhos, Teté
    Boas leituras e optimas festas.

    ResponderEliminar
  7. Não conheço, o titulo é forte, muito triste!

    Beijinho Teté

    ResponderEliminar
  8. Um beijinho Teté! que a época natalícia seja repleta de boas coisas, saúde e muito convívio!
    a informação sobre o conteúdo do livro deixa curiosidade !
    Angela

    ResponderEliminar
  9. Já estive com esse livro na mão mais do que uma vez, mas deixei-o ficar por causa do título.
    Beijinho se bom Fds

    ResponderEliminar
  10. Não conheço...
    Eu tenho um problema grave com as leituras, esqueço-me com muita facilidade do que leio. Lembro-me se gostei ou não gostei, mas rapidamente me falha a memória do enredo.

    ResponderEliminar
  11. Como sabes não aprecio policiais, mas gosto das tuas análises.

    Beijinhos com votos de alegres festividades , excelente Natal e óptimo 2017 pata ti e quem desejares, minha linda !

    ResponderEliminar
  12. Gostei do enredo e o facto de se juntarem para analisarem um livro, deve ser bem entusiasmante e faz com que haja o prazer de ler.

    Continuação de boa leituras.







    Beijinhos Teté

    ResponderEliminar
  13. Feliz Natal, Teté!
    Um grande beijinho para ti e toda a familia.

    ResponderEliminar
  14. Obrigada a todos e um grande abraço! :)

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)